Monthly Archives: fevereiro 2011

Fev 20

Frango Defumado ao Molho de Soja com Especiarias

By Rafael Reinehr | Caldeirão de Sabores

Hoje fiz uma receita no improviso que ficou deliciosa, vou registrar aqui para não esquecê-la. Assim também a compartilho com os amigos que quiserem experimentar fazê-la. Depois coloco a foto da frigideira, com metade dos franguinhos que sobraram. Seguem os ingredientes e o modo de preparo:

Ingredientes:

1 kg de “iscas” de peito de frango sem osso
manteiga
azeite de oliva
1 cebola em rodelas
4 dentes de alho amassados
pimenta do reino verde (ou preta, se não tiver a verde)
1/2 a 1 pimentão verde em cubos (o pimentão pode ser de qualquer cor – o amarelo e o vermelho são mais adocicados)

molho de soja (shoyu) – 1/2 frasco
fumaça líquida (se tiver)
curry
açafrão da terra (curcuma)
tomilho
orégano

salsa verde picada

Modo de fazer:

Esquente uma frigideira bem grande (ou paelleira). Quando estiver bem quente, coloque 1 cubo inteiro de manteiga (usei Primor, mas pode ser qualquer marca, ou mesmo caseira) e logo irrigue com azeite de oliva, o quanto baste, para não queimar a manteiga. Coloque a cebola picada e deixe dourar levemente. Quando começar a dourar, coloque os dentes de alho já amassados.

Logo em seguida, adicione o pimentão picado. Mexa por 1 minuto e logo a seguir adicione o frango (Normalmente aconselha-se deixar o frango de molho nos temperos para pegar mais sabor, mas como a receita foi improvisada, descreverei como a fiz). Moa a pimenta verde (ou preta) sobre o frango, a gosto. Não adicione sal, pois o shoyu tem o suficiente. Após 1 minuto dourando em fogo médio sobre a cebola e os pimentões, adicione o shoyu sobre os frangos e, logo a seguir a fumaça líquida.

Compro a fumaça líquida no eBay, da marca Colgin. Se não tiver, ok. Deverá ficar bom do mesmo jeito, apesar deste ingrediente ser o responsável por dar um gosto defumado ao prato.

Após dourar por 2 ou 3 minutos de um lado, vire e imediatamente polvilhe com um pouco de curry (apenas 2 pitadas) e açafrão da terra (mais 2 pitadas). Tempere também com tomilho e orégano a gosto. Coloquei somente uma pitada grande de cada, para que nenhum gosto ficasse muito saliente.

Depois de mais 2 ou 3 minutos fritando deste lado, virei mais uma vez e, um pouco antes de desligar, coloquei a salsa picada, ainda na frigideira.

Servi com arroz integral, mas também deve ficar delicioso com arroz branco e qualquer tipo de massa. Faça e experimente, depois me diga o que achou. Ah! E não deixe de pegar os pimentões e a cebola que ficou “caramelizada” com o molho de soja e colocar por cima do arroz (ou da massa)! Isso vale ouro!

radical-technology
Fev 09

Chegaram meus livros sobre sustentabilidade e resiliência urbanas!

By Rafael Reinehr | Sustentabilidade e Resiliência

Há alguns dias eu havia feito na Amazon uma encomenda de livros sobre sustentabilidade e resiliência domésticas e produção da própria energia, basicamente em ambiente urbano. A maior parte dos livros novos exceto um deles, esgotado e original da década de 70 comprei usado na Inglaterra (também via Amazon).

Comuniquei no twitter acerca da chegada dos mesmos e o amigo @heliopaz, gentilmente em resposta tuitou:

@r4re Precisas postar a tua riquíssima e necessária bibliografia! #coolmeia #sustentabilidade #futuro #humanismo

@r4re Tua bibliografia é sempre uma referência. Publica pra nós! 😉 \o/

Atendendo ao amigo – e também a um desejo pessoal de registro da chegada dos mesmos – ei-los enumerados abaixo (em um segundo momento, farei uma pequena resenha individual acerca de cada um deles, adicionando link para página de compra e imagem):

radical-technology1. Mini Farming: Self-sufficiency on a 1/4 Acre – Brett L. Markham

2. The Renewable Energy Handbook – William H. Kemp

3. Just in Case – How to be self-sufficient when the unexpected happens – Kathy Harrison

4. The Backyard Homestead – Carleen Madigan

5. Toolbox for Sustainable City Living – Scott Kellogg e Stacy Pettigrew

6. How to Store your Garden Produce – The key to self-sufficiency – Piers Warren

7. The Urban Homestead – Your Guide to Self-Sufficient Living in the Heart of the City – Kelly Coyne e Erik Knutzen

8. Made From Scratch – Discovering the Pleasures of a Handmade Life – Jenna Woginrich

9. Off the grid – Inside the movement for more space, less government, and true independence in modern America – Nick Rosen

10.Living off the grid – A Simple Guide to Creating and Mantaining a Self-Reliant Supply of Energy, Water, Shelter and More – Dave Black

11. Make Your Place Affordable, Sustainable Nesting Skills – Raleigh Briggs

12. Radical Technology – Food, Shelter, Tools, Materials, Energy, Communication, Autonomy, Community – Roger Hall, Godfrey Boyle e Peter Harper

Compartilharei o conteúdo à medida em que for pondo em prática, apresentando minhas impressões sobre as dificuldades e choques de realidade em relação às tecnologias apresentadas.

Fev 06

Você é contra ou a favor da liberação do cultivo, uso e comércio da maconha?

By Rafael Reinehr | Saúde da Sociedade

Hoje assisti esta pequena animação que apresenta alguns argumentos favoráveis à liberação da maconha além dos seus usos médicos. O principal argumento apresentado é o de que a legalização criaria uma rede capitalista de comércio, com taxação sobre as vendas, cujo dinheiro poderia ser utilizado para financiar inclusive instituições de saúde.

Particularmente, nunca utilizei maconha (tampouco um cigarro comum) e estou perfeitamente ciente dos danos efetivos e potenciais do uso de tal psicofármaco. Entretanto, classifico-a como um entorpecente apenas levemente mais danoso do que o álcool, o tabaco e os benzodiazepínicos, todos legalmente aceitos e de uso corrente.

Assista o vídeo abaixo e emita sua opinião. Seu uso deve continuar proibido, deve ser completamente liberado ou deve ser liberado sob certas condições e restrições?

 

menu
Fev 06

Uma vontade louca

By Rafael Reinehr | Jujubas

Até há algum tempo atrás – e lá se vai um bom tempo – eu mantinha aqui no blog uma regularidade exemplar. Eram postagens diárias e, como se não bastasse, eu tinha um “cardápio” que organizava o que ia publicar a cada dia. Algo do tipo:

menusegundas – música e ecologia

terças – gastronomia e medicina

quartas – literatura e política

quinta – blogs e internet

sexta – fotografia e filosofia

sábado – sociedade e bem-estar

domingo – cinema e anarquia

É uma pena, mas perdi o meu “cardápio” nas areias do tempo; a bem da verdade, foi na atualização do site que o módulo que continha este cardápio se perdeu. Os (muitos) últimos meses foram bastante complicados, e tenho publicado aqui raríssimas vezes. Tenho tido pouco tempo para escrever de forma demorada, cuidadosa, e tenho preferido usar o tempo livre (??? livre ???) para ler ao invés de escrever.

Mas sinto falta. Confesso que sinto falta da minha antiga quase-obsessão em blogar.

A chegada do Benjamin e a família, os compromissos profissionais, os vários projetos on e offline, todos eles resultaram em uma redução na atenção para com o blog. Claro que nunca estou completamente ausente. Sempre passo por aqui para dar uma olhada nos comentários, passar um espanador e ver se tenho contas a pagar na caixa de correio.

Como todo bom blogueiro, não abandono esse espaço por nada. Nem twitter, muito menos facebook fazem minha cabeça a ponto de deixar este espaço às traças.

Quem sabe nos próximos dias não aparece por aqui um novo “cardápio” de publicação de posts?

 

  • Atualização de 11/02/2011: encontrei, perdidos entre os posts antigos, alguns dos meus “cardápios”, que eram chamados de “Pratos do Dia”. Eis aqui a versão de 2007 e aqui a versão de 2008.