out 02

Proibida a Modulação Hormonal Com Fins de Prevenir o Processo de Envelhecimento

By Rafael Reinehr | Medicina e Saúde , Senescência

A Segunda Turma do Tribunal Regional Federal da 5ª Região – TRF5 negou, por unanimidade, a apelação contra a Resolução Nº1999/2012, do Conselho Federal de Medicina (CFM).
A publicação do CFM tem por objetivo combater a prática de reposição hormonal sem comprovação científica, objetivando retardar, modular ou prevenir o processo de envelhecimento.
Esta Resolução foi questionada judicialmente por uma Associação, que impetrou ação civil coletiva (no Juízo da 1ª Vara Federal da Seção Judiciária do Ceará – SJCE), com o intuito de que o CFM fosse determinado a se abster de aplicar a Resolução aos médicos filiados à associação, tanto no presente quanto no futuro.
A ação foi negada na primeira instância, motivando recurso à segunda instância, mas, no dia 28/08/18, também foi negada por unanimidade. Desta forma ficou reconhecido o direito de o CFM regular e impedir a prática, que vinha sendo intitulada por alguns de “modulação hormonal”, e que a SBEM sempre combateu e reprovou por falta de evidências científicas.
Posição do CFM e do Relator
De acordo com o relator da apelação, desembargador federal convocado Frederico Wildson, não tem sentido afirmar que as práticas estão em conformidade com a referida resolução do CFM, tendo em vista que a aplicação da norma não se faz em tese e, sim, diante de cada caso concreto.
De acordo com colocações publicadas no site do Conselho, “verifica-se que, segundo o Conselho Federal de Medicina a falta de evidências científicas de benefícios e os riscos e malefícios que trazem à saúde não permitem o uso de terapias hormonais, com o objetivo de retardar, modular ou prevenir o processo de envelhecimento”. Ainda no site, o magistrado explica que o CFM entendeu que a chamada “terapia antienvelhecimento” oferece risco à saúde da população, motivo pelo qual editou o ato normativo impugnado.
A Resolução
No site do CFM está detalhada a Resolução 1999/2012. Vejam alguns pontos de destaque, entre os pontos:

  • Médicos que prescreverem métodos para deter o envelhecimento podem ser punidos com até com a perda do registro profissional.
  • Médicos brasileiros que prescreverem terapias com objetivo específico de conter os envelhecimento, práticas conhecidas como antiaging, estarão sujeitos às penalidades precisas em processos éticos.

– A íntegra pode ser acessada neste link

Ficam vedados o uso e divulgação dos seguintes procedimentos e respectivas indicações da chamada medicina antienvelhecimento:
I. Utilização do ácido etilenodiaminatetraacetico (EDTA), procaína, vitaminas e antioxidantes referidos como terapia antienvelhecimento, anticâncer, antiarteriosclerose ou voltadas para o tratamento de doenças crônico- degenerativas;
II. Quaisquer terapias antienvelhecimento, anticâncer, antiarteriosclerose ou voltadas para doenças crônico-degenerativas, exceto nas situações de deficiências diagnosticadas cuja reposição mostra evidências de benefícios cientificamente comprovados;
III. Utilização de hormônios, em qualquer formulação, inclusive o hormônio de crescimento, exceto nas situações de deficiências diagnosticadas cuja reposição mostra vidências de benefícios cientificamente comprovados;
De acordo com a Resolução CFM 1999/2012, a reposição de deficiências de hormônios e de outros elementos essenciais se fará somente em caso de deficiência específica comprovada e que tenham benefícios cientificamente comprovados:
IV. Tratamentos baseados na reposição, suplementação ou modulação hormonal com os objetivos de prevenir, retardar, modular e/ou reverter o processo de envelhecimento, prevenir a perda funcional da velhice, prevenir doenças crônicas e promover o envelhecimento saudável;
V. A prescrição de hormônios conhecidos como “bioidênticos” para o tratamento antienvelhecimento, com vistas a prevenir, retardar e/ou modular processo de envelhecimento, prevenir a perda funcional da velhice, prevenir doenças crônicas e promover o envelhecimento saudável;
VI. Os testes de saliva para dehidroepiandrosterona (DHEA), estrogênio, melatonina, progesterona, testosterona ou cortisol utilizados com a finalidade de triagem, diagnóstico ou acompanhamento da menopausa ou a doenças relacionadas ao envelhecimento, por não apresentar evidências científicas para a utilização na prática clínica diária.
Fonte: https://www.endocrino.org.br/terapias-hormonais-trf5-reconhece-resolucao-do-cfm/

set 22

Vem aí a Academia Medictando e a Comunidade Online #CadaVezMelhor

By Rafael Reinehr | Medictando

No ano passado, o Equinócio de Primavera trouxe uma decisão importante para minha vida: estava na hora de mergulhar por entre meus demônios e enfrentar as angústias que minha profissão proporcionava.
 
E assim, surgia o Rafael Reinehr – Endocrinologia Zen. A partir daquele momento, resolvi assumir com força uma postura que utiliza sim a ciência ocidental como base – afinal, foi nela que foi pautado meu conhecimento atual – mas que ultrapassa a noção de disfunção de órgãos, tecidos e sistemas – e alcança uma percepção integral do ser humano, incluindo seus medos, conquistas, alegrias e tristezas, bem como toda interdependência deste ser humano com a Natureza e o mundo animado e inanimado ao seu redor.
Endocrinologia Zen
 
Passei de uma atitude passiva, de absorver conhecimento científico desenhado por grupos de interesse (econômicos, industriais) e passei muito instintiva e ativamente a construir conceitos de saúde personalizados e singulares, com cada pessoa que passasse a minha frente.
 
Se para uma, o ajuste do nível do hormônio da tireóide é busca suficiente para seu conceito de saúde – tudo bem. Vamos ajustá-lo. Mas sempre tento deixar uma semente plantada fazendo cada pessoa perceber que seu bem viver, sem bem-estar e felicidade dependem muito mais do que de um mero ajuste do nível de TSH.
 
Muitos colegas, extremamente inteligentes e tecnicamente “irrepreensíveis”, buscam apoiar-se acima de tudo, nas evidências científicas atuais, ou tão “modernas” e recentes quanto possível. Da mesma forma, busco estar atualizado com o conhecimento científico contemporâneo mas, talvez por sentir e ter aprendido com a vida e com a observação de meus pacientes que existe algo muito mais importante do que o mero “sobreviver sem sofrimento”, tento propor esta investigação apreciativa junto com cada paciente, para que este possa buscar – sozinho ou com minha ajuda – este “algo a mais”. Algo que nos move além de qualquer barreira, que é o de buscar algum propósito, algum significado na vida. Algo que nos faça sentir em harmonia e em equilíbrio com aquilo que somos, em nossa essência.
 
Por mais “hippie” que isso possa soar, qualquer pessoa que já tenha dedicado tempo suficiente para conhecer a si mesma, através de qualquer processo de reflexão e busca interna, sabe que conseguir evacuar adequadamente, estar sem dor, respirar sem dificuldade, ter capacidade de se locomover são importantes. São básicos e fundamentais. Nos trazem integridade. Mas são insuficientes para uma vida plena.
 
A Medicina Alopática Ocidental, como está estruturada em sua base formativa no Brasil e na imensa maioria dos países que conheço, é uma entidade e uma indústria que está a serviço do controle e estabilização de doenças e, sim, na melhora da qualidade de vida dos seres humanos, quando diz respeito ao corpo e à mente (esta, no seu sentido mais superficial). Entretanto, ela falha em conectar os pontos que unem este corpo-mente a um espírito e este conjunto de volta à Origem, ou à Natureza de todas as coisas.
 
E é neste processo investigativo no qual estou profundamente mergulhado, desde a Primavera de 2017 mais intensamente, e no qual avançarei a partir desta Nova Primavera, ao longo deste ano e além. Yoga, Meditação, Mindfulness, Ayurveda e sim, muita Ciência, vão embalar minhas pesquisas e nosso diálogo nos próximos anos.
 
Em primeira mão, desejo noticiar-lhe o nascimento de dois empreendimentos que devem ajudar a aumentar o seu bem-estar individual, das pessoas que você ama e, por contágio, das pessoas ao seu redor.
 
A primeira delas é o surgimento, daqui a algumas semanas, da Academia Medictando – um espaço no qual teremos oficinas, workshops, palestras, aulas ao vivo e gravadas e cursos online dentro das seguintes áreas (mas não restrito a elas):
 

– Prevenção e Promoção da Saúde
– Aumento do Bem-estar e da Qualidade de Vida
– Busca e Amplicação do Propósito, da Leveza e do Significado da Vida
– Ciência da Felicidade
– Produtividade, Escrita Terapêutica, Lifehacks para Grupos Específicos…
– … e muito mais!

 
A segunda delas, vai de encontro com a minha busca atual: a de levar saúde, bem viver, bem-estar e felicidade para além do espaço do indivíduo, espalhando saberes e sentires através da convivialidade e das trocas em busca de um bem comum, humanitário e global.
 
Assim, também nas próximas semanas, estaremos lançando a #CadaVezMelhor, uma Comunidade/Tribo Online na qual você poderá aprender comigo e com seus pares sobre todos os assuntos elencados aí em cima e muito mais.
 
A #CadaVezMelhor será uma Comunidade de Aprendizagem mas também de Práticas, onde poderemos compartilhar nossas experiências, sentimentos, opiniões mas também, acima de tudo, onde poderemos viver juntos a caminhada em um ambiente pautado pela confiança, pelo apoio mútuo e pela busca da verdade e do bem.
 
Semanalmente, teremos novos conteúdos publicados com a minha curadoria. Mensalmente, teremos uma Live com convidados especiais para falar sobre vários assuntos de interesse da comunidade, escolhidos antecipadamente por enquetes dentro do grupo. Todos os dias, poderemos interagir com pessoas que pensam como nós, que também estão em busca de evolução pessoal, de maior bem-estar e, em última instância, de sentir-se bem. A todo instante, oferecerei minha mentoria – serei ao mesmo tempo Mentor e Aluno – Mestre e Discípulo – e trarei minha experiência adquirida ao longo dos anos nas mais variadas áreas do saber para este grupo e nele, quero poder acompanhar meu crescimento pessoal bem como o de cada membro de nossa Tribo.
 
Pois nela, um mantra nos unirá, e ele é o mantra do #CadaVezMelhor. Independente de qual momento da vida em qual nos encontrarmos, quer seja se estivermos no fundo do poço ou no cume da montanha, a partir de agora, será #CadaVezMelhor.
 
Se esse convite te faz bem, e queres ser avisado(a) quando lançarmos esta Comunidade e a Academia Medictando, mande um e-mail para info@medictando.com ou um WhatsApp para (48) 9 9177-0776 (ou simplesmente deixe seu contato nos comentários) e iremos te avisar!
Eu vejo flores em você. E você? Vê flores em mim?
Namaskar
Rafael Reinehr
fundador do Medictando & ZenNature

ago 02

Tenho uma proposta para você! Você deseja fazer uma parceria?

By rafaelreinehr | Medicina e Saúde , Medictando

PROPOSTA 1: PARA PROFISSIONAIS DAS ÁREA DE PROMOÇÃO DA SAÚDE, BEM-ESTAR, QUALIDADE DE VIDA E FELICIDADE

A parceria que estou propondo é a seguinte: idealizei um portal de educação em saúde, qualidade de vida, bem-estar e felicidade chamado Medictando (medictando.com). Ali contamos com vários colunistas que escrevem, espalham conhecimento e ajudam as pessoas do Brasil com textos inspiradores.
Este seria o primeiro convite: contribuir com esta área de conteúdo gratuita.

O segundo convite é mais elaborado, mais dispendioso em relação ao tempo e requer mais comprometimento mas também traz resultados ainda melhores: em Setembro, na Primavera, estamos lançando nosso Portal de Cursos e Área de Membros chamada Academia Medictando, onde teremos cursos, oficinas, workshops presenciais e online nas mais variadas áreas da Saúde, Bem-estar e Felicidade.

E é aí que a parceria fica ainda mais interessante e inteligente: enquanto você fica responsável pelo conteúdo do teu curso, a equipe do Medictando fica responsável pela confecção e manutenção do site, da área de membros, do design gráfico, do marketing, das vendas e das mídias sociais. Uma forma bem poderosa de levar o que você sabe para milhares ou mesmo milhões de pessoas espalhadas por aí, dependendo do público que você quer alcançar dentro da tua área de especialização.

Meu objetivo é tornar o portal sustentável ao mesmo tempo em que crescemos e oferecemos conteúdo e experiências incríveis e de muita qualidade a um número cada vez maior de pessoas, ajudando assim a mudar positivamente a qualidade de vida e o bem-estar delas. E aí? Vamos juntos?

Entre em contato através do Instagram @medic.tando ou do e-mail info@medictando e vamos conversar melhor! Diga que leu esta postagem e que está a fim de participar. Retornaremos a mensagem rapidamente!

PROPOSTA 2: PARA INFLUENCIADORES DIGITAIS, A PARTIR DE 1000 SEGUIDORES NO INSTAGRAM, TWITTER OU FACEBOOK

Adianta produzir um conteúdo maravilhoso e não conseguir alcançar as pessoas? Pois é! Aí que entram nossos parceiros no Instagram, Facebook e Twitter.

Precisamos de ajuda para divulgar nosso conteúdo gratuito e também os vários Cursos e Programas Online que estão sendo criados. Fornecemos as imagens e textos a serem divulgados e você só precisará postar na sua Timeline ou Stories e nos marcar!

E como vamos retribuir? De várias formas:

1 – Oferecendo descontos para os cursos que você irá divulgar
2 – Oferecendo acessos gratuitos aos cursos que você poderá sortear entre teus seguidores
3 – Eventualmente oferecendo alguns brindes, mimos e presentes e…
4 – Em casos selecionados, com remuneração em dinheiro.

Entre em contato através do Instagram @medic.tando ou do e-mail info@medictando e vamos conversar melhor! Diga que leu esta postagem e que está a fim de participar. Retornaremos a mensagem rapidamente!

BCG e diabete tipo 1
jun 23

Redução da glicemia a longo prazo em diabéticos do tipo 1 após aplicação de BCG

By Rafael Reinehr | Diabetes , Medicina e Saúde

O diabete melito tipo 1 é uma doença até hoje incurável, causada por um ataque auto-imune às células beta produtoras de insulina pancreáticas, levando ao aumento da glicemia sanguínea e, se não adequadamente tratada a complicações severas como cegueira, amputações, perda da função renal e conseqüente hemodiálise, gastroparesia e disfunção autonômica, neuropatia e aumento de mortalidade cardiovascular, entre outros.
 
A vacina BCG, criada a partir da cepa atenuada do Bacillus Calmette Guérin do Mycobacterium bovis, é administrada globalmente há mais de 100 anos contra a tuberculose. Além disso, é efetiva e também uma promessa como tratamento de várias doenças inflamatórias e autoimunes.
 
No estudo que vou comentar, foram aplicadas 2 doses de BCG com intervalo de 4 semanas, que apresentaram uma redução dos níveis glicêmicos a partir do terceiro ano e mantiveram esta redução dos níveis da Hemoglobina glicada mantendo-a próximo dos níveis normais pelos 5 anos subsequentes.
 
O estudo demonstrou uma redução de 10% da HbA1c em 3 anos e de 18% em 4 anos, redução que se sustentou por 5 anos após a redução inicial.
 

Aumento da produção de insulina X Redução da resistência insulínica

 
Esta redução não se deve pelo aumento da produção de insulina por células betas neoformadas, como nos estudos prévios de BCG em ratos, tampouco por uma redução da Resistência à Insulina causada pelo BCG.
 

Um novo mecanismo

 
BCG – melhora do metabolismo da glicose e aumento da biossintese das purinas – um novo mecanismo para explicar a redução da HbA1c: uma mudança celular de uma fosforilação oxidativa primária, um estado de baixa utilização de glicose, para uma glicólise aeróbica aumentada precoce, um estado caracterizado por uma alta utilização de glicose associado com um alto metabolismo de purinas.
 
É sabido que a glicólise aeróbica fica ativa no local de muitas infecções com baixos níveis de oxigênio, incluindo a tuberculose a nível pulmonar, mas não em um nível sistêmico.
 
A glicólise aeróbica alimenta uma retirada dramática de glicose através da regulação do transporte de glicose através da superfície celular e uma utilização secundária do shunt pentose fosfato para uma síntese aumentada de purinas.
 
Explicando de outro modo, mais simples, ocorre uma mudança (um aumento) na utilização de glicose controlada pelos receptores, levando a um aumento na produção rápida de ATP (energia).
 
Mesmo a glicose sendo metabolizada mais rapidamente por este método, nenhum caso de hipoglicemia severa foi relatada nos pacientes submetidos ao uso da BCG nos 5 anos após a Hemoglobina glicada ter atingido os níveis próximos ao normal.
 
Estudos clínicos conseguiram resultados similares, apesar de menos uniformes, com a introdução de tratamentos intensivos com insulina combinados com monitoramento intensivo, bombas de insulina, equipamentos sensíveis à glicose, dieta, exercícios e supervisão de saúde frequentes. Esses tratamentos intensivos vem acompanhados de um risco aumentado de hipoglicemias com morbidade e mortalidade não desprezíveis.
 
Geralmente, se estabelece um nível de hemoglobina glicada de 7% a fim de prevenir os efeitos letais da hiperglicemia. Para cada redução de 1% na HbA1c estima-se que se consegue reduzir 21% nos desfechos associados ao diabete, 21% nas mortes associadas ao diabete e 37% das complicações microvasculares.
 
Estes dados sugerem uma nova abordagem de controle dos níveis da glicose de forma independente da insulina. Aparentemente, os mecanismos propostos para a redução da glicose são independentes da causa de hiperglicemia, e não são exclusivos de um diabete auto-imune do tipo 1, podendo beneficiar igualmente pacientes com diabetes tipo 2 ou outras formas de hiperglicemia.
 
Interessante notar que, em ratos, o BCG aplicado previamente foi capaz de reduzir a glicemia em ratos tratados com Streptozitocina, uma substância que seletivamente destrói as células beta produtoras de insulina (causando um diabete não auto-imune, mas por toxicidade). Ao mesmo tempo, o BCG não causou hipoglicemia quando dado a ratos saudáveis.
 
Antes deste estudo com duração de 8 anos, não haviam evidências de que uma infecção com uma forma avirulenta de Mycobacterium pudesse ter um efeito tão profundo e permanente de forma sistêmica, em diabéticos.
 

Materiais e métodos

 
Foram estudados 52 pacientes incluídos no estudo clínico da vacinação e 230 para estudos mecanísticos in vitro. Destes, 211 eram pacientes diabéticos do tipo 1 e 71 eram controles não diabéticos.
 
Os estudos in vivo das vacinações observaram adultos com diabete tipo 1 recebendo BCG, recebendo placebo e simultaneamente estudou pacientes diabéticos tipo 1 referência seguidos com os mesmos cuidados que os vacinados
 
Foi utilizada a cepa Connaught da BCG duas vezes, no braço superior direito e esquerdo, intradérmico, com intervalo de 4 semanas.
 

E porquê a redução da HbA1c em humanos leva 3 a 4 anos?

 
O estudo não consegue responder a esta pergunta. A hipótese formulada é a de que, assim como o processo autoimune leva anos para se desenvolver, a reversão do traço autoimune e toda sua cascata de consequências também levaria anos para ser revertida.
 
O tempo de 3 anos encontrado neste estudo foi o mesmo que demonstrou os benefícios da BCG na Esclerose Múltipla. Ainda, levando-se em conta que os estudos prévios em ratos demonstraram um tempo médio de 6 semanas para demonstrar benefício nos animais, e levando em conta que a vida média dos ratos é de 2.5 anos, isso equivaleria a cerva de 3.5 anos de vida humanos.
 
Mais estudos são necessários para averiguar e entender:
 

  1. Os mecanismos cinéticos dos efeitos da BCG
  2. Se doses mais frequentes de BCG podem encurtar o tempo de melhora
  3. Se a demora sistêmica contudo com durabilidade do efeito está relacionada à infecção de células tronco que então criam um reservatório imune inteiro para a regulação da glicose sanguínea

 

Conclusão

 
O estudo em questão apresenta imensas possibilidades, não somente para pacientes com diabete melito tipo 1 mas também para aqueles com tipo 2. Talvez as cepas atenuadas de Mycobacterium sejam organismos primários para reestabelecer interações ambiente-hospedeiro para uma melhora geral da saúde. Mais estudos são necessários para comprovar esta hipótese.
 
Para esclarecer melhor este e outros avanços científicos, procure sempre um especialista, neste caso, um endocrinologista na sua região. Fique atento e não caia em falsas e milagrosas promessas e entenda que a ciência avança a passos largos, mas lentos, pois todas hipóteses precisam ser devidamente confirmadas para evitar riscos a longo prazo.
 
Uma semana feliz e cheia de esperança a você. Se ainda não o faz, siga-me nas redes sociais:
@rafaelreinehr no Instagram
facebook.com/rreinehr no Facebook
@r4re no Twitter
 
 

Referência do artigo original: https://www.nature.com/articles/s41541-018-0062-8

BCG e diabete tipo 1
jun 23

Redução da glicemia a longo prazo em diabéticos do tipo 1 após aplicação de BCG

By rafaelreinehr | Diabetes , Medicina e Saúde

O diabete melito tipo 1 é uma doença até hoje incurável, causada por um ataque auto-imune às células beta produtoras de insulina pancreáticas, levando ao aumento da glicemia sanguínea e, se não adequadamente tratada a complicações severas como cegueira, amputações, perda da função renal e conseqüente hemodiálise, gastroparesia e disfunção autonômica, neuropatia e aumento de mortalidade cardiovascular, entre outros.

 

A vacina BCG, criada a partir da cepa atenuada do Bacillus Calmette Guérin do Mycobacterium bovis, é administrada globalmente há mais de 100 anos contra a tuberculose. Além disso, é efetiva e também uma promessa como tratamento de várias doenças inflamatórias e autoimunes.

 

No estudo que vou comentar, foram aplicadas 2 doses de BCG com intervalo de 4 semanas, que apresentaram uma redução dos níveis glicêmicos a partir do terceiro ano e mantiveram esta redução dos níveis da Hemoglobina glicada mantendo-a próximo dos níveis normais pelos 5 anos subsequentes.

 

O estudo demonstrou uma redução de 10% da HbA1c em 3 anos e de 18% em 4 anos, redução que se sustentou por 5 anos após a redução inicial.

 

Aumento da produção de insulina X Redução da resistência insulínica

 

Esta redução não se deve pelo aumento da produção de insulina por células betas neoformadas, como nos estudos prévios de BCG em ratos, tampouco por uma redução da Resistência à Insulina causada pelo BCG.

 

Um novo mecanismo

 

BCG – melhora do metabolismo da glicose e aumento da biossintese das purinas – um novo mecanismo para explicar a redução da HbA1c: uma mudança celular de uma fosforilação oxidativa primária, um estado de baixa utilização de glicose, para uma glicólise aeróbica aumentada precoce, um estado caracterizado por uma alta utilização de glicose associado com um alto metabolismo de purinas.

 

É sabido que a glicólise aeróbica fica ativa no local de muitas infecções com baixos níveis de oxigênio, incluindo a tuberculose a nível pulmonar, mas não em um nível sistêmico.

 

A glicólise aeróbica alimenta uma retirada dramática de glicose através da regulação do transporte de glicose através da superfície celular e uma utilização secundária do shunt pentose fosfato para uma síntese aumentada de purinas.

 

Explicando de outro modo, mais simples, ocorre uma mudança (um aumento) na utilização de glicose controlada pelos receptores, levando a um aumento na produção rápida de ATP (energia).

 

Mesmo a glicose sendo metabolizada mais rapidamente por este método, nenhum caso de hipoglicemia severa foi relatada nos pacientes submetidos ao uso da BCG nos 5 anos após a Hemoglobina glicada ter atingido os níveis próximos ao normal.

 

Estudos clínicos conseguiram resultados similares, apesar de menos uniformes, com a introdução de tratamentos intensivos com insulina combinados com monitoramento intensivo, bombas de insulina, equipamentos sensíveis à glicose, dieta, exercícios e supervisão de saúde frequentes. Esses tratamentos intensivos vem acompanhados de um risco aumentado de hipoglicemias com morbidade e mortalidade não desprezíveis.

 

Geralmente, se estabelece um nível de hemoglobina glicada de 7% a fim de prevenir os efeitos letais da hiperglicemia. Para cada redução de 1% na HbA1c estima-se que se consegue reduzir 21% nos desfechos associados ao diabete, 21% nas mortes associadas ao diabete e 37% das complicações microvasculares.

 

Estes dados sugerem uma nova abordagem de controle dos níveis da glicose de forma independente da insulina. Aparentemente, os mecanismos propostos para a redução da glicose são independentes da causa de hiperglicemia, e não são exclusivos de um diabete auto-imune do tipo 1, podendo beneficiar igualmente pacientes com diabetes tipo 2 ou outras formas de hiperglicemia.

 

Interessante notar que, em ratos, o BCG aplicado previamente foi capaz de reduzir a glicemia em ratos tratados com Streptozitocina, uma substância que seletivamente destrói as células beta produtoras de insulina (causando um diabete não auto-imune, mas por toxicidade). Ao mesmo tempo, o BCG não causou hipoglicemia quando dado a ratos saudáveis.

 

Antes deste estudo com duração de 8 anos, não haviam evidências de que uma infecção com uma forma avirulenta de Mycobacterium pudesse ter um efeito tão profundo e permanente de forma sistêmica, em diabéticos.

 

Materiais e métodos

 

Foram estudados 52 pacientes incluídos no estudo clínico da vacinação e 230 para estudos mecanísticos in vitro. Destes, 211 eram pacientes diabéticos do tipo 1 e 71 eram controles não diabéticos.

 

Os estudos in vivo das vacinações observaram adultos com diabete tipo 1 recebendo BCG, recebendo placebo e simultaneamente estudou pacientes diabéticos tipo 1 referência seguidos com os mesmos cuidados que os vacinados

 

Foi utilizada a cepa Connaught da BCG duas vezes, no braço superior direito e esquerdo, intradérmico, com intervalo de 4 semanas.

 

E porquê a redução da HbA1c em humanos leva 3 a 4 anos?

 

O estudo não consegue responder a esta pergunta. A hipótese formulada é a de que, assim como o processo autoimune leva anos para se desenvolver, a reversão do traço autoimune e toda sua cascata de consequências também levaria anos para ser revertida.

 

O tempo de 3 anos encontrado neste estudo foi o mesmo que demonstrou os benefícios da BCG na Esclerose Múltipla. Ainda, levando-se em conta que os estudos prévios em ratos demonstraram um tempo médio de 6 semanas para demonstrar benefício nos animais, e levando em conta que a vida média dos ratos é de 2.5 anos, isso equivaleria a cerva de 3.5 anos de vida humanos.

 

Mais estudos são necessários para averiguar e entender:

 

  1. Os mecanismos cinéticos dos efeitos da BCG
  2. Se doses mais frequentes de BCG podem encurtar o tempo de melhora
  3. Se a demora sistêmica contudo com durabilidade do efeito está relacionada à infecção de células tronco que então criam um reservatório imune inteiro para a regulação da glicose sanguínea

 

Conclusão

 

O estudo em questão apresenta imensas possibilidades, não somente para pacientes com diabete melito tipo 1 mas também para aqueles com tipo 2. Talvez as cepas atenuadas de Mycobacterium sejam organismos primários para reestabelecer interações ambiente-hospedeiro para uma melhora geral da saúde. Mais estudos são necessários para comprovar esta hipótese.

 

Para esclarecer melhor este e outros avanços científicos, procure sempre um especialista, neste caso, um endocrinologista na sua região. Fique atento e não caia em falsas e milagrosas promessas e entenda que a ciência avança a passos largos, mas lentos, pois todas hipóteses precisam ser devidamente confirmadas para evitar riscos a longo prazo.

 

Uma semana feliz e cheia de esperança a você. Se ainda não o faz, siga-me nas redes sociais:

@rafaelreinehr no Instagram

facebook.com/rreinehr no Facebook

@r4re no Twitter

 

 

Referência do artigo original: https://www.nature.com/articles/s41541-018-0062-8

Efeitos da meditação na saúde humana
abr 24

Live "Os Efeitos da Meditação na Saúde Humana" – Dr. Rafael Reinehr e Dr. Rafael Ostermann – 23/04/2018

By Rafael Reinehr | Bem-estar , Meditação

Os Efeitos da Meditação na Saúde Humana

Abaixo o registro da Live acontecida em 23 de abril de 2018, em um bate-papo informal entre o Dr. Rafael Reinehr – Médico Endocrinologista e Instrutor de Mindfulness – e o Dr. Rafael Ostermann – Cirurgião Especialista em Cirurgia do Aparelho Digestivo sobre “Os Efeitos da Meditação na Saúde Humana”, com foco na ansiedade, estresse, depressão, obesidade e sintomas digestivos.
 

Efeitos da meditação na saúde humana
abr 24

Live “Os Efeitos da Meditação na Saúde Humana” – Dr. Rafael Reinehr e Dr. Rafael Ostermann – 23/04/2018

By rafaelreinehr | Bem-estar , Meditação

Os Efeitos da Meditação na Saúde Humana

Abaixo o registro da Live acontecida em 23 de abril de 2018, em um bate-papo informal entre o Dr. Rafael Reinehr – Médico Endocrinologista e Instrutor de Mindfulness – e o Dr. Rafael Ostermann – Cirurgião Especialista em Cirurgia do Aparelho Digestivo sobre “Os Efeitos da Meditação na Saúde Humana”, com foco na ansiedade, estresse, depressão, obesidade e sintomas digestivos.

 

Simplicíssimo: contos, crônicas, poesias, literatura e efervescências
mar 10

O Simplicíssimo está chegando!

By Rafael Reinehr | Simplicíssimo

Simplicíssimo, a Nau Literária mais festiva da Terra está de volta!

Salve Salve! Depois de mais de 5 anos descansando de nossas aventuras, o Simplicíssimo está voltando! Entre 2002 e 2012 nossos 111 autores produziram 3999 contos, crônicas, críticas, poesias, haikais, novelas, minicontos, editoriais, resenhas e ombudsmans que foram visualizados mais de 7 milhões de vezes, levando cultura, entretenimento, criatividade, delírios, diversão e muita literatura para seus leitores.
…e agora, falta pouco! Retomamos nossas atividades no próximo dia 01/04/2018!
Ao longo dos próximos dias, estaremos recebendo alguns de nossos velhos e bons escritores e autores bem como muitos novos literatos e aficcionados. Contos, Crônicas, Críticas, Resenhas, Poesias, Entrevistas, Novelas e Romances em Capítulos, Minicontos e muito mais, é o que você pode esperar daqui para frente.
E – dessa vez – uma novidade estonteantemente deliciosa para quem decidir apoiar a boa literatura em língua portuguesa! O Simplicíssimo irá realizar uma publicação anual impressa (um livro) com suas melhores publicações, e você está, desde já, convidado a fazer parte!
Se você sente que tem algo muito significativo a comunicar, gosta de escrever literatura e quer se expressar, venha fazer parte da equipe de COLUNISTAS!
Contate-nos através do falecom@simplicissimo.com.br
Enquanto isso, adicione-nos nas mídias sociais:

Twitter: https://twitter.com/viagensetereas
Facebook: https://facebook.com/simplicissimo

 
 

Simplicíssimo: contos, crônicas, poesias, literatura e efervescências
mar 10

O Simplicíssimo está chegando!

By rafaelreinehr | Simplicíssimo

Simplicíssimo, a Nau Literária mais festiva da Terra está de volta!

Salve Salve! Depois de mais de 5 anos descansando de nossas aventuras, o Simplicíssimo está voltando! Entre 2002 e 2012 nossos 111 autores produziram 3999 contos, crônicas, críticas, poesias, haikais, novelas, minicontos, editoriais, resenhas e ombudsmans que foram visualizados mais de 7 milhões de vezes, levando cultura, entretenimento, criatividade, delírios, diversão e muita literatura para seus leitores.

…e agora, falta pouco! Retomamos nossas atividades no próximo dia 01/04/2018!

Ao longo dos próximos dias, estaremos recebendo alguns de nossos velhos e bons escritores e autores bem como muitos novos literatos e aficcionados. Contos, Crônicas, Críticas, Resenhas, Poesias, Entrevistas, Novelas e Romances em Capítulos, Minicontos e muito mais, é o que você pode esperar daqui para frente.

E – dessa vez – uma novidade estonteantemente deliciosa para quem decidir apoiar a boa literatura em língua portuguesa! O Simplicíssimo irá realizar uma publicação anual impressa (um livro) com suas melhores publicações, e você está, desde já, convidado a fazer parte!

Se você sente que tem algo muito significativo a comunicar, gosta de escrever literatura e quer se expressar, venha fazer parte da equipe de COLUNISTAS!

Contate-nos através do falecom@simplicissimo.com.br

Enquanto isso, adicione-nos nas mídias sociais:

Twitter: https://twitter.com/viagensetereas

Facebook: https://facebook.com/simplicissimo

 

 

10 mil seguidores no instagram
mar 05

10.000 seguidores no Instagram! Muito Obrigado!

By rafaelreinehr | Instagram

10.000 no instagram! #ENDOCRINOLOGIAZEN

Ueba! Muito obrigado!

A sua presença lá, seus coraçõezinhos e seus comentários me animam e impulsionam para um caminho #cadavezmelhor !!!

Na minha conta do Instagram, você encontra uma mistura da minha vida pessoal, das minhas pulsões e gostos e da minha vida profissional. Bem longe de ser um espaço de nicho, é um espaço eclético e diversificado. Fica o convite: se algo aqui chamar sua atenção, conversar com algo dentro de ti, me faça saber! Deixe um comentário e vamos interagir!

Graças a estas interações e o seu apoio, está surgindo um novíssimo canal no YouTube, em abril ou maio, para registrar de forma mais ampla e profunda algumas reflexões que passam por aqui. Muito obrigado mais uma vez pela sua confiança e prestígio!

#rafaelreinehr #endocrinologiazen #endocrinologia #endocrinozen #cadavezmelhor #mindfulness #mindfulreinehr

1 2 3 154