Coolmeia


Good Food é um portal que tem por objetivo mapear de forma colaborativa, com ajuda dos usuários, locais em que são produzidos, distribuídos, comercializados e servidos alimentos que podem ser chamados de “boa comida”, ou seja: produtos sem agrotóxicos, orgânicos, da agricultura familiar, de pequenos produtores e distribuidores, de pequenas cooperativas, restaurantes veganos e vegetarianos, produtos locais e locávoros.

goodfood2

O portal irá dispor de um sistema de revisão e qualificação, permitindo que usuários dêem notas sobre a qualidade dos produtos ofertados, permitindo uma avaliação continuada do estabelecimento e dos alimentos. Aqueles que reiteradamente forem denunciados e as denúncias confirmadas, serão retirados do catálogo.

A ideia é mapear desde fazendas de orgânicos, pequenos agricultores familiares orgânicos, restaurantes orgânicos, veganos e vegetarianos, sistemas de agricultura suportada pela comunidade, armazéns e feiras com venda de produtos saudáveis, Sistemas de compras coletivas,  comida feita localmente, de forma sustentável, livre de agrotóxicos, respeitando economicamente as pessoas que estão produzindo…

Essa ideia já foi discutida em um encontro no Ágora.cc em 9 de outubro de 2012, porém não houve força e colaboração suficientes para que saísse do mundo das ideias.

Algumas referências inspiradoras de várias etapas do processo:

Talvez, com tantas soluções complementares disponíveis, o que falte mesmo é uma que simplifique todo o processo e disponibilize, em um local só (um app, por exemplo), todas as informações necessárias de acordo com o nível de exigência do usuário.

Quem desejar apenas localizar na região em que se encontra um alimento que pode ser considerado “boa comida” pelos critérios padrão do site, encontrará. Quem desejar ir mais a fundo e buscar toda a cadeia produtiva do alimento, poderá refinar a busca e verificar inclusive (estando disponível esta informação, por parte do produtor/distribuidor) se o alimento foi trazido ao consumidor através de uma cadeia de comércio justo, sem uso de trabalho infantil ou escravo, por exemplo.

Agora, para tornar esta iniciativa ainda melhor, preciso que você, que leu até o final e chegou até aqui, colabore com algum Comentário ou Sugestão. Se quiser enviá-lo de forma privada ou deseja participar do Grupo de Trabalho do Good Food (GTGF) use o formulário imediatamente abaixo.

’]

 

Se quiser enviar de forma pública, use o sistema de comentários logo abaixo.

Seja sempre bem-vindo ao meu blog, fique à vontade para navegar em outros artigos e páginas do site, bem como em visitar e Curtir minha página no Facebook, em https://www.facebook.com/rreinehr/. É com seus insights e opiniões que vamos lapidando e aprimorando as ideias cruas que por aqui são apresentadas, cooperando, juntos, para criação de um outro mundo, melhor para todos.

 

Read More

A ideia do Comida Livre nunca foi muito humilde não: tínhamos, Arthur e eu, pensando em criar um mapa que pudesse mapear desde novas mudas de árvores plantadas em ambientes urbanos (ou, porque não, rurais), mas também e principalmente, mapear hortas coletivas, hortas comunitárias, hortos medicinais, PANCs (Plantas Alimentícias Não Convencionais), locais em que fossem jogadas bombas de sementes e pontos de descarte de alimentos não comercializados.

Captura de Tela 2016-02-03 às 00.14.31

Esse portal seria tão mais importante quanto fosse se tornando mais difícil o acesso ao alimento.

Hoje, apesar de todas as críticas que temos à sociedade industrial, ainda se consegue comida de forma suficiente em um país como o nosso, Brasil. Com a escassez do petróleo, o aumento dos custos de produção e distribuição dos alimentos que se seguirá nas próximas décadas, o acesso a alimentos de qualidade irá se tornar mais e mais difícil.

Mapear a Comida Livre, em primeiro lugar por uma questão de locavorismo e de soberania alimentar, mas também para defender a permanência e a existência de árvores e espaços que produzem os alimentos localmente em nossas cidades vai se tornar uma questão de “advocacia”, quando os mecanismos repressivos neofascistas começarem a ampliar seu controle para cima desse tipo de alimento que, inevitavelmente, tentará ser proibido nos anos que virão. Na Espanha, ao invés de incentivar a  produção de energia a partir do Sol, as pessoas são taxadas e desincentivadas a fazê-lo, em alguns estados dos EUA, é proibido coletar água da chuva, na Nova Zelândia, é proibido cultivar verduras e legumes em seu próprio jardim… E é só o começo.

Então, fique atentx! E aceite meu convite: visite o Comida Livre e mapeie tudo que for alimentício perto de onde você mora, estuda, trabalha. E monitore a continuidade desse alimento livre na sua cidade, além de incentivar o surgimento de mais hortos medicinais e hortas coletivas, bem como pequenas sacadas e até vasos ou latas comestíveis!

E Compartilhe essa ideia!

Read More

Imagine se você não precisasse mais se preocupar em trabalhar para juntar dinheiro para comprar coisas, e você as tivesse à sua disposição, quando precisasse, próximo da sua casa, pelo tempo que você precisar, a uma fração do custo de adquiri-la. E, mesmo que você não tivesse dinheiro, você também pudesse usufruir destas “coisas” que você necessita?

 

Então, isso já é possível, dentro do conceito de Tudoteca.

 

Berkeley_Public_Library_tool_lending_library,_insideA Tudoteca é uma ideia que tive lá pelos idos de 2007-2008 e foi inspirada em dois conceitos: o de Cohousing (que também me inspirou a criar a Coolmeia, naqueles anos) e o conceito de Tool Library, que vim a conhecer lá por 2011-12, e ajudou a aperfeiçoar o modelo da Tudoteca.

Bem, e o que é exatamente, para quê serve e como funciona essa tal de Tudoteca? Explico. Pega um café, suco, água, mate gelado ou um chimarrão e presta atenção vivente, que a história é boa de se ouvir!

 

In Boulder, Colorado the Tool Library looks much like a hardware store and even rents out tools to contractors to help subsidize rental costs and membership fees for the general public.

 

 

Imagine um lugar no qual você possa pegar emprestado “quase” qualquer utensílio de uso eventual para sua casa, local de trabalho, viagem, festa… Um local no qual estariam disponíveis para empréstimo desde ferramentas de uso eventual como furadeiras, serras elétricas, escadas de vários tamanhos, aspiradores de pó, lava-jatos portáteis, ferramentas de mão como martelos, serrotes, chaves de fenda, de boca, alicates, tornos…

 

 

Além disso você poderia pegar emprestado louças, talheres, copos e toalhas de mesa para aquela festa de formatura do seu filho ou aniversário da sua filha (que se fossem alugados custariam os olhos da cara!)… E você também poderia pegar emprestados livros, revistas, CDs, DVDs, roupas, um freezer, frigobar, chaleiras, liquidificadores, microondas, forno elétrico, batedeira, panificadora… Quer acampar? Para quê comprar se você pode pegar emprestada uma barraca, lanterna, uma churrasqueira portátil, um par de rádio-transmissores de longo alcance, varas de pescar…

pratos-e-talheres

 

Nesse mesmo espaço, encontraríamos também uma padaria comunitária, na qual os membros do coletivo que irá autogerir a Tudoteca se revezariam na produção, distribuição e eventual comercialização do excedente lá produzido. Poderíamos também ter um refeitório ou restaurante comunitário, que ofereceria refeições produzidas com alimentos orgânicos produzidos por pequenos agricultores das redondezas.

Padarias-comunitarias

O mesmo sistema de rodízio e escala de trabalho aqui também se aplicaria. E que tal um café funcionando no mesmo espaço, o dia inteiro, para quem está de passagem e quer encontrar um amigo enquanto lê um livro ou escuta uma música na vitrola que está à disposição dos associados?

Balzacs1

instrumentos-musicais

E se, além disso, na Tudoteca também tivesse uma lavanderia coletiva, em que as máquinas pudessem ser usadas em troca de alguns “pontos de crédito” dos associados?

lavanderia-coletiva-wise-blog-do-parlare

E, ainda mais, se tivéssemos uma pequena Brinquedoteca para as crianças poderem se divertir enquanto os pais trabalham ou circulam pela Tudoteca?

brinquedoteca

Não seria macanudo tudo isso num mesmo lugar, agradável, aconchegante e efervescente cultural e socialmente, recebendo vez ou outra oficinas, seminários, rodas de conversa, encontros de aprendizagem informais, apresentações musicais e artísticas, saraus, cineclubes, fotoclubes, green drinks, pecha kucha nights, stand ups?

E o mais legal de tudo isso: poderia participar quem tem grana, quem tem coisas sobrando e mesmo quem não tem grana nenhuma, só um pouco de tempo para trocar. Como assim? Explico:

Tudoteca, para se tornar sustentável, funcionaria como uma associação horizontal e autogerida.

Opção 1: Se você tem grana, você paga digamos 39,90 ao mês por 300 créditos, 59,90 por mês por 500 créditos ou 79,90 por mês por 800 créditos e pode trocar estes créditos por X dias dos produtos W, Y e Z que você precisa naquele mês. Se não quer pagar mensalidade, você pode se associar e, por cada 1 real você comprar 5 créditos para poder emprestar algum bem ou serviço determinado (digamos que você só está na Tudoteca pelo maravilhoso pão de arroz integral sem glúten que a Daiane faz…)

Opção 2: Se você não tem grana, mas tem “coisas” que estão paradas na sua casa, você pode doar estas coisas para a Tudoteca – por exemplo uma parafusadeira, uma guitarra e um amplificador que você não toca mais, um jogo Banco Imobiliário e 2 decks de Super Trunfo e um secador de cabelo que sua ex-namorada esqueceu no seu apartamento – e em troca delas, você ganha créditos e passa a usá-los para emprestar coisas das quais você realmente precisa.

Opção 3: Tá! Mas eu não tenho grana e também não tenho nada para doar. Sou um estudante universitário pé-rapado, sou morador de rua, tenho um emprego que mal dá pra sustentar minha família. E agora. Preciso de uma furadeira só por um dia pra consertar algumas coisas lá em casa. Neste caso, você pode oferecer algo que todos seres vivos (enquanto vivos) temos: tempo! Você pode oferecer um sábado pela manhã da sua vida para ajudar a alcançar os objetos para quem for na Tudoteca pegá-los, pode ajudar na padaria ou no restaurante comunitários, pode ajudar na limpeza, buscando nossos hortifrutigranjeiros orgânicos ou mesmo cuidando das crianças na Brinquedoteca. Em troca do seu tempo, você ganha os créditos que você vai trocar pelo que você quiser. Sempre que eles acabarem, não tem problema: só oferecer o seu tempo novamente!

Ei, mas espera aí! Vai ter gente trabalhando na Tudoteca em troca de créditos e depois vai vender por fora para ganhar uns trocos. Mercado Negro! Pode isso? Sabe que só pensei nisso agora, nesse exato instante? Eu, Rafael, não vejo problema nisso. Mas e o resto das pessoas do coletivo, o que pensam? Acho que esse é um dos assuntos que deve ser deliberado coletivamente, bem como outros detalhes que devem ser registrados em uma Carta de Princípio e em uma Bases da Unidade (que também podemos chamar de Termos de Uso) da Tudoteca.

Tá, e essa grana que vai entrar na Tudoteca, pra quê serve? Vai enriquecer alguém? Nããão! O dinheiro que entrar será usado em parte para consertar e repor equipamentos, peças e ampliar o acervo de bens e serviços da Tudoteca, uma parte será reservada na forma de um Fundo de Emergência para os Associados, em caso de catástrofes naturais ou épocas de crise (estão vendo as nuvens negras da tempestade se aproximando no horizonte?) e uma parte será reservada para um Fundo de Multiplicação de Tudotecas, para criar a Tudoteca 2, a Tudoteca 3, a Tudoteca 4 e assim por diante, nas comunidades que forem se apresentando e demonstrando desejo de possuir uma na vizinhança.

E aí? Gostou da ideia? Supimpa né? Valeu, obrigado! Também acho! 🙂

Ah! tem outras ideias que já foram desenvolvidas pensando na expansão e no “espalhamento” de Tudotecas por todos os cantos do Brasil e do Mundo.

Quer saber quais são elas e fazer parte do time que vai planejar a instalação da primeira Tudoteca no Brasil? Coloca teu nome e e-mail aí embaixo que entramos em contato!

Agora, se você se empolgou de verdade e quer fazer parte do time que vai fazer as Tudotecas se espalharem pelo mundo, vá direto para o nosso Mapeamento de Ativos e Necessidades e apresente-se!

 

Read More

O plano é reproduzir em Araranguá o Plano das Bicicletas Brancas,

desenvolvido originalmente por Luud Schimmelpennink em 1964, em Amsterdam. A ideia de Ludd era distribuir 20 mil bicicletas pela cidade para melhorar o trânsito caótico da cidade holandesa, mas isso foi negado pelas autoridades. Não se dando por vencido, Ludd e seus parceiros do coletivo PROVOS pintaram 50 bicicletas de branco e as distribuiram pela cidade, e qualquer pessoa poderia pegá-la, utilizá-las e depois devolvê-las.

Nossa ideia é fazer o mesmo, distribuindo uma série de 50 bicicletas que receberíamos a partir de doações e, sob os cuidados da rede Coolmeia, Ideias em Cooperação, e com apoio da iniciativa privada, comércio e indústria da cidade, reformaremos estas bicicletas pintando-as de violeta. Ao mesmo tempo, realizaremos uma campanha educativa em nosso município, mostrando que é possível experienciar situações em que os objetos de uso diário podem ser bens comuns, podem ser de todos e de ninguém ao mesmo tempo.

Este projeto traz consigo uma série de benefícios, tanto para os cidadãos araranguaenses quanto para a cidade como um todo:

1. Melhora da saúde do cidadão:

– diretamente, pela atividade física (atividade física científicamente reduz os níveis de colesterol, triglicerídeos, pressão alta, diabetes e o índice de doenças cardiovasculares como infartos e derrames, por exemplo.), além de reduzir a recorrência de depressão;

– indiretamente, pela redução da poluição ambiental que acontece quando se utiliza menos o automóvel como meio de transporte e mais um veículo de mobilidade auto-propelida como a bicicleta

2. Economia para os cofres públicos

Imagina-se que estimular o uso de bicicletas pode gerar uma economia gigantesca com gastos na área da saúde. Estima-se que para cada 1 real gasto em mudar o hábito dos cidadãos de uma transporte motorizado para um cicloativado, se economizariam 280 reais em gastos de saúde, desde medicamentos até internações hospitalares e dias ausentes do trabalho. (Na França, o governo está lançando o Plano Nacional da bicicleta, e vai subsidiar as empresas cujos funcionários vierem trabalhar de bicicleta. Cada funcionário ganhará 21 centavos de euro por km rodado. Foi calculado um gasto de 20 milhões no subsídio e uma economia de 5,6 bilhões em gastos na área da saúde – http://brasil.elpais.com/brasil/2013/12/27/sociedad/1388172257_849294.html )

Neste momento, precisamos reunir a sociedade civil para nos ajudar com as seguintes necessidades:

1 – 50 bicicletas, novas ou usadas, em bom estado de funcionamento

2 – Uma ou mais pessoas com entendimento em conserto e reforma de bicicletas

3 – Uma ou mais pessoas com conhecimento em pintura de bicicletas

4 – Tintas específicas para pintura de bicicletas + pintura dos raios + lateral dos pneus

5 – Auxílio na divulgação do projeto, em todas suