Posts made in agosto, 2006


Deus e o vendedor de suco


Posted By on ago 31, 2006

      – E aí, meu Rei, votaste no Lula nas últimas eleições

– Bem, meu filho, como senhor de todos, não posso ter um posicionamento político específico…

– Mas fala a verdade aí, meu Rei… Ce é de esquerda ou direita

– Filho, a bem da verdade minha posição fica um pouquinho mais em cima, no centro. Quem senta ao meu lado, na direita, é Jesus, meu filho. Da esquerda mesmo é a Maria, mãe de Jesus…

– Certo… E como vocês fazem numa casa assim, com tantas divergências político partidárias?

Read More

Dormingo


Posted By on ago 29, 2006

Da cama, a mulher sentia os primeiros raios de sol do dia fenestrarem a janela. Como é bom dormir sem hora para acordar. Tomar café da manhã sem se preocupar com os deveres do dia.

Durante algum tempo a mulher ficou na cama, a se espreguiçar, planejando passar o dia inteiro de pijama, escutando música. Sentar tranqüilamente para ler um bom livro. Em instantes, a sensação de vazio que tomara conta da mulher ao perceber o espaço desocupado na cama foi substituída por um suave prazer, sentir o cheiro gostoso de café vindo da cozinha, sentir a presença de quem se ama.

Olhando pela janela, nuvens densas e escuras deixavam passar os raios do sol com alguma dificuldade, formando uma multidão de raios que pareciam brigar entre si para ver qual teria o privilégio de tocar o solo.

Era justamente nestas horas que a mulher lembrava como era bom escrever a lápis, ter uma borrachinha que ficasse redondinha depois de muito usar. Recordava como era sentir o cheiro de terra molhada depois de uma chuva repentina no meio da tarde. Buscava na memória as brincadeiras de criança, de um tempo distante que suas pernas não conseguem mais alcançar.

Read More

Alucinações táteis


Posted By on ago 26, 2006

Uma formiga subia na parede lá fora. Subia mesmo, não era truque nem brincadeira de computador. Nunca tinha visto uma formiga de verdade, outra além daquelas do Google Images. Tinha estudado, e na escola lhe explicaram como estes insetos e outros animaizinhos conseguiam se agarrar nas estruturas e caminhar, desafiando a lei da gravidade e mesmo outras não tão graves assim.

Estava feliz, porque pela primeira vez via uma formiga que não as que via na sua cabeça e sentia na sua pele. Aquele remédio realmente estava funcionando.

Read More
%d blogueiros gostam disto: