Frugalidade

Posted By Rafael Reinehr on jul 13, 2007 | 18 comments


    Ser frugal é ser simples em nossos costumes, em nossa forma de viver. É não correr demasiado em busca do ter, pois reconhece-se a ilusão de que isto é feito. É evitar o desperdício, é preocupar-se com a ecologia, é dispensar hábitos caros, é suprimir a necessidade de auto-gratificações constantes.

            Ser frugal é ser simples em nossos costumes, em nossa forma de viver. É não correr demasiado em busca do ter, pois reconhece-se a ilusão de que isto é feito. É evitar o desperdício, é preocupar-se com a ecologia, é dispensar hábitos caros, é suprimir a necessidade de auto-gratificações constantes. 

Moderação, sobriedade, temperança, simplicidade são palavras que têm afinidade com frugalidade. Ser frugal é conseguir perguntar: “preciso mesmo disto” e “se eu comprar isto serei mesmo mais feliz”? antes de colocar a mão na carteira ou rabiscar o talão de cheques. É aprender a fazer certas coisas de forma diferente, é procurar opções mais baratas, é resistir à pressão social consumista.

A frugalidade ou simplicidade é junto com a compaixão ou amor e a humildade ou modéstia um dos Três Tesouros do Taoísmo.

             A frugalidade não se furta a dormir em uma cama, mas não exige que a mesma seja emoldurada com diamantes e suas colchas não precisam ter fios de ouro. A frugalidade senta-se à mesa e come o pão e toma o vinho, mas não necessita que o vinho seja francês da safra de 1968.

           Ser frugal é, em suma, um atalho para a felicidade.
 

 

 

Compre-me um caféCompre-me um café
Gostou deste post? Se ele lhe ajudou, que tal doar 1 real para que continuemos produzindo conteúdo assim?
Doação Única de Qualquer Valor via PagSeguro: https://pag.ae/blhvRmR
Regras para comentários: Tudo OK criticar, mas se você trolar, seu conteúdo será deletado. Divirta-se e obrigado por somar à conversação.

18 Comments

  1. Sou Universitário de Marketing, e esses dias estava estudando sobre a sociedade Frugal…
    Gostei muito da definição da Professora, e até me comparei á uma pessoa certamente frugal, mas como faço Marketing e isso procura satisfazer os desejos e as necessidades das pessoas, consequentemente numa sociedade “consumista”, parei para pensar se não seria ruim para o Marketing a sociedade Frugal, e num é que a professora me respondeu que será um DESAFIO!!!
    Enfim ser Frugal é dar valor ao seu dinheiro e ser Feliz com o que se tem e com o que se é, buscando o essencial e também a durabilidade.
    Abrss.. Ge de Franca – SP

    Post a Reply
  2. Frugalidade
    Frugalidade é poder ser simples mesmo dentro de um Cadillac, fincar o pé no chão, sentir-se humano e responsável pela Terra e pelo que se faz ao próximo (bem ou mal). Sucesso acompanhado de grana não é pecado, mas o que se faz com os dois é ponto a ser levado em conta. Ser frugal é poder viver observando-se ao redor sem sofrer, mas opinar e melhor, tentar mudar quando for oportuno. ^_^

    Post a Reply
  3. ser frugal
    Ser frugal pra mim é ter dinheiro e não exibí-lo,ser feliz com o que a vida te deu oportunidade de conquistar com diguinidade e fundamentalmente conhecer seus limites e respeitar todas as pessoas que de alguma forma se aproxima de voce. Um abraço a todos os leitores. Goiania – Go

    Post a Reply
    • Obrigado!
      Obrigado pela sua bela e peculiar definição Osmar. Seja sempre bem-vindo. =)

      Post a Reply
  4. Os anarquistas foram citados
    Salve!

    Muito bom o texto, o nível do debate e dos debatedores.
    Preciso apenas fazer uma pequena incisão como bom anarquista.

    Anarquismo e hedonismo não se confundem em nenhuma das infinitas correntes anarquistas, ou não.

    Bem, não entendo muito de hedonismo que sempre me pareceu a hipérbole do egoísmo, e por isto não faz sentido algum, se alguém gosta tanto de si, se enfie dentro de uma concha e morra.

    Por outro lado toda história do anarquismo está edificada sobre o altruísmo que combina muito com frugalidade, já ouvi falar em anarco-egoísmo, de motivação psicológica, mas me parece tão contraditório (mesmo para um anarquista), que não pode ser defendido, beira o solipsismo.

    Saudações Anarquistas a todos.

    Post a Reply
    • Max Stirner
      Olá Aderlan. Uma exceção, dentro do anarquismo, é Max Stirner, um filósofo defensor radical do “Eu”, do egoísmo, considerado a “extrema esquerda” do anarquismo.

      Mas concordo plenamente contigo: anarquismo lembra altruísmo, e quem não percebe isso é porque não se deu ao trabalho de conhecer o suficiente.

      Um abraço fraterno e seja sempre bem-vindo.

      Post a Reply
  5. EU SOU FRUGAL?
    Ser frugal é amar as pessoas, não importando o que ela pode dar em troca. Mas sabendo que voçê pode fazer muito por ela. Ajude o seu próximo.

    Post a Reply
  6. Ia esquecendo, dias destes tu indicou uma coletânea de jazz com temas de séries.
    Tenho uma coleção, 3 CDs, da Gitanes (Polygram França) chamada The Soul of Jazz, nela tenho algumas versões de clássicos de seriados. Vale a pena.
    Querendo cópia…

    Post a Reply
  7. Bom caldo de cana é o fermentado. Ainda mais neste frio para descer floreando
    na goela e parar na meia costela.
    Neste frio troco a cerveja gelada por um tinto.

