Search Results for: simplicissimo

Simplicíssimo: contos, crônicas, poesias, literatura e efervescências
mar 10

O Simplicíssimo está chegando!

By rafaelreinehr | Simplicíssimo

Simplicíssimo, a Nau Literária mais festiva da Terra está de volta!

Salve Salve! Depois de mais de 5 anos descansando de nossas aventuras, o Simplicíssimo está voltando! Entre 2002 e 2012 nossos 111 autores produziram 3999 contos, crônicas, críticas, poesias, haikais, novelas, minicontos, editoriais, resenhas e ombudsmans que foram visualizados mais de 7 milhões de vezes, levando cultura, entretenimento, criatividade, delírios, diversão e muita literatura para seus leitores.

…e agora, falta pouco! Retomamos nossas atividades no próximo dia 01/04/2018!

Ao longo dos próximos dias, estaremos recebendo alguns de nossos velhos e bons escritores e autores bem como muitos novos literatos e aficcionados. Contos, Crônicas, Críticas, Resenhas, Poesias, Entrevistas, Novelas e Romances em Capítulos, Minicontos e muito mais, é o que você pode esperar daqui para frente.

E – dessa vez – uma novidade estonteantemente deliciosa para quem decidir apoiar a boa literatura em língua portuguesa! O Simplicíssimo irá realizar uma publicação anual impressa (um livro) com suas melhores publicações, e você está, desde já, convidado a fazer parte!

Se você sente que tem algo muito significativo a comunicar, gosta de escrever literatura e quer se expressar, venha fazer parte da equipe de COLUNISTAS!

Contate-nos através do falecom@simplicissimo.com.br

Enquanto isso, adicione-nos nas mídias sociais:

Twitter: https://twitter.com/viagensetereas

Facebook: https://facebook.com/simplicissimo

 

 

Simplicíssimo: contos, crônicas, poesias, literatura e efervescências
mar 10

O Simplicíssimo está chegando!

By Rafael Reinehr | Simplicíssimo

Simplicíssimo, a Nau Literária mais festiva da Terra está de volta!

Salve Salve! Depois de mais de 5 anos descansando de nossas aventuras, o Simplicíssimo está voltando! Entre 2002 e 2012 nossos 111 autores produziram 3999 contos, crônicas, críticas, poesias, haikais, novelas, minicontos, editoriais, resenhas e ombudsmans que foram visualizados mais de 7 milhões de vezes, levando cultura, entretenimento, criatividade, delírios, diversão e muita literatura para seus leitores.
…e agora, falta pouco! Retomamos nossas atividades no próximo dia 01/04/2018!
Ao longo dos próximos dias, estaremos recebendo alguns de nossos velhos e bons escritores e autores bem como muitos novos literatos e aficcionados. Contos, Crônicas, Críticas, Resenhas, Poesias, Entrevistas, Novelas e Romances em Capítulos, Minicontos e muito mais, é o que você pode esperar daqui para frente.
E – dessa vez – uma novidade estonteantemente deliciosa para quem decidir apoiar a boa literatura em língua portuguesa! O Simplicíssimo irá realizar uma publicação anual impressa (um livro) com suas melhores publicações, e você está, desde já, convidado a fazer parte!
Se você sente que tem algo muito significativo a comunicar, gosta de escrever literatura e quer se expressar, venha fazer parte da equipe de COLUNISTAS!
Contate-nos através do falecom@simplicissimo.com.br
Enquanto isso, adicione-nos nas mídias sociais:

Twitter: https://twitter.com/viagensetereas
Facebook: https://facebook.com/simplicissimo

 
 

Simplicíssimo 6 anos
nov 03

6 anos de Simplicíssimo

By Rafael Reinehr | Divulgação

Nem comentei aqui, mas no último dia 25 de outubro o Simplicíssimo fez 6 anos de existência. É meu filho mais antigo e longevo na internet.

Fantásticos escritores e escritos por ali já passaram e continuam passando todas as semanas.

Surgido um pouco depois dos finados COL e Spam Zine, o Simplicíssimo continua fiel ao seu slogan original, levando a seus leitores as Viagens Etéreas e Psicodélicas Impressas no Éter Universal.

Está chegando aqui hoje e ainda não conhece o site? O que está esperando, vá logo conhecer o Simplicíssimo!

 

4 marcas reinehr.org
jul 03

Qual é a coisa mais desconfortável para se escrever? O que é realmente difícil para o Rafael?

By rafaelreinehr | Experimentalismo , Literatura

Esta postagem é a primeira de 13 postagens da série Exercício de Escrita Criativa e Produtividade, que propus em 28 de junho último. Acompanhe todos os artigos, compartilhe – se achar interessante – e comente se houver algo a acrescentar.

Quando propus o Exercício de Escrita Criativa e Produtividade, recebi alguns comentários e um deles chamou minha atenção: foi uma pergunta do Ricardo Kasburg Philippsen questionando se eu aceitaria sugestões de temas para as 13 semanas de postagem. Ao que lhe respondi que sim, seria ótimo receber ideias e tornaria até mais fácil o meu trabalho. Mas, mal sabia eu que lá vinha bomba!

O Ricardo propôs que eu escrevesse sobre aquilo que, para mim pessoalmente, fosse a coisa mais desconfortável para escrever. Eu deveria olhar para dentro, investigar e falar sobre o que fosse mais difícil para mim.

Como no primeiro exercício, este que estou publicando agora, eu devo contar uma história pessoal, bem, lá vamos nós… O que é difícil e desconfortável para mim, neste momento da vida?

De todas as coisas que precisam ser melhoradas – minhas características pessoais de intolerância e impaciência, minha gestão do tempo e aumento de capacidade para dizer “não” a novos projetos, ser capaz de voltar a produzir meu alimento e lidar com 100% do lixo orgânico como já fui capaz de fazer em outros tempos, minha relação afetiva atual – aquela que mais me incomoda está relacionada com as consequências e amarras derivadas da minha separação com a mãe de meus filhos, em 2014.

Adoraria poder escrever com detalhes sobre meus sentimentos, sobre os fatos e sobre como interpreto tudo que aconteceu e está acontecendo, mas como se avizinha um processo litigioso, terei que calar por ora. Desabafar sobre aquilo que nos sufoca é terapêutico. Não poder falar o que está engasgado e o que o outro precisa ouvir é tóxico. Desta feita, estou sim registrando os fatos e os sentimentos que acompanham, pois um dia poderei colocá-los para fora. Por ora, preciso “deixar quieto”.

Por este motivo, vou escolher a segunda coisa que mais me atormenta nos dias de hoje: minha incapacidade em criar um senso de pertencimento, de comunidade e de tornar sustentáveis meus projetos de cunho altruísta, socio-ambiental e culturais.

Quem me acompanha sabe que estou em constante processo de animação de vários projetos de toda sorte, entre eles a Coolmeia, o Medictando, o Pensador Selvagem, o Simplicíssimo, a Rádio Sofia, a AntiEditora, o CEHLA, a Biblioteca Anarquista, a ZenNature, a The Love&Brains Cooperationo Solutio e alguns outros.

Sim, eu sei. Alguns me chamam de louco por tentar. Outros me compreendem e me dão força, de várias formas: palavras de estímulo, dando as mãos e pegando junto em um ou outro projeto – projetos estes que estão desenhados de forma colaborativa, abertos à participação de quem se sentir convidado e incluído. Eles tem código aberto, podem ser replicados onde for desejável e, ao fazer parte, funcionam de forma horizontal e autogerida, em sua maior parte.

Os fatores que me deixam inquieto, insatisfeito e de mal comigo mesmo são:

  • Crowdsourcing insuficiente: não temos o time de pessoas dedicadas a cada projeto na intensidade desejável para que ele floresça

  • Quando temos um time maravilhoso, ele é composto por pessoas que, assim como eu, fazem parte de vários projetos e não conseguem dedicar tempo suficiente àquele nosso projeto em comum

  • Algumas pessoas chegam e vão, pois não conseguem desenvolver um senso de pertencimento à iniciativa pela qual ele se interessou

  • Os projetos sempre foram alimentados majoritariamente por dinheiro do meu próprio bolso, até o momento em que isso se tornou inviável e, pela primeira vez, precisei começar a pensar em como gerar sustentabilidade econômica para eles

  • Trazer benefício verdadeiro, significativo e duradouro para a comunidade que faz parte dos projetos e também ao ecossistema que o projeto pretende alcançar e nutrir.

  • Não conseguir comunicar efetivamente ao público em geral como que estes projetos que, a um primeiro olhar, parecem díspares e não relacionados, na verdade fazer parte de um todo coeso, com objetivos comuns mas individualmente focados em públicos e assuntos diversos

Olho para trás e verifico o tempo e os recursos que já foram (e continuam sendo) investidos nestes projetos. Fico feliz com os resultados alcançados até o momento, mas sei que eles podem – e devem – chegar a mais pessoas, e fazer a diferença positiva no mundo para a qual eles foram projetados.

Hoje consigo reconhecer os erros de planejamento, os de execução e até a insuficiência na celebração de pequenas conquistas que tivemos pelo caminho. As pessoas que me acompanharam e acompanham mais de perto sabem do que estou falando, com mais propriedade. Na verdade, muitas vezes reconhecia no momento em que aconteciam, mas não tinha fôlego para consertá-los, em função das outras demandas acumuladas.

Sim, e é somente neste aspecto que dou a braço a torcer aos críticos que dizem: “Mas você faz muitas coisas ao mesmo tempo! Não seria melhor se dedicar a somente um projeto por vez, fazê-lo acontecer e só daí partir para um próximo?”

Sim, vocês tem razão. Isso seria o ideal. Mas como controlar esta ânsia insana que vem de dentro e me impele a fazer tudo ao mesmo tempo agora? Este ímpeto é imparável. Não sei se alguém entende o que estou dizendo, mas é como se fosse um “chamado”, uma voz tão forte que te inspira e faz com que nada possa ficar para depois.

Antes de mais nada, já tentei suprimir esta voz por algum tempo. E consegui. Juntamente com isto, consegui me sentir infeliz. Ao que parece, minha felicidade, aquela verdadeira sensação de bem-estar, na qual você se sente pleno, completo, inclui estar fazendo milhares de coisas ao mesmo tempo. Me sinto vivo e é assim que escolho seguir. Existe algum tipo de contenção compulsória para isso? Espero que não. Já tentei meditação para isso, mas o que ela faz é, na verdade, ampliar ainda mais minhas ideias, delírios e vontades. A meditação ao mesmo tempo que me acalma me deixa ainda mais criativo, com vontade de participar e interagir com o mundo e as pessoas, ajudando na transformação desta realidade em uma outra, melhor.

Bem, talvez esta história pessoal faça pouco sentido a você que a está lendo agora. Talvez eu consiga trazer mais sentido a ela nas próximas semanas, nos próximos meses, anos, décadas, com o desenrolar de todos estes projetos e iniciativas. Se eu for bem sucedido, você saberá. Se não for, somente ficarás sabendo se ficares por perto. Te convido a ficares por perto e me ajudar da forma que for possível a você: carinho, críticas, sugestões, recursos econômicos, seu conhecimento, seu networking, indicando pessoas próximas a você que possam desejar participar e ajudar de um ou mais dos projetos elencados acima.

Ao longo das próximas semanas dois eventos relacionados ao desconforto relatado acima serão desvelados:

  1. A criação de um folder e de um mapa mental que irão explicar, da maneira mais simples e didática possível o que são estes projetos todos e como eles se correlacionam
  2. Uma chamada coletiva para apoiadores, dentro de um modelo chamado OKR Fee, que deverá retribuir a cada apoiador na justa medida de sua participação em cada projeto ou iniciativa (saiba mais em breve, em um artigo específico sobre isso).

Enquanto isso, seja mais uma vez bem-vindo(a) à série de 13 textos sobre Escrita Criativa e Produtividade. Toda segunda-feira, no http://reinehr.org nos próximos 3 meses.

Seja bem-vindo à Aventura! E, como eu escrevi há alguns anos atrás em um texto chamado “Eu tive um sonho“, O que você, que está lendo este texto agora, e que estou chamando para compor este sonho comigo, acrescentaria de seu para que este sonho seja um sonho ao mesmo tempo comum e completamente seu?

Vale a leitura do texto acima! Até breve, obrigado por me acompanhar até aqui.

Moacyr Scliar
maio 19

06/06/2003 – #026 – O Elo Perdido

By Rafael Reinehr | Editoriais , Simplicíssimo

 

Ontem, quando cheguei em casa do trabalho, destruído, a primeira coisa que fiz foi sentar no sofá, esticar nas pernas e… …assistir à TV. Estava passando na TVE uma reportagem muito interessante sobre a vida do nosso futuro imortal, Moacyr Scliar.

slizstacks

Como é bom ver uma pessoa tão grande e tão humilde e simples ao mesmo tempo. Inspirações ao dirigir, ser caseiro, família, sem regras de tempo para criar… Começou escrevendo de si, menino do Bom Fim; depois do seu bairro e seus acontecimentos; de sua religião, de sua profissão; de quem admirava e com quem conviveu. Como disse Armindo Trevisan na reportagem, parafraseando Tchekov “Se queres ser universal, canta a tua aldeia“. Assim é Scliar. Há alguns anos, 1997, se não me engano, fiz um curso de Antropologia de Culturas Urbanas e História da Ciência Não Ocidental com o Ruben Oliven, o Ivan Izquierdo e o Moacyr Scliar. Pude então conhecer um pouco mais desse médico e escritor que até então era um ícone distante para mim. Continua a ser um ícone, mas um pouquinho mais próximo. Descobri que podemos tocar nele e apertar sua mão. Não cai pedaço nem nos transformamos em coisa alguma. Foram 4 meses de curso e muito aprendizado. Essa edição tem um quê de especial também por mais dois motivos: o primeiro deles é o fato de que cada vez mais chegam sugestões, críticas e comentários ao Simplicíssimo. Um exemplo disso é a presença do ilustre Dr. Rogério Amoretti, diretor técnico do Grupo Hospitalar Conceição (se não me engano, segundo maior complexo de atendimento em saúde pública do país, atrás apenas do complexo da USP em São Paulo), comentando o editorial da última edição. Vale a pena conferir. O segundo motivo é o anúncio de que o site do Simplicíssimo ficará pronto este fim de semana. Estamos aguardando o envio, por parte dos autores das edições anteriores, de fotos e outros “enfeites” para sua página individual. A festa de lançamento do site está confirmada. Em breve estaremos divulgando local, data e as bandas que estarão “animando a festa”! Contamos com a presença maciça dos assinantes e de seus “anexos” (“cônjuges”e amigos inclinados a essa psicodelia literária). Grande abraço e até breve. Bem breve.

Rafael Luiz Reinehr

Orçamento participativo - medicina e saúde.
maio 12

30/05/2003 – #025 – Orçamento participativo

By Rafael Reinehr | Editoriais , Simplicíssimo

 

Nesta “capital do Fórum Social Mundial” ouve-se tanto (e fala-se tanto) em orçamento participativo…

Eu mesmo, conhecendo por jornais e tevê já fui analista da referida forma de distribuição dos recursos públicos. Falar com conhecimento parco é fácil. Também é fácil errar o palpite. Sempre achei o Orçamento Participativo a oitava maravilha do mundo. Uma idéia genial, daquelas que você sempre gostaria de ter tido (tipo a idéia da Grande Cooperativa Mundial – Simplicíssimo edição # 003 ). orcamento-participativoOra bolas: quem melhor do que as próprias pessoas que vivem no ambiente a ser favorecido pelos benefícios para escolher o que priorizar e o que postergar (sempre lembrando que os recursos são limitados). Essa idéia de perfeição sumiu a alguns dias atrás. Trabalho no Hospital Nossa Senhora da Conceição, hospital vinculado ao Ministério da Saúde e portanto órgão federal. Agora, como PT liderando o executivo e “mandando” no Hospital, decidiram implantar, pela primeira vez o “Orçamento Participativo” no Hospital. Bem, lá fui eu me candidatar a uma das 13 vagas para delegado da Gerência de Residência Médica para votar o Orçamento Participativo. Essa parte foi fácil: o número de candidatos era igual ao número de vagas! Pulando algumas etapas, chegamos ao dia da grande assembléia! Um dia inteiro reunidos em um galpão para votar entre as mais de 80 propostas feitas pelas diferentes gerências do hospital, que representavam funcionários das gerências de administração, informática, apoio (UTI, bloco cirúrgico, obstetrícia), pacientes externos (emergência e ambulatório), SADTS (exames), internação, residência médica e G8 (outras gerências). A apresentação de praticamente todas propostas foi realmente comovente. Pudemos ver a precariedade de diversas áreas do Hospital, muitas vezes distante da área em que trabalhamos. Fiquei sabendo que chove dentro do almoxarifado e na lavanderia, pondo em risco material de valor estocados no primeiro e arriscando contaminação através de secreções que existem em roupas e lençóis que vão para a segunda. Pessoas trabalham em condições bem abaixo do mínimo aceitável, condições que dificilmente um “adicional por insalubridade” conseguiria compensar. Na UTI, sala de recuperação, salas de cirurgia, emergência, internação, a falta de equipamentos em quantidade necessária à demanda do hospital e o uso de equipamentos comprados há mais de 20 anos, quebrados e adaptados com esparadrapos e fitas adesivas mostra a precariedade das condições de atendimento, expondo em risco o profissional que atende o paciente mas, sobretudo, a própria vida do paciente, que não tem acesso às melhores condições de tratamento de sua enfermidade. O serviço de informática está limitado por centrais e servidores lotados que não comportam a expansão de terminais necessários à ampliação do atendimento que vem ocorrendo com o crescimento do Hopital, o que provoca lentidão no processamento de dados, agendamento de consultas, realização e resultados de exames e assim por diante. Não existem condições adequadas de estocagem da comida, tanto no refeitório para os funcionários quanto da comida oferecida aos pacientes, pois as câmaras refrigeradoras estão com vazamento, e a situação já foi inclusive verificada pela vigilância sanitária que exigiu mudanças por parte do Hospital. O serviço de residência médica que traz importante verba para o Hospital (já que a tabela do SUS é sobretaxada em 50% graças a presença de programas de residência médica no Hospital) sofre de terrível descaso, pois não são feitas assinaturas de jornais científicos nem aquisição de livros novos na medida necessária; não existe sala de aula equipada com materiais didáticos necessários ao pleno desenvolvimento das atividades técnico-científicas. Não existe, no andar de internação, equipamento mínimo necessário funcionando para atendimento seguro e correto de uma parada cardíaca por parte dos médicos residentes, causando a morte de pessoas e frustração por parte da equipe médica e de enfermagem. A situação no Hospital que faço residência, acreditava eu, era ruim. Agora sei que é calamitosa. O Orçamento Participativo me fez ver, de forma ampliada a real situação que vive meu Hospital: Necessários mais de 3 milhões de reais para resolução nas necessidades URGENTES, que não podem esperar de maneira alguma, sendo que somente 1,5 milhões são disponíveis para o ano de 2003. Essa situação certamente pode ser ampliada a um macronível, quer seja ele municipal, estadual ou federal. Vemos assim que as soluções que ora imaginava serem possíveis com a “revolução do Orçamento Participativo”, na verdade são apenas remédios paliativos, que pobremente aliviam os sintomas. Na conclusão, várias áreas acabaram ficando sem nada. Zero. Null. Gar nichs! Outras foram realmente privilegiadas. Democracia? Cartas marcadas? Conchavos e poiticagem? Eu estava lá e vi (e ouvi) com meus próprios olhos (e ouvidos)… A esperança ainda sobrevive, mas seu foco, para mim, desviou-se um pouco da idéia de Orçamento Participativo… Pelo menos a experiência que vivi não foi satisfatória… Quem sabe com outras regras e estruturação menos vinculada ao “tudo ou nada” e garantindo ao menos pequenas melhorias a áreas importantes mas com pouca participação seria uma solução… As mudanças virão…

Até lá, tente não ficar doente…

Rafael Luiz Reinehr

maio 10

Quem sou

By Rafael Reinehr |

Eu sou um escritor que não é.Rafael Reinehr

Eu sou um músico que não é.

Eu sou um fotógrafo que não é.

Eu sou um cineasta que não é.

Eu sou um filósofo que não é.

Eu sou um pintor que não é.

Eu sou um médico que não é.

Eu sou um ecologista que não é.

Eu sou um amante que não é.

Eu sou um pai que não é.

Eu sou um filho que não é.

Eu sou um homem que não é.

Eu sou aquilo que sou,

E assim sendo,

Sou aquilo que ninguém mais é.

Resolvi armazenar aqui algumas “auto-definições” que publiquei em várias fases da minha vida.

O perfil abaixo é o que aparece no site Simplicíssimo, do qual sou fundador e editor, escrito em 2003:

Rafael Luiz Reinehr. Ser pensante. Médico especialista em Medicina Interna e Endocrinologia, escritor, músico, fotógrafo teórico, holoterapeuta e criador da terapia integral, leitor contumaz de tudo que cai nas mãos, inventor de teorias sociais, antropólogo em essência, membro do Corpo Clínico do Dr.Gate e Centro Geriátrico Vitalis, artista plástico em desenvolvimento, atleta não praticante, futuro yogue, presidente da Medic’Arte, The Brains Corporation, Editora SuperJazz7 e do selo musical Os Decibéis Impossíveis, membro do Pigmeu Moral, degustador de chá de jasmim, comida chinesa e sorvete de flocos, colecionador de girafas , colaborador do Núcleo para a Excelência Humana da UFRGS, freqüentador de brechós, do Sarau Elétrico e da Cidade Baixa, cultivador em potencial de bonsais, filósofo prático, fã dos Mutantes, do Frank Jorge e do Luís Fernando Veríssimo, fiel ardoroso das Viagens Etéreas e Psicodélicas Impressas no Éter Universal, namorado da Carol e editor do site Simplicíssimo (www.simplicissimo.com.br) As fotos contam um pouquinho da minha história;

Aí embaixo, foi como me apresentei na coluna “Bravo! A vida é simples!” no coletivo Metáphoras, em 2005.

Rafael Luiz Reinehr nasceu em Primeiro de Julho de Mil Novescentos e Setenta e Seis e há mais de dez anos ouve vozes no chuveiro que lhe dizem o que fazer. Mora em Santa Maria da Boca do Monte, no Rio Grande do Sul. Agnóstico, Anarco-Humanista, tira fotos da vida com a percepção cada vez mais afiada característica daqueles que amam o conhecimento. Exercita a sensibilidade através de relações progressivamente mais próximas com o outro. Dorme só de cueca no verão. Mantém o sítio Simplicíssimo e está definitivamente envolvido com seu projeto megalomaníaco Armazém de Idéias Ideais (armazemdeideias.org). Adora sorvete de flocos e um dia de chuva próximo de quem ama. Já ouviu falar em trabalho mas não sabe direito do que se trata. Caminha contra o vento, sem lenço nem documento. Andam dizendo por aí que também é médico endocrinologista, mas se fosse você, não acreditava não…

Em 2007 fundei o site e coletivo de blogs O Pensador Selvagem, então coloquei a seguinte descrição no “Quem é”:

Rafael Reinehr é um escritor que não é.
Como profissão, escolheu a Medicina em 1993, em um páreo duro com as Ciências da Computação. Formou-se na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) em 1999, realizou residência médica em Medicina Interna em 2000-2001 e em Endocrinologia e Metabologia em 2002-2003 no Hospital Nossa Senhora da Conceição, em Porto Alegre – RS.
Durante a especialização, cursou Filosofia e depois Ciências Sociais na mesma UFRGS, sendo chamado a servir à pátria no ano de 2004. Um ano (quase) perdido.
Já publicou livros, plantou árvores, e agora só falta ter um filho. Já gravou CD com sua banda The Brains e adora ler e escrever. Fica angustiado quando, por qualquer motivo, precisa deixar a leitura e a escrita em segundo plano.
Já manteve vários blogs e sites desde 2003, dentre os quais se destacaram o Escrever Por Escrever, o site literário Simplicíssimo e seu site pessoal Reinehr.org. Perto do final de 2006 surgiu a idéia de desenvolver um projeto colaborativo que pudesse integrar diferentes áreas do conhecimento e fazê-las conversar entre si. Este projeto está gradualmente se concretizando n’O Pensador Selvagem, com ajuda de um grupo fantástico de selvagens pensadores.
Tem certeza que este perfil está incompleto e pretende melhorá-lo no decorrer de 2009.
Um texto muito espirituoso que fala sobre mim foi escrito pelo amigo Felipe de Amorim, e no Simplicíssimo podemos ver uma brevíssima entrevista feita comigo pelo editor interino Marcos Pedroso.
Quem preferir algo mais sério ou “técnico”, pode analisar meus estudos médicos acessando meu Curriculum vitae profissional.
Uma visão mais detalhada da minha vida na web até os 31 anos pode ser encontrara aqui: 31 anos, algumas conquistas
Abaixo vai uma espécie de “Coisas que fiz” nos últimos anos (devo concluir o registro até o final de outubro de 2010):

pré-1999:

– Entrei em contato com Tomas Morus e seu “A Utopia” e Henry David Thoreau, e seu “A Desobediência Civil” – talvez o embrião de minha relação com o pensamento libertário
– curso de História da Ciência Ocidental com Moacyr Scliar e Ivan Izquierdo e de Antropologia de Culturas Urbanas com Ruben Oliven, no Instituto Fernando Pessoa
– curso O Pensamento Complexo de Edgar Morin, no Instituto Pichón Riviére
– conclusão do Inglês Avançado e especialização em Tradução no Instituto Cultural Brasileiro Norte-Americano
– …

1999:

– Idealizei a Grande Cooperativa Mundial, um sistema de troca de bens e serviços baseados na web, hoje trazida à realidade por organizações como a STRO e o InSTROdi, com seu software Cyclos
– Criei o fanzine Simplicíssimo (que em 2001 virou e-zine e em 2002, website – talvez o fanzine literário virtual com periodicidade semanal de maior duração da internet brasileira, funcionando ininterruptamente de outubro de 2001 a abril de 2010)
– publiquei Antologia Poética, pela Editora Shan, de Porto Alegre
– entrei em contato pela primeira vez com os pensadores Fritjof Capra (O Tao da Física, Ponto de Mutação, Teia da Vida), Howard Gardner (Teoria das Inteligências Múltiplas), …
– formei-me, em 10 de dezembro de 1999, em Medicina pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul
– …

2000:

– comecei a fazer especialização em Medicina Interna no Hospital Conceição
– entrei no curso de Filosofia da UFRGS
– entrei no curso de Ciências Sociais da UFRGS
– descobri que é uma delícia rechear pão de queijo com chocolate ou nutella!
– abri meu primeiro consultório médico, uma sublocação de sala no centro de Porto Alegre
– …

2001:

– concluí a residência médica em Medicina Interna
– inspirado no fanzine, criei o e-zine Simplicíssimo, inicialmente enviado para 33 amigos
– …

2002:

– iniciei residência médica em Endocrinologia e Metabologia, no Hospital Nossa Senhora da Conceição, em Porto Alegre – RS
– …

2003:

– concluí a residência médica em Endocrinologia e Metabologia e me tornei especialista na área
– consegui o Título de Especialista em Endocrinologia e Metabologia da SBEM
– criei um blog-forum que durou menos de um mês, chamado Politikaos: http://politikaos.blogspot.com/ (25/02/2003-10/03/2003†)
– criei uma versão embrionária do que viria a ser o Simplicíssimo, o Tudo Está Impresso no Éter Universal (http://www.tudoestaimpressonoeteruniversal.blogspot.com/), que depois virou Tudo Está Escrito no Éter Universal (http://tudoestaescritonoeteruniversal.blogspot.com/) e que depois foi incorporado no Simplicíssimo, que passou a ter o subtítulo “Viagens Etéreas e Psicodélicas Impressas no Éter Universal” – http://simplicissimo.com.br/ – A história completa e detalhada das minhas andanças online iniciais pode ser lida aqui: http://reinehr.org/efervescencias/quase-filosofia/31-anos-algumas-conquistas
– em 14 de dezembro de 2003 surgiu o Escrever Por Escrever, meu primeiro blog pessoal – novamente, veja a história completa no link acima

2004:

– comprei minha primeira máquina fotográfica digital, uma Nikon D100
– mudei-me para Santa Maria, compulsoriamente, para cumprir o “serviço militar obrigatório” no Hospital de Guarnição daquela cidade – fui morar com minha então namorada e atual esposa, Carolina Schumacher
– montei meu consultório de endocrinologia, inicialmente com a dermatologista Dra. Rosane Spiazzi e depois com a maravilhosa colega endocrinologista Silvia Londero, em Santa Maria
– minha primeira fotografia foi publicada em revista de circulação nacional, a Fotografe Melhor, na edição de maio
– cursei Extensão em Cinema Digital, na UFSM, tendo filmado 3 curtas e 1 média-metragem, sendo que O Envelope Azul, de Lunara Dias, ganhou 4 prêmios no Festival de Cinema Santa Maria Video e Cinema
– ganhei meu primeiro prêmio em concurso fotográfico, uma Menção Honrosa na categoria Preto e Branco Amador do Concurso Fotográfico Cidade de Santa Maria
– criei o roteiro do curta-metragem “A Maleta”
– …

2005:

– lancei o Armazém de Ideias Ideais – http://armazemdeideias.org
– organizei o Sarau Eléqtrico, juntamente com Marlon Schirrmann no Coyote Bar e Restaurante em Santa Maria – RS – Na estréia, participação especialíssima de Frank Jorge, da Graforréia Xilarmônica
– participei de um coletivo literário que se reunia todas às quintas-feiras no Coyote Café, juntamente com Vitor Biasoli, Orlando Fonseca, Athos Miralha, Antônio Cândido, Leonardo Brasiliense, Escobar Nogueira e Aguinaldo Severino
– lançamos o Selo Editorial Expresso Impresso
– lançamos o livro coletivo Café dos Confrades, coletânea de crônicas – http://reinehr.org/literatura/meus-livros/cafe-dos-confrades
segundo lugar na categoria Preto e Branco Amador do Concurso Fotográfico Cidade de Santa Maria
– organizei e ministrei o curso Curso de Fotografia para Iniciantes com Ênfase em Fotografia Digital
– …

2006:

– lancei o Escrever por Escrever no novo endereço (http://reinehr.org)
– fundamos o FotoClube Santa Maria
– …

2007:

– mudamos, Carol e eu, para Araranguá – SC
– idealizei e fundei, após apresentar a ideia a Milton Ribeiro, O Pensador Selvagem, um portal de colunas e artigos que perpassam áreas tão variadas como cinema, artes plásticas, demografia, política e matemática, e o condomínio OPSBlog, com um time de blogueiros de primeira
– …

2008:

– casei-me com Carolina Schumacher, em 12 de abril
– lançamos o livro coletivo O Maquinista Daltônico – Crônicas, e O Maquinista Daltônico – Poesias
– …

2009:

– fundei a Coolmeia, Ideias em Cooperação, uma incubadora de ideias altruístas. Uma rede idealizada para conectar pessoas com a finalidade de desenvolver e aperfeiçoar ferramentas, modelos, técnicas e atitudes em busca de um mundo social e ambientalmente mais justo, responsável e sustentável.
– …

2010:

– em 11 de maio, nasceu a coisinha mais importante da minha vida, meu filho Benjamin
– fundei, em conjunto com outros colegas Araranguaenses, o coletivo APonte! – Rede de Educadores Livres – RELigando Saberes, com o objetivo de melhorar a educação e ampliar a cultura no sul catarinense
– fui fundador do CineAvenida, o CIneclube de Araranguá
– fui fundador do Fotoclube Araranguá
– fundei o Green Drinks Araranguá
– co-idealizei e organizei o Celeiro de Oficinas
– comecei a desenvolver o Mapa da Educação Democrática e Libertária, idealizado por José Pacheco e pelos Românticos Conspiradores
– palestrei no Seminário Vivo em Educação, sob o tema Ivan Illich e a Sociedade Desescolarizada 40 anos depois – http://www.slideshare.net/RafaelReinehr/ivan-illich-sociedade-desescolarizada-ii-o-retorno
– apresentei o projeto Teias de Aprendizagem no Festival Vivo de Ideias Inovadoras em Educação – http://www.slideshare.net/RafaelReinehr/teias-de-aprendizagem-7722249
– criei o Jornal Em Transe – Um breve resumo das atividades nas quais invisto meu tempo – http://reinehr.org/em-transe.pdf
– comprei minha segunda máquina fotográfica digital, uma Canon 5D Mark II, e duas lentes – uma 25-104mm f/4.0 e uma 16-35mm f/2.8

2011:

– fundado o favo Vale do Aço da Coolmeia (13/01/2011)
– palestrei na Conferência Internacional de Redes Sociais / Conferência Internacional de Cidades Inovadoras, em Curitiba, apresentando a Coolmeia, Ideias em Cooperação
– fundado o Favo Porto Alegre da Coolmeia (16 de abril de 2011)
– palestrei com o tema Saúde para os professores e funcionários da Escola Educação Criativa, de Ipatinga – MG – http://www.slideshare.net/RafaelReinehr/sade-9123636
– palestrei para a sociedade, coletivos e ONGs de Ipatinga sobre o tema Redes Sociais e o Desenvolvimento das Cidades
– palestrei na UFSC, falando sobre As Redes e as Mídias Sociais e seu papel na mudança social
– fundado o Favo Araranguá da Coolmeia (16 de julho de 2011)
– palestrei no III Encontro Catarinense de Escritores e no I Encontro Internacional de Escritores de Alfredo Wagner, falando sobre “A Literatura enquanto catalisadora da mudança social” – http://www.slideshare.net/RafaelReinehr/a-literatura-enquanto-catalisadora-da-mudana-social
– em 01 de dezembro nasceu meu amado filho Conrado, minha preciosidade e também coisinha mais importante da vida
 

2012:

 
JANEIRO
– 01/01 lancei o site do CEHLA e o fundei “oficialmente”
– 10/01 – alugamos a casa da Sete de Setembro, onde ficará o Café com Mistura, nosso Café Contracultural e sede de algumas atividades contraculturais locais




– 26 a 29/01 – participei do Fórum Social Temático, em Porto Alegre – no dia 28 apresentei a oficina “Transição para uma Melhor Política, Economia e Humanidade – Propostas de Ações Práticas para a Mudança Social”
FEVEREIRO
– 07/02 – recebi o convite da Insite para integrar o Conselho Administrativo da Insite



– 21 e 22/03 – organizei o III CarnavalSofia – http://reinehr.org/efervescencias/quase-ideias/iii-carnavalsofia-2012

MARÇO


ABRIL


MAIO


JUNHO
– Participei, de 13 a 22 de junho de 2012, da Rio+20, Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável. Em verdade, participei da Cúpula dos Povos, evento simultâneo que servia de contraponto popular aos desmandos dos governantes no evento oficial.

JULHO


AGOSTO


SETEMBRO


OUTUBRO


NOVEMBRO

– Participei do Fórum Mundial do Capital Social (Social Capital World Forum) em Gotemburgo, na Suécia. Proferi a palestra Connecting Islands – The Human Quest for Transition in the 21st Century – http://reinehr.org/sociedade/economia/apresentacao-no-social-capital-world-forum-2012-em-gotemburgo
DEZEMBRO


 

2013:

 
JANEIRO
Participei do X ELAOPA – Encontro Latino Americano de Organizações Populares Autônomas, efetivamente como membro da Comissão de Comunicação; propus a agregação do conteúdo dos blogs dos coletivos participantes em uma página única no site do ELAOPA e o uso do Ágora.CC como ferramenta de interação e comunicação ativa entre eventos, para garantir uma aceleração dos processos de mudança social
FEVEREIRO
– Organizei o IV CarnavalSofia

2014:

 

2015:

 
Projetos, iniciativas e realizações que criei, fundei ou estou envolvido no momento:
(em breve, com descrição – por enquanto um pequeno resumo pode ser visto em http://brainscooperation.org/)
 
Coolmeia, Ideias em Cooperação – a Coolmeia é uma incubadora de ideias e soluções altruístas
Nuvem de Soluções
Tradução do Citizen’s Handbook
Círculo de Estudos de Pedagogia Libertária
Livro de Rua
Colha sua própria salsinha
Coolmeia Mão na Massa
Mapa da Educação Alternativa
Escambo e Sistema de Moedas Complementares e Economia Criativa
Tudotecas
Vizinhocas
Diretório de Organizações, Coletivos e Ativistas do Bem Comum
Expansão dos favos como metáforas para os nós da rede
Debate sobre Democracia Líquida e Democracia Direta
Ágora.cc
Café com Mistura
APonte!
Mobiliza Araranguá
CineAvenida
FotoClube Araranguá
Massa Crítica Araranguá
Green Drinks Araranguá
Ignição
Alimentação em Araranguá e Região
Caravana da Cultura, da Saúde e da Alegria / Arte por toda parte
Grupo de Estudos e Práticas em Permacultura
Almoços / Cafés / Piqueniques Filosóficos
CarnavalSofia
Fazenda Bom Encontro
Longa-metragem open source
Série audiovisual “A vida de…””
Minuto da Transição
Livro Transição
Curta-metragem A Maleta
CEHLA
Anarquia em uma hora
AntiEditora
Agoratopia – tradução
ACidade.net.br – jornalismo hiperlocal
The Lala Gallery
Creatio
Sustentabilidade Urbana
Projeto de Casa + Carro energieticamente sustentável
Simplicíssimo
O Pensador Selvagem / OPSBlog.org
Mensagem em uma Garrafa
Fotos de Quinta
The Brains Cooperation
Clínica MedSpa
CES e RIES
Coluna Medic(t)ando
Capítulo de livro sobre REA na educação informal e autoaprendizagem
Ensaio sobre desescolarização da sociedade
Algumas das minhas fotos podem ser vistas abaixo:
[flickr_photostream]

maio 10

Quem sou

By Rafael Reinehr |

Eu sou um escritor que não é.Rafael Reinehr

Eu sou um músico que não é.

Eu sou um fotógrafo que não é.

Eu sou um cineasta que não é.

Eu sou um filósofo que não é.

Eu sou um pintor que não é.

Eu sou um médico que não é.

Eu sou um ecologista que não é.

Eu sou um amante que não é.

Eu sou um pai que não é.

Eu sou um filho que não é.

Eu sou um homem que não é.

Eu sou aquilo que sou,

E assim sendo,

Sou aquilo que ninguém mais é.

Resolvi armazenar aqui algumas “auto-definições” que publiquei em várias fases da minha vida.

O perfil abaixo é o que aparece no site Simplicíssimo, do qual sou fundador e editor, escrito em 2003:

Rafael Luiz Reinehr. Ser pensante. Médico especialista em Medicina Interna e Endocrinologia, escritor, músico, fotógrafo teórico, holoterapeuta e criador da terapia integral, leitor contumaz de tudo que cai nas mãos, inventor de teorias sociais, antropólogo em essência, membro do Corpo Clínico do Dr.Gate e Centro Geriátrico Vitalis, artista plástico em desenvolvimento, atleta não praticante, futuro yogue, presidente da Medic’Arte, The Brains Corporation, Editora SuperJazz7 e do selo musical Os Decibéis Impossíveis, membro do Pigmeu Moral, degustador de chá de jasmim, comida chinesa e sorvete de flocos, colecionador de girafas , colaborador do Núcleo para a Excelência Humana da UFRGS, freqüentador de brechós, do Sarau Elétrico e da Cidade Baixa, cultivador em potencial de bonsais, filósofo prático, fã dos Mutantes, do Frank Jorge e do Luís Fernando Veríssimo, fiel ardoroso das Viagens Etéreas e Psicodélicas Impressas no Éter Universal, namorado da Carol e editor do site Simplicíssimo (www.simplicissimo.com.br) As fotos contam um pouquinho da minha história;

Aí embaixo, foi como me apresentei na coluna “Bravo! A vida é simples!” no coletivo Metáphoras, em 2005.

Rafael Luiz Reinehr nasceu em Primeiro de Julho de Mil Novescentos e Setenta e Seis e há mais de dez anos ouve vozes no chuveiro que lhe dizem o que fazer. Mora em Santa Maria da Boca do Monte, no Rio Grande do Sul. Agnóstico, Anarco-Humanista, tira fotos da vida com a percepção cada vez mais afiada característica daqueles que amam o conhecimento. Exercita a sensibilidade através de relações progressivamente mais próximas com o outro. Dorme só de cueca no verão. Mantém o sítio Simplicíssimo e está definitivamente envolvido com seu projeto megalomaníaco Armazém de Idéias Ideais (armazemdeideias.org). Adora sorvete de flocos e um dia de chuva próximo de quem ama. Já ouviu falar em trabalho mas não sabe direito do que se trata. Caminha contra o vento, sem lenço nem documento. Andam dizendo por aí que também é médico endocrinologista, mas se fosse você, não acreditava não…

Em 2007 fundei o site e coletivo de blogs O Pensador Selvagem, então coloquei a seguinte descrição no “Quem é”:

Rafael Reinehr é um escritor que não é.
Como profissão, escolheu a Medicina em 1993, em um páreo duro com as Ciências da Computação. Formou-se na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) em 1999, realizou residência médica em Medicina Interna em 2000-2001 e em Endocrinologia e Metabologia em 2002-2003 no Hospital Nossa Senhora da Conceição, em Porto Alegre – RS.
Durante a especialização, cursou Filosofia e depois Ciências Sociais na mesma UFRGS, sendo chamado a servir à pátria no ano de 2004. Um ano (quase) perdido.
Já publicou livros, plantou árvores, e agora só falta ter um filho. Já gravou CD com sua banda The Brains e adora ler e escrever. Fica angustiado quando, por qualquer motivo, precisa deixar a leitura e a escrita em segundo plano.
Já manteve vários blogs e sites desde 2003, dentre os quais se destacaram o Escrever Por Escrever, o site literário Simplicíssimo e seu site pessoal Reinehr.org. Perto do final de 2006 surgiu a idéia de desenvolver um projeto colaborativo que pudesse integrar diferentes áreas do conhecimento e fazê-las conversar entre si. Este projeto está gradualmente se concretizando n’O Pensador Selvagem, com ajuda de um grupo fantástico de selvagens pensadores.
Tem certeza que este perfil está incompleto e pretende melhorá-lo no decorrer de 2009.
Um texto muito espirituoso que fala sobre mim foi escrito pelo amigo Felipe de Amorim, e no Simplicíssimo podemos ver uma brevíssima entrevista feita comigo pelo editor interino Marcos Pedroso.
Quem preferir algo mais sério ou “técnico”, pode analisar meus estudos médicos acessando meu Curriculum vitae profissional.
Uma visão mais detalhada da minha vida na web até os 31 anos pode ser encontrara aqui: 31 anos, algumas conquistas
Abaixo vai uma espécie de “Coisas que fiz” nos últimos anos (devo concluir o registro até o final de outubro de 2010):

pré-1999:

– Entrei em contato com Tomas Morus e seu “A Utopia” e Henry David Thoreau, e seu “A Desobediência Civil” – talvez o embrião de minha relação com o pensamento libertário
– curso de História da Ciência Ocidental com Moacyr Scliar e Ivan Izquierdo e de Antropologia de Culturas Urbanas com Ruben Oliven, no Instituto Fernando Pessoa
– curso O Pensamento Complexo de Edgar Morin, no Instituto Pichón Riviére
– conclusão do Inglês Avançado e especialização em Tradução no Instituto Cultural Brasileiro Norte-Americano
– …

1999:

– Idealizei a Grande Cooperativa Mundial, um sistema de troca de bens e serviços baseados na web, hoje trazida à realidade por organizações como a STRO e o InSTROdi, com seu software Cyclos
– Criei o fanzine Simplicíssimo (que em 2001 virou e-zine e em 2002, website – talvez o fanzine literário virtual com periodicidade semanal de maior duração da internet brasileira, funcionando ininterruptamente de outubro de 2001 a abril de 2010)
– publiquei Antologia Poética, pela Editora Shan, de Porto Alegre
– entrei em contato pela primeira vez com os pensadores Fritjof Capra (O Tao da Física, Ponto de Mutação, Teia da Vida), Howard Gardner (Teoria das Inteligências Múltiplas), …
– formei-me, em 10 de dezembro de 1999, em Medicina pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul
– …

2000:

– comecei a fazer especialização em Medicina Interna no Hospital Conceição
– entrei no curso de Filosofia da UFRGS
– entrei no curso de Ciências Sociais da UFRGS
– descobri que é uma delícia rechear pão de queijo com chocolate ou nutella!
– abri meu primeiro consultório médico, uma sublocação de sala no centro de Porto Alegre
– …

2001:

– concluí a residência médica em Medicina Interna
– inspirado no fanzine, criei o e-zine Simplicíssimo, inicialmente enviado para 33 amigos
– …

2002:

– iniciei residência médica em Endocrinologia e Metabologia, no Hospital Nossa Senhora da Conceição, em Porto Alegre – RS
– …

2003:

– concluí a residência médica em Endocrinologia e Metabologia e me tornei especialista na área
– consegui o Título de Especialista em Endocrinologia e Metabologia da SBEM
– criei um blog-forum que durou menos de um mês, chamado Politikaos: http://politikaos.blogspot.com/ (25/02/2003-10/03/2003†)
– criei uma versão embrionária do que viria a ser o Simplicíssimo, o Tudo Está Impresso no Éter Universal (http://www.tudoestaimpressonoeteruniversal.blogspot.com/), que depois virou Tudo Está Escrito no Éter Universal (http://tudoestaescritonoeteruniversal.blogspot.com/) e que depois foi incorporado no Simplicíssimo, que passou a ter o subtítulo “Viagens Etéreas e Psicodélicas Impressas no Éter Universal” – http://simplicissimo.com.br/ – A história completa e detalhada das minhas andanças online iniciais pode ser lida aqui: http://reinehr.org/efervescencias/quase-filosofia/31-anos-algumas-conquistas
– em 14 de dezembro de 2003 surgiu o Escrever Por Escrever, meu primeiro blog pessoal – novamente, veja a história completa no link acima

2004:

– comprei minha primeira máquina fotográfica digital, uma Nikon D100
– mudei-me para Santa Maria, compulsoriamente, para cumprir o “serviço militar obrigatório” no Hospital de Guarnição daquela cidade – fui morar com minha então namorada e atual esposa, Carolina Schumacher
– montei meu consultório de endocrinologia, inicialmente com a dermatologista Dra. Rosane Spiazzi e depois com a maravilhosa colega endocrinologista Silvia Londero, em Santa Maria
– minha primeira fotografia foi publicada em revista de circulação nacional, a Fotografe Melhor, na edição de maio
– cursei Extensão em Cinema Digital, na UFSM, tendo filmado 3 curtas e 1 média-metragem, sendo que O Envelope Azul, de Lunara Dias, ganhou 4 prêmios no Festival de Cinema Santa Maria Video e Cinema
– ganhei meu primeiro prêmio em concurso fotográfico, uma Menção Honrosa na categoria Preto e Branco Amador do Concurso Fotográfico Cidade de Santa Maria
– criei o roteiro do curta-metragem “A Maleta”
– …

2005:

– lancei o Armazém de Ideias Ideais – http://armazemdeideias.org
– organizei o Sarau Eléqtrico, juntamente com Marlon Schirrmann no Coyote Bar e Restaurante em Santa Maria – RS – Na estréia, participação especialíssima de Frank Jorge, da Graforréia Xilarmônica
– participei de um coletivo literário que se reunia todas às quintas-feiras no Coyote Café, juntamente com Vitor Biasoli, Orlando Fonseca, Athos Miralha, Antônio Cândido, Leonardo Brasiliense, Escobar Nogueira e Aguinaldo Severino
– lançamos o Selo Editorial Expresso Impresso
– lançamos o livro coletivo Café dos Confrades, coletânea de crônicas – http://reinehr.org/literatura/meus-livros/cafe-dos-confrades
segundo lugar na categoria Preto e Branco Amador do Concurso Fotográfico Cidade de Santa Maria
– organizei e ministrei o curso Curso de Fotografia para Iniciantes com Ênfase em Fotografia Digital
– …

2006:

– lancei o Escrever por Escrever no novo endereço (http://reinehr.org)
– fundamos o FotoClube Santa Maria
– …

2007:

– mudamos, Carol e eu, para Araranguá – SC
– idealizei e fundei, após apresentar a ideia a Milton Ribeiro, O Pensador Selvagem, um portal de colunas e artigos que perpassam áreas tão variadas como cinema, artes plásticas, demografia, política e matemática, e o condomínio OPSBlog, com um time de blogueiros de primeira
– …

2008:

– casei-me com Carolina Schumacher, em 12 de abril
– lançamos o livro coletivo O Maquinista Daltônico – Crônicas, e O Maquinista Daltônico – Poesias
– …

2009:

– fundei a Coolmeia, Ideias em Cooperação, uma incubadora de ideias altruístas. Uma rede idealizada para conectar pessoas com a finalidade de desenvolver e aperfeiçoar ferramentas, modelos, técnicas e atitudes em busca de um mundo social e ambientalmente mais justo, responsável e sustentável.
– …

2010:

– em 11 de maio, nasceu a coisinha mais importante da minha vida, meu filho Benjamin
– fundei, em conjunto com outros colegas Araranguaenses, o coletivo APonte! – Rede de Educadores Livres – RELigando Saberes, com o objetivo de melhorar a educação e ampliar a cultura no sul catarinense
– fui fundador do CineAvenida, o CIneclube de Araranguá
– fui fundador do Fotoclube Araranguá
– fundei o Green Drinks Araranguá
– co-idealizei e organizei o Celeiro de Oficinas
– comecei a desenvolver o Mapa da Educação Democrática e Libertária, idealizado por José Pacheco e pelos Românticos Conspiradores
– palestrei no Seminário Vivo em Educação, sob o tema Ivan Illich e a Sociedade Desescolarizada 40 anos depois – http://www.slideshare.net/RafaelReinehr/ivan-illich-sociedade-desescolarizada-ii-o-retorno
– apresentei o projeto Teias de Aprendizagem no Festival Vivo de Ideias Inovadoras em Educação – http://www.slideshare.net/RafaelReinehr/teias-de-aprendizagem-7722249
– criei o Jornal Em Transe – Um breve resumo das atividades nas quais invisto meu tempo – http://reinehr.org/em-transe.pdf
– comprei minha segunda máquina fotográfica digital, uma Canon 5D Mark II, e duas lentes – uma 25-104mm f/4.0 e uma 16-35mm f/2.8

2011:

– fundado o favo Vale do Aço da Coolmeia (13/01/2011)
– palestrei na Conferência Internacional de Redes Sociais / Conferência Internacional de Cidades Inovadoras, em Curitiba, apresentando a Coolmeia, Ideias em Cooperação
– fundado o Favo Porto Alegre da Coolmeia (16 de abril de 2011)
– palestrei com o tema Saúde para os professores e funcionários da Escola Educação Criativa, de Ipatinga – MG – http://www.slideshare.net/RafaelReinehr/sade-9123636
– palestrei para a sociedade, coletivos e ONGs de Ipatinga sobre o tema Redes Sociais e o Desenvolvimento das Cidades
– palestrei na UFSC, falando sobre As Redes e as Mídias Sociais e seu papel na mudança social
– fundado o Favo Araranguá da Coolmeia (16 de julho de 2011)
– palestrei no III Encontro Catarinense de Escritores e no I Encontro Internacional de Escritores de Alfredo Wagner, falando sobre “A Literatura enquanto catalisadora da mudança social” – http://www.slideshare.net/RafaelReinehr/a-literatura-enquanto-catalisadora-da-mudana-social
– em 01 de dezembro nasceu meu amado filho Conrado, minha preciosidade e também coisinha mais importante da vida
 

2012:

 
JANEIRO
– 01/01 lancei o site do CEHLA e o fundei “oficialmente”
– 10/01 – alugamos a casa da Sete de Setembro, onde ficará o Café com Mistura, nosso Café Contracultural e sede de algumas atividades contraculturais locais




– 26 a 29/01 – participei do Fórum Social Temático, em Porto Alegre – no dia 28 apresentei a oficina “Transição para uma Melhor Política, Economia e Humanidade – Propostas de Ações Práticas para a Mudança Social”
FEVEREIRO
– 07/02 – recebi o convite da Insite para integrar o Conselho Administrativo da Insite



– 21 e 22/03 – organizei o III CarnavalSofia – http://reinehr.org/efervescencias/quase-ideias/iii-carnavalsofia-2012

MARÇO


ABRIL


MAIO


JUNHO
– Participei, de 13 a 22 de junho de 2012, da Rio+20, Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável. Em verdade, participei da Cúpula dos Povos, evento simultâneo que servia de contraponto popular aos desmandos dos governantes no evento oficial.

JULHO


AGOSTO


SETEMBRO


OUTUBRO


NOVEMBRO

– Participei do Fórum Mundial do Capital Social (Social Capital World Forum) em Gotemburgo, na Suécia. Proferi a palestra Connecting Islands – The Human Quest for Transition in the 21st Century – http://reinehr.org/sociedade/economia/apresentacao-no-social-capital-world-forum-2012-em-gotemburgo
DEZEMBRO


 

2013:

 
JANEIRO
Participei do X ELAOPA – Encontro Latino Americano de Organizações Populares Autônomas, efetivamente como membro da Comissão de Comunicação; propus a agregação do conteúdo dos blogs dos coletivos participantes em uma página única no site do ELAOPA e o uso do Ágora.CC como ferramenta de interação e comunicação ativa entre eventos, para garantir uma aceleração dos processos de mudança social
FEVEREIRO
– Organizei o IV CarnavalSofia

2014:

 

2015:

 
Projetos, iniciativas e realizações que criei, fundei ou estou envolvido no momento:
(em breve, com descrição – por enquanto um pequeno resumo pode ser visto em http://brainscooperation.org/)
 
Coolmeia, Ideias em Cooperação – a Coolmeia é uma incubadora de ideias e soluções altruístas
Nuvem de Soluções
Tradução do Citizen’s Handbook
Círculo de Estudos de Pedagogia Libertária
Livro de Rua
Colha sua própria salsinha
Coolmeia Mão na Massa
Mapa da Educação Alternativa
Escambo e Sistema de Moedas Complementares e Economia Criativa
Tudotecas
Vizinhocas
Diretório de Organizações, Coletivos e Ativistas do Bem Comum
Expansão dos favos como metáforas para os nós da rede
Debate sobre Democracia Líquida e Democracia Direta
Ágora.cc
Café com Mistura
APonte!
Mobiliza Araranguá
CineAvenida
FotoClube Araranguá
Massa Crítica Araranguá
Green Drinks Araranguá
Ignição
Alimentação em Araranguá e Região
Caravana da Cultura, da Saúde e da Alegria / Arte por toda parte
Grupo de Estudos e Práticas em Permacultura
Almoços / Cafés / Piqueniques Filosóficos
CarnavalSofia
Fazenda Bom Encontro
Longa-metragem open source
Série audiovisual “A vida de…””
Minuto da Transição
Livro Transição
Curta-metragem A Maleta
CEHLA
Anarquia em uma hora
AntiEditora
Agoratopia – tradução
ACidade.net.br – jornalismo hiperlocal
The Lala Gallery
Creatio
Sustentabilidade Urbana
Projeto de Casa + Carro energieticamente sustentável
Simplicíssimo
O Pensador Selvagem / OPSBlog.org
Mensagem em uma Garrafa
Fotos de Quinta
The Brains Cooperation
Clínica MedSpa
CES e RIES
Coluna Medic(t)ando
Capítulo de livro sobre REA na educação informal e autoaprendizagem
Ensaio sobre desescolarização da sociedade
Algumas das minhas fotos podem ser vistas abaixo:
[flickr_photostream]

1 2 3 13