por-tao-poucos-terem-tanto

Por tão poucos terem tanto é que tantos tem tão pouco – Eduardo Marinho

A vida tem dessas coisas. A vida hiperconectada também. Não fosse pela internet, hoje não estaria com uma gravura do artista, anarquista e visionário Eduardo Marinho na minha sala.

Foi numa dessas conexões inesperada que me deparei com o vídeo do Eduardo que mostro abaixo:

 


Esse vídeo me fez querer saber mais do cara e fui atrás. Uma googlada aqui, outra lá, achei um blog dele, o Observar e Absorver e daí foi um toque para os primeiros contatos por e-mail.
Numa dessas conversas, acabei me interessando também pelo lado “artista de rua”ou “artista marginal” do Eduardo, e adquiri uma de suas obras, que talvez possamos entitular “Por tão poucos terem tanto é que tantos tem tão pouco“, que ilustro abaixo.

por-tao-poucos-terem-tanto

Uma grande verdade, não é mesmo?

Isso aí meu amigo! Continue sempre na luta nos inspirando com seu pensamento e suas ações. Em breve, vou falar por aqui ou acolá sobre tua Pençá, um belo fanzine que merece ser mais divulgado.
O Último Selvagem
Birmânia

Birmânia? Ilusão de ótica? Obra de arte?

    Olhe para a seguinte foto. Birmânia

     Esta foto é de uma formação rochosa que existe em um lago da Birmânia. Só é possivel tirar essa foto em um determinado período do ano, devido a  iluminação solar. Agora apóia a cabeça sobre o teu ombro esquerdo e verás por que ela é espetacular.

    Recebi esta foto por e-mail em um .pps e não sei se a história é verídica ou se é obra de algum artista plástico buscando se promover ou ainda se é lorota inventada por alguém. O fato é que é uma imagem realmente bonita e impressionante. O quê? Você não viu nada? Clica aqui então (ou olhe abaixo)!

Continue reading

Plínio Fuentes
DiLima 99

DiLima ’99

O díptico a seguir é obra da pintora santa-mariense de 74 anos radicada em Porto Alegre Dilva Lima. Feito com as mãos, enriquece o espírito de quem o contempla e pode ser apreciado na sala de nossa casa. Foi amor à primeira vista, adquirido na Galeria Enternelle, em Canela – RS, julho de 2006. Os tons estão puxando mais para o amarelo na tela do computador do que na "vida real", portanto uma visita pra um chimarrão é a pedida para conferir a obra em seus tons verdadeiros.

DiLima 99

DiLima 99