    Impossível colocar-se no lugar de outrem, nem em exercício mental, muitas variáveis.
    Como diria um velho deitado, cadum, cadum.

    Conheço muitas pessoas que largaram bem mais de o valor citado pela tranquildade. Para abrir mão de algo é preciso ter e hoje em dia a maioria não tem. O meu entorno, ruas de diversas cidades do RS anda muito pobre, hoje em dia isto tem me agredido demais, sempre agrediu, mas anda insuportavelmente triste.

    Quando escrevi não pregar a simplicidade não quis dizer que não a exercito, simplesmente acho contraditório pregá-la enquanto busco gadgets para comprar, curto também almoços e jantas prazeirosas.
    Tenho duas máximas que uso muito> Simples, porém complexo. E que a vida é como um número imaginário (i), há uma parte real e outra imaginária.
    A raiz quadrada do menos um é o exercício diário do mundo ideal. Frugal, mas com pitadas de conforto, para todos. Todos.

    Post a Reply
  8. Difícil é…
    …mas não custa tentar ao menos equilibrar as pulsões extremadas do nosso mundo ocidental com um pouquinho de “redução da velocidade”.

    O que você diria de um cara que resolve reduzir 10 horas de trabalho por semana e com isso aceita receber 4 mil reais a menos por mês? Seria este cara um louco, pois não valoriza o produto de seu trabalho e as possibilidades que esta renda lhe dá? Seria ele um sábio que percebeu que a vida é mais do que acúmulo de riqueza? Seria ele um tolo, um ignorante ou um perdido? Como caracterizar e rotular alguém sem exercitar a alteridade, sem colocar-se empaticamente em seu lugar e entender os anseios e objetivos daquela pessoa?

    Não deixarei de lado o consumo. Dou bastante valor às coisas e pessoas que me trazem prazer e conforto. Apesar de concordar com os anarquistas que lá no fundinho, agimos por prazer, não me considero um hedonista no sentido clássico do termo, porque muitas vezes me privo do prazer imediato em função de uma economia futura. O hedonista clássico aproveita tudo no aqui e agora. Não segura o orgasmo para ter um prazer maior depois.

    Esse assunto daria um bom caldo de cana numa mesa de bar, regado à frugais cervejas geladas…

    Post a Reply
  9. Pois é, acho difícil o modelo Taoísta na cultura ocidental, buscar a simplicidade num mundo que nos oferece tudo?
    Eu sou consumista assumido e quando posso consumo o que de melhor posso me proporcionar, sem pregar a simplicidade.
    As vezes é bom olhar as prateleiras, o susto pode ser grande com as frugalidades que lá encontramos.

    Post a Reply
  10. Relativizando…
    É um legítimo paradoxo: entrar em um ambiente em que tudo parece ser feito com carinho, atenção, simplicidade e amor, em que se é tratado com tanta deferência que até se esquece que é o dinheiro que está comprando e em que a sofisticação afina-se com a personalização.

    Frugalidade não deve ser confundida com pobreza ou com avareza. Uma coisa é viver-se para o consumo sem reconhecer o impacto que se está tendo no ambiente. Permitir-se pequenos prazeres eventualmente não entra, não em minha cabeça, com o conceito de frugalidade. Não sou defensor da frugalidade absoluta, do contrário estaria no Nepal neste momento. Acredito que, sim, possamos ser MAIS FRUGAIS e menos consumistas. Sou algo avesso ao absoluto, talvez porque não acredite nele (apesar de, em alguns aspectos teimar em buscá-lo). Nossa vida é um processo e, acredite, estou melhorando aos poucos. Entretanto, a não ser que me engane, não serei eu um perfeito monge budista nos anos que virão…

    Post a Reply
  11. Ser frugal é jantar no jantar no “Il Piccolo Alquimista”?

    Post a Reply
  12. O simples que é o máximo
    Por coincidência, escrevi um post sobre comidas mineiras simples que são (ou foram) o máximo para mim. Lembranças…

    Post a Reply
  13. Suco de frugalidade
    Allan, viste como podemos possuir “tesouros” que não são supérfluos ou extravagantes? :zzz

    Ana, é um desafio e um teste de resistência nesta sociedade do hiperconsumo. Também não sou contra um “automimo” ou um mimo a quem se ama. A diferença entre isso e o “consumir por consumir” é brutal.

    Valter, bom saber que dormes bem. Durmo melhor assim.

    Post a Reply
  14. frugal
    Rafael,
    sou frugal. Contento-me com o que tenho. Não sofro pelo que não tenho. Já tive três carros na garagem, oito funcionários, um contrato com uma multinacional que mke tirava o sono.
    Hoje, não tenho carro, faço o que tem que ser feito, aquilo que não sei, pago para alguém que saiba. O contrato? perdí faz tempo.
    Ah! tem uma mulher que me ama a quem eu adoro. Não te disse que sou frugal?
    Grande abraço

    Post a Reply
  15. Gostei do post.
    Ser feliz com o que se tem é um desafio para muitos hoje em dia.
    Claro que não é um horror comprar alguma coisa que temos vontade, mas que não sejamos extravagantes. Não há necessidade.

    Post a Reply
  16. Frugal
    Peraí, você fala em frugalidade e depois explica que é um “tesouro”? 🙂

    Ser frugal é ser feliz. Ou, como diz um ditado italiano: “Chi si accontenta, gode.” (Quem se contenta com pouco, goza.)

    Post a Reply

Deixe um comentário!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: