Monthly Archives: fevereiro 2004

Fev 29

By rafaelreinehr | Uncategorized

Da série: Diálogos com Deus – Deus e Maria no almoço

– Passa o sal.

– Com ferro de passar ?

– Deixa de ser boba! Me alcance o sal!

– Como se diz?

– Como assim, como se diz?

– Qual é a palavrinha mágica?

– Abracadabra!

– Não! Agora é você quem está bancando o bobo! Que palavra mágica se usa quando pedimos um favor?

– Hum… – Deus pára, pensativo.

– Vamos lá! Não é tão difícil assim! – estimula Maria.

– Já sei! Por favor!

– Muito bem! Tome aí o sal! Mas não vai exagerar que sua pressão já anda meio alta, ouviu?

Excertos e comentários do livro Transparências da eternidade, de Rubem Alves (parte II de III)

“A alegria é um pássaro que só vem quando quer. Ela é livre. O máximo que podemos fazer é quebrar todas as gaiolas e cantar uma canção de amor, na esperança de que ela nos ouça. Oração é o nome que se dá a esta canção para invocar a alegria. Muitas orações são produtos da insensatez das pessoas. Acham que o universo estaria melhor se Deus ouvisse os seus conselhos. Pedem que Deus lhes dê pássaros engaiolados, muitos pássaros. Nisso protestantes e católicos são iguais. Tagarelam. E nem se dão ao trabalho de ouvir. Não sabem que a oração é só um gemido. “Suspiro da criatura oprimida”: haverá definição mais bonita? São palavras de Marx. Suspiro: gemido sem palavras que espera ouvir a música divina, a música que, se ouvida, nos traria a alegria” – diz Rubem Alves.

Rubem questiona o tipo de promessas que as pessoas fazem: autoflagelam-se com chicotes, carregam pedras, sobem escadas de joelhos, arrastam cruzes, ficam sem comer, não tomam cerveja por 1 mês, não transam ou se masturbam por um período determinado. Deus só aceitaria “presentes” assim se fosse um grande sádico, um ser monstruoso que fica feliz quando sofremos.

Propõe-se que Deus sofre quando sofremos e dá risada quando rimos. Usando suas palavras devemos fazer promessas do tipo “vou comprar uma cachorrinha cocker spaniel, vou gastar tempo observando o vôo dos pássaros, a forma das nuvens, a folhagem das árvores. Vou fugir do agito, do ruído, da confusão. Vou ver novamente o carteiro e o poeta. Vou cultivar a solidão e o silêncio. Vou fazer um jardim zen. Vou ouvir música. Vou ler Fernando Pessoa. Vou aprender a cozinhar. Vou receber os amigos. Vou brincar com coisas e pessoas.”

Rubem diz que ama a Igreja: nela, tudo aquilo que saiu da mão dos artistas. Entretanto, quando ouve as explicações de teólogos ou mestres quebra-se o encanto e ele diz que gostaria que tivessem falado em latim para que não houvesse compreendido as palavras da Igreja.

Na seção “Sobre a salvação de minha alma”, R. A. critica a “Fé compartimentalizada”. Como estudioso da Bíblia, cita trechos colocados de lado, como se não fizessem parte das escrituras sagradas. Alguns exemplos de trechos silenciados: “Amada minha, em tua língua há mel e leite (…) Teus seios são como duas crias gêmeas de gazela” (Ct 4,11.5) e “Anda, come teu pão com alegria e bebe contente o teu vinho… Goza a vida com a mulher que amas todos os dias da tua vida” (Ecl 9,7.9)

Lembra ainda que Jesus disse aos fariseus que, antes deles entrarem nos céus, entram as meretrizes; entram também os hipócritas e tudo o mais que Deus criou.

Questiona a imutabilidade da Igreja. Imutabilidade que não existe em lugar algum na Natureza por deus criada. Com suas palavras: “Entre a semente e a pedra, reafirmaram a pedra. Os bambus estão proibidos de florir, Para que florir? É desnecessário. A Igreja possui a verdade toda. Não precisa dos outros. Proibido está o jogo de trocar sementes. Diálogo, só para que os outros sejam convertidos à sua verdade. Por que ouvir o outro, se possuo a verdade toda? Por que permitir que o outro fale, se aquilo que ele fala só pode ser mentira? Todos os que pretendem possuir a verdade estão condenados a ser inquisidores. Assim, sobre todas as sementes se coloca a maldição do silêncio, obsequioso…”

Sistema de cotas nas universidades brasileiras: solução ou vergonha?

Vivemos no Brasil um momento-chave para a educação no nível terciário, que compreende as Universidades.

Ao mesmo tempo em que são feitos projetos que visam utilizar vagas ociosas de Universidades particulares através da isenção de impostos “- altamente elogiáveis – existe um outro projeto de cunho absurdamente racista: determinação de cotas (reserva de vagas) para negros.

Tenta-se justificar tal atitude pelas dificuldades históricas impetradas aos negros neste país, desde a época da escravização até seqüelas que permanecem até hoje como a menor valorização do trabalho quando comparado ao trabalho de “brancos”, por exemplo. Essa menor valorização associada talvez a uma maior dificuldade de conseguir trabalho (devido a uma discriminação velada) levam a uma menor condição socio-econômica média, que resulta em maior dificuldade de acesso e manutenção da educação tanto em escolas públicas quanto privadas – estas últimas consideradas melhores e mais aptas à preparação para o concurso vestibular.

O acesso a uma educação menos privilegiada nas etapas anteriores, levam então a um menor acesso às Universidades federais gratuitas, onerando justamente as famílias que teoricamente teriam menos condições para manter um filho em uma instituição particular.

Concorda-se com toda esta problemática, mas não com a solução oferecida.

Não deveriam ser os negros a receber tal benefício, pois trata-se de racismo puro. Por que então índios não tem o mesmo benefício assegurado? E por quê os “amarelos” não têm a mesma vantagem? Vagas para italianos? Alemães? Judeus? Russos? Nem pensar…

Se vagas devem ser reservadas nas Universidades públicas, que sejam então para quem tem menos condições socio-econômicas. Esses sim, brancos ou negros, com barreiras enormes para uma educação adequada a nível terciário.

O que impede o acesso à Universidade pública é o menor conhecimento no momento da realização do concurso vestibular. Teria um negro de família abastada, que estudou em colégio particular, mais direito à vaga que um branco que teve de trabalhar desde os 12 anos para ajudar sua família e estudou, mal e porcamente sem alimentação ou acesso a livros, em colégio público?

E como definir um negro? Pela cor da pele? Existirão métodos colorimétricos confiáveis para tanto? Pelo sobrenome? Pela origem de seus antepassados? E com que grau de parentesco podemos dizer que alguém é negro? Se a mãe do avô materno for a única pessoa negra na genealogia da família, podemos considerar esta pessoa negra? E o que dizer da moça de pele alva, olhos azuis e portadora de anemia falciforme, exclusividade de pessoas de ancestralidade negra?

Os problemas não se encerram por aqui. Tudo que se propõe é uma melhor análise da legalidade e das conseqüências do sistema de cotas, impostos desta maneira absolutamente discriminatória no mau sentido da palavra.

Abordagens alternativas do problema, valorizando o nível socio-econômico em detrimento da questão racial são louváveis e devem ser detalhadamente verificadas. Até lá, vamos deixar esta idéia de molho mais um pouco, para amaciá-la e deixá-la no ponto para exercer seus efeitos na direção certa (bom se soubéssemos qual é esta direção…).

Notícias do Front

Antes de tudo preciso fazer uma breve introdução a esta nova coluna semanal do Simplicíssimo. Em primeiro lugar, como Editor desta joça, me auto-afirmo no direito de manter escritos sobre todo e qualquer assunto, mesmo sobre assuntos áridos e de pouco interesse como minhas experiências (reais) durante a prestação do Serviço Militar Obrigatório no 7º Batalhão de Infantaria Blindado (7º BIB) em Santa Maria, Estado do Rio Grande do Sul; em segundo lugar, mesmo estando ciente das pauladas que provavelmente receberei nos comentários e também dos Ombudsmen (ou pior, sua indiferença), quem está na chuva é para se molhar ou não chegar atrasado a algum lugar e não deve ser pior do que as idas a campo no exército; em terceiro lugar, não pretendo falar exclusivamente do serviço militar mas tratarei de entremear meus esforços militares com minhas leituras e apimentar a discussão com conclusões estapafúrdias e totalmente descontroladas. Esta coluna tem data para terminar – próximo de 12 de abril, fim do Estágio de Adaptação ao Serviço, após o qual começo a trabalhar como médico militar, pelo período mínimo de 1 ano, prorrogável à minha vontade até 8 anos..

De pronto, vamos ao que interessa:

25/02/04 – saí de Porto Alegre às 8:00, levando guitarra, pedaleira, revistas de guitarra e fotografia, roupas, 5 livros (Edgar Morin – O Método 1 e 2, Rubem Alves – Transparências da Eternidade e As Cores do Crepúsculo – A estética do envelhecer e George Woodcock – Anarquismo – Uma história das idéias e movimentos libertários) além de uma bola de basquete e muita boa vontade.

Almoçamos no apartamento de minha namorada Carol, que mora e estuda em Santa Maria. Às 13:00 me apresentei no 29º BIB. A apresentação foi tranqüila. Fomos orientados acerca dos procedimentos pelo Tenente Lima, pelo Capitão Agostinho e pelo Coronel Mendes.

De cara, ficamos sabendo da história do aspirante a oficial médico que, noa no anterior, desdenhou as atividades de orientação em campo com bússola e fez toda sua equipe passar a noite (e madrugada) inteira tentando se localizar em uma tarefa digna do Rambo.

Confirmei a informação de que, após os 45 dias de treinamento, trabalharei como Endocrinologista no Hospital de Guarnição (HGU) de Santa Maria, das 7:00 às 13:00, sem plantões clínicos a fazer, exceto ocasionais sobreavisos.

Recebemos a lista do Uniforme a comprar. Dezesseis itens! Fomos dispensados às 15:17 com retorno previsto para amanhã às 8:30.

26/02/04 – Hoje recebemos a notícia de que seríamos transferidos para o 7º Batalhão de Infantaria Blindado (7º BIB), unidade mais moderna e apta para nosso treinamento no EAS (Estágio de Adaptação da Saúde). Lá fomos apresentados ao novo responsável pelo nosso treinamento, o Capitão Cláudio. Nos foi mostrado nosso alojamento e armários e escolhido nosso nome de guerra. O meu será Aspirante Reinehr, e, ao terminar o treinamento daqui a 40 dias, tenente Reinehr. Feita a inspeção de saúde, foi muito engraçado ver um de nossos colegas “não-voluntários” mancando “artificialmente” nos últimos dois dias, para aumentar suas chances de dispensa. O colega tem realmente uma fratura prévia no pé, mas já estava sem dor ou dificuldade de movimentação, mas pensou que seria mais convincente se encenasse uma situação de maior sofrimento.

Fomos liberados ao meio-dia. À tarde, fui comprar o fardamento: camiseta e gandola camufladas, camiseta branca e calção para educação física, tênis preto para exercícios, gorro, boina verde e acessórios diversos.

Comecei hoje a fazer uma relação de prejuízos financeiros decorrentes da prestação do Serviço Militar, chamada legalmente de lucros cessantes, para registro e posterior “avaliação e tentativa de minimização de danos”.

27/02/04 – Mais um dia de burocracia. Passamos a manhã inteira sentados em uma sala, recebendo orientações sobre como utilizar nossa roupa e entregando documentação. M-nhã perdida, por assim dizer. À tarde, novamente liberados, com previsão de retorno na Segunda-feira, dia 01/03 às 7:00 para tomarmos café com o capitão. Fim de semana: Agudo, minha cidade natal.

PRÓXIMOS PÔUSTS: Da série: Diálogos com Deus – Jesus e o Rock n’ Roll, Excertos e comentários do livro Transparências da eternidade, de Rubem Alves (parte II de III), Notícias do Front

Fev 24

By rafaelreinehr | Uncategorized

Da série: Diálogos com Deus – Maria vai a feira

– Onde tu vai Maria?

– Vou a feira. Por quê?

– É que Jesus estava te procurando. Acho que ele queria te dizer alguma coisa. Parecia importante.

– Bem, diga a ele que não pude esperar. A feira é muito longe e levo duas horas pra ir e mais duas pra voltar. À noite falo com ele. Também: esqueci de carregar meu celular. Não vai poder me ligar. Fui.

– Até mais Maria.

…poucos minutos depois

– Pai! Viste mamãe?

– Acabou de sair para ir à feira. Passei teu recado mas ela disse que não podia esperar.

– Que droga! Tinha um recado pra dar pra ela! Já sei! Vou ligar pro celular!

– Nem adianta, meu filho. Ela deixou em casa porque está sem bateria… Mas, afinal: qual era o recado tão importante que querias dar pra ela com essa urgência toda?

– É que eu vi na Internet que a cidade está toda alagada e não vai ter feira hoje…

Moral da história: quem não se comunica, se trumbica!

Excertos e comentários do livro Transparências da eternidade, de Rubem Alves (parte I de III)

Transparências da Eternidade foi publicado em sua primeira edição em 2002 pela Editora Verus. Suas palavras chaves são Literatura Brasileira e Espiritualidade.

O livro é composto de textos inéditos e várias crônicas publicadas originalmente no jornal Correio Popular de Campinas – SP.

Sendo uma bela elegia das imagens cristãs, escrito por alguém que, aparentemente, abandonou as palavras cristãs – justamente por conseguir entende-las, como Rubem mesmo explica – rapidamente identifiquei-me com o livro.

Divide-se em 5 partes, entituladas O SEM-NOME E O MISTÉRIO, OS GESTOS E AS PALAVRAS, OS MEDOS, A TRANQÜILIDADE E A BELEZA.

Extraio trechos de cada parte (sempre que estiverem entre aspas, são citações de Rubem Alves, exceto se especificado o contrário):

O Sem-nome e o mistério

Deus existe?

“É preciso, de uma vez por todas, compreender que acreditar em Deus não vale um tostão furado. Não, não fiquem bravos comigo. Fiquem bravos com o apóstolo Tiago, que deixou escrito em sua epístola sagrada: ¿Tu acreditas que há um Deus. Fazes muito bem. Os demônios também acreditam. E estremecem ao ouvir seu nome¿. Em resumo, o apóstolo está dizendo que os demônios estão melhor do que nós porque, além de acreditarem, estremecem…”

Nisto, todos havemos de concordar: de nada adianta acreditarmos em Deus se não para praticar aquilo que ora poderia ter ele ensinado. E, se praticamos aquilo que foi ensinado, se agimos conforme o bem, o verdadeiro e o justo (ou pelo menos buscamos isto, já que nem sempre podemos discriminar ao certo o verdadeiro e o justo), precisamos realmente ir à Igreja? Teremos de nos confessar? Nossa orações não podem ser substituídas por momentos de contemplação ao crepúsculo ou pela audição de uma bela música? Tudo isto é oração. Mesmo que não estejamos, sempre conscientemente ligados ao Criador, como sua criação em cada ato silencioso estamos nos comunicando verdadeiramente com Ele.

Sou agnóstico, portanto não tenho certeza absoluta da existência de Deus. Sou execrado por cristãos e por ateus. O que haveria de ser pior? Em situações de desespero, chego a orar. Meu pedido é sempre o mesmo: escolha o melhor caminho. Neste momento, estou mudando a trajetória de minha vida absolutamente contra minha vontade. É este caminho que terei de seguir. Confio em mim, confio na Natureza, nome que escolhi para meu Criador. Acredito na Unidade do Ser. Sei que sou parte de um Algo Maior, parte infinitesimal, mas que também tenho toda essência desta criação neste pequeno ser que sou. E assim vou vivendo, buscando o verdadeiro, o justo e o bom.

“…me atrevendo a utilizar a ontologia de Riobaldo, eu posso dizer que Deus tem de existir. Tem beleza demais no universo, e beleza não pode ser perdida. E Deus é esse Vazio sem fim, gamela infinita, que pelo universo vai colhendo e ajuntando toda beleza que há, garantindo que nada se perderá, dizendo que tudo o que se amou e se perdeu haverá de voltar, se repetirá de novo. Deus existe para tranqüilizar a saudade.”

Isto é poesia, digníssimo Rubem Alves. Assim, não há como não acreditar! Se Deus é poesia, acredito em Deus! Deus cá está para nos garantir a volta de tudo aquilo que perdemos e nunca gostaríamos de ter perdido! Lindo!

“Nós só vemos aquilo que somos… Os olhos são pintores: eles pintam o mundo de fora com as cores que moram dentro deles. Olho luminoso vê mundo colorido; olho de trevas trevoso vê mundo negro… assim, Deus virou vingador que administra um inferno, inimigo da vida que ordena a morte, eunuco que gera abstinência, juiz que condena, carrasco que mata, banqueiro que executa débitos, inquisidor que acende fogueiras, guerreiro que mata inimigos, igualzinho aos pintores que o pintaram.”

Neste parágrafo, uma verdadeira paulada na Igreja Católica. Desculpem os amigos afeitos a esta crença, mas é impossível apagar da história os desgraças proporcionadas pela Igreja no seu passado. A proibição do uso da camisinha é, ainda, uma lástima, nos dias de hoje.

Diz Alberto Caeiro, citado por Alves:

” Pensar em Deus é desobedecer a Deus,

Porque Deus quis que não o conhecêssemos,

Por isso se nos não mostrou…”

Assim, ganha-se a tranqüilidade de não estar a toda hora tendo de preocupar-se em pensar em Deus, na sua existência, e em teimar prestar contas a todo custo. Deus é menino, não um banqueiro!

Os gestos e as palavras

Rubem Alves descreve o batizado pagão que criou especialmente para sua neta Mariana (tenho que transcreve-lo integralmente para não deturpara o seu sentido):

” Organizei o espaço do living. Empurrei a mesa central, na direção da lareira. À cabeceira coloquei um banquinho velhíssimo ¿ ali a Mariana se assentaria. Ao lado, duas cadeiras, uma para o pai, outra para a mãe. Na ponta da mesa, uma grande vela. E a vela da Mariana, vela que a acompanhará por toda a sua vida e que deverá ser acesa em todos os seus aniversários. Ao lado de sua vela, duas velas longas, coloridas. E, espalhadas pela sala, velas de todos os tipos e cores. Na ponta da mesa, ao lado da vela da Mariana, um prato de madeira com um cacho de uvas.

Reunidos todos os convidados, começou o ritual. Foi isso que eu disse: Mariana, aqui estamos para contar para você a estória do seu nome. Tudo começou numa grande escuridão.” As luzes se apagaram enquanto, no escuro, se ouvia a flauta de Jean Pierre Rampal.

“Assim era a barriga de sua mãe, lugar escuro, tranqüilo e silencioso. Ali você viveu por nove meses. Passado esse tempo, você se cansou e disse: “Quero ver luz!” Sua mãe ouviu o seu pedido e fez o que você queria. Ela “deu à luz”. Você nasceu”.

A mãe e o pai da Mariana acenderam então a vela grande, que brilhou sozinha no meio da sala.

“Veja só o que aconteceu! Sua luz encheu a sala de alegria. Todos os rostos estão sorrindo para você. E, por causa desta alegria, cada um deles cai, também, acender a sua vela.”

Aí o padrinho e a madrinha acenderam as velas longas coloridas, e os outros todos acenderam, cada um, uma das velas espalhadas pela sala.

À chegada dos convidados, eu havia dado a cada um deles um cartãozinho, onde deveriam escrever o desejo mais profundo para a Mariana. Continuei:

“Você trouxe tanta alegria que cada um de nós escreveu, num cartãozinho, um bom desejo para você. Assim, pegue esta cestinha. Vá de um em um recolhendo os bons desejos que eles escrveram. Esses cartõeszinhos, você os vai guardar por toda a sua vida…”

E lá foi a Mariana com a cestinha, seus grandes olhos azuis, de um em um, sendo abençoada por todos.

“Todos deram para você uma coisa boa”, eu disse depois de terminado o recolhimento dos cartões. “Agora é hora de você dar a todos uma coisa boa. Você é redondinha e doce como uma uva. Esta é a razão para este cacho de uvas. E é isso que você vai fazer. Seus padrinhos vão fazer uma cadeirinha, e você, assentada na cadeirinha, vai dar a cada um deles um pedaço de você, uma uva doce e redonda…”

E assim, vagarosamente, a Mariana celebrou, sem saber, esta insólita eucaristia: “Esta uva doce e redonda é o meu corpo…”

Terminada a eucaristia, eu disse a Mariana:

“Agora, chegando ao fim, cada um de nós vai dizer o seu nome. Preste bem atenção. O nome é um só. Mas cada um vai dize-lo com uma música diferente. Porque são muitas e diferentes as formas como você é amada.”

E assim, iluminados pela luz das velas, cada um dos presentes, olhando bem dentro dos olhos da menina, ia dizendo:”Mariana”, “Mariana”, “Mariana”, “Mariana”…

Aqueles que olhavam os olhos da Mariana puderam ver que, à medida que ela ouvia o seu nome sendo repetido, eles iam se enchendo de lágrimas…

O porque das incertezas – Uma breve explicação

Bem, é triste mas é verdade…

Nesta manhã de 25 de fevereiro de 2004 estou indo rumo a meu destino não premeditado: me incorporar às Forças Armadas Brasileiras como aspirante a oficial médico, segundo tenente do Exército brasileiro.

Tal função é obrigatória por estas terras, sendo que, como estudante de Medicina, tenho o direito de solicitar adiamento até a conclusão do curso e de minhas especialidades. E assim foi, nos últimos 10 anos (6 de faculdade e 4 em 2 especializações). Apesar de voluntário ( mas nem tanto) para a Aeronáutica, fui dispensado e agora, estou sendo aproveitado pelo Exército em Santa Maria, cidade distante cerca de 3h e 40 min de carro de Porto Alegre, onde resido atualmente. Nem preciso dizer que minha vida ficará de cabeça para baixo com a função.

Tentei justificar, alocando devidamente os locais em que já me encontro inserido trabalhando ativamente há mais de 1 ano e nos quais iria começar em breve…

Canoas – Central Médica Carlos Chagas – sextas das 15 às 19h (16 pacientes por semana)

Porto Alegre – Central Médica Carlos Chagas – segundas das 15 as 19h (16 pts)

Santo Antônio da Patrulha – Clínica Cardoso Marques – terças 8 as 15h 2x mês (20 pts)

Camaquã – Clínica Radiare – terças 2 x mês – 8 as 15h (8pts)

Dois Irmãos – ULBRA – quintas 2x mês 8 as 15h (18pts)

Novo Hamburgo – Centro Clínico – quartas 17 as 21h (16 pts)

São Leopoldo – Centro Médico – quintas 16 as 20h (16 pts)

Gravataí – Hospiplan – quartas das 8 as 15h (20 pts)

Taquara – Clínica Dr. Sadi Müller a iniciar semanalmente a partir de março

Cachoeirinha – Centro Integrado Fernando Möller a iniciar, semanalmente em março

Porto Alegre – Centro Geriátrico Vitalis – 4 horas semanais, consultoria em endocrinologia para 10 moradores idosos

Porto Alegre – consultório, em horários variados (nas brechas de horário disponíveis)

…mas não houve conversa. O digníssimo Coronel Silva, Comandante da Terceira Região Militar, à qual “pertenço” disse que eu era peça rara, como especialista e eles não podiam me dispensar de forma alguma.

A esta altura, temos algumas pessoas tentando ajudar de tudo quanto é jeito, mas a situação está difícil e não sei se vai ser possível qualquer retorno ou mudança.

Assim, tentarei manter a postagem deste blógue dentro das possibilidades que me forem ofertadas. Os primeiros 45 dias, chamados de fase de adaptação, serão como aspirante e provavelmente terei de permanecer na Unidade a que fui designado pelo menos algumas noites da semana. Quando em “liberdade”, atualizarei este blógue, tentando manter uma seção chamada “Notícias do Front” para que não percam contato com esta maravilhosa aventura que só o Exército brasileiro pode me proporcionar.

PS : se demorar mais de uma semana para postar, certamente é porque estarei preso por insubmissão, desacato ou por algum motivo qualquer… Sabe como é, não dá pra brincar com estas figuras…

PS2: desejem-me sorte… Muuuuuuuita sorte!

PS3: Ah! Tem mais uma coisa: não vou entra nessa de ficar escrevendo fotos da Antonela nua na Playboy, fotos da Sandy nua, nem tampouco usarei os nomes de Anna Kournikova, Claudia Schiffer, Mônica Bellucci, Gisele Bündchen, Naomi Campbell ou outras mulheres bonitas… Também não ousarei utilizar nomes de atrizes e atores como Nicole Kidmann, Tom Cruise, Anthony Hopkins, Harrison Ford, Sean Penn, Demi Moore, Jack Nicholson, Robin Williams, Arnold Schwarzeneger ou políticos como o anterior, George W. Bush, Luis Inácio Lula da Silva, José Genoíno, Pedro Simon, José Sarney e muito menos de pensadores como Aristóteles, Platão, Sócrates, Kant, Montesquieu, Locke, Hobbes, Rousseau, Morin, Foulcault, Deleuze, Bakunin, Malinowski, Trotski, Malatesta, Kropotkin, Feyerabend, Tampouco citarei aqui escritores como Luis Fernando Veríssimo, Jostein Gaarder, Moacyr Scliar, Martha Medeiros, Domenico de Masi, Glauco Mattoso, Frank Jorge, Sidney Sheldom, Danielle Still ou usar qualquer palavra que contenha anfetaminas como femproporex, dietilpropiona, anfepramona, dualid, inibex, ou outras medicações para obesidade como mazindol, sibutramina e seus nomes comerciais sibutramina e plenty, e outros ansiolíticos ou antidepressivos como fluoxetina, buspirona, bupropiona… Imagina se eu escrevesse aqui maconha, cocaína, heroína, crack, loló, cigarro, charuto, ecstasy e o escambau que tipo de pessoas não iriam aparecer por aqui! Então, é melhor começar a selecionar meus escritos para evitar que pessoas afins a determinados grupos de interesse caiam por aqui! Seria interessante conecer pessoas que gostassem de rock e psicodelia, que escutassem Led Zeppelin, Pink Floyd, Carpenters, Black Sabbath, Iron Maiden, Beatles, Deep Purple, Earth Wind and Fire, Yes, AC DC, Kiss, Ramones e Mutantes. Aí sim isto daqui ia ficar legal… (idéia copiada pelo menos de três locais: DaniCast, Alexandre Soares Silva e Liberal Libertário Libertino – línques acima)

PS4: olhando para essa lista acima, meus resquícios perfeccionistas da infância gelam… Detesto citar listas nonsense que sejam para mim incompletas ou esteticamente feias como a acima… Mas o momento de vida justifica o pôust… Até… …breve, se tudo correr bem…

PRÓXIMOS PÔUSTS: “Da série: Diálogos com Deus – Deus e Maria no almoço”, “Excertos e comentários do livro Transparências da eternidade, de Rubem Alves (parte II de III)”, “Sistema de cotas nas universidades brasileiras: solução ou vergonha?”, “Notícias do Front”

Fev 24

By rafaelreinehr | Uncategorized

Da série: Diálogos com Deus – Maria vai a feira

– Onde tu vai Maria?

– Vou a feira. Por quê?

– É que Jesus estava te procurando. Acho que ele queria te dizer alguma coisa. Parecia importante.

– Bem, diga a ele que não pude esperar. A feira é muito longe e levo duas horas pra ir e mais duas pra voltar. À noite falo com ele. Também: esqueci de carregar meu celular. Não vai poder me ligar. Fui.

– Até mais Maria.

…poucos minutos depois

– Pai! Viste mamãe?

– Acabou de sair para ir à feira. Passei teu recado mas ela disse que não podia esperar.

– Que droga! Tinha um recado pra dar pra ela! Já sei! Vou ligar pro celular!

– Nem adianta, meu filho. Ela deixou em casa porque está sem bateria… Mas, afinal: qual era o recado tão importante que querias dar pra ela com essa urgência toda?

– É que eu vi na Internet que a cidade está toda alagada e não vai ter feira hoje…

Moral da história: quem não se comunica, se trumbica!

Excertos e comentários do livro Transparências da eternidade, de Rubem Alves (parte I de III)

Transparências da Eternidade foi publicado em sua primeira edição em 2002 pela Editora Verus. Suas palavras chaves são Literatura Brasileira e Espiritualidade.

O livro é composto de textos inéditos e várias crônicas publicadas originalmente no jornal Correio Popular de Campinas – SP.

Sendo uma bela elegia das imagens cristãs, escrito por alguém que, aparentemente, abandonou as palavras cristãs – justamente por conseguir entende-las, como Rubem mesmo explica – rapidamente identifiquei-me com o livro.

Divide-se em 5 partes, entituladas O SEM-NOME E O MISTÉRIO, OS GESTOS E AS PALAVRAS, OS MEDOS, A TRANQÜILIDADE E A BELEZA.

Extraio trechos de cada parte (sempre que estiverem entre aspas, são citações de Rubem Alves, exceto se especificado o contrário):

O Sem-nome e o mistério

Deus existe?

“É preciso, de uma vez por todas, compreender que acreditar em Deus não vale um tostão furado. Não, não fiquem bravos comigo. Fiquem bravos com o apóstolo Tiago, que deixou escrito em sua epístola sagrada: ¿Tu acreditas que há um Deus. Fazes muito bem. Os demônios também acreditam. E estremecem ao ouvir seu nome¿. Em resumo, o apóstolo está dizendo que os demônios estão melhor do que nós porque, além de acreditarem, estremecem…”

Nisto, todos havemos de concordar: de nada adianta acreditarmos em Deus se não para praticar aquilo que ora poderia ter ele ensinado. E, se praticamos aquilo que foi ensinado, se agimos conforme o bem, o verdadeiro e o justo (ou pelo menos buscamos isto, já que nem sempre podemos discriminar ao certo o verdadeiro e o justo), precisamos realmente ir à Igreja? Teremos de nos confessar? Nossa orações não podem ser substituídas por momentos de contemplação ao crepúsculo ou pela audição de uma bela música? Tudo isto é oração. Mesmo que não estejamos, sempre conscientemente ligados ao Criador, como sua criação em cada ato silencioso estamos nos comunicando verdadeiramente com Ele.

Sou agnóstico, portanto não tenho certeza absoluta da existência de Deus. Sou execrado por cristãos e por ateus. O que haveria de ser pior? Em situações de desespero, chego a orar. Meu pedido é sempre o mesmo: escolha o melhor caminho. Neste momento, estou mudando a trajetória de minha vida absolutamente contra minha vontade. É este caminho que terei de seguir. Confio em mim, confio na Natureza, nome que escolhi para meu Criador. Acredito na Unidade do Ser. Sei que sou parte de um Algo Maior, parte infinitesimal, mas que também tenho toda essência desta criação neste pequeno ser que sou. E assim vou vivendo, buscando o verdadeiro, o justo e o bom.

“…me atrevendo a utilizar a ontologia de Riobaldo, eu posso dizer que Deus tem de existir. Tem beleza demais no universo, e beleza não pode ser perdida. E Deus é esse Vazio sem fim, gamela infinita, que pelo universo vai colhendo e ajuntando toda beleza que há, garantindo que nada se perderá, dizendo que tudo o que se amou e se perdeu haverá de voltar, se repetirá de novo. Deus existe para tranqüilizar a saudade.”

Isto é poesia, digníssimo Rubem Alves. Assim, não há como não acreditar! Se Deus é poesia, acredito em Deus! Deus cá está para nos garantir a volta de tudo aquilo que perdemos e nunca gostaríamos de ter perdido! Lindo!

“Nós só vemos aquilo que somos… Os olhos são pintores: eles pintam o mundo de fora com as cores que moram dentro deles. Olho luminoso vê mundo colorido; olho de trevas trevoso vê mundo negro… assim, Deus virou vingador que administra um inferno, inimigo da vida que ordena a morte, eunuco que gera abstinência, juiz que condena, carrasco que mata, banqueiro que executa débitos, inquisidor que acende fogueiras, guerreiro que mata inimigos, igualzinho aos pintores que o pintaram.”

Neste parágrafo, uma verdadeira paulada na Igreja Católica. Desculpem os amigos afeitos a esta crença, mas é impossível apagar da história os desgraças proporcionadas pela Igreja no seu passado. A proibição do uso da camisinha é, ainda, uma lástima, nos dias de hoje.

Diz Alberto Caeiro, citado por Alves:

” Pensar em Deus é desobedecer a Deus,

Porque Deus quis que não o conhecêssemos,

Por isso se nos não mostrou…”

Assim, ganha-se a tranqüilidade de não estar a toda hora tendo de preocupar-se em pensar em Deus, na sua existência, e em teimar prestar contas a todo custo. Deus é menino, não um banqueiro!

Os gestos e as palavras

Rubem Alves descreve o batizado pagão que criou especialmente para sua neta Mariana (tenho que transcreve-lo integralmente para não deturpara o seu sentido):

” Organizei o espaço do living. Empurrei a mesa central, na direção da lareira. À cabeceira coloquei um banquinho velhíssimo ¿ ali a Mariana se assentaria. Ao lado, duas cadeiras, uma para o pai, outra para a mãe. Na ponta da mesa, uma grande vela. E a vela da Mariana, vela que a acompanhará por toda a sua vida e que deverá ser acesa em todos os seus aniversários. Ao lado de sua vela, duas velas longas, coloridas. E, espalhadas pela sala, velas de todos os tipos e cores. Na ponta da mesa, ao lado da vela da Mariana, um prato de madeira com um cacho de uvas.

Reunidos todos os convidados, começou o ritual. Foi isso que eu disse: Mariana, aqui estamos para contar para você a estória do seu nome. Tudo começou numa grande escuridão.” As luzes se apagaram enquanto, no escuro, se ouvia a flauta de Jean Pierre Rampal.

“Assim era a barriga de sua mãe, lugar escuro, tranqüilo e silencioso. Ali você viveu por nove meses. Passado esse tempo, você se cansou e disse: “Quero ver luz!” Sua mãe ouviu o seu pedido e fez o que você queria. Ela “deu à luz”. Você nasceu”.

A mãe e o pai da Mariana acenderam então a vela grande, que brilhou sozinha no meio da sala.

“Veja só o que aconteceu! Sua luz encheu a sala de alegria. Todos os rostos estão sorrindo para você. E, por causa desta alegria, cada um deles cai, também, acender a sua vela.”

Aí o padrinho e a madrinha acenderam as velas longas coloridas, e os outros todos acenderam, cada um, uma das velas espalhadas pela sala.

À chegada dos convidados, eu havia dado a cada um deles um cartãozinho, onde deveriam escrever o desejo mais profundo para a Mariana. Continuei:

“Você trouxe tanta alegria que cada um de nós escreveu, num cartãozinho, um bom desejo para você. Assim, pegue esta cestinha. Vá de um em um recolhendo os bons desejos que eles escrveram. Esses cartõeszinhos, você os vai guardar por toda a sua vida…”

E lá foi a Mariana com a cestinha, seus grandes olhos azuis, de um em um, sendo abençoada por todos.

“Todos deram para você uma coisa boa”, eu disse depois de terminado o recolhimento dos cartões. “Agora é hora de você dar a todos uma coisa boa. Você é redondinha e doce como uma uva. Esta é a razão para este cacho de uvas. E é isso que você vai fazer. Seus padrinhos vão fazer uma cadeirinha, e você, assentada na cadeirinha, vai dar a cada um deles um pedaço de você, uma uva doce e redonda…”

E assim, vagarosamente, a Mariana celebrou, sem saber, esta insólita eucaristia: “Esta uva doce e redonda é o meu corpo…”

Terminada a eucaristia, eu disse a Mariana:

“Agora, chegando ao fim, cada um de nós vai dizer o seu nome. Preste bem atenção. O nome é um só. Mas cada um vai dize-lo com uma música diferente. Porque são muitas e diferentes as formas como você é amada.”

E assim, iluminados pela luz das velas, cada um dos presentes, olhando bem dentro dos olhos da menina, ia dizendo:”Mariana”, “Mariana”, “Mariana”, “Mariana”…

Aqueles que olhavam os olhos da Mariana puderam ver que, à medida que ela ouvia o seu nome sendo repetido, eles iam se enchendo de lágrimas…

O porque das incertezas – Uma breve explicação

Bem, é triste mas é verdade…

Nesta manhã de 25 de fevereiro de 2004 estou indo rumo a meu destino não premeditado: me incorporar às Forças Armadas Brasileiras como aspirante a oficial médico, segundo tenente do Exército brasileiro.

Tal função é obrigatória por estas terras, sendo que, como estudante de Medicina, tenho o direito de solicitar adiamento até a conclusão do curso e de minhas especialidades. E assim foi, nos últimos 10 anos (6 de faculdade e 4 em 2 especializações). Apesar de voluntário ( mas nem tanto) para a Aeronáutica, fui dispensado e agora, estou sendo aproveitado pelo Exército em Santa Maria, cidade distante cerca de 3h e 40 min de carro de Porto Alegre, onde resido atualmente. Nem preciso dizer que minha vida ficará de cabeça para baixo com a função.

Tentei justificar, alocando devidamente os locais em que já me encontro inserido trabalhando ativamente há mais de 1 ano e nos quais iria começar em breve…

Canoas – Central Médica Carlos Chagas – sextas das 15 às 19h (16 pacientes por semana)

Porto Alegre – Central Médica Carlos Chagas – segundas das 15 as 19h (16 pts)

Santo Antônio da Patrulha – Clínica Cardoso Marques – terças 8 as 15h 2x mês (20 pts)

Camaquã – Clínica Radiare – terças 2 x mês – 8 as 15h (8pts)

Dois Irmãos – ULBRA – quintas 2x mês 8 as 15h (18pts)

Novo Hamburgo – Centro Clínico – quartas 17 as 21h (16 pts)

São Leopoldo – Centro Médico – quintas 16 as 20h (16 pts)

Gravataí – Hospiplan – quartas das 8 as 15h (20 pts)

Taquara – Clínica Dr. Sadi Müller a iniciar semanalmente a partir de março

Cachoeirinha – Centro Integrado Fernando Möller a iniciar, semanalmente em março

Porto Alegre – Centro Geriátrico Vitalis – 4 horas semanais, consultoria em endocrinologia para 10 moradores idosos

Porto Alegre – consultório, em horários variados (nas brechas de horário disponíveis)

…mas não houve conversa. O digníssimo Coronel Silva, Comandante da Terceira Região Militar, à qual “pertenço” disse que eu era peça rara, como especialista e eles não podiam me dispensar de forma alguma.

A esta altura, temos algumas pessoas tentando ajudar de tudo quanto é jeito, mas a situação está difícil e não sei se vai ser possível qualquer retorno ou mudança.

Assim, tentarei manter a postagem deste blógue dentro das possibilidades que me forem ofertadas. Os primeiros 45 dias, chamados de fase de adaptação, serão como aspirante e provavelmente terei de permanecer na Unidade a que fui designado pelo menos algumas noites da semana. Quando em “liberdade”, atualizarei este blógue, tentando manter uma seção chamada “Notícias do Front” para que não percam contato com esta maravilhosa aventura que só o Exército brasileiro pode me proporcionar.

PS : se demorar mais de uma semana para postar, certamente é porque estarei preso por insubmissão, desacato ou por algum motivo qualquer… Sabe como é, não dá pra brincar com estas figuras…

PS2: desejem-me sorte… Muuuuuuuita sorte!

PS3: Ah! Tem mais uma coisa: não vou entra nessa de ficar escrevendo fotos da Antonela nua na Playboy, fotos da Sandy nua, nem tampouco usarei os nomes de Anna Kournikova, Claudia Schiffer, Mônica Bellucci, Gisele Bündchen, Naomi Campbell ou outras mulheres bonitas… Também não ousarei utilizar nomes de atrizes e atores como Nicole Kidmann, Tom Cruise, Anthony Hopkins, Harrison Ford, Sean Penn, Demi Moore, Jack Nicholson, Robin Williams, Arnold Schwarzeneger ou políticos como o anterior, George W. Bush, Luis Inácio Lula da Silva, José Genoíno, Pedro Simon, José Sarney e muito menos de pensadores como Aristóteles, Platão, Sócrates, Kant, Montesquieu, Locke, Hobbes, Rousseau, Morin, Foulcault, Deleuze, Bakunin, Malinowski, Trotski, Malatesta, Kropotkin, Feyerabend, Tampouco citarei aqui escritores como Luis Fernando Veríssimo, Jostein Gaarder, Moacyr Scliar, Martha Medeiros, Domenico de Masi, Glauco Mattoso, Frank Jorge, Sidney Sheldom, Danielle Still ou usar qualquer palavra que contenha anfetaminas como femproporex, dietilpropiona, anfepramona, dualid, inibex, ou outras medicações para obesidade como mazindol, sibutramina e seus nomes comerciais sibutramina e plenty, e outros ansiolíticos ou antidepressivos como fluoxetina, buspirona, bupropiona… Imagina se eu escrevesse aqui maconha, cocaína, heroína, crack, loló, cigarro, charuto, ecstasy e o escambau que tipo de pessoas não iriam aparecer por aqui! Então, é melhor começar a selecionar meus escritos para evitar que pessoas afins a determinados grupos de interesse caiam por aqui! Seria interessante conecer pessoas que gostassem de rock e psicodelia, que escutassem Led Zeppelin, Pink Floyd, Carpenters, Black Sabbath, Iron Maiden, Beatles, Deep Purple, Earth Wind and Fire, Yes, AC DC, Kiss, Ramones e Mutantes. Aí sim isto daqui ia ficar legal… (idéia copiada pelo menos de três locais: DaniCast, Alexandre Soares Silva e Liberal Libertário Libertino – línques acima)

PS4: olhando para essa lista acima, meus resquícios perfeccionistas da infância gelam… Detesto citar listas nonsense que sejam para mim incompletas ou esteticamente feias como a acima… Mas o momento de vida justifica o pôust… Até… …breve, se tudo correr bem…

PRÓXIMOS PÔUSTS: “Da série: Diálogos com Deus – Deus e Maria no almoço”, “Excertos e comentários do livro Transparências da eternidade, de Rubem Alves (parte II de III)”, “Sistema de cotas nas universidades brasileiras: solução ou vergonha?”, “Notícias do Front”

Fev 19

By rafaelreinehr | Uncategorized

Da série: Diálogos com Deus – Deus e o ateu

– Quem é você?

– Sou seu pai, e pai de todos aqui nesta Terra?

– Adão? George Bush?

– Não meu, filho, sou Deus…

– Que deus o caramba! Não acredito nestas baboseiras!

– Não precisar acreditar. Não preciso da tua crença para existir, assim como um elefante voador cor-de-rosa não precisa que tu acredites na existência dele para existir…

– Mas… Espera aí? São possíveis elefantes voadores cor-de-rosa?

– Vou te responder da seguinte forma: para saber se algo existe ou existiu de verdade, tens que ter estado aqui desde o começo dos tempos e ao mesmo tempo em todos os lugares, pada poder presenciar tudo que existe. Do contrário nunca saberás se elefantes voadores cor-de-rosa são possíveis.

– Sim, mas isto é impossível!

– Não é não! Lembre-se que só Deus é onipotente, onipresente e onisciente. Mas, como não acreditas em mim, não te dou a resposta do elefante! Tchau!

Resenha do livro Memórias de um anarquista japonês, de Osugi Sakae

A história (real) de Osugi Sakae (com uma sublinha acima do O) se passa no fim do século XIX e adentra o século XX. É um retrato do início do movimento socialista e anarquista no Japão. Sakae Osugi, como o chamaríamos no Brasil, descreve em 7 capítulos desde suas primeiras lembranças, sua infância, sua juventude como filho de militar, sua vida na Escola de Cadetes e após sua expulsão da mesma, recorda a vida e a morte de sua mãe e finaliza sua autobiografia com relatos de sua vida na prisão, descrevendo as várias passagens pelo sistema penitenciário japonês.

Continue lendo.

O livro, escrito como um “diário de lembranças”, como toda autobiografia, consegue ser bastante rico em detalhes em trechos interessantes para Sakae como por exemplo nos instantes de baderna e brigas de gangues de sua juventude; quando lembra de sua gagueira e como ela piorava com a ansiedade; das duas brincadeiras amorosas infantis e de suas “experiências sexuais individuais”(esconde entretanto detalhes e apenas insinua ter tido algumas experiências homossexuais); suas numerosas mudanças de residência em função do trablho do pai e de residências queimadas (várias!); sua desilusão com todo e qualquer tipo de aprendizado imputado, exceto o de línguas; sua facilidade para os esportes; sua indignação e as injustiças do sistema hierárquico militar; sua prazerosa paixão pela liberdade; seu adquirido gosto pela poesia e pelas leituras anarquistas; seu otimismo socialista; sua vida na prisão.

Continue lendo.

Do ponto de vista de estética de linguagem, o livro é como esta resenha: bastante pobre, mas quando avaliamos seu valor como documento histórico e colocamos ao lado de nossa ignorância ocidental a respeito dos movimentos revolucionários japoneses, adicionamos um pouquinho de gosto de história, temos um prato cheio para degustar.

Continue lendo.

É curioso perceber que, justamente na prisão, Osugi se torna um anarquista e isso acontece justamente porque é lá que ele tem mais tempo para estudar e para se definir politicamente.

Continue lendo.

Alguns dos trechos mais interessantes encontramos no posfácio da obra (não estou de gozação!), onde é transcrito um diálogo entre Sakae e Goto Shimpei (ministro do interior do Japão), quando Osugi invadiu um jantar na casa desse exigindo dinheiro para uma nova revista anarquista já que o governo censurava e apreendia cada uma das revistas que ele criava. Veja só o diálogo:

Continue lendo.

“Goto: Mas eu ouvi que o senhor tem uma boa cabeça e braços fortes. Por que então está em dificuldades?

Osugi: Porque o governo obstrui nossos negócios.

Goto: W por que o senhor vem pedir dinheiro para mim em particular?

Osugi:

Já que o governo está nos atrapalhando, eu acho que é lógico que eu venha pedir dinheiro ao governo. Acho que o senhor irá entender este meu pedido.

Goto: Ah, sim… Quanto você quer?”

Continue lendo.

Concluindo: Sakae ganhou 300 ienes com os quais lançou uma nova revista, pagou uma dívida com uma das amantes, deu dinheiro para a esposa e para a outra amante e ainda lhe sobraram 20 ienes para uma viagem de férias!

Continue lendo.

O mais interessante é que, depois de ler 170 páginas escritas por Osugi Sakae, passar pelas primeiras 56 com uma certa impressão de “putz, botei dinheiro fora” e acabar gostando do livro, do que mais gostei foi mesmo do posfácio, escrito por Rogério de Campos, que resume a vida de Osugi após 1910 até 1923, ano de seu assassinato pela Polícia Militar Japonesa.

Continue lendo.

É lá que o contexto histórico é resumido e colocado em um painel onde sentimos a importância de Osugi Sakae para a sociedade japonesa da época: na sua rebeldia inclusive nas assembléias e reuniões da esquerda, onde ficava incomodando os palestrantes; em sua defesa do feminismo e do amor livre, que chocou a opinião pública e de intelectuais japoneses.

Continue lendo.

Vemos as conseqüências do grande terremoto de 1923, que destruiu Tóquio e Yokohama, danificando 73% de todas as casas e destruindo completamente 63% delas. Avaliamos que, em decorrência do caos instalado, surgiu a oportunidade ideal para atacar líderes sindicais, comunistas, socialistas e anarquistas, ocasião em que Osugi, Ito, sua amante e um sobrinho foram assassinados pela Polícia Militar.

Continue lendo.

Após este episódio, a repressão foi acentuada e tornada cada vez mais brutal, e acabou evoluindo para uma marcha acelerada rumo à total militarização da sociedade japonesa que culminou na Segunda Guerra Mundial.

Continue lendo.

Osugi influenciou as revoltas estudantis dos anos 60 (no Japão!), onde novamente as idéias de combater a repressão política, econômica e sexual e de lutar contra toda forma de hierarquia estava de volta, trazendo a lembrança do “Anarquista Erótico” – como ficou conhecido.

Continue lendo.

Para finalizar (Continue lendo.), um de seus textos, de fevereiro de 1918, chamado “Quanto a mim, prefiro o espírito“:

“Eu gosto do espírito. Seja como for, geralmente detesto quando o espírito é transformado em teoria. Detesto porque nessa passagem para a teoria, ele freqüentemente se torna servil, um colaborador em harmonia com a realidade social presente. Porque isso é uma fraude. Eu odeio o que os cientistas políticos e filósofos chamam democracia e humanismo. Fico doente só de ouvi-los. Eu odeio o socialismo também. E pela mesma razão, eu odeio um pouco o anarquismo. O que eu mais gosto é a ação cega da humanidade: a explosão de espírito.”

Quem chegou até aqui e leu o texto inteiro, parabéns! Pode colocar o dedo aqui e dá um alô ali nos comentários!

PS: Os “Excertos e comentários do livro Transparências da eternidade, de Rubem Alves” fico devendo para o próximo pôust, já que a notícia de que, apesar de ter sido liberado pela Aeronáutica, fui convocado ontem para servir no Exército, em Santa Maria, uma cidade a 320 km de Porto Alegre. Ainda nem sei o que vai ser do Simplicíssimo e do Escrever Por Escrever… Talvez me rebele, torne-me um insubmisso, vá preso e escrevo minhas “Memórias do Cárcere” e, ao sair, um ano após publique um livro contando minha história e ganhe milhões… Hmmm… Até que não é uma má idéia…

Outra: em função das mudanças no Blogger.br, acabei transportando todo o Escrever Por Escrever para este endereço aqui, que é o espelho do site sem as fotos… Assim que tiver um tempo dou uma guaribada por lá e arrumo a casa!

Próximos pôusts: “Da série: Diálogos com Deus – Maria vai a feira”, “Sistema de cotas nas universidades brasileiras: solução ou vergonha?” e “Excertos e comentários do livro Transparências da eternidade, de Rubem Alves”

Fev 18

By rafaelreinehr | Uncategorized

Da série: Diálogos com Deus – Deus e o ateu

– Quem é você?

– Sou seu pai, e pai de todos aqui nesta Terra?

– Adão? George Bush?

– Não meu, filho, sou Deus?

– Que deus o caramba! Não acredito nestas baboseiras!

– Não precisar acreditar. Não preciso da tua crença para existir, assim como um elefante voador cor-de-rosa não precisa que tu acredites na existência dele para existir…

– Mas… Espera aí? São possíveis elefantes voadores cor-de-rosa?

– Vou te responder da seguinte forma: para saber se algo existe ou existiu de verdade, tens que ter estado aqui desde o começo dos tempos e ao mesmo tempo em todos os lugares, pada poder presenciar tudo que existe. Do contrário nunca saberás se elefantes voadores cor-de-rosa são possíveis.

– Sim, mas isto é impossível!

– Não é não! Lembre-se que só Deus é onipotente, onipresente e onisciente. Mas, como não acreditas em mim, não te dou a resposta do elefante! Tchau!

Resenha do livro Memórias de um anarquista japonês, de Osugi Sakae

A história (real) de Osugi Sakae (com uma sublinha acima do O) se passa no fim do século XIX e adentra o século XX. É um retrato do início do movimento socialista e anarquista no Japão. Sakae Osugi, como o chamaríamos no Brasil, descreve em 7 capítulos desde suas primeiras lembranças, sua infância, sua juventude como filho de militar, sua vida na Escola de Cadetes e após sua expulsão da mesma, recorda a vida e a morte de sua mãe e finaliza sua autobiografia com relatos de sua vida na prisão, descrevendo as várias passagens pelo sistema penitenciário japonês.

Continue lendo.

O livro, escrito como um “diário de lembranças”, como toda autobiografia, consegue ser bastante rico em detalhes em trechos interessantes para Sakae como por exemplo nos instantes de baderna e brigas de gangues de sua juventude; quando lembra de sua gagueira e como ela piorava com a ansiedade; das duas brincadeiras amorosas infantis e de suas “experiências sexuais individuais”(esconde entretanto detalhes e apenas insinua ter tido algumas experiências homossexuais); suas numerosas mudanças de residência em função do trablho do pai e de residências queimadas (várias!); sua desilusão com todo e qualquer tipo de aprendizado imputado, exceto o de línguas; sua facilidade para os esportes; sua indignação e as injustiças do sistema hierárquico militar; sua prazerosa paixão pela liberdade; seu adquirido gosto pela poesia e pelas leituras anarquistas; seu otimismo socialista; sua vida na prisão.

Continue lendo.

Do ponto de vista de estética de linguagem, o livro é como esta resenha: bastante pobre, mas quando avaliamos seu valor como documento histórico e colocamos ao lado de nossa ignorância ocidental a respeito dos movimentos revolucionários japoneses, adicionamos um pouquinho de gosto de história, temos um prato cheio para degustar.

Continue lendo.

É curioso perceber que, justamente na prisão, Osugi se torna um anarquista e isso acontece justamente porque é lá que ele tem mais tempo para estudar e para se definir politicamente.

Continue lendo.

Alguns dos trechos mais interessantes encontramos no posfácio da obra (não estou de gozação!), onde é transcrito um diálogo entre Sakae e Goto Shimpei (ministro do interior do Japão), quando Osugi invadiu um jantar na casa desse exigindo dinheiro para uma nova revista anarquista já que o governo censurava e apreendia cada uma das revistas que ele criava. Veja só o diálogo:

Continue lendo.

“Goto: Mas eu ouvi que o senhor tem uma boa cabeça e braços fortes. Por que então está em dificuldades?

Osugi: Porque o governo obstrui nossos negócios.

Goto: W por que o senhor vem pedir dinheiro para mim em particular?

Osugi:

Já que o governo está nos atrapalhando, eu acho que é lógico que eu venha pedir dinheiro ao governo. Acho que o senhor irá entender este meu pedido.

Goto: Ah, sim… Quanto você quer?”

Continue lendo.

Concluindo: Sakae ganhou 300 ienes com os quais lançou uma nova revista, pagou uma dívida com uma das amantes, deu dinheiro para a esposa e para a outra amante e ainda lhe sobraram 20 ienes para uma viagem de férias!

Continue lendo.

O mais interessante é que, depois de ler 170 páginas escritas por Osugi Sakae, passar pelas primeiras 56 com uma certa impressão de “putz, botei dinheiro fora” e acabar gostando do livro, do que mais gostei foi mesmo do posfácio, escrito por Rogério de Campos, que resume a vida de Osugi após 1910 até 1923, ano de seu assassinato pela Polícia Militar Japonesa.

Continue lendo.

É lá que o contexto histórico é resumido e colocado em um painel onde sentimos a importância de Osugi Sakae para a sociedade japonesa da época: na sua rebeldia inclusive nas assembléias e reuniões da esquerda, onde ficava incomodando os palestrantes; em sua defesa do feminismo e do amor livre, que chocou a opinião pública e de intelectuais japoneses.

Continue lendo.

Vemos as conseqüências do grande terremoto de 1923, que destruiu Tóquio e Yokohama, danificando 73% de todas as casas e destruindo completamente 63% delas. Avaliamos que, em decorrência do caos instalado, surgiu a oportunidade ideal para atacar líderes sindicais, comunistas, socialistas e anarquistas, ocasião em que Osugi, Ito, sua amante e um sobrinho foram assassinados pela Polícia Militar.

Continue lendo.

Após este episódio, a repressão foi acentuada e tornada cada vez mais brutal, e acabou evoluindo para uma marcha acelerada rumo à total militarização da sociedade japonesa que culminou na Segunda Guerra Mundial.

Continue lendo.

Osugi influenciou as revoltas estudantis dos anos 60 (no Japão!), onde novamente as idéias de combater a repressão política, econômica e sexual e de lutar contra toda forma de hierarquia estava de volta, trazendo a lembrança do “Anarquista Erótico” – como ficou conhecido.

Continue lendo.

Para finalizar (Continue lendo.), um de seus textos, de fevereiro de 1918, chamado “Quanto a mim, prefiro o espírito“:

“Eu gosto do espírito. Seja como for, geralmente detesto quando o espírito é transformado em teoria. Detesto porque nessa passagem para a teoria, ele freqüentemente se torna servil, um colaborador em harmonia com a realidade social presente. Porque isso é uma fraude. Eu odeio o que os cientistas políticos e filósofos chamam democracia e humanismo. Fico doente só de ouvi-los. Eu odeio o socialismo também. E pela mesma razão, eu odeio um pouco o anarquismo. O que eu mais gosto é a ação cega da humanidade: a explosão de espírito.”

Quem chegou até aqui e leu o texto inteiro, parabéns! Pode colocar o dedo aqui e dá um alô ali nos comentários!

PS: Os “Excertos e comentários do livro Transparências da eternidade, de Rubem Alves” fico devendo para o próximo pôust, já que a notícia de que, apesar de ter sido liberado pela Aeronáutica, fui convocado ontem para servir no Exército, em Santa Maria, uma cidade a 320 km de Porto Alegre. Ainda nem sei o que vai ser do Simplicíssimo e do Escrever Por Escrever… Talvez me rebele, torne-me um insubmisso, vá preso e escrevo minhas “Memórias do Cárcere” e, ao sair, um ano após publique um livro contando minha história e ganhe milhões… Hmmm… Até que não é uma má idéia…

Outra: em função das mudanças no Blogger.br, acabei transportando todo o Escrever Por Escrever para este endereço aqui, que é o espelho do site sem as fotos… Assim que tiver um tempo dou uma guaribada por lá e arrumo a casa!

Próximos pôusts: “Da série: Diálogos com Deus – Maria vai a feira”, “Sistema de cotas nas universidades brasileiras: solução ou vergonha?” e “Excertos e comentários do livro Transparências da eternidade, de Rubem Alves”

Fev 14

By rafaelreinehr | Uncategorized

Diálogos com Deus

Esta série começou da idéia de escrever um livro sobre a morte de Deus. Bem, para saber como (e de quê) Deus poderia ter morrido, resolvi fazer esta ¿oficina¿ com alguns trechos do meu personagem fictício. O livro segue, por trás das cortinas, seu gradual avançar em direção à existência.

Vou chamar esta série de Diálogos com Deus. Inicialmente, a série contará com quatro personagens, Deus, o vendedor de suco, Maria (mãe de Jesus) e Jesus (filho de Deus). É claro que, durante o andar da carruagem estes personagens poderão se multiplicar, pois o céu é o limite (ou não!).

Qualquer semelhança com fatos da vida real será uma semelhança com fatos da vida real, já que nestes curtos diálogos, Deus apresenta-se quase como uma pessoa comum, apresentando inclusive sentimentos humanos como impaciência, irritabilidade, fome, cansaço e até mesmo dor.

Chega de introdução e vamos ao primeiro diálogo da série.

Da série: Diálogos com Deus – Deus e o vendedor de suco

– E aí, meu Rei, votaste no Lula nas últimas eleições?

– Bem, meu filho, como senhor de todos, não posso ter um posicionamento político específico…

– Mas fala a verdade aí, meu Rei… Ce é de esquerda ou direita?

– Filho, a bem da verdade minha posição fica um pouquinho mais em cima, no centro. Quem senta ao meu lado, na direita, é Jesus, meu filho. Da esquerda mesmo é a Maria, mãe de Jesus…

– Certo… E como vocês fazem numa casa assim, com tantas divergências político partidárias?

– Hum… (já ficando irritado…) Não estou falando de política homem, estou falando das disposições das cadeiras lá em casa!

– Pois eu votei no Lula – não se dando conta do semblante quase agressivo de Deus – e, até agora, nada mudou pra mim. Dizem no noticiário que na verdade aquele lá é um sósia do Lula, que o Pessoal do PFL e do PMDB colocaram no governo depois que perderam as eleições. Será que pode, seu Deus?

– Olha meu filho, o papo tá muito bom mas eu tenho que ir trabalhar… Será que pode me ver logo esse suco de laranja ou vai demorar muito?

– -Ah é! Seu suco… Só um pouquinho que eu vou ver se tem laranja!

Acróstico

Abaixo transcrevo um acróstico feito com o meu nome, gentilmente escrito pela dona Maria Zilda, moradora do Centro Geriátrico em que trabalho. Dona Maria Zilda é poetisa de mão cheia, tendo participado de vários concursos e até vencido alguns!

Segue o belo acróstico escrito pela digníssima Maria Zilda:

“Acróstico”

R afael é nome de um anjo de “Cura”

A ssim também Rafael, médico,

F ormado em endocrinologia

A ssumindo condignamente

E sta profissão quasi divina,

L idando com seus clientes carinhosamente.

L eva consigo um ar de paz.

U ma luz forte ilumina seu caminho;

I ndo ao encontro de quem dele precisa,

Zeloso à profissão abraçada.

R ege serenamente sua vida;

E ndocrinologista competente,

I sto sei porque já ouvi dizer.

N ada acontece por acaso, este amigo chegará ao topo…

E assim termino o acróstico

H omenageando o homem de estampa, alma e profissão bonitas.

“R aphael” nome bíblico, abençoado por Deus.

Maria Zilda Perla

14.01.2004

Rubem Alves e o ritual antropofágico

Segue abaixo um extrato do site de Rubem Alves, que conheci dias atrás em uma entrevista dada para um programa da TV Cultura, patrocinado pelo Itaú Cultural.

Encontramos o texto abaixo no línque ¿Uma advertência preliminar antes de entrar na minha casa¿. Depois de ver a entrevista (com a qual fiquei encantado pelo “grau de humanidade” de Rubem) e vasculhar seu site, acabei comprando três de seus livros em uma livraria na cidade de Taquara, que também conheci esta semana e achei bem interessante: “Transparências da eternidade“, “O amor que acende a lua” e “As cores do crepúsculo – A estética do envelhecer“.

Assim que for devorando os livros, prometo extrair excertos e comentá-los aqui no Escrever Por Escrever. Aí vai a “advertência preliminar” do site de Rubem Alves:

“O que preparei para você foi um ritual antropofágico.

Antropofagia é comer carne humana – coisa selvagem. Mas os chamados selvagens não pensam assim. Uma tribo de índios brasileira que pratica a antropofagia assim se justifica: “Vocês, que se dizem civilizados, não amam os seus mortos. Fazem buracos profundos e os enterram, para serem comidos pelos vermes. Nós, ao contrário, amamos os nossos mortos. Não queremos que eles estejam mortos. Mas eles estão mortos! Só existe uma forma de mantê-los vivos: se nós os comermos. Se nós os comermos, sua carne e o seu sangue continuarão vivos nos nossos próprios corpos.” A antropofagia não se faz por razões alimentares. Não se trata de um churrasco. É um cerimonial mágico. Acredita-se que, ao comer o morto, as suas virtudes são incorporadas naqueles que o comem. A psicanálise concorda. Ela acredita que nossa personalidade é formada por sucessivas refeições antropofágicas, nas quais devoramos um pedaço de um, um pedaço de outro. Claro, ela não usa a palavra “antropofagia”. Usa a palavra “introjeção”, que significa “colocar dentro”. Mas “colocar dentro” é, precisamente, comer. A eucaristia é um ritual poético antropofágico: “Esse pão é o meu corpo: comei. Esse vinho é o meu sangue:bebei.” O escritor mineiro Murilo Mendes, no seu livro A hora do serrote, diz algo mais ouo menos assim: “No tempo em que eu não era antropófago – no tempo em que eu não devorava livros – pois os livros não são feitos com a carne e o sangue dos que escrevem?” Há livros que são lidos e o seu conteúdo não passa da cabeça. Informações. Ciência. Há outros livros, entretanto, que são comidos, vão direto para as entranhas, coração. Saber “de cor” = saber com o coração. Nietzsche dizia amar somente os livros escritos com sangue. E Guimarães Rosa, que se dizia mágico e feiticeiro da palavra, esclarecia que na sua literatura se encontrava a “alquimia do sangue do coração humano”. Pois é isso que eu desejo: ser comido. As coisas que você vai encontrar na minha casa são pedaços de mim. Não importa que seja livros, jardins, poemas, restaurante, fotos, músicas: todos são pedaços arrancados de mim. Como disse, o objetivo da antropofagia não é gastronômico, é mágico: fazer com que o o corpo do que come fique parecido com o corpo do que é comido. É isso que eu quero. De forma especial, desejo que você veja da forma como eu vejo. Gostaria de dar-lhe os meus olhos. Se você vir como eu vejo, então não percisarei mais falar e escrever… Nos sonhos frequentemente a casa simboliza o corpo. Minha casa não é para ser visitada. É para ser comida. Bom apetite! Volte sempre. Rubem Alves ”

Próximos pôusts: “Resenha do livro Memórias de um anarquista japonês, de Osugi Sakae”; “Excertos e comentários do livro Transparências da eternidade, de Rubem Alves”; “Da série: Diálogos com Deus – Deus e o ateu”

Fev 14

By rafaelreinehr | Uncategorized

[13.2.04 7:46 PM RAFAEL LUIZ REINEHR]
Diálogos com Deus

Esta série começou da idéia de escrever um livro sobre a morte de Deus. Bem, para saber como (e de quê) Deus poderia ter morrido, resolvi fazer esta ¿oficina¿ com alguns trechos do meu personagem fictício. O livro segue, por trás das cortinas, seu gradual avançar em direção à existência.

Vou chamar esta série de Diálogos com Deus. Inicialmente, a série contará com quatro personagens, Deus, o vendedor de suco, Maria (mãe de Jesus) e Jesus (filho de Deus). É claro que, durante o andar da carruagem estes personagens poderão se multiplicar, pois o céu é o limite (ou não!).

Qualquer semelhança com fatos da vida real será uma semelhança com fatos da vida real, já que nestes curtos diálogos, Deus apresenta-se quase como uma pessoa comum, apresentando inclusive sentimentos humanos como impaciência, irritabilidade, fome, cansaço e até mesmo dor.

Chega de introdução e vamos ao primeiro diálogo da série.

Da série: Diálogos com Deus – Deus e o vendedor de suco

– E aí, meu Rei, votaste no Lula nas últimas eleições?

– Bem, meu filho, como senhor de todos, não posso ter um posicionamento político específico…

– Mas fala a verdade aí, meu Rei… Ce é de esquerda ou direita?

– Filho, a bem da verdade minha posição fica um pouquinho mais em cima, no centro. Quem senta ao meu lado, na direita, é Jesus, meu filho. Da esquerda mesmo é a Maria, mãe de Jesus…

– Certo… E como vocês fazem numa casa assim, com tantas divergências político partidárias?

– Hum… (já ficando irritado…) Não estou falando de política homem, estou falando das disposições das cadeiras lá em casa!

– Pois eu votei no Lula – não se dando conta do semblante quase agressivo de Deus – e, até agora, nada mudou pra mim. Dizem no noticiário que na verdade aquele lá é um sósia do Lula, que o Pessoal do PFL e do PMDB colocaram no governo depois que perderam as eleições. Será que pode, seu Deus?

– Olha meu filho, o papo tá muito bom mas eu tenho que ir trabalhar… Será que pode me ver logo esse suco de laranja ou vai demorar muito?

– -Ah é! Seu suco… Só um pouquinho que eu vou ver se tem laranja!

Acróstico

Abaixo transcrevo um acróstico feito com o meu nome, gentilmente escrito pela dona Maria Zilda, moradora do Centro Geriátrico em que trabalho. Dona Maria Zilda é poetisa de mão cheia, tendo participado de vários concursos e até vencido alguns!

Segue o belo acróstico escrito pela digníssima Maria Zilda:

“Acróstico”

R afael é nome de um anjo de “Cura”

A ssim também Rafael, médico,

F ormado em endocrinologia

A ssumindo condignamente

E sta profissão quasi divina,

L idando com seus clientes carinhosamente.

L eva consigo um ar de paz.

U ma luz forte ilumina seu caminho;

I ndo ao encontro de quem dele precisa,

Zeloso à profissão abraçada.

R ege serenamente sua vida;

E ndocrinologista competente,

I sto sei porque já ouvi dizer.

N ada acontece por acaso, este amigo chegará ao topo…

E assim termino o acróstico

H omenageando o homem de estampa, alma e profissão bonitas.

“R aphael” nome bíblico, abençoado por Deus.

Maria Zilda Perla

14.01.2004

Rubem Alves e o ritual antropofágico

Segue abaixo um extrato do site de Rubem Alves, que conheci dias atrás em uma entrevista dada para um programa da TV Cultura, patrocinado pelo Itaú Cultural.

Encontramos o texto abaixo no línque ¿Uma advertência preliminar antes de entrar na minha casa¿. Depois de ver a entrevista (com a qual fiquei encantado pelo “grau de humanidade” de Rubem) e vasculhar seu site, acabei comprando três de seus livros em uma livraria na cidade de Taquara, que também conheci esta semana e achei bem interessante: “Transparências da eternidade”, “O amor que acende a lua” e “As cores do crepúsculo – A estética do envelhecer”.

Assim que for devorando os livros, prometo extrair excertos e comentá-los aqui no Escrever Por Escrever. Aí vai a “advertência preliminar” do site de Rubem Alves:

“O que preparei para você foi um ritual antropofágico.

Antropofagia é comer carne humana – coisa selvagem. Mas os chamados selvagens não pensam assim. Uma tribo de índios brasileira que pratica a antropofagia assim se justifica: “Vocês, que se dizem civilizados, não amam os seus mortos. Fazem buracos profundos e os enterram, para serem comidos pelos vermes. Nós, ao contrário, amamos os nossos mortos. Não queremos que eles estejam mortos. Mas eles estão mortos! Só existe uma forma de mantê-los vivos: se nós os comermos. Se nós os comermos, sua carne e o seu sangue continuarão vivos nos nossos próprios corpos.” A antropofagia não se faz por razões alimentares. Não se trata de um churrasco. É um cerimonial mágico. Acredita-se que, ao comer o morto, as suas virtudes são incorporadas naqueles que o comem. A psicanálise concorda. Ela acredita que nossa personalidade é formada por sucessivas refeições antropofágicas, nas quais devoramos um pedaço de um, um pedaço de outro. Claro, ela não usa a palavra “antropofagia”. Usa a palavra “introjeção”, que significa “colocar dentro”. Mas “colocar dentro” é, precisamente, comer. A eucaristia é um ritual poético antropofágico: “Esse pão é o meu corpo: comei. Esse vinho é o meu sangue:bebei.” O escritor mineiro Murilo Mendes, no seu livro A hora do serrote, diz algo mais ouo menos assim: “No tempo em que eu não era antropófago – no tempo em que eu não devorava livros – pois os livros não são feitos com a carne e o sangue dos que escrevem?” Há livros que são lidos e o seu conteúdo não passa da cabeça. Informações. Ciência. Há outros livros, entretanto, que são comidos, vão direto para as entranhas, coração. Saber “de cor” = saber com o coração. Nietzsche dizia amar somente os livros escritos com sangue. E Guimarães Rosa, que se dizia mágico e feiticeiro da palavra, esclarecia que na sua literatura se encontrava a “alquimia do sangue do coração humano”. Pois é isso que eu desejo: ser comido. As coisas que você vai encontrar na minha casa são pedaços de mim. Não importa que seja livros, jardins, poemas, restaurante, fotos, músicas: todos são pedaços arrancados de mim. Como disse, o objetivo da antropofagia não é gastronômico, é mágico: fazer com que o o corpo do que come fique parecido com o corpo do que é comido. É isso que eu quero. De forma especial, desejo que você veja da forma como eu vejo. Gostaria de dar-lhe os meus olhos. Se você vir como eu vejo, então não percisarei mais falar e escrever… Nos sonhos frequentemente a casa simboliza o corpo. Minha casa não é para ser visitada. É para ser comida. Bom apetite! Volte sempre. Rubem Alves ”

Próximos pôusts: “Resenha do livro Memórias de um anarquista japonês, de Osugi Sakae”; “Excertos e comentários do livro Transparências da eternidade, de Rubem Alves”; “Da série: Diálogos com Deus – Deus e o ateu”

[editar] [7.2.04 3:15 PM RAFAEL LUIZ REINEHR]
Sugestão de visita 002

Recomendo uma visita ao blógue O Velho da Montanha.

É um blógue português muito arrazoado que escreve de coração e com sentimento sobre os mais variados assuntos. Seus dois últimos pôusts, sobre a história das 21 gramas que perdemos na hora de nossa morte e sobre o encontro com a morte derivado da lenda “Encontro em Samarcanda” são absolutamente magníficos. Vale a pensa a visita!

Uma pedra no sapato

Assim como todos países do mundo são uma pedra no sapato do governo americano eu digo: as lojas de fotografia dos Estados Unidos, menos a BHPhotoVideo são uma pedra no meu sapato.

Depois de entrar em 14 sites especializados em fotografia, escolhi aquele com os melhores preços para encomendar minha Nikon D100. Depois de preencher vários formulários com dezenas de dados, verificar valores de postagem para o”Brazil”, colocar meus dados de endereço e cartão de crédito, confirmar e reconfirmar dados e senha, recebo uma mensagem dizendo: “muito obrigado pela compra”. Para confirmar seu pedido, entre em contato pelo telefone XXXX-XXX-XXXX. Faço uma ligação internacional, me rasgo todo no inglês para ser muito mal-educadamente atendido por um atendente da loja A&M Photo World.

Na seqüência, recebo uma mensagem da SmilePhotoVideo agradecendo meu interesse na compra das lentes que eu havia escolhido, mas eles não aceitam meu cartão de crédito internacional com origem do Brasil por motivos de segurança!

Resolvo fazer o pedido em uma loja chamada Adorama e em outra chamada Digital Liquidators. O mesmo acontece: “não aceitamos cartão de crédito internacional de brasileiros.” Isso depois de 4 ligações internacionais, sempre atendido por uma pessoa muito, mas muito mal-educada em todas ocasiões – REGRA GERAL, porém, amostra pequena.

Finalmente, resolvo ceder. Completo minha encomenda das lentes na BHPhoto assim como cartão de memória e bateria acessória. Resolvo comprar a máquina por aqui mesmo ou solicito para alguém trazê-la para mim, ainda não decidi.

A questão é: porque estes malditos sites não colocam bem grande, na primeira página: não vendemos para o Brasil?

Somente a BHPhoto anuncia, ao desejarmos comprar a referida máquina que não lhes é permitido realizar a venda para cá. Os demais sites te fazem de trouxa, gastando mais tempo do que gastaria um americano no aeroporto ao ter suas impressões digitais e sua foto tiradas…

Por essas e outras (Tratado de Kyoto, Guerra do Iraque) que não engulo um monte de merda que sai da boca de que defende esse bando de f.d.p. americanos que agora estão no poder (não me refiro ao povo americano, esteja bem claro, apesar de sua ignorância geográfica e seus hábitos alimentares toscos).

De onde surgiu o Escrever Por Escrever?

Para responder a esta pergunta, vou usar a resposta a um comentário que me foi feito no site Simplicíssimo, do qual sou editor.

Um digníssimo “anônimo” chamado Cairo, que não se identificou no espaço, escreveu o seguinte, sobre um excerto do Escrever Por Escrever original (excerto LI):

“Este texto lembra muito a espada de Dâmocles: comprida e chata. Vamos melhorar, pessoal!”

Para o qual lhe respondi:

“Críticas são sempre bem-vindas, principalmente quando elas APONTAM AS FRAQUEZAS que devemos corrigir!

De qualquer forma, para você que parece novo no Simplicíssimo e, no que diz respeito ao Escrever Por Escrever, “está por fora” e, creio, não tem idéia do seu significado, explico:

O Escrever Por Escrever é um projeto individual que começou em 03/06/2000 como uma série de apontamentos pessoais sobre acontecimentos de minha vida entremeados por idéias, projetos, textos e toda produção literária que porventura eu produzisse. Escrever Por Escrever é, para mim, um Caminho, de obrigatória passagem para meu aperfeiçoamento como pessoa e como escritor.

São poucas as pessoas com capacidade para entender isto, mesmo porque, fora de contexto, os textos realmente parecem fracos e sem sentido.

No momento em que consegues colocar o excerto LI (51, para os menos avisados) em seqüência com os outros 50 já publicados, talvez apareça uma mensagem ou um sentido que não transparece na peça isolada.

Pegue um trecho qualquer de Dostoiévski: apesar da genialidade que exibe em sua obra como um todo e, concordo, em muitas de suas passagens isoladas, não é na totalidade de suas frações que encontramos tal genialidade, mas nas frações enquanto totalidade.

São poucos – como Immanuel Kant – que podem ouvid de Goethe um elogio como “quando leio Kant, a cada nova página pareço adentrar em uma sala plenamente iluminada”…

Desejaria poder receber tais elogios, mas sei que não estou pronto, e por isto treino.

Este aqui é (foi) meu treinamento. Neste momento é história que estou deixando para meus filhos.

Dei seqüência com a idéia no Simplicíssimo, onde pude então expressar algumas idéias sem obrigatoriamente recorrer ao Escrever Por Escrever. Quando este mesmo Simplicíssimo tornou-se pequeno ao meu ímpeto de escrever (por escrever), acabei finalmente criando um blógue, chamado novamente Escrever Por Escrever.

Neste blógue despejo algumas idéias que, pelo crescimento do Simplicíssimo e pela participação efusiva de muitas pessoas, não pude mais colocar no espaço que havia criado.

Agradeço pela participação massiva de muitas pessoas que, como eu, tem este desejo de mostrar seus escritos, suas idéias e pensamentos, resultados dos estímulos individuais e únicos a que somos expostos desde o nascimento.

Espaço onde podemos ainda, em um mundo normalizado, que nos impõe semelhanças de consumo e atitudes que não dizem respeito a nós, exercer esta individualidade quase perdida.

Este é, sim, um exercício de indvidualidade. É uma lição para quem me acompanha. Como disse, talvez não faça sentido para quem “pega o bonde andando”, mas as edições anteriores estão aí para serem lidas.

No mais, digníssimo Cairo, se puderes colocar um endereço de e-mail ou um site para que possamos contatá-lo, isto seria bastante interessante, já que ficamos com o pé atrás com críticas que não dão a face para bater.

Agradeço também seu tempo dispendido para ler este longo e chato texto e ainda o tempo dispendido para o comentário, que me fez, por sua vez, dispender tempo igual ou maio para escrever esta resposta.

Um grande abraço e siga nos prestigiando.

Se tiveres textos bons que queira nos enviar, estamos cem por cento abertos à sua participação, através do Participe, ali no menu à esquerda!”

Bem, foi isso que lhe respondi, e nesta resposta encontra-se um pouco da história deste blógue, seus antepassados e seu significado para mim.

Fica aqui também um convite para que todos leitores destes escritos também se aventuram pelo mundo do Simplicíssimo. Seus textos serão sempre bem-vindos!

[editar] [2.2.04 8:48 PM RAFAEL LUIZ REINEHR]
Novamente, um filme.

Acabei de ver “O Último Samurai”, com Tom Cruise no papel principal.

Realizando uma análise um tanto alternativa – mas não inverídica – do filme, vemos que é a história de um bebum, de um pau-d´água que tem sua vida reconstruída graças a uma proposta de ensinar um bando de colonos a atirar contra outro bando de samurais.

Durante sua odisséia, é aprisionado pelo inimigo, passa por uma crise de abstinência mas consegue se livrar do vício enquanto compartilha o estilo de vida samurai no meio das montanhas. Aprende a lutar como um guerreiro japonês e solta a franga dançando feliz ao liberar seu lado feminino ao vestir aquele vestidinho dos samurais.

Como não poderia deixar de ser, acaba se apaixonando pela mulher do samurai que matou e fica amiguinho dos filhos do mesmo. Luta ao lado dos samurais na grande batalha contra o mal representado pelo capitalismo americano que invade o Japão sob o consentimento de um fraco Imperador Meiji praticamente subordinado a um grande construtor de estradas de ferro.

Na feroz luta morrem todos, menos quem? Isto aí: nosso herói! (depois das batalhas que ele enfrentou, só mesmo chamando-o de Highlander!

No fim, o imperador mostra a que veio (um pouco tarde demais para o meu gosto) e nosso bonitinho vai morar no meio das montanhas com sua nova esposa, podendo finalmente dormir tranqüilo como sonhava há tempos.

Lindo!

MyDoom.A

Estou tendo extrema dificuldade em lidar com este verme. Recebo mais de 100 mensagens infectadas por dia e já rodei o Norton e o Panda Software sem sucesso. Contatei meu servidor do site e meu provedor e sem solução. Creio que serei mais uma vítima obrigada a destruir um e-mail por conta desta praga. Como dizia Heráclito – nunca entramos duas vezes no mesmo rio, ou, as coisas mudam, I 1/2s mudas até as surdas mudam!

Serviço Militar

Fui liberado do Serviço Militar Obrigatório.

Motivo: não passei no psicotécnico.

Não sei se foi o homem com capa de chuva que desenhei de costas ou foi o fato de eu contar uma historinha entre um homem ajoelhado e outro em um trono e, quando me perguntaram sobre com quem mais me identificava era o sentado no trono, que eu havia dito que era o papa.

De fato, esta obrigatoriedade estava me matando. Nem dormir direito conseguia. Servir, para um médico recém-formado é interessante do ponto de vista financeiro, mas para mim, após 4 anos de especialização e com minha vida já programada e acertada, ia ser uma m…

[editar] [27.1.04 6:47 PM RAFAEL LUIZ REINEHR]
Hoje é dia de crítica cinematográfica. Deixei de comentar 21 gramas e Adeus Lênin vistos no cemeço do ano, mas não vou deixar passar esses dois:

O sorriso de Mona Lisa

Bom filme. Sei que não se começa uma crítica assim, mas isso é passado e vamos logo às explicações.

Ìamos ver “O último Samurai” e, por decisão de minha namorada, que ouvira falar deste filme -onde uma professora vai a um colégio conservador e tenta mudar suas alunas-, decidimos – juntos – assisti-lo prioritariamente (sem muita expectativa, como é de se esperar e como deveria ser, para evitar grandes tombos – todos já aprendemos!).

Depois do início lento do filme, característica imanente de grande parte dos dramas, passamos a perambular por nuances humanas de várias gradações: encontramos o protótipo da mulher ideal da sociedade norte-americana da década de 50, jovem casada com sua dedicação total ao matrimônio; a jovem solteirona “que ninguém quer” que encontra seu amado e os percalços de sua vida de recém-amante; a jovem fácil e fogosa que além de apaixonada pelo professor faz de sua vida um jogo com vários homens; a brilhante jovem que tem sua chance de seguir carreira naquilo que escolheu mas deixa o sonho de lado pela imagem idealizada de um futuro com marido e filhos; e a professora subversiva – Julia Roberts – inicialmente encantada com toda pompa e circunstância da escola Wellselley e depois desiludida pelo excesso de rigidez e conservadorismo, ao descobrir que a escola não formava líderes e seres pensantes, mas sim boas donas-de-casa.

O ponto chave do filme certamente diz respeito ao título do filme ( poderia ser diferente?) em que é feito um questionamento de suma importância: o que importa realmente: o que somos e sentimos ou o que parecemos ou demonstramos sentir? Através do sorriso do quadro Mona Lisa, desenvolve-se uma crítica àquela sociedade estabelecida, onde as mulheres submetiam-se aos desejos da sociedade machista – com o auxílio mesmo de suas mães – sendo muitas vezes o retrato de uma mulher que, em público, transparecia satisfação quando em verdade, em sua vida íntima, estava quebrada em fragmentos. Seu ser desejante era impiedosamente massacrado pelo estabelecido e pouco restava de sua essência.

Mona Lisa estará sorrindo ou parece estar sorrindo? Somos realmente aquilo que demonstramos ou também usamos máscaras?

Bom filme.

Eu fui ver ” Mansão Mal-Assombrada”!

Era uma quinta-feira comum, a não ser pelo fato de que pela manhã iria trabalhar em Novo Hamburgo, das 10:00 às 14:00 e à tarde seguiria para São Leopoldo, cidade vizinha, para trabalhar das 16:00 às 20:00.

Por um desejo macabro não consigo imaginado e impetrado por quem, acabaram por não marcar meus pacientes em Novo Hamburgo. Pronto! Era só o que faltava! O que faria eu das 10:00 às 15:00? Voltar para Porto Alegre? Com o absurdo preço da gasolina? Nem pensar! Só havia uma solução: atravessar a rua e me esbaldar no Shopping Center. Foi o que fiz.

Depois de perambular por todo shopping, cansei os olhos e as pernas. Afinal de contas, meus cromossomos são XY e não XX (estes últimos conferem uma resistência absurda para longas aventuras em locais como shopping-centers, feiras de fábrica ou qualquer lugar onde estejam expostos roupas e sapatos). Comprei algumas revistas e resolvi sentar na Praça de Alimentação, para ler e esperar a fome chegar. Com a fome, veio uma idéia: por que não comer algo e passar as próximas duas horas no cinema, assistindo um filme? Boa idéia! Lá fui eu!

Almocei e me dirigi de pronto em direção ao cinema. Para meu pesar, só poderia assistir a um filme que estava sendo exposto no horário das 13:00: Mansão Mal-Assombrada. Ei, mas espera aí: comédia com Eddie Murphy! Deve ser bacana! (até aquele momento, não havia visto ou lido nenhum comentário acerca do filme, e fui com tudo comprar meu ingresso!).

Comprei meu ingresso, uma pipoquinhas e refrigerante e, quando faltavam dez minutos para o filme fui para a fila. Na fila, começou a bater o pavor. Na minha frente, meia dúzia de pré-adolescentes entre 12 e 13 anos. Atrás de mim ia se formando uma fila parecida, com exceção de um casal de jovens adolescentes entre 16 e 17 anos. Começou a vir um calor, que depois se transformou em frio e percorreu toda minha espinha, alojando-se em algum lugar entre a boca do meu estômago e minha testa, não podia definir bem.

A moça que pega os ingressos começo seu trabalho. Naquele momento, caminhando em direção à sala de cinema, me sentia qual gado indo para o matadouro. Já nem pensava mais no dinheiro gasto nem no tempo perdido, apenas na minha burrice. Note-se aqui uma forte carga de preconceito e também uma expectativa negativa criada pelo público assistente, diferente do meu grupo etário.

Para meu alento, vi entrarem na sala mais 3 adultos, sendo que um era um gigante que entrou com aqueles kits de pipoca gigante e refrigerante gigante (sozinho) e mais duas senhoras que acompanhavam suas filhas. O que ainda me deixava (um pouco) tranqüilo é que o filme tinha censura (12 anos, mas tinha!).

Quanto ao filme, bem, não foi tão ruim assim, mas, a não ser que realmente não tenha mais nada a fazer, não assista. Explico: quase não damos risadas, não é nem um pouco engraçado para um filme com Eddie Murphy e classificado como comédia além do mais, conta uma história decididamente esgotada por contos de fadas e histórias mil que ouvimos desde a infância.

Não cheguei a entrevistar criança alguma na hora da saída, mas não havia nem empolgação quanto menos excitação nos seus olhos ao sair da sala de cinema. Mas, colocam dinheiro fora em tanta coisa, não é mesmo Melhor que seja com algo que se aproxime de cultura. Mastigada, repetida e normalizada, mas cultura.

[editar] [22.1.04 12:07 AM RAFAEL LUIZ REINEHR]
São Paulo: 450 anos

Ao comemorarmos os 100 anos de algo ou alguém, nos referimos ao seu centenário, assim como ao completarmos 150 anos temos o sesquicentenário. Com 200 anos, comemoramos o bicentenário. Mas e com 450 anos?

Creio que na Língua Portuguesa brasileira não há denominação para utilizar nestas ocasiões. Seria quadrisesquicentenário (ou isso seria referente a quatro períodos de 150 anos, e conseqüentemente 600 anos? Epa, então que tal trisesquicentenário???)?

É possível que em Portugal, país definitivamente mais antigo e mão (pai?) de nossa língua, exista nomenclatura adequada para nos referirmos adequadamente aos 450 anos da cidade de São Paulo.

Digníssimos amigos portugueses, que a esta hora significam 5,6% dos acessos ao Escrever Por Escrever, se puderem, me ajudem!

A propósito, a estrela deste pôust é o último! Não deixem de ler, por favor!

Sugestão de visita 001

A partir de hoje começarei, ocasionalmente, a sugerir alguns sítios ou blógues de grande interesse pelo seu conteúdo artístico, literário, político, antropológico, enfim, de alguma humanidade qualquer.

O primeiro sítio que indico é o Brinquedo de Palavras editado pelo grande webdesigner (vê-se isso pelo site) Pipol.

No site, que para ser visualizado é necessário possuir Flash MX instalado, encontramos trechos literários que demonstram a absurda sensibilidade do artista entremeados de imagens linda e brilhantemente conectadas, fazendo do site um verdadeiro teatro digital.

Confiram! Ah! E não deixem de ler o último pôust!

Serviço Militar Obrigatório: uma indecência?

Indecência Militar

(Gabriel O Pensador)

.

Na porta do local do alistamento militar

Esperando pela hora de entrar

de saco cheio, estava eu lá (que paciência!)

Sem nenhuma mulher pra agarrrar e nem um som pra escutar

E um monte de marmanjos do meu lado eu vi

Então pensei “Pô o que que eu tô fazendo aqui?”

Pergunta sem resposta, e raiva batendo

Foi assim que eu fiz um rap pra passar o tempo

Serviço militar obrigatório é uma indecencia

Um ano sem mulher batendo continencia

Escravidão numa democracia

É uma incoerência

Um ano sem mulher batendo continencia

Serviço militar obrigatório é uma indecencia

Um ano sem mulher batendo continencia

Um ano sem mulher só ralando

E o salário?

Não leve a mal mas isso é coisa pra otário

Alguns podem até gostar da brincadeira

Mas o serviço só é bom pra quem quer seguir carreira militar

Mas rapá, pro Pensador não dá!

Servindo o exército, marinha, aeronáutica ou qualquer porra dessas

Não interessa eu ia ser um infeliz

Ia ficar revoltado como eu nunca quis

Servindo quem montou a ditadura aqui no meu país

Usando farda e lavando o chão

Sem reclama de nada pra não ser jogado na prisão

Hum mas que situação! Então

Batendo continencia e fazendo flexão

Para os caras que prenderam meu pai

E mataram tantos outros institucionalizando a repressão

Não! Agora acorda e concorda com esse refrão!

E porque não?

Nas mãos dos militares muito jovem já morreu

Não quero ser soldado! Quem manda em mim sou eu!

Esse é o defeito da nossa sociedade

Um ano da minha vida não pode ser gasto assim

Escravizado por quem nunca fez nada de bom por mim

Essa contradição me repudia

Serviço obrigatório não combina com democracia

A porta abre e todos entram

Tô torcendo pra sobrar enquanto isso dá vontade de cantar

Olha aí rapaz, como você fala das nossas instituições democráticas!

Instituições o que?

Ih! Eu acho que eu tô doidão, eu ouvi “democráticas”!

Ah tá…

Decidi escrever sobre este tema pois nos dois últimos dias passei pela experiência de uma seleção para a Aeronáutica, no V COMAR (Comando Regional da Aeronáutica), em Canoas, Rio Grande do Sul.

Depois de 10 anos que incluíram 6 anos de graduação em Medicina, 2 anos de especialização em Medicina Interna e 2 anos de especialização em Endocrinologia, sempre solicitando adiamento para realização de minha formação profissional, finalmente chegou a hora de “prestar contas à Pátria Amada Brasil”.

A obrigatoriedade do Serviço Militar não é exclusividade do Brasil, onde somente a população masculina presta necessariamente 1 ano de trabalhos para as forças armadas (em alguns países chega a dois anos a obigatoriedade).

A questão que se impõe paira sobre esta mesma obrigatoriedade: trabalho comunitário instituído ou indecência restritora de liberdade?

Existem bons argumentos que defendem cada ponto de vista.

Na defesa da obrigatoriedade, surgem vozes que reproduzem as necessidades da sociedade brasileira (defesa das fronteiras, proteção em caso de conflitos civis, acesso da saúde em áreas remotas, etc.), a responsabilidade que o recruta adquire ao servir (pfúú!) e, no caso dos formandos de Medicina, Farmácia, Odontologia e Medicina Veterinária, o retorno necessário a ser dado por esta pequena parcela da população que concluiu o terceiro grau graças ao financiamento ou subsídio do Estado.

Do lado oposto, gritam as vozes da Revolução Francesa e também interpretações radicais (quem sabe deturpadas) de Hannah Arendt, na defesa da liberdade do indivíduo enquanto membro de uma coletividade. Sugerem que deveria inexistir a obrigatoriedade de um serviço militar pois o mesmo seria inclusive uma contradição aos princípios liberais expressos na própria Constituição brasileira.

No caso de profissionais da área da saúde, a grande maioria que se apresenta especificamente à Aeronáutica é composta de muitos odontologistas e farmacêuticos voluntários, principalmente do sexo feminino, sendo menor a freqüência de voluntários na área médica.

Além do mais, conhecendo um pouco da estrutura e do funcionamento das forças armadas e sua relação com a comunidade, afirmo que seria praticamente impossível reduzir de pronto a quantidade de seu efetivo.

Então, deixa assim e vamos parar de falar desse assunto, chato pra caramba! Além do mais, você, raro cidadão que chegou até este ponto na leitura deve estar se perguntando: para que serve o que acabei de ler aí em cima… Ta bom, concordo! Este foi um legítimo exercício de escrever por escrever, que não acrescentou nada a ninguém… Deixa eu ir pro banho que ainda estou com a roupa com que fiz o teste físico lá na aeronáutica hoje…

Leia o próximo pôust!

Esquerda, Direitos e Devires

Pouco mais de um ano depois da mais aclamada vitória democrática da esquerda na história política recente da América Latina, cabe aqui uma discussão acerca da definição e da nova posição ocupada por esta esquerda.

Em rodas de amigos ou mesmo em discussões acadêmicas, muitos usualmente dizem que esquerda no poder deixa de ser esquerda para tornar-se direita e que, a partir de então, quem se tornaria esquerda seria a oposição (previamente no poder).

Teimo em discordar e para tanto buscarei basear minha argumentação em dois grandes amigos do pensamento contemporâneo: Gilles Deleuze e Félix Guattari. Juntos, os dois pensadores escreveram obras clássicas como “Mil Platôs” e “O Anti-Édipo. Capitalismo e Esquizofrenia”

De acordo com seu pensamento – e aqui me forço a uma interpretação pessoal – podemos chamar de ¿esquerda¿ todas aquelas forças oriundas das minorias negligenciadas pela ordem instituída que buscam, através da produção incessante de singularidades, encontrar seu lugar.

É na perene batalha entre instituinte e instituído que encontramos a verdadeira força (pulsão) da esquerda.

Guattari e Deleuze chamam de devires os constantes movimentos instituintes destas minorias, criando alguns devires que aqui posso exemplificar, como o devir homossexual, o devir negro, o devir mulher, o devir molecular só para citar alguns. Em nosso contexto sócio-econômico-político poderia eu acrescentar o devir sem-terra, o devir aposentado, o devir pequena empresa e o devir paciente na fila do SUS (embora todos exceto o primeiro dos últimos citados com pequeno poder de gerar tensão suficiente para incomodar o instituído).

Na busca de seu espaço, estes devires são geradores de tensão na superfície do estabelecido, naquilo que chamam de “Capitalismo Mundial Integrado”, representado pelas instituições oficiais dos Estados, Escola, Igreja e meios de comunicação de massa, entre outros.

No momento em que a minoria é açambarcada pelo meio instituído – ou se integra a ele voluntariamente – esta deixa de produzir subjetividade e se mescla à grande massa sem individualidade e normalizada pela ordem vigente.

Aqui, podemos ver que o governo que temos hoje em nosso país certamente deixou de ser esquerda, pois aceitou tacitamente algumas das ferramentas da organização instituída a que se filiou mas, ao mesmo tempo, não pode ser considerado direita (permanecendo parcialmente esquerda, então), pois germinam ainda, dentro de si, forças que buscam modificar o estabelecido, gerar o novo.

Recentes eventos, como a fissão dentro do próprio Partido dos Trabalhadores mostram bem essa faceta a qual me referi acima – e da qual só foi visualizada porção correspondente à ponta de um iceberg.

Nessa guerra de titãs entre a simbiose hoje estabelecida em nosso Estado e as cada vez mais gritantes “forças desejantes” das minorias, percalços são previsíveis mas a busca dos direitos – ou como preferem Deleuze e Guattari, do espaço para exercer a singularidade – não deve cessar, pois essa mesma é a essência da realidade.

Apesar de vozes da ultra-direita pós-diretas já tentarem se amplificar, o bom-senso e juízo crítico da direita moderada foi capaz de ouvir o clamor popular, a grita desta bastante suficiente minoria – não em número mas em voz ativa -, o que possibilitou grandes mudanças no contexto sócio-econômico, principalmente no que diz respeito às reformas previdenciária e tributária.

Finalmente, a forma que hoje se apresenta constituído, o governo brasileiro, outrora denominado ¿esquerda¿, encontra-se provisoriamente em um limbo cuja melhor definição seria “esquerda-direita”, ou, porquê não, “centro”, já que do centro é o melhor caminho para chegar às duas extremidades e seguir realizando o governo de coalizão pelo qual se caracteriza a atual administração. Há que se concordar, indubitavelmente, que ambas correntes – conciliadora e revolucionária – atuam simultaneamente na direção do país.

Quem sabe a escolha desse caminho – o caminho do meio do taoísmo chinês – não seja, enfim, aquele que nos levará a dias melhores em um futuro breve?

* imagem inspirada na capa do livro Sociologia e Antropologia, de Marcel Mauss, publicado originalmente em 1950 e reeditado em português em 2003 pela Editora Cosac & Naify

[editar] [16.1.04 12:37 PM RAFAEL LUIZ REINEHR]
Para hoje não consegui tempo suficiente para escrever nada original. Na verdade, escrevi várias coisas mas não consegui terminar nenhuma. Isso quer dizer que teremos uma sessão revival (pelo menos para mim!). Disporei aqui alguns textos já apresentados ou publicados em tempos idos em outros meios ou locais. No próximo pôust, textos inéditos.

Segue a agenda das postagens até 29 de fevereiro. A partir de então, não teremos mais datas fixas de postagem. As datas a seguir servem para guiar o amigo leitor para que não se ocupe de entrar neste blógue por mais de uma vez sem que o mesmo esteja atualizado (claro que é muita imbecilidade minha acreditar que alguém vá anotar estas datas e se utilizar delas, sendo mais fácil simplesmente dar um clique em um línque e “dar uma olhadinha” para ver se tem novidade… Mas, mesmo assim…

Pôust 7 – 16/01

Pôust 8 – 22/01

Pôust 9 – 27/01

Pôust 10 – 02/02

Pôust 11 – 07/02

Pôust 12 – 13/02

Pôust 13 – 18/02

Pôust 14 – 24/02

Pôust 15 – 29/02 (2004 é ano bissexto!)

Obesidade: a Epidemia dos Tempos Modernos

(texto originalmente publicado no Jornal Deutsche Integration de Agudo-RS)

A Obesidade, até há bem pouco tempo, passava despercebida entre a vasta gama de enfermidades que assolam o ser humano. Isso porque, até muito recentemente, era encarada como sinal de personalidade fraca, combinação de glutonice e maus cuidados com o próprio corpo. A relutância da própria Medicina em encarar a Obesidade como doença levou a uma demora na identificação de métodos eficazes para o seu controle. Tanto demorou que hoje vivemos uma epidemia, na qual cerca de um terço (33%) da população adulta brasileira apresenta sobrepeso e um quarto (25%) é obesa (e esses números estão crescendo ano após ano!)

Mas se consideramos a Obesidade uma doença, por que isso ocorre? Basicamente porque a presença de obesidade está associada ao surgimento em maior freqüência de uma série de enfermidades, como a hipertensão, o diabete melito, infarto do miocárdio, acidentes vasculares cerebrais (derrames), gota, câncer de útero, osteoartrose de quadril, joelhos e tornozelos, cálculos na vesícula, varizes, cálculos renais, câncer de mama, irregularidades menstruais, excesso de pêlos e também infertilidade e morte prematura.

O que mudou nos últimos anos? Passou-se de uma visão permissiva para uma mais intromissiva no que tange a Obesidade. Sabe-se que praticamente a totalidade dos pacientes obesos apresentam algum transtorno do humor, quer seja o humor deprimido levando ao sedentarismo e a pouca busca por atividade física saudável e necessária, ou a ansiedade, associada a hábitos alimentares compulsivos e outros comportamentos auto-destrutivos.

E quais são as causas da obesidade? Além dos fatores genéticos, herdados de nossos pais e avós, temos a influência importante de fatores ambientais, quais sejam: ingestão de alimentos e atividade física.

As pessoas gordinhas e com a família também gordinha têm uma tendência herdada de gastar menos a energia ingerida do que uma pessoa magrinha com um mesmo grau de atividade física. A isso chamamos de metabolismo basal diminuído. É por isso que a pessoa obesa deve se esforçar mais (comer menos ou se exercitar mais) que uma pessoa com tendência familiar a ser magra.

Em relação ao ambiente, um dos fatores mais notórios associados à epidemia da obesidade diz respeito ao desenvolvimento tecnológico e o aumento do conforto de nossa sociedade ocidental contemporânea. Desta feita, controles remotos para aparelhos eletrônicos, direções hidráulicas e vidros elétricos nos automóveis, lavadoras de roupa e de louça, tele-entregas e outras comodidades jogam a favor de uma economia de energia e conseqüente ganho de peso. Não é mais preciso caçar, pescar ou colher o alimento. É só esticar o braço na prateleira do supermercado.

As comidas gordurosas nunca estiveram tão em voga: fast-foods, pizzas, hambúrgueres, massas, queijos, carnes… Que gostosura! É claro, comer é bom, todo mundo gosta, dá prazer! É por isso que é tão difícil perder peso: temos que castrar (ou pelo menos limitar) um de nossos maiores prazeres!

É tarefa difícil mas de jeito algum impossível! Com uma boa reeducação alimentar, trocando alimentos mais por menos calóricos, aprendendo a lidar com a compulsão, realizando exercícios físicos regulares de forma adequada e, ocasionalmente, com auxílio inicial de alguma medicação, podemos vencer esta batalha contra o excesso de peso e tornar a vida de muitas pessoas mais saudável e prazerosa.

(apesar da abordagem “popular”, é um texto simples que tem muito a dizer…)

Pensamentos Privados

Faço força para não pensar

Enquanto caem das minhas entranhas

Sentimentos digeridos e absorvidos

Que já não me servem mais

Libero, em toda minha impaciência

O vil odor que agora assola o ambiente

O hálito pensante sobrenada cansado,

Inerte, só, desesperado

Não quero mais essa angústia

Limpo minh’alma e sigo andando

Há muito que sei o meu caminho

Ele eu sigo, sorrindo contente

(esse poema foi o primeiro de uma série de 5 poemas escritos para participar de um concurso nacional promovido pela Editora Shan. Está publicado em “Antologia Poética Brasileira 1999”, da Série Gaivota e na edição 008 do site Simplicíssimo. O mesmo foi literalmente escrito sentado em uma privada, durante o ato de evacuar, e é uma reflexão profunda sobre o referido ato.)

Resenha do Texto “O Homem e a Câmera”, de Jean Rouch

(para a cadeira “Seminários Livres em Antropologia Visual” do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, apresentado em 8 de junho de 2001)

No texto “O Homem e a Câmera”, Jean Rouch traça um painel histórico do cinema na Antropologia, encarando essa entrada do seu ponto de vista extremamente peculiar e certamente validado pelo fato de que ele mesmo participou de grande parte da história do cinema etnográfico.

Para tanto, percorre os caminhos trilhados desde 1872, quando Eadweard Muybridge fez a primeira sequência fotográfica de um cavalo trotando, passando por Étienne-Jules Marey com seu cronofotógrafo, que trouxe movimento à fotografia, por Félix Regnault, que em 1900 foi o primeiro a usar os cilindros de Edison para gravar sons e chegando, na década de 20 aos “precursores” do cinema antropológico: Dziga Vertov e Robert Flaherty (ambos fazendo etnografia sem saberem!)

Flaherty, filmando um esquimó, Nanook, por volta de 1920, inserido no meio da cultura esquimó, inventou a “observação participante” e, com sua idéia de partilhar seu trabalho com os esquimós, criou o “feedback”, ou seja, o retorno da informação captada através das imagens para a própria cultura que havia sido focada pelas lentes.

Vertov trabalhando na mesma época, preocupou-se em filmar pequenas partículas da realidade, ao invés de embrenhar-se em um ambiente hostil e distante. Foi Vertov que criou o “cine-olho”, ou seja, uma perspectiva através da qual o espectador via nas imagens através dos olhos do etnógrafo, do cinegrafista. Vertov ia atrás dos acontecimentos à medida que estes iam se desenrolando, filmando as cenas cruas, sem preparações, introduzinho assim o “Cinéma-vérité” (cinema verdade), ou seja: a realidade em movimento.

Na década seguinte, com os progressos técnicos, ficou muito mais fácil a realização das filmagens, mas também, com o recém criado cinema falado, o cinema comercial “tomou conta da cena”. Em vez de ir ao encontro das pessoas, o novo cinema trouxe as pessoas para perto das câmeras, para dentro dos estúdios. Citou a crise do cinema etnográfico tentando se mesclar com o cinema comercial e os desastrosos resultados dessa tentativa naquela ocasião, como os filmes de Marcel Griaule e Patrick O¿Reilly.

Após a Segunda Guerra, com o surgimento de câmeras mais leves e equipamentos de som com gravação simultânea com as imagens, o desenvolvimento do cinema foi rápido. Em 1955, Rouch tenta definir o filme etnográfico, que entre outras coisas teria a função de imortalizar algum aspecto de uma cultura, um aspecto da realidade atual.

A partir de 1960, com equipamentos modernos, a qualidade dos filmes etnográficos cresceu. A partir daqui, Rouch começa a comentar alguns aspectos interessantes desse “Cinema etnográfico”.

Comenta o fato de a distribuição de filmes etnográficos ser restrita, ao contrário dos filmes comerciais, apesar de técnicas semelhantes serem usadas em ambos, excetuando-se documentários sensacionalistas como “Mondo Cane”. Questiona se o melhor seria um etnógrafo-cinegrafista ou um etnógrafo com uma equipe de filmagem, decidindo-se pelo primeiro, pela menor “invasividade” e pelo fato de que o etnógrafo seria o único a saber exatamente quando e para onde apontar a câmera. Acredita que a perda técnica resultante disso não seria problema tendo em vista os benefícios.

Compara câmeras em tripés com câmeras seguras somente pela mão e inclusive o uso de zoom ou somente de lentes fixas (necessitando assim o cinegrafista aproximar-se mais da cena para dar a impressão de “cine-eye”).

Passa pela edição das imagens, a inclusão de comentários, legendas e música e toca na questão da exposição do filme pronto à população estudada. Critica a exposição de muitas informações orais por parte do cientista, que poderiam dar uma interpretação (muitas vezes errada) daquilo que se está vendo e se pode interpretar com os próprios olhos. Também o faz em relação a legendas muito extensas e ao fato de que, muitas vezes, músicas e sons são inapropriados a determinadas cenas, citando o exemplo de Bataille sur le grand fleuve, onde ele próprio colocou músicas com instrumentos de cordas para dar um clima de ¿caçada¿ mas, quando mostrou o filme aos caçadores, estes solicitaram que a música fosse retirada, tendo em vista que a caçada necessitava extrema concentração e silêncio!

Analisando os comentários dos filmes desde 1930, verifica que eles passaram de um aspecto “barroco colonial” para um de “aventura exótica” e chegaram à “secura de um relato científico”.

Rouch pergunta-se: para quem os filmes são feitos? Para quem? Para quem? E por quê? Encontra algumas respostas, nenhuma definitiva. Talvez para si próprio, por achar que em certos lugares, em certos momentos e com certas pessoas que a câmera seja necessária. E porquê? Para deixar registrados aspectos de culturas que estão rapidamente mudando ou próximas da extinção, para demonstrar comportamentos em situações de revolta, para gravar um gesto, uma face que não pode deixar de ser filmada ou, simplesmente porque existe uma necessidade súbita de filmar. Mais tarde conclui que os filmes etnográficos devem ser feitos para a maior audiência possível, para todas as pessoas.

Assim, através da demonstração de conceitos interessantes como o da “câmera participante”, o da “antropologia compartilhada” e do “cine-eye”, Jean Rouch nos impregna de conhecimento e estímulo em busca da construção de um novo tempo no mundo do cinema antropológico, fornecendo a base e deixando em aberto o futuro, com uma visão: a de um tempo onde a câmera passará às mãos daqueles que hoje são estudados, e os mesmos farão o trabalho por si próprios, não sendo mais o antropólogo o indivíduo a monopolizar a observação das coisas.

PRÓXIMOS PÔUSTS: “Esquerda, Direitos e Devires”, “Serviço Militar Obrigatório – é uma indecência?”

[editar] [11.1.04 11:42 AM RAFAEL LUIZ REINEHR]
Che Guevara e seus novos modelos de boina

Antes de mais nada preciso dizer aos amigos da Esquerda que estamos do mesmo lado! Antes de qualquer atitude mais exaltada, saibam que esta é apenas uma brincadeira no Photoshop. Tenham por certo que Guevara não estaria se revirando no túmulo e sim dando risadas desta piada.

Agora sim, podemos seguir adiante. Se ainda assim a indignação permanece, tentem ler o texto abaixo sobre Norberto Bobbio e vejam como ele se auto-define ao fim do texto. Se mesmo assim continuares indignado, acho que precisas de umas aulas de yoga ou um retiro nas montanhas, coisa do gênero!

Perdemos Norberto Bobbio

Morreu anteontem, aos 94 anos, Norberto Bobbio, um dos principais filósofos políticos do século XX.

A despeito de ser socialista, não deixava de reconhecer os méritos do pensamento liberal, negando assim a crença maniqueísta de que todo o bem esteja de um lado e todo o mal de outro.

Autor de 50 livros sobre política, filosofia e direito, o professor emérito da Universidade de Turim e Senador vitalício, nascido a 18 de outubro de 1909, Bobbio estudou direito e filosofia e foi professor universitário e jornalista.

Entre suas idéias encontravam-se a “desconfiança de uma política excessivamente ideologizada que divide e exclui; a defesa do governo das leis contra o governo dos homens; a opção pelo laicismo como exercício do espírito crítico contra os dogmatismos opostos dos católicos e dos comunistas.”

Autobiografa-se como alguém de “nascimento em família burguesa, os estudos habituais de um rapaz de boa burguesia citadina, liceu clássico e universidade, vida sedentária transcorrida em grande parte entre as quatro paredes de um escritório, ou nas mais diversas bibliotecas do mundo, salvo algumas viagens para participar de congressos ou proferir conferências, um casamento feliz e vida familiar serena, vida pacífica num dos períodos mais dramáticos da história européia”.

Adepto da máxima de que “no meio está a virtude” – lembrando o pensamento taoísta – Norberto era um pessimista de mão cheia, agnóstico e inclinado a “achar as razões da dúvida mais convincentes do que as da certeza”, dizia viver como leigo em um mundo que ignorava a dimensão da esperança.

Para se auto-definir, usava um trecho que certamente resume todo seu legado de sabedoria e nos inspira a seguir seu exemplo:

“Aprendi a respeitar as idéias alheias, a deter-me diante de segredo de cada consciência, a compreender antes de discutir, a discutir antes de condenar. E já que estou em veia de confidências, faço uma ainda, talvez supérflua: detesto os fanáticos com toda a alma”.

(sintetizado e adaptado a partir da página A10 da Folha de São Paulo de 10/01/2004, a partir de textos de Renato Janine Ribeiro e Rubens Ricupero)

A impossibilidade do SUS – o possível do impossível (parte II de II, a princípio…)

A gratuidade do Sistema Único de Saúde Brasileiro (SUS) está com seus dias contados. O que falta? Iniciativa para mudar uma situação que já beira o insustentável.

Não existem bolsos públicos do tamanho necessário para manter a UNIVERSALIDADE e a INTEGRALIDADE que constituem o cerne do SUS.

A solução que se apresenta seria a de cobrar pela utilização da rede pública de saúde, desde a consulta médica, odonto ou psicológica, até os exames diagnósticos ou tratamentos oferecidos.

Tal ônus seria proporcional à condição econômica do favorecido e se daria até mesmo àqueles sem as mínimas condições de pagar qualquer centavo. Ficariam isentos de custo tão somente as atividades de prevenção primária à saúde, tão negligenciadas atualmente por profissionais e mesmo pacientes ¿ e maiores responsáveis pela diminuição da incidência de enfermidades.

Para dar seqüência ao meu pensamento, transcrevo o editorial da edição 34 do Jornal Virtual Simplicíssimo, onde a idéia está posta de forma clara e breve com exemplos):

“Dia desses estava conversando com um amigo sobre o SUS. Isso, o “Sistema Único de Saúde” brasileiro. Desde os idos da década de 80 que essa utopia tenta se estabelecer. Sem sucesso. Aparentemente, cada vez mais aumenta a tecnologia necessária para o bem tratar do paciente, pois nossos incansáveis cientistas descobrem mais e mais formas de descobrir antes, ver melhor e também tratar mais adequadamente as doenças. Não é preciso dizer que toda essa melhoria que cresce vertiginosamente tem um custo. Que também cresce vertiginosamente! Fora dos parâmetros possíveis de serem abarcados por um sistema de saúde que busca ser universal (para todo e qualquer cidadão brasileiro), integral (da mais simples consulta médica e do pedido de hemograma até o mais elaborado PET scan ou angioressonância disponíveis) e gratuito.

Se a tecnologia não pára de se desenvolver, a qualidade da saúde possível de ser oferecida também não, e, ora, os custos acompanham este acréscimo de qualidade, nada mais justo do que pagar por todo esse novo conhecimento! É utópico, atualmente, conceber um sistema público de saúde que seja responsável por todo e qualquer gasto de toda a população de um país do tamanho do Brasil!

A proliferação da busca por planos privados de saúde é somente um dos sinais dessa insuficiência. Mas como então podemos resolver o problema desta saúde que anda tão capenga?

Em primeiro lugar, toda e qualquer consulta deveria ter um valor, um custo para o paciente, mesmo que simbólico. Isso evitaria, entre outras coisas, o que ocorre todos os dias em nosso sistema de saúde: consultas por frivolidades, ocupando a vez de quem realmente necessita; marcações desenfreadas para todo e qualquer tipo de especialista sem a devida avaliação ( o paciente só buscaria auxílio se realmente estivesse necessitando (sabemos que hoje não é assim) e assim por diante. O mesmo valeria para exames. Hoje, como os exames não são pagos, boa parte das pessoas nem se interessa por saber qual exame está sendo realizado. Vai consultar no clínico no Posto de Saúde em fevereiro e este lhe pede um hemograma, glicose, colesterol e triglicerídeos. Como estava com dor no peito, pede encaminhamento ao cardiologista, no Hospital A, que lhe pede uma glicose, colesterol e triglicerídeos, além de um eletrocardiograma. O paciente leva os exames ao clínico que diagnostica diabete e encaminha o paciente ao Endocrinologista. Chegando ao Endócrino no Hospital B, este solicita uma glicose, colesterol, triglicerídeos, já que o paciente não lembrou de trazer os exames nem sabe direito por que está consultando com aquele médico. Isso acontece TODOS os dias, acreditem! TODOS os dias!!!

Claro que um sistema informatizado integrado poderia resolver este último problema, mas mesmo assim, não há dinheiro público suficiente para açambarcar toda saúde da nação. Aí você vai dizer: e se o Zé Ninguém, pobre de marré de si, que mora na Rua do Sobe e Desce, número que não aparece, que não tem onde cair morto acaba caindo na Emergência do Hospital, vomitando sangue pelas orelhas depois de ter tomado todas e mais algumas, o que fazer? Cobrar como dessa figura? Tiramos-lhe as calças cagadas? De forma alguma! Este paciente precisa ser realmente ajudado! Seu problema é principalmente social. A este, se o Estado não ajudar, a morte vai logo logo pegar. Este pode ser supervisionado por uma equipe de médicos comunitários, auxiliado por uma assistente social e, inclusive, pensar em pagar seu atendimento com algum serviço voluntário. Pôxa, mas ele não tem dinheiro nem pra cachaça quanto mais pra pensar em fazer serviço voluntário! Aí é que você se engana! Para quem não ganha migalha, um serviço “voluntário” que ofereça residência temporária, alimentação e vestimenta é uma “baita mão na roda”. Mas o que você está dizendo: o mendigo bebum vai trabalhar pro governo? É isso aí que estou dizendo!!! O cara morava na rua, bebia até vomitar o fígado. Agora ele vai pra uma casa comunitária mantida pelo governo, vai ter uma assistente social lhe ajudando, orientação e supervisão de uma equipe composta por, no mínimo alguns médicos comunitários, psicólogos e voluntários e vai ser, ele mesmo, um voluntário. Pode ajudar a limpar os parques da cidade, pode ajudar na cozinha da casa comunitária, pode ajudar- depois da barba feita e de uma orientação – a cuidar de crianças em uma creche comunitária. Utopia? Menor do que a de um sistema público universal integral e gratuito de saúde pública!

A idéia é essa. Todos temos que colaborar com o Sistema Único de Saúde para que ele realmente possa beneficiar a todos, integralmente e de forma verdadeiramente efetiva. Não devemos ter vergonha em aceitar que não estamos ainda prontos para realizar nosso sonho. A idéia do SUS continua sendo, em essência, fenomenal e única. O momento, infelizmente, ainda não chegou. Hora de retroceder para ganhar fôlego. Só assim sairemos deste buraco que estamos nos enfiando e nos aproximaremos do conceito de saúde pregado pela Organização Mundial da Saúde: “Saúde é um estado de completo bem-estar físico, mental e social e não meramente a ausência de doença ou enfermidade”. . Até lá!”

Uma Tentativa de uma Breve Análise Sócio-Psicológica das Letras de “Admirável Chip Novo”, “Máscara”, “O Lobo” e “Do Mesmo Lado”, de Pitty

Para realizar esta valorosa e curiosa tarefa resolvi convidar algumas pessoas, às quais agradeço inestimavelmente pelas idéias geradas e divididas. Essas pessoas são: Maurício Silveira dos Santos, Lia Shulz, Luciane Kessler e Carolina Schumacher, que de ontem à tardinha até o surgir da noite, sentados comigo em um bar na Rua da República se dedicaram à tarefa – entre uma e outra amenidade – de fazer uma avaliação crítica de algumas músicas desta surpreendente cantora brasileira.

Pitty na verdade é Priscilla Leoni, tem 25 anos, nasceu na Bahia e, no meio de todo aquele axé conseguiu sair uma verdadeira musa do rock brazuca.

Passo agora a transcrever a letra de 4 de suas músicas (todas de autoria da própria Pitty) seguida de uma breve análise sócio-psicológica de suas letras. As fotos foram retiradas do site oficial da Pitty.

Admirável Chip Novo

Pane no sistema alguém me desconfigurou

Aonde estão meus olhos de robô?

Eu não sabia, eu não tinha percebido

Eu sempre achei que era vivo

Parafuso e fluído em lugar de articulação

Até achava que aqui batia um coração

Nada é orgânico é tudo programado

E eu achando que tinha me libertado

Mais lá vem eles novamente e eu sei o que vou fazer:

Reinstalar o sistema

Pense, fale, compre, beba

Leia, vote não se esqueça

Use, seja, ouça, diga

Tenha, more gaste e viva

Não sinhô, Sim sinhô, Não sinhô, Sim sinhô

A música sugere que estamos atravessados por uma confusão entre nossa identidade humana e nossa identidade máquina. Afinal, vivemos em tempos onde o mundo todo é governado por máquinas, desde automóveis, trens ou aviões mas também computadores, caixas-registradoras, celulares e CD-players.

No momento em que refere “nada é orgânico é tudo programado”, além da visão óbvia vinda de um robô que achava que era gente e se descobre robô, temos justamente a visão contrária, oferecida por Félix Guattari: de que na verdade somos humanos normalizados pelo Capitalismo Mundial Integrado, as forças sociais instituídas como Escola, Igreja, meios de comunicação de massa que produzem seres humanos com individualidade embotadas, que querem as mesmas coisas, tem os mesmos objetivos de consumo ou ideais de vida. Na frase “e eu achando que tinha me libertado”, podemos lembrar destas forças que a todo custo tentam minar nossa humanidade, tentando nos trazer de volta à “normalização”, à ausência de singularidade.

No refrão “pense, fale, compre, beba…”, temos imperativos categóricos que demonstram o aspecto acima referido dos meios de comunicação de massa e também das outras instituições tentando – mesmo de forma adolescente – “prescrever um comportamento”.

No fim (“não sinhô, sim sinhô, não sinhô, sim sinhô”) podemos ter uma visão pessimista – de que tudo permanecerá igual e somente o que devemos fazer é acenar com a cabeça baixa e seguir como bonecos manipulados – ou, como prefiro, uma visão otimista de que temos capacidade de responder à altura e nos libertar das opressões e das “falsas necessidades” que são geradas em nós pelo meio em que vivemos e que somos estimulados.

Máscara

Diga quem você é, me diga

Me fale sobre a sua estrada

Me conte sobre a sua vida

Tira

A máscara que cobre o seu rosto

Se mostre e eu descubro se eu gosto

Do seu verdadeiro jeito de ser

Ninguem merece ser só mais um bonitinho

Nem transparecer… consciente ou inconsequente

Sem se preocupar em ser adulto ou criança

O importante é ser você

Mesmo que seja estranho, seja você

Mesmo que seja bizarro, bizarro, bizarro

Meu cabelo não é igual

A sua roupa não é igual

Ao meu tamanho, não é igual

Ao seu caráter, não é igual

Não é igual, não é igual…

Esta música é justamente uma ode à produção da diferença, da singularidade que referíamos acima.

Ela também faz alusão às máscaras sociais que muitas vezes devemos criar para podermos nos bem comunicar no meio profissional, familiar mas que na verdade não representam o verdadeiro eu, ou nossa “essência”. Pitty canta em favor deste verdadeiro eu que deve se apresentar em todas as circunstâncias para gerar relações verdadeiras entre os seres e não entre nossas máscaras.

Quando canta: “meu cabelo não é igual, a sua roupa não é igual, ao meu tamanho, não é igual, ao seu caráter, não é igual…” nos lembramos que somos realmente diferentes, pessoas com intelectos, idéias, corpos, formas de agir e pensar diferentes mas que muitas vezes (e cada vez mais) tendemos a pensar e a agir de forma monotonamente mecanizada e repetitiva, novamente uma crítica à produção massificada de indivíduos iguais pelo Capitalismo Mundial Integrado (Félix Guattari).

O Lobo

Houve um tempo em que os homens

em suas tribos eram iguais

Veio a fome e então a guerra

pra alimentá-los como animais

não Houve tempo em que o homem

por sobre a terra viveu em paz

Desde sempre tudo é motivo

pra jorrar sangue cada vez mais

O homem é, o lodo do homem, o lobo

O homem é, o lodo do homem, o lobo

Sempre em busca do próprio gozo

e todo zelo ficou pra trás

Nunca cede e nem esquece

o que aprendeu com seus ancestrais

Não perdoa e nem releva

nunca vê que já é demais

Em “O Lobo” temos uma visão interessante do homem como o “bom selvagem” de Rousseau, como podemos aferir do início da música “houve um tempo em que os homens em suas tribos eram iguais”. Esta era a época do Estado de Natureza com uma auto-organização suficiente.

Já no refrão, a idéia que se passa é diferente: depois de algum tempo vivendo em harmonia, criou o homem a guerra e fez jorrar sangue, lembrando Hobbes e sua idéia de que o homem é egoísta por princípio e que o mundo não satisfaz suas necessidades, defendendo que no Estado Natural haveria necessariamente competição pela riqueza, pela segurança e pela glória.

Da passagem “sempre em busca do próprio gozo e todo zelo ficou pra trás” podemos fazer várias interpretações:

A primeira delas através de uma leitura zen: a busca eterna da satisfação, o desejo infinito – quando conseguimos algo, queremos algo mais infinitamente, Deveríamos nos livras desta busca constante pelos objetos de nosso desejo. Para Lacan a única forma de vivenciar um estado de não-desejo seria a Morte.

Para Gilles Deleuze e Félix Guattari o “gozo” referido expressaria-se através de um desejo de produção – produção de arte, de matéria, de dinheiro.

Também podemos fazer , da mesma sentença uma alusão ao atual governo norte-americano, que, além de não assinar o Tratado de Kyoto pela redução dos poluentes atmosféricos justificando simplesmente que isso iria reduzir a produção industrial americana, também volveu guerra contra o Iraque sem justificativa cabível.

Do Mesmo Lado

Quem chegou a ouvir o som?

Quem ligou se não tá no tom?

Quem não viu e mesmo assim falou?

Quem tomou e não gostou?

Quem dividiu o tudo em dois?

Quem preferiu deixar pra depois?

Quem escolheu o bem e o mal?

Quem achou que tudo é normal?

E eu tô do mesmo lado que você

E eu tô no mesmo barco que você

Então pensa, ouve e vive a música

Quem chegou a ouvir o som?

Quem ligou se não tá no tom?

Quem não viu e mesmo assim falou?

Quem tomou e não gostou?

Quem partiu a Terra ao meio?

Quem decidiu o que era feio?

Quem acreditou no “tudo bem”?

Quem confiou em alguém?

E eu tô do mesmo lado que você

E eu tô no mesmo barco que você

Então pensa, ouve e vive a música

Esta música abre-se a numerosas interpretações. De uma forma geral, ela fala de solidariedade, busca uma lógica holística, plural e que, por isso mesmo induz à contradição – lembrando o pensamento complexo de Edgar Morin.

“Quem preferiu deixar pra depois?”- lembra um hábito muito presente nas sociedades ocidentais urbanas: o da procrastinação. Acabamos por empurrar as coisas com a barriga sempre para a última hora quando devemos faze-lo correndo para tender o prazo solicitado.

“Quem escolheu o bem e o mal?” – lembra o maniqueísmo a que muitos ainda somos afeitos e também levanta a questão taoísta do caminho do meio, a busca do equilíbrio entre o bem e o mal.

“Quem não viu e mesmo assim falou?” – lembra novamente a busca de armas de destruição em massa no Iraque, que apesar de não existirem foram o motivo para a invasão e destruição do país.

“Quem decidiu o que era feio?” faz lembrar Nietsche em seu questionamento sobre quem havia decidido quais os valores de nossa forma de viver.

Bem, é isso! Poderíamos ter desenvolvido mais idéias pois a fertilidade desta terra que são as letras da Pitty são enormes. Essa foi a primeira de uma série de “Tentativas” que irei fazer com auxílio de amigos nos mais variados bares de Porto Alegre. Até a próxima!

PRÓXIMOS PÔUSTS: a decidir

[editar] [5.1.04 12:51 PM RAFAEL LUIZ REINEHR]
Das delícias de preparar um pôust

Não sabia se escreveria em prosa

Ou ousaria tentar em poesia

Este pôust que versa sobre as delícias

Proporcionadas pela nova tecnologia

Decidi fazer uma mistura

Entre essas duas formas de escrever

Para tentar mostrar a quem lê

Como um blógue pode nos dar prazer

O bom blogueiro é um grande comentador. Pega o mundo, seleciona os principais ingredientes, coloca-os em um caldeirão e com temperos tirados de sua bolsa mágica de idéias cria pratos magníficos para alimentar e deliciar seus interlocutores.

Delícia que podemos comparar a um prato no seu sentido real, a uma música recém-composta e cheia de viço , a um quadro ou escultura cuidadosamente criados e saborosos de ver. Há também, é claro, aqueles feitos com desleixo, sem preocupação alguma com transferência de conhecimento, geração de informação estética ou ética e acabam por ser unicamente depósitos de acontecimentos do dia-a-dia, com relativamente pouco valor.

Neste mundo interessante

Que reúne iniciantes e iniciados

Existem blógues com muito humor

E outros mais embotados

Muitos versam sobre cinema, música e teatro

Outros sobre política, democracia e anarquia

Outros ainda sobre esportes

Tantos mais obre filosofia

E assim seguem os muitos

Sobre assuntos sem fim

Nesta mixórdia que agrada

A ele, a você ou a mim

O fim da residência médica e a perspectiva que se abre

Em 31 de dezembro último acabei minha residência médica em Endocrinologia e Metabologia, concluindo uma etapa de 10 anos dedicados majoritariamente à Medicina.

A formação do médico exige grande dedicação tanto no que se refere ao tempo diário necessário dispensado quanto ao cuidado e responsabilidade sobre aquilo que ele pretende lidar: a saúde e a vida de seres humanos.

A responsabilidade necessária requer uma personalidade apta a lidar com as demandas que ocorrem na vida de um médico, que deve estar pronto a cada – e em todo – momento para realizar sua tarefa. O tempo necessário para chegar à tranqüilidade de poder oferecer a cura para parte, alívio para muitos e o conforto para aqueles onde a Medicina ainda não chegou é definitivamente extenso.

O conhecimento técnico necessário para uma boa prática médica é volumoso e, nos dias de hoje, cresce assustadoramente e já se encontra fora do controle mesmo do mais dedicado profissional. Esse problema pode ser resolvido a contento mantendo-se atualizado através da leitura dos principais periódicos da área (que “resumem” as grandes novidades em suas páginas) e freqüentando Congressos médicos.

Aqui, defendo a necessidade de uma especialização para manter o atendimento primoroso de meu paciente. De outra forma, é impossível açambarcar o novo conhecimento gerado e proporcionar a forma mais rápida e precisa de diagnóstico e a terapêutica mais resolutiva e isenta de efeitos colaterais. Com isso, veja bem, não estou dizendo que só devam haver especialistas, PELO CONTRÁRIO!

A porta de entrada no sistema de saúde deve se realizar através de capacitados médicos generalistas, aqueles que sabem “um pouco de tudo” e conseguem resolver satisfatoriamente pelo menos oitenta por cento dos problemas de saúde que encontramos atualmente. No caso de encontrarem dificuldade, saberão qual o melhor especialista ao qual encaminhar.

Mas a questão chave de todo meu discurso inicia agora, justamente fundamentada em duas leituras que realizei durante a faculdade de Medicina: a “especialização ou fragmentação do conhecimento” e a falta da religação dos saberes abordados por Fritjof Capra e Edgar Morin.

Em todas áreas, a ciência fratura o conhecimento em pedaços cada vez menores, criando especialistas que sabem cada vez mais de cada vez menos. Tem em suas mãos, ao final, um pequeno mundo sob seu domínio que é incomunicável aos “outros mundos” dominados por seus colegas de outras áreas do conhecimento. Foi criada uma quase total incapacidade de se conhecer o mundo como um todo. Desmontamos o relógio, conhecemos a função de cada uma de suas peças mas não conseguimos mais montar o relógio e faze-lo funcionar!

Muitos de nós, ainda inspirados pelo pensamento cartesiano que nos foi imposto goela abaixo durante o ensino fundamental só consegue ver o mundo como uma caixa fechada onde os interruptores de luz só podem estar em duas posições: ligada ou desligada. O que temos dificuldade em perceber é que, este mesmo interruptor pode estar na posição “ligado” e a lâmpada queimada não irá acender; pode estar na posição “desligado” e um circuito cruzado por um inseto faz a lâmpada acender; ou, ainda, pode ocorrer da chave seletora ficar no meio do caminho, presa por uma “sujeirinha” e a lâmpada acender ou não. Assim é o mundo real: complexo e não composto de variáveis que podemos determinar em sua totalidade a todo instante.

É aí que entra a magia da arte!

Perceber este mistério, esta necessária incompletude que a Natureza e o real nos impõe e tratar de “nos completar em união à essência primeira” é um dos nossos principais objetivos. Nos dar conta das interrelações entre todas as coisas e percebermos que todas as coisas são Um é fundamental para que possamos lidar de forma verdadeira e justa para com os semelhantes e para com o mundo.

Assim, dada uma brevíssima introdução a minha forma de pensar esta Natureza que compartilhamos, posso voltar ao tema que me propus.

Como já disse, é findo um ciclo: o de aprendizado técnico intensivo, científico da Medicina. A busca furiosa e incessante de meus colegas cientistas médicos, físicos, químicos, biólogos não vai parar – e eu agradeço por isso. A mim cabe, de forma a otimizar meu tempo disponível, encontrar um local que sintetize este conhecimento e me ofereça de forma parcialmente digerida para que eu possa seguir tratando meus pacientes da forma mais “up to dated” possível.

Finalmente poderei dedicar-me de forma mais intensa àquilo que descobri ser peculiar à minha essência ( e que fica mais forte à medida que o tempo passa): o estudo das humanidades e tudo que lhes diz respeito: sua arte, sua forma de relacionar, sua produção econômica, política e social, sua cultura enfim. Já me dediquei a isso de forma incipiente durante a faculdade de Medicina em cursos realizados espontaneamente e através de leituras afins. Durante meu primeiro ano de especialização em Medicina Interna, em 2000, acabei prestando vestibular para Filosofia e cursei as cadeiras disponíveis deste que era um curso diurno. Ao término do semestre, sem mais cadeiras com horários compatíveis, pedi transferência para as Ciências Sociais, que, apaixonado, cursei por três semestres, até a ganância – entenda-se trabalhos noturnos remunerados em plantões e atendimentos ambulatoriais acabaram por suprimir.

Agora, tenho por certo que nos anos vindouros, contando a partir deste, poderei utilizar parte mais substanciosa do meu tempo à leitura de obras há tanto enfileiradas como fundamentais em minha longa lista de espera; poderei dedicar-me com mais afinco à pintura, negligenciada por tanto tempo; dedicar-me-ei mais à música tanto na apreciação quanto na composição ¿ o que já realizo há mais de 10 anos e ficou em segundo plano neste tempo todo; poderei quem sabe incursionar com mais vigor no reino da sétima arte, pondo em prática roteiros escritos e guardados na gaveta; destinarei parte do tempo para o cuidado com meu corpo, receptáculo material do meu intelecto, que me dá liberdade de ir e vir em busca de minhas conquistas e garante o pão que como e que meus filhos comerão; invadirei com ímpeto o mundo da fotografia, para o qual estou prestes a fazer um grande investimento para aquisição da máquina, lentes e material adequado para meus propósitos; seguirei mantendo o Simplicíssimo como uma porta de entrada para novos escritores e seus escritos; tratarei de organizar juntamente com o Eduardo Sabbi e o Milton Ribeiro um Sarau Literário em minha cidade, onde novos escritores poderão dar asas a sua produção e mostrar em público sua obra; seguirei minha missão de buscar solucionar os problemas do corpo em meus pacientes – sempre com a clara noção de que não posso dissociar uma célula de seu órgão, um órgão de seu corpo e seu corpo do meio social onde este vive, nem tampouco de sua produção subjetiva; deixarei o espírito aberto para que novas possibilidades de criação se aproximem e tenham seu lugar em minha vida.

Portanto, 2004 aponta para mim uma nova perspectiva, um horizonte fantasticamente repleto de atividades culturais e incrivelmente fértil em produções artísticas. Vinde a mim 2004!

A impossibilidade do SUS (parte I de II)

O SUS (Sistema Único de Saúde) brasileiro é uma grande utopia que já dura mais de 16 anos.

Nosso sistema de saúde é baseado em vários princípios básicos, sendo dois deles fundamentais: o da UNIVERSALIDADE e o da INTEGRALIDADE.

O princípio da UNIVERSALIDADE prega que todo e qualquer cidadão brasileiro tem direito de acesso gratuito à saúde e o princípio da INTEGRALIDADE diz que esse acesso deve ser irrestrito desde a consulta médica mais simples, até o exame diagnóstico mais elaborado e o tratamento mais complexo e caro disponível.

Tais princípios – e vou me ater somente a eles pois já provam meu ponto de vista – são bloqueados por alguns aspectos que discutirei agora.

O primeiro deles diz respeito à distribuição dos médicos pelos diferentes espaços do país. Todos sabemos que há médicos de todas especialidades sobrando nos grandes centros ao mesmo tempo em que há carência em muitas cidades do interior ou zonas rurais, causando o “fenômeno da multiplicação de ambulâncias e vans”, no qual grande parte da verba de um dado município é destinada não a programas de assistência à saúde no próprio município mas na compra e manutenção de veículos e serviços de assistência social para organizar o transporte de enfermos para cidades vizinhas (o que é muito mais barato) – sobrecarregando assim a rede pública do outro município.

O segundo aspecto diz respeito a este mesmo assunto: há insuficiência de leitos em hospitais de assitência secundária e terciária à saúde em praticamente todas as capitais, sem citar leitos de Unidades de Tratamento Intensivo adultos, infantis e neonatais.

Devido a essa mesma falta de especialistas nos locais afastados dos grandes centros foi criado um sistema de encaminhamento onde o paciente da Unidade de Saúde periférica é encaminhado, através de um gerenciamento centralizado das consultas, para consultar nos locais onde existem estes profissionais. A questão permanece: pela insuficiência de profissionais contratados – ou pela grande demanda, você quem escolhe o ponto de vista – acabam agendando consultas com espera de 6 meses ou mais para várias especialidades.

Existe ainda outra questão fundamental que devemos abordar: a insuficiência do dinheiro destinado à saúde.

Ano após ano os custos com despesas de saúde aumentam, quer seja pelo surgimento de novas tecnologias e métodos que se tornam necessários para o melhor diagnóstico das enfermidades ( e que não substituem e toa somente acrescentam ônus aos exames anteriores ) quer seja pelo custo dos tratamentos com novos fármacos que já surgem com preços exorbitantes para compensar os custos da pesquisa farmacêutica.

Nem mesmo grandes potências e países considerados desenvolvidos como Estados Unidos, Canadá, Inglaterra e França conseguem manter um sistema de saúde público universal e integralmente gratuito. Não há disposição humana nem condições financeiras para sua manutenção.

Daí, surgiu a idéia para um novo SUS, melhor estruturado e pago, conforme as condições de cada usuário, ferramenta inclusive para uma melhor distribuição de renda no país, assunto já parcialmente abordado por mim no Editorial da edição número 34 do Simplicíssimo* e tema da parte II deste pôust.

* A propósito das auto-citações: quem me acompanha aqui no Escrever Por Escrever deve ter percebido que sou afeito a auto-citações. Tenho consciência que as mesmas são, senão forma de auto-promoção pelo menos uma ferramenta utilizada por alguém que escreve mais do que lê e muitas vezes acha que saba mais do que na realidade sabe. Tratarei de corrigir isto durante o ano, intensificando minhas leituras.

É mister também que evitemos extensas e cansativas citações, que muitas vezes tentam demonstrar um nível adquirido de cultura que soa brutalmente pegajoso e é desnecessário. Podemos fazê-lo para evitar injustiças quando nos utilizamos da obra de outrem, mas nunca de forma proposital para inflarmos as percepções de outros a nosso respeito ou para tentar induzir um proselitismo demasiada. Todos, de uma forma ou de outra, tentamos catequizar nossos leitores – espertos que somos – mas não devemos levar isto a extremos que ultrapassem a simples sugestão de uma idéia.

Também pretendo daqui para frente limitar o uso das mesóclises, com as quais inadvertidamente indiquei um nível de controle da língua portuguesa que não tenho. Quando as utilizar, tenham por certo que será por questão de estilo e estética e não uma busca constante de um linguajar culto necessariamente (puta que o pariu!).

Bem, é isso. Creio que o excesso de tempo livre neste “fim-de-semana prolongado” me deixou deveras prolixo. Tentarei me conter nas próximas ocasiões!

PRÒXIMOS PÔUSTS: “A impossibilidade do SUS” (parte II de II) e “Uma Tentativa de uma Breve Análise Sócio-Psicológica das Letras de “Admirável Chip Novo”, “Máscara”, “O Lobo” e “Do Mesmo Lado”, de Pitty”

[editar] [31.12.03 12:04 AM RAFAEL LUIZ REINEHR]
2004 – A Odisséia do Fracasso

Odisséia, no Houaiss significa “longa perambulação ou viagem marcada por aventuras, eventos imprevistos e singulares”; “narração de viagem cheia de aventuras singulares e inesperadas”; “travessia ou investigação de caráter intelectual ou espiritual” – além de descrever, é claro, uma passagem de Ulisses na Odisséia de Homero, onde são apresentados os percalços do herói em seu retorno para Ítaca, sua terra natal.

Fracasso, no mesmo amansa-burro, significa “som estrepitoso provocado pela queda ou destroçamento de algo; barulho; estrondo”; “falta de êxito; malogro; derrota; baque; ruína; desgraça”.

Colocando tudo isto no nosso poderoso liqüidificador UltronMegaMixer 2004 ExtraPlus, podemos definir nosso título como uma tentativa de descrever, de forma singular e surpreendente as possíveis desgraças e malogros aos quais a humanidade estará sujeita no ano que adentramos.

Tarefa difícil para um mero Zé-ninguém como eu, diria Wilhelm Reich.

Tentando sair da inércia básica a que estamos acostumados, começo minha inglória tarefa. Decido principiar pela minha terra-pátria, o Brasil. Em concorde com o que por aí é dito, este que aqui vos fala também percebe o ano de 2004 como uma “chance aos homens de bem mostrarem seu valor”. Neste ano, nosso excelentíssimo Presidente da República, senhor Luis Inácio Lula da Silva, não deu conta nem sequer de se aproximar daquilo que nos havia induzido a imaginar. Mas, como por ele mesmo dito – de outra forma, é claro – está sendo preparado o terreno para o crescimento. Dê-se-lhe o tempo que é necessário. A traição aos princípios, teimo em acreditar, é esperteza para com o ambiente ardil e não uma traição verdadeira. Não esteja eu enganado, por favor.

Neste mesmo Brasil, surgirá uma intrépida trupe de valorosos cavaleiros afeitos às letras que buscará, de todo coração, através da união em torno de uma maravilhosa ferramenta ora denominada de Internet, através de seus blógues – e fora deles – organizar de forma crescente e importante o estímulo à leitura por parte daqueles menos favorecidos ou menos atentos às necessidades que se lhes impõe. A redescoberta da leitura por parte da população nativa se dará através de mecanismos não governamentais – e quisera eu também governamentais – como a organização de oficinas literárias gerenciadas por voluntários e pessoas de renome na área literária bem como a proliferação de Saraus Literários pelas capitais e cidades do país. Nesses Saraus novos escritores serão conhecidos, pois neles será dado amplo espaço para a leitura em público de trechos de suas obras ou mesmo trechos de clássicos da literatura. Um dos primeiros Saraus desse tipo – e com este objetivo – ouvem-se rumores, já está a ser arquitetado em Porto Alegre, capital do Estado do Rio Grande do Sul. A partir daí uma grande rede de comunicação usando a teia mundial irá disseminar mais e mais esta paradoxal “utopia possível”.

Nos Estados Unidos da América, o atual presidente “não-eleito” George W. Bush, a despeito do que teimam pensar seus partidários (ainda mais após a prisão de Saddam Hussein), terá grandes dificuldades em se reeleger. Minhas apostas são contrárias à sua reeleição.

No lado iraquiano, com seu estado destroçado, muitas mortes ainda ocorrerão até que o sistema judiciário e de controle da violência, vinculados às ferramentas estatais de comando sejam reestabelecidas. Muita fome e miséria, muito sofrimento é previsto. Para tal conclusão não é preciso ser nenhum gênio… Creio que mesmo Forrest Gump chegaria à mesma conclusão.

A China, potência em potencial ainda não desabrochará completamente. Apesar de toda sua energia humana capaz de gerar um produto interno bruto fenomenal, haverá dois principais aspectos a restringir seu crescimento: o controle por parte dos Estados Unidos e dos países da Comunidade Européia e, principalmente, sua restrição energética, que está quase alcançando o limite da produção naquele país.

A Nova Zelândia, infelizmente, não produzirá em suas terras nenhuma grande trilogia que impressionará o mundo inteiro em 2004.

No mundo blogueiro, haverá uma maior comunicação entre blogueiros brasileiros e portugueses, intensificando-se os laços em torno da “última flor do Lácio”. As interconexões entre estes dois mundos serão poderosamente frutíferas e benéficas para ambos lados.

Bem, acho que por enquanto me dou por satisfeito em minhas previsões para 2004. Mas… Esperemos aí… Eu não havia dito que ia falar sobre a Odisséia do Fracasso? E onde se encontra o tombo, a ruína, a derrota tão grande nestas previsões? Bem, a derrota, caro amigo leitor, será minha caso você não tenha chegado até esta linha.

Um 2004 fulgurante, resplandescente, espetacular, frondoso, brilhante, fantástico, maravilhoso, genial, belo, justo, bom, verdadeiro, pacífico, feliz, saudável, amoroso, cândido, solidário, endinheirado, sapiente, espiritualizado, artístico, literário, descansado, alimentado, musical, tranqüilo, colorido, estrondoso e iluminado para si e para os seus. São meus sinceros votos, de coração.

Abaixo transcrevo uma idéia desenvolvida inicialmente em 1995, texto iniciado no mesmo ano e concluído em 2001, publicado originalmente na edição número 3 do e-zine-sítio-blógue Simplicíssimo. Há, com certeza, muito a desenvolver nesta embrião-idéia e creio mesmo que nestes mais de 8 anos entre o surgimento do broto-idéia e os dias de hoje, muito foi construído em torno desta mesma concepção, isoladamente, em vários locais e tempos, mas nada sobreviveu à força do tempo e do mercado capitalista e seus meios de regulação. Mas, mesmo assim, vale o grito: Viva o escambo!

A Grande Cooperativa Mundial

Um dia pensei: nossa, com tantas pessoas neste planeta, a maioria delas com algum tempo por dia para pensar, outras com muito tempo para pensar… Mas pensar em quê, você dirá! Ora, pensar em soluções para nossos problemas. Aí surgem novos problemas (como sempre!!!): quais são os nossos problemas? Quem é capaz de identificar esses problemas? E que significa nossos? Bem acho que essas questões são ao mesmo tempo fáceis e difíceis de responder (a isso chamamos de paradoxo). Difíceis porque cada pessoa pode ter para si uma noção do que está lhe incomodando em sua vida e em suas relações com os demais, o que está lhe faltando para atingir a felicidade, quais são os valores e bens que mais lhe dão prazer e interessam. Cada um de nós se indagado sobre quais os problemas que afligem a humanidade atualmente iria responder ao menos algum dos seguintes: fome, guerra, falta de amor, desesperança, ganância, tristeza, incompreensão, egoísmo, violência, agressão à Natureza, poluição, barulho, incomunicabilidade entre semelhantes, invasão de privacidade, transportes caóticos, falta de energia, bens materiais excessivamente caros, assim como mão-de-obra ou muito cara ou de má qualidade, perda de valores morais e éticos, analfabetismo, carência de cultura, falta de inteligência por parte dos governantes, insatisfação sexual, tecnologização e desumanização progressivas e excessivas, desarmonia, injustiças dos mais variados tipos, barbárie e canibalização social, intolerância, falta de afeto, fraternidade e compaixão, falta de tempo e escuridão da alma humana. Fáceis porquê todos estamos carecas ou cabeludos de saber (ou pelo menos deveríamos ter essa consciência!) que para que os problemas do nosso microcosmo (pessoal, familiar, social estrito) sejam resolvidos satisfatoriamente, deixando-nos felizes, devemos colaborar e resolver os problemas do nosso macrocosmo (social amplo, a comunidade que habita este planeta como um todo). Dessa forma, se eu não quiser ter meu carro roubado ou não quiser dar dinheiro para o cara que vai ficar “cuidando” do meu carro não roubá-lo ou destruí-lo, ou, de outro modo, não quiser trair meus próprios princípios e minha namorada/esposa ao mesmo tempo (importante lembrar que a traição de uma esposa se aplica no nosso contexto social, pois existem culturas poligâmicas onde notáveis diferenças existem!), temos que pensar em resolver todos os problemas citados acima e mais alguns. É bom ressaltar que todas essas falhas da nossa atual sociedade humana são gerais, dizendo respeito a todos nós e cabe a nós como um todo ajudarmos a solucioná-la. Tá, e aí, você vai dizer. Não falou nada de novo! Tá parecendo aqueles livros de auto-ajuda, que só dizem coisas que todos sabemos mas que precisamos ouvir para nos estimularmos. Bom, eu estou fazendo a minha parte. Agora mesmo escrevendo esse texto, tentando fazer com que você ACORDE, SE SENSIBILIZE, VISTA A CAMISETA, TENHA UMA VISÃO MAIS AMPLA E HUMANA, NÃO SE DEIXE LEVAR POR MAUS EXEMPLOS E CAMINHOS FÁCEIS MAS MORALMENTE ERRADOS!!! Além disso, tenho uma proposta maluca para fazer. Eu a chamei de “A Grande Cooperativa Mundial”. Um nome um pouco megalomaníaco por enquanto mas adequado se chegar a ser o que idealizei. Vou explicar o que ela é:

Pelo Mundo afora, existem pessoas necessitando serviços, materiais, espaço, objetos, enfim, “coisas” em geral. Ao mesmo tempo, neste mesmo Mundo, existem pessoas dispostas a oferecer serviços, materiais, espaços e objetos que não necessitam em dado momento, “coisas” essas que ficam inutilmente paradas em um canto qualquer, sem que ninguém o(a) esteja usando. Por que não catalogar tais bens (i)materiais associando-os ao seu valor na área onde são oferecidos e distribuí-los a quem os necessita, em troca de uma outra contribuição para a Cooperativa por parte do beneficiado? Nos dias de hoje, com o advento estruturação e, definidamente, da entrada profunda da Grande Rede (Teia) Mundial em nossas vidas e culturas, esse trabalho torna-se bastante facilitado, podendo haver rápida comunicação entre as diversas “filiais” da Cooperativa espalhadas pelo planeta. Cada serviço ou bem oferecido e usado, geraria um crédito para o fornecedor deste bem ou serviço, ao mesmo tempo que seria criado um débito para o usuário do bem ou serviço para com a Cooperativa (veja bem, e não para com o fornecedor). Penso que os créditos possam ser ilimitados, mas os débitos devem ser restringidos a uma quantia máxima, talvez determinada pela capacidade de oferecer bens e serviços ou então, igual para todos. Certamente tornar-se-ia necessário realizar um projeto piloto desta Cooperativa em alguma localidade específica, para somente então tentar disseminar a idéia em uma área mais ampla. A estruturação completa desse projeto passa por um longo período de planejamento com uma equipe multidisciplinar envolvendo pessoas capacitadas em áreas do conhecimento como Política, Economia, Sociologia, Filosofia, Relações Interpessoais, Informática, e, provavelmente de áreas como física, matemática e mais especificamente estatística. Veja bem, a princípio essa é uma idéia de uma atividade essencialmente civil, feita por pessoas comuns para pessoas comuns, sem envolver entidades governamentais, mas não haveria empecilho algum em haver participação ou mesmo regulação das atividades da Cooperativa por parte dos diferentes Estados. Aproveitando o ensejo e o tema do Fórum Social Mundial: “Grande Cooperativa Mundial, em busca de um Mundo Melhor, impossível agora, mas certamente possível amanhã”.

PRÓXIMOS PÔUSTS: “Das delícias de preparar um pôust”, “Depoimento pessoal: o fim da residência médica e a perspectiva que se abre” e “A impossibilidade do SUS”

[editar] [25.12.03 12:14 AM RAFAEL LUIZ REINEHR]
…(continuação do pôust de 20/12/2003)

O livro contra-ataca (parte II)

Sob o subtítulo de “nexo hipertextual”, Umberto Eco passa a tentar responder a segunda questão que ele mesmo havia formulado: “Os livros desaparecerão como objetos virtuais?”.

Para tanto, Eco considera o surgimento de textos em que a infinidade de interpretações não depende só do leitor mas também da “mobilidade física” do próprio texto. Creio que presenciamos isto a cada entrada na Internet, onde através de um línque somos remetidos a outro lugar e de lá a outro e assim por diante. Utilizando o exemplo dos blógues, acabamos construindo nosso próprio texto, único e pessoal. Ontem mesmo: entrei no blógue Liberal Libertário Libertino, li o pôust sobre Ateus e Crentes e de lá fui remetido ao blógue do Alexandre Soares Silva. Depois de ter lido o brilhante texto ali postado fui aos comentários e me interessei pelo que escreveu um digníssimo colega blogueiro denominado O Velho da Montanha. Cliquei no línque do comentário e fui catapultado para o blógue do Velho, cujo pôust de 22 de dezembro versava sobre o “fundamentalismo laico”. Assim, nesta seqüência que não pára nunca, criamos nossas próprias leituras de textos hipertextuais disponíveis ao clicar de um mouse. Acontece o mesmo com todos impacientes como eu que ainda se aventuram a tentar assistir algo na televisão aberta, que conseguem no máximo ficar zapeando entre um e outro canal em busca de algo interessante.

Umberto diferencia os sistemas de textos propriamente ditos. Para ele, sistema seria a totalidade das possibilidades apresentadas por uma dada língua natural. Gramáticas, dicionários e enciclopédias seriam sistemas, com os quais poderíamos produzir todos os textos que quisermos. Já um texto propriamente dito não é um sistema lingüístico ou enciclopédico. “Um texto dado reduz as possibilidades infinitas ou indefinidas de um sistema para criar um universo fechado. Se pronuncio a frase “nesta manhã, comi no desjejum…”, por exemplo, o dicionário me permite listar muitas unidades possíveis, contanto que todas elas sejam orgânicas. Mas, se eu produzo meu texto de forma definida e pronuncio a frase “nesta manhã, comi no desjejum pão e manteiga”, excluí o queijo, caviar, o pastrami e as maçãs. Um texto castra as possibilidades infinitas de um sistema”. Ainda deixamos de especificar se o pão era um pão francês, integral, de centeio, preto ou de linhaça, mas isto não vem ao caso, é somente meu devir criança invadindo uma conversa séria! Com certeza, a poesia, por não produzir um texto tão definido e fechado, freqüentemente possibilita múltiplas possibilidades de interpretação. Quando se consegue passar esta mesma percepção para a prosa, o painel que se descortina é fulgurante! É dado o exemplo de Finnegans Wake, de Joyce, obra aberta a numerosas interpretações, mas com certeza – diz Eco – o texto nunca dará uma demonstração do teorema de Fermat ou uma bibliografia completa de Woody Allen (com o que concordo!).

Para tornar um texto fisicamente ilimitado, Umberto lembra o exemplo atual de histórias criadas por múltiplos autores, quer seja seqüencialmente ou mesmo simultaneamente, com várias possibilidades de continuação seguindo-se a cada bifurcação determinada possibilitando incontáveis desfechos. Isso que escrevi agora me faz lembrar de Ilia Prigogyne, químico-físico russo que ganhou o prêmio Nobel de Física em 1976 se não me engano por seu estudo com estruturas dissipativas, baseado na segunda lei da Termodinâmica.

Em seu livro Order Out of Chaos ele faz um correlação entre suas pesquisas científicas e os sistemas sociais. É nesse momento, enquanto discute acaso e determinismo, que se encontra o gancho que me trouxe até aqui: para Prigogyne, o mundo não é nem todo somente acaso nem todo somente determinismo. Existem caminhos determinados até uma bifurcação. Quando chegamos nesta bifurcação, quem manda é o acaso (ou o livre arbítrio,

em se tratando de seres humanos).

Voltando a Umberto Eco, diz ele que estas histórias de múltiplos autores já ocorrera no passado,citando então a commedia dell’arte italiana em que, a partir de uma sinopse histórica, cada apresentação diferia das demais, conforme a imaginação dos atores, sendo que dessa forma não se identificava uma obra única, escrita por um autor único.

Outro exemplo citado pelo autor é uma sessão de jazz, onde o improviso e a possibilidade de múltiplos resultados para uma mesma “música” são classicamente aceitos. Sobre a questão do fim da autoria, Umberto acha que a produção destas histórias coletivas e infinitas por meio da Internet não acabarão com a literatura autoral. Diz ele: “A rigor, marchamos rumo a uma sociedade mais liberada, em que a criatividade livre vai coexistir com a interpretação de textos já escritos. Eu gosto disso. Mas não podemos dizer que substituímos uma coisa antiga por uma nova. Temos as duas.”.

Um último aspecto abordado pelo romancista e semiólogo italiano dentro da textualidade livre possibilitada pela Internet diz respeito às possíveis modificações que poderíamos facilmente fazer se tivéssemos os livros de forma interativa e hipertextual. Cita-se o exemplo de Guerra e Paz de Tolstói. Poderia-se criar um texto em que “Pierre Besuchov consegue matar Napoleão ou, conforme as tendências da pessoa, Napoleão consegue uma vitória completa contra o general Kutuzóv”, o que é impossível com o livro já escrito. O romance Guerra e Paz já escrito – diz Eco – não nos põe frente a frente com as possibilidades infinitas da nossa imaginação, mas sim com as leis severas que governam a vida e a morte.

Para concluir, o autor de “A Ilha do Dia Anterior” e “O Pêndulo de Foulcault” usa o livro “O Miseráveis” de Victor Hugo, onde a batalha de Waterloo é descrita do ponto de vista de Deus, que a acompanha em todos os detalhes, dominando o cenário com a sua perspectiva narrativa para encerrar com uma brilhante defesa a favor dos livros:

“A beleza trágica da Waterloo de Hugo reside em que os leitores sentem que as coisas se passam de forma independente de seus desejos. O encanto da literatura trágica reside em que sentimos que seus heróis poderiam ter escapado de seu destino, mas não o conseguem em razão de sua fraqueza, de seu orgulho, de sua cegueira. Além disso, Hugo nos diz: “Tamanha vertigem, tamanho engano, tamanha ruína, tamanha queda, que assombrou a história inteira, será algo sem uma causa? Não… O desaparecimento desse grande homem foi necessário para a vinda do novo século. Alguém, a quem ninguém pode fazer objeções, cuidou do evento… Deus omitiu-se, Dieu a passé”. Isso é o que todo grande livro nos diz, que Deus se omitiu, e Ele se omitiu para o crente e para o cético. Há livros que não podemos reescrever porque sua função é nos instruir acerca da necessidade e, só quando respeitados tal como são, podem eles nos fornecer tal sabedoria. Sua lição repressiva é indispensável para alcançarmos uma condição mais elevada de liberdade intelectual e moral.”

Digo muito obrigado por essa lição de humildade digníssimo Umberto Eco! Sigamos nosso misto de criação-transformação-recriação sempre em busca de algo melhor para todos que nos cercam.

Pôust Natalino

É Natal. Sei, sei… és agnóstico como eu, ateu ou mesmo um cristão que não tá nem aí com essa função toda. Ou, pelo contrário (e mais provavelmente) és alguém imerso plenamente nesta época de Natal (ou Hanukah). Pois é… Motivo pra comemorar não temos muito, mas, mesmo não acreditando mais no Natal, deixando o cristianismo de lado (e lá já se vão 9 anos, vivo e bem!) não consigo me tornar um ser estranho a toda esta festividade! Foram muitos anos com pinheirinhos enfeitados, canções de Natal, papais-noéis atirando balinhas na rua, visitas de papais-noéis entregando presentes em casa, muitos brinquedos (e muitas roupas (bléeeeeeeeeeeeeeeee!!!) é verdade!)… E, mais importante que tudo isso, o fato de que todos ao meu redor entram no “espírito natalino”. É namorada, mãe, vó, tia, colegas de trabalho, pessoas na rua… Difícil se desvencilhar! Como vou deixar de desejar um Feliz Natal àqueles que desejam isso para mim? Não dá! Então, acabo entrando junto na função, sem compartilhar a mesma crença mas compartilhando o desejo de um mundo melhor daqui por diante. Se não me baseio no aniversário de Jesus, pelo menos aceito o momento como um período de ¿reflexão espiritual¿;

– Reflexão espiritual? Agora consumismo mudou de nome? As pessoas só pensam em comprar, comprar, comprar! Isso é Natal?

Hmmmm… Deixa esse papo pra outra hora! O importante é ser feliz, “o importante é ser você, mesmo que seja bizarro, bizarro, bizarro”…

De qualquer forma, um Feliz Natal para aqueles que acreditam e também para aqueles que não acreditam! Para os crentes e para os céticos, como nos ensinou Victor Hugo, o melhor dos mundos é o agora e é o porvir. Desejos sinceros e vigorosos de um final de 2003 portentoso e exuberante.

Da freqüência ideal dos pôusts em um blógue

Já de cara quero dizer que não existe uma freqüência ideal para postar em um blógue.

Mas então, por que cargas d’água este título? Já explico: creio que a freqüência ideal dos pôusts de um blógue deve ser determinada por pelo menos 3 variáveis:

1. Tempo e disposição do blogador (fator limitante primário)

2. Tempo e disposição dos leitores do blógue (levando em conta que o blógue seja feito para alguém ler, é claro. Acredito que os blógues “não-públicos” devam ser grande minoria a esta altura…) – para que este fator tenha influência na freqüência da postagem, o blogador deveria conhecer muito bem seu público-alvo, seus leitores…

3. Tipo de assunto abordado (por exemplo: um blógue que trate de humor, pode ter pôusts diários, pois geralmente são assuntos de fácil digestão; o mesmo se pode dizer a respeito de um blógue com “rapidinhas” ou outro que narre as peripécias do dia-a-dia da figura escrevente. Já um blógue que se propõe a discutir temas mais densos ou extensos deveria (embora não necessariamente) se deter mais antes de apresentar um novo pôust, para que o anterior seja devidamente absorvido e internalizado pelos leitores.)

Outro aspecto que pode influir na freqüência da postagem de um blógue é o número de visitantes e/ou comentadores. No caso do blógue ser mais visitado e comentado, a freqüência das postagens pode ser maior, já que o efeito esperado (a resposta do leitor) já foi evidenciada. Em casos de blógues como esse que agora estais a ler, o tempo entre cada postagem necessariamente deve ser maior para possibilitar o alcance de cada pôust a um maior número de cabeças pensantes. Veja-se que o contrário não é verdadeiro, ou seja: um blógue com muitos acessos e comentários pode muito bem ter um longo intervalo entre os pôusts sem que isso prejudique de forma alguma seu desempenho ou aceitação!

Não acho – e ouso discordar de minha namorada – que só mantém um blógue uma pessoa que aspire “sucesso” com a exposição do mesmo, mas também acredito ser hipocrisia que alguém o mantenha, principalmente com um espaço destinado a comentários e um contador na página, sem ter a intenção de provocar uma resposta e angariar leitores, preferentemente um público fiel. Várias “campanhas de marquetching” como visitas repetidas a milhares de blógues, elogios enfadonhos porém exultantes e línques generosos em troca de outros línques podem fazer com que seu blógue seja visitado e comentado por dezenas ou centenas de pessoas mas isso não irá, de forma alguma, garantir a qualidade daqueles que te visitarão e muito menos a qualidade dos comentários deixados em seus pôusts (que acredito ser, consoante ao meu amigo Milton Ribeiro, a maior riqueza que podemos dispor nesta Blogosfera).

Assim, quer seja postemos diariamente, semanalmente ou a cada 6 e 5 dias alternados como eu farei aqui no Escrever Por Escrever por tempo (in)determinado (até 29 de fevereiro de 2004 pelo menos), o importante é saber que não é a freqüência da postagem que vai determinar o valor do blógue e sim o sincero sentimento de uma busca de utilidade para o mesmo e, é claro, a qualidade do escritor, aquela valiosa pecinha que fica atrás do teclado na longa cadeia de bits e impulsos elétricos que fazem destas maravilhas tecnológicas que são a informática e a internet uma janela para um mundo melhor.

PRÓXIMO PÔUST: “2004 – A Odisséia do Fracasso” e “A Grande Cooperativa Mundial”

[editar] [20.12.03 1:57 AM RAFAEL LUIZ REINEHR]
O livro contra-ataca

O texto aqui comentado foi publicado na Folha de São Paulo no dia 13 de dezembro de 2003 e é uma tradução de uma palestra proferida por Umberto Eco na Biblioteca de Alexandria, publicada originalmente no jornal egípcio Al Ahram.

Cena: século XV, após a invenção da imprensa. Livro: “Nossa Senhora de Paris”, de Victor Hugo. O padre Claude Frollo olha de forma tristonha para as torres de sua catedral. A catedral medieval na época era o referencial “destinado a transmitir às pessoas tudo o que era indispensável para a sua vida cotidiana, assim como para a sua salvação eterna”

Na cena descrita, Frollo tem sobre sua mesa um livro impresso e sussurra: “Ceci tuera cela” – isto vai matar aquilo ou “o livro vai matar a catedral”, “o alfabeto vai matar as imagens”. Isso significaria que o livro desviaria as pessoas de seus valores mais importantes, incentivaria informação supérflua, a livre interpretação das Escrituras sagradas, uma curiosidade insana.

Pulando para 1960, vemos Marshall McLuhan escrevendo “A Galáxia de Gutemberg”, afirmando que a maneira linear de pensar representada pela invenção da imprensa estava prestes a ser substituída por uma forma “mais global de percepção e compreensão, por meio de imagens de TV ou outros tipos de aparelho eletrônico”!

Durante sua palestra Eco pretende responder a duas perguntas:

1. Os livros desaparecerão como objetos físicos?

2. Os livros desaparecerão como objetos virtuais?

Respondendo à primeira pergunta, Umberto lembra que mesmo logo após a invenção da imprensa não era somente através dos livros que se poderia adquirir informação: haviam pinturas, imagens populares impressas, lições orais (peças teatrais) e assim por diante. Ele separa os livros em dois tipos: os que são para ler e os que são para consultar.

O primeiro tipo de livro, acredita, dificilmente será substituído pela simples expansão da “grande rede”. Seria aquele “livro de cabeceira”, que você começa na página um e segue em ordem até o fim, seguindo o roteiro, a trama, a história em sua seqüência natural. Já existem mídias como os e-books e até leitores eletrônicos portáteis para e-books mas os mesmos não emplacaram. Todos sabemos quão cansativa é realizar uma leitura direto da tela do computador e, geralmente, acabamos usando a impressora para colocar no papel textos muito extensos.

Quanto ao segundo tipo de leitura, a de consulta, representada por dicionários e enciclopédias principalmente, esse sim torna-se facilmente substituível pela mídia eletrônica e mais recentemente pela internet. Hoje já existem enciclopédias inteiras em um ou em poucos CDs e, melhor ainda, podemos formular complexas perguntas que podem ser respondidas em minutos sendo que antes necessitavam de consulta a vários volumes de uma enciclopédia ou mesmo a vários livros diferentes.

A necessidade de ter uma enciclopédia que muitos de nós sente (ou sentia) está cada vez menor nas novas gerações. Questões como custo e espaço físico – além da praticidade de transporte de um CD-ROM estão vencendo o gostoso cheiro do papel e sepultando definitivamente os livros de consulta impressa.

Umberto Eco também cita uma nova invenção prestes a ser explorada industrial e comercialmente: a impressão por encomenda (na qual o leitor, após fuçar nos catálogos de várias bibliotecas ou editoras, pode selecionar o livro desejado e mandar imprimir e encadernar um único exemplar usando a fonte escolhida.

Seguindo a leitura do texto, encontro duas passagem em que discordo do autor. A primeira, quando ele diz:

“…há numerosas criações tecnológicas que não tornaram obsoletas as anteriores. Carros correm mais do que bicicletas, mas não tornaram obsoletas as bicicletas, e nenhum aprimoramento tecnológico pode tomar uma bicicleta melhor do que foi antes”.

Contra-argumento afirmando que, e usando o mesmo exemplo dado, daquelas antigas bicicletas com a roda dianteira 20 vezes maior que a traseira até nossas modernas e estilosas “mountain-bikes” com freio a disco, câmbio de 24 marchas e amortecedor com pressão regulável houve uma grande melhoria, indubitavelmente (apesar de concordar que o conceito bicicleta não mudou – e nem poderia, pois do contrário bicicleta não mais seria!).

A segunda passagem de que discordo ocorre quando afirma-se que “…O computador cria novas modalidades de produção e difusão de documentos impressos. Para reler um texto e corrigi-lo, se não for apenas uma breve carta, é preciso imprimir, depois reler, em seguida corrigir no computador e reimprimi-lo. Não creio que alguém possa escrever um texto de centenas de páginas e corrigi-lo sem reimprimi-lo várias vezes”.

Com a primeira sentença concordo: o computador realmente ampliou a perspectiva de produção de papel impresso. Cada ser vivente com sua impressora, quer seja matricial, jato de tinta ou laser, tem sua própria gráfica expressa em casa. Discordo veementemente entretanto que seja necessário imprimir um texto para corrigi-lo. Inicialmente podemos usar os modernos corretores ortográficos para buscar palavras “nonsense” criadas por ignorância ou descuido ao teclar e, em um segundo momento podemos – e é o que faço – corrigir sentenças e palavras quanto à concordância, função e estilo na própria tela do computador, desde que não nos delonguemos por horas a fio nesta ingrata tarefa. Corrigir e reimprimir o texto várias vezes para mim é desperdício de tempo, dinheiro e árvores!

Puxa! Estou chegando somenrte à metade do que me propus escrever e o texto já está ficando muito grande. Já sei: vou continuar as seções subentituladas “nexo hipertextual”, “comedia dell’arte”, “ausência de autoria”, “chapeuzinho come o lobo” e “para salvar Napoleão” em uma “parte II” deste pôust. Do contrário, cansarei os olhos de quem está frente a esta colorida tela!

Quero agradecer aos primeiros visitantes deste “recém-rebento blógue” e compartilhar com vocês a felicidade de tê-los como amigos e cúmplices nesta grande viagem que é a teia mundial. Espero não decepcioná-los (muito) nesta trajetória, mesmo sabendo que é impossível agradar a todos (disse-me Deus em um lançamento de livro ou vernissage dia desses…).

Assim como meu amigo Cirillo, em seu blógue Simples Coisas da Vida referiu, em seu pôust do dia 18 de dezembro de 2003, não tomem seu tempo, incautos visitantes, para comentários do tipo “Oi! Gostei do seu blógue! Venha visitar o meu!”. Se tens algo interessante, original, criativo ou então um sentimento sincero, amigo ou crítica construtiva para registrar, tudo bem. Se não, nada de comentar por comentar no Escrever Por Escrever! Te liga bico, te liga bico de luz!

PRÓXIMOS PÔUSTS: “O livro contra-ataca (parte II)” , “Pôust Natalino” e “Da freqüência ideal dos pôusts em um blógue”.

[editar] [14.12.03 12:52 PM RAFAEL LUIZ REINEHR]
Quando decidi iniciar este blógue, estava inundado por um sentimento de “falta de espaço”. Explico: sempre gostei de me expressar através da palavra escrita (e nunca fui de deixar estes apontamentos guardados!). Desde criança fazia fanzines – Nuclear Trash, Joe Volume, Simplicíssimo… – sendo que este último acabou por se transformar em e-zine e desde 26 de junho deste ano também em site. No início, o Simplicíssimo dava conta à vazão de minhas idéias e produção literária (se é que assim posso chamar). Hoje, com o crescimento do site e do número de colaboradores, meu espaço para contribuições tornou-se deveras limitado. Solução óbvia e natural: criar meu próprio blógue! Assim, fica o Simplicíssimo como uma espécie de “portal” para brilhantes escritores e seus escritos e este blógue para acolher minhas tantas outras tantãs idéias.

Desta forma, creio estar restabelecendo o equilíbrio e a harmonia em minha vida: abrindo este espaço para poder me expressar, valorizo o misto de acaso e determinismo que regem nosso caminho e espero trazer ordem do caos (ou caos da ordem) para aqueles que forem estimulados pelas palavras que aqui encontrarem.

Sejam extremamente bem-vindos a este “Armazém de Idéias” como gostaria de chamá-lo. Que fique absurdamente claro que, como jovem aprendiz na “Escola da Vida”, posso incorrer em erros e, portanto, a ajuda do digníssimo leitor será inestimável na correção dos mesmos, para que inverdades não se propaguem.

Sua participação é ardentemente desejada, para abrilhantar, apimentar e esquentar os temas aqui propostos. Tudo que se pede é amplitude de visão e pensamento. Que se liberte das amarras do pensamento convencional, linear e se mova em direção ao pensamento complexo – idealizado por Edgar Morin – que será figura freqüente nas páginas do Escrever por Escrever.

Começo então minhas incursões poético-filosófico-artístico-músico-cinematográfico-fotográfico-médico-tecnológico-humanitário-místico-sociológico-político-antropológico-literário-culturais analisando um artigo publicado no caderno mais! da Folha de São Paulo em 7 de dezembro de 2003. O artigo a que me refiro é assinado por Jurandir Freire Costa e versa sobre o lançamento de um interessante livro no Reino Unido: “Therapy Culture – Cultivating Vulnerability in na Uncertain Age”, traduzido pelo articulista como “Cultura da Terapia – Cultivando a Vulnerabilidade em uma Era de Incerteza” (sendo que acreditava eu ser correto “em uma Era Incerta”, pois incerteza seria “uncertainty” – ou estou errado?). O livro foi escrito por Frank Furedi, professor de sociologia da Universidade de Kent, Inglaterra.

Neste livro, assim como nos seus predecessores “Paranoid Parenting” e “Culture of Fear”, o autor analisa o impacto das crenças culturais na fundação da subjetividade.

Como subjetividade podemos entender todo o arcabouço de idéias concebidas e geradas pelo meio em que vivemos, também chamado de Capitalismo Mundial Integrado por Felix Guattari.

Assim, os meios de comunicação de massa e a literatura especializada vêm levando a um desmedido “emocionalismo” e “vitimização” que contaminam todos os setores da sociedade.

“O “emocionalismo” é a prática cultural que incentiva a expressão de afetos privados em público. Os indivíduos, na ausência de paixões ideológicas, encontraram nas confissões emocionais a céu aberto um sucedâneo tosco e precário dos clássicos vínculos da cidadania. O espaço público foi, assim, parasitado pelas idiossincrasias emocionais das celebridades ou “pessoas comuns”, e, os sujeitos, levados a se reconhecerem mutuamente, não como cidadãos, mas como membros da confraria dos heróis do coração” – interpreta Jurandir.

Essa passagem não lembra alguns programas televisivos de hoje? Não lembra também o “fenômeno blog” em algumas de suas facetas?

Além disso, como diz Furedi “uma das piores seqüelas do emocionalismo é justamente um rebaixamento da dignidade individual. Hoje, o cidadão ou é consumidor ou vítima de alguma opressão. A ideologia emocionalista, de um só golpe, espremeu a sociedade em um sala-e-dois-quartos, fez da cena pública um espetáculo para alcoviteiros e, da vida privada, um laboratório improvisado de obviedades do senso comum, enunciadas como descobertas científicas”.

Já indo em direção à conclusão do artigo, Freire Costa critica a tendência de Furedi a propor um retorno à intimidade sentimental, valorizado os processos ditos “familiares”. Para tanto ele cita Arendt (suponho tratar-se de Hannah Arendt): “um dos mais tenazes equívocos do pensamento político-filosófico liberal consiste em empregar o termo liberdade como sinônimo de soberania. Liberdade não é um predicado da existência humana solitária, um estado mental autárquico que se possa gozar dando as costas ao mundo. Ser livre é a maneira que o indivíduo tem de se distinguir e exprimir sua distinção diante da sociedade dos iguais. Sem a visão plural dos outros, o recuo para o reino da intimidade pode redundar em quimeras, delírios, grandes idéias ou idéias insignificantes, mas nada disso importa ao exercício da liberdade”.

O fechamento que o psicanalista e professor de medicina social da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (autor de “Sem Fraude nem Favor” e “Razões Públicas, Emoções Privadas”) dá à sua análise crítica do livro é um grande convite à leitura do mesmo:

“Furedi mostra, de forma convincente, como a exibição grotesca e despudorada da intimidade não indica coragem ou vontade de verdade, mas auto-indulgência e servilismo consentido. Ninguém se engrandece moralmente ao se apresentar em público como um manual de mazelas psicológicas, exploradas pela ganância de uns, pela idiotia cívica de outros ou pela estupidez política de muitos… …por fim, em brevíssimas palavras, um livro para ser lido e relido. Um olho para o horizonte da “hetero-ajuda” em meio à poluição tóxica de tanta “auto-ajuda”.

Precisa mais propaganda? O livro já está encomendado pela Livraria Cultura.

Quanto a esta questão da auto-ajuda “infestar” o mundo literário em nossos dias, lembro-me de uma Feira do Livro em Porto Alegre, há uns 4 anos atrás, quando esta invasão já ocorria. Passeava eu na companhia de minha amiga Evelise e meu amigo Fabiano quando, em um lampejo, surgiu a idéia para um paralelepípedo condensado de ensaios:

PARE DE SE AUTO-AJUDAR…

…e ajude aos outros

Um ensaio sobre a visão antropocêntrica de vida e de mundo

A idéia ainda não caiu no papel (nem no disco rígido) mas já encontrei um parceiro com idéias semelhantes sobre o assunto, o digníssimo Eduardo Sabbi, médico psiquiatra e grande colaborador do Simplicíssimo. Quem sabe até as cercanias de 2005 esta semente não se torne árvore esbelta e frondosa?

PRÓXIMO POST: “O livro contra-ataca” – análise da discussão proposta por Umberto Eco sobre os limites do mundo virtual

Fev 07

By rafaelreinehr | Uncategorized

Sugestão de visita 002

Recomendo uma visita ao blógue O Velho da Montanha.

É um blógue português muito arrazoado que escreve de coração e com sentimento sobre os mais variados assuntos. Seus dois últimos pôusts, sobre a história das 21 gramas que perdemos na hora de nossa morte e sobre o encontro com a morte derivado da lenda “Encontro em Samarcanda” são absolutamente magníficos. Vale a pensa a visita!

Uma pedra no sapato

Assim como todos países do mundo são uma pedra no sapato do governo americano eu digo: as lojas de fotografia dos Estados Unidos, menos a BHPhotoVideo são uma pedra no meu sapato.

Depois de entrar em 14 sites especializados em fotografia, escolhi aquele com os melhores preços para encomendar minha Nikon D100. Depois de preencher vários formulários com dezenas de dados, verificar valores de postagem para o”Brazil”, colocar meus dados de endereço e cartão de crédito, confirmar e reconfirmar dados e senha, recebo uma mensagem dizendo: “muito obrigado pela compra”. Para confirmar seu pedido, entre em contato pelo telefone XXXX-XXX-XXXX. Faço uma ligação internacional, me rasgo todo no inglês para ser muito mal-educadamente atendido por um atendente da loja A&M Photo World.

Na seqüência, recebo uma mensagem da SmilePhotoVideo agradecendo meu interesse na compra das lentes que eu havia escolhido, mas eles não aceitam meu cartão de crédito internacional com origem do Brasil por motivos de segurança!

Resolvo fazer o pedido em uma loja chamada Adorama e em outra chamada Digital Liquidators. O mesmo acontece: “não aceitamos cartão de crédito internacional de brasileiros.” Isso depois de 4 ligações internacionais, sempre atendido por uma pessoa muito, mas muito mal-educada em todas ocasiões – REGRA GERAL, porém, amostra pequena.

Finalmente, resolvo ceder. Completo minha encomenda das lentes na BHPhoto assim como cartão de memória e bateria acessória. Resolvo comprar a máquina por aqui mesmo ou solicito para alguém trazê-la para mim, ainda não decidi.

A questão é: porque estes malditos sites não colocam bem grande, na primeira página: não vendemos para o Brasil?

Somente a BHPhoto anuncia, ao desejarmos comprar a referida máquina que não lhes é permitido realizar a venda para cá. Os demais sites te fazem de trouxa, gastando mais tempo do que gastaria um americano no aeroporto ao ter suas impressões digitais e sua foto tiradas…

Por essas e outras (Tratado de Kyoto, Guerra do Iraque) que não engulo um monte de merda que sai da boca de que defende esse bando de f.d.p. americanos que agora estão no poder (não me refiro ao povo americano, esteja bem claro, apesar de sua ignorância geográfica e seus hábitos alimentares toscos).

De onde surgiu o Escrever Por Escrever?

Para responder a esta pergunta, vou usar a resposta a um comentário que me foi feito no site Simplicíssimo, do qual sou editor.

Um digníssimo “anônimo” chamado Cairo, que não se identificou no espaço, escreveu o seguinte, sobre um excerto do Escrever Por Escrever original (excerto LI):

“Este texto lembra muito a espada de Dâmocles: comprida e chata. Vamos melhorar, pessoal!”

Para o qual lhe respondi:

“Críticas são sempre bem-vindas, principalmente quando elas APONTAM AS FRAQUEZAS que devemos corrigir!

De qualquer forma, para você que parece novo no Simplicíssimo e, no que diz respeito ao Escrever Por Escrever, “está por fora” e, creio, não tem idéia do seu significado, explico:

O Escrever Por Escrever é um projeto individual que começou em 03/06/2000 como uma série de apontamentos pessoais sobre acontecimentos de minha vida entremeados por idéias, projetos, textos e toda produção literária que porventura eu produzisse. Escrever Por Escrever é, para mim, um Caminho, de obrigatória passagem para meu aperfeiçoamento como pessoa e como escritor.

São poucas as pessoas com capacidade para entender isto, mesmo porque, fora de contexto, os textos realmente parecem fracos e sem sentido.

No momento em que consegues colocar o excerto LI (51, para os menos avisados) em seqüência com os outros 50 já publicados, talvez apareça uma mensagem ou um sentido que não transparece na peça isolada.

Pegue um trecho qualquer de Dostoiévski: apesar da genialidade que exibe em sua obra como um todo e, concordo, em muitas de suas passagens isoladas, não é na totalidade de suas frações que encontramos tal genialidade, mas nas frações enquanto totalidade.

São poucos – como Immanuel Kant – que podem ouvid de Goethe um elogio como “quando leio Kant, a cada nova página pareço adentrar em uma sala plenamente iluminada”…

Desejaria poder receber tais elogios, mas sei que não estou pronto, e por isto treino.

Este aqui é (foi) meu treinamento. Neste momento é história que estou deixando para meus filhos.

Dei seqüência com a idéia no Simplicíssimo, onde pude então expressar algumas idéias sem obrigatoriamente recorrer ao Escrever Por Escrever. Quando este mesmo Simplicíssimo tornou-se pequeno ao meu ímpeto de escrever (por escrever), acabei finalmente criando um blógue, chamado novamente Escrever Por Escrever.

Neste blógue despejo algumas idéias que, pelo crescimento do Simplicíssimo e pela participação efusiva de muitas pessoas, não pude mais colocar no espaço que havia criado.

Agradeço pela participação massiva de muitas pessoas que, como eu, tem este desejo de mostrar seus escritos, suas idéias e pensamentos, resultados dos estímulos individuais e únicos a que somos expostos desde o nascimento.

Espaço onde podemos ainda, em um mundo normalizado, que nos impõe semelhanças de consumo e atitudes que não dizem respeito a nós, exercer esta individualidade quase perdida.

Este é, sim, um exercício de indvidualidade. É uma lição para quem me acompanha. Como disse, talvez não faça sentido para quem “pega o bonde andando”, mas as edições anteriores estão aí para serem lidas.

No mais, digníssimo Cairo, se puderes colocar um endereço de e-mail ou um site para que possamos contatá-lo, isto seria bastante interessante, já que ficamos com o pé atrás com críticas que não dão a face para bater.

Agradeço também seu tempo dispendido para ler este longo e chato texto e ainda o tempo dispendido para o comentário, que me fez, por sua vez, dispender tempo igual ou maio para escrever esta resposta.

Um grande abraço e siga nos prestigiando.

Se tiveres textos bons que queira nos enviar, estamos cem por cento abertos à sua participação, através do Participe, ali no menu à esquerda!”

Bem, foi isso que lhe respondi, e nesta resposta encontra-se um pouco da história deste blógue, seus antepassados e seu significado para mim.

Fica aqui também um convite para que todos leitores destes escritos também se aventuram pelo mundo do Simplicíssimo. Seus textos serão sempre bem-vindos!

Fev 03

By rafaelreinehr | Uncategorized

Novamente, um filme.

Acabei de ver “O Último Samurai”, com Tom Cruise no papel principal.

Realizando uma análise um tanto alternativa – mas não inverídica – do filme, vemos que é a história de um bebum, de um pau-d´água que tem sua vida reconstruída graças a uma proposta de ensinar um bando de colonos a atirar contra outro bando de samurais.

Durante sua odisséia, é aprisionado pelo inimigo, passa por uma crise de abstinência mas consegue se livrar do vício enquanto compartilha o estilo de vida samurai no meio das montanhas. Aprende a lutar como um guerreiro japonês e solta a franga dançando feliz ao liberar seu lado feminino ao vestir aquele vestidinho dos samurais.

Como não poderia deixar de ser, acaba se apaixonando pela mulher do samurai que matou e fica amiguinho dos filhos do mesmo. Luta ao lado dos samurais na grande batalha contra o mal representado pelo capitalismo americano que invade o Japão sob o consentimento de um fraco Imperador Meiji praticamente subordinado a um grande construtor de estradas de ferro.

Na feroz luta morrem todos, menos quem? Isto aí: nosso herói! (depois das batalhas que ele enfrentou, só mesmo chamando-o de Highlander!

No fim, o imperador mostra a que veio (um pouco tarde demais para o meu gosto) e nosso bonitinho vai morar no meio das montanhas com sua nova esposa, podendo finalmente dormir tranqüilo como sonhava há tempos.

Lindo!

MyDoom.A

Estou tendo extrema dificuldade em lidar com este verme. Recebo mais de 100 mensagens infectadas por dia e já rodei o Norton e o Panda Software sem sucesso. Contatei meu servidor do site e meu provedor e sem solução. Creio que serei mais uma vítima obrigada a destruir um e-mail por conta desta praga. Como dizia Heráclito – nunca entramos duas vezes no mesmo rio, ou, as coisas mudam, I 1/2s mudas até as surdas mudam!

Serviço Militar

Fui liberado do Serviço Militar Obrigatório.

Motivo: não passei no psicotécnico.

Não sei se foi o homem com capa de chuva que desenhei de costas ou foi o fato de eu contar uma historinha entre um homem ajoelhado e outro em um trono e, quando me perguntaram sobre com quem mais me identificava era o sentado no trono, que eu havia dito que era o papa.

De fato, esta obrigatoriedade estava me matando. Nem dormir direito conseguia. Servir, para um médico recém-formado é interessante do ponto de vista financeiro, mas para mim, após 4 anos de especialização e com minha vida já programada e acertada, ia ser uma m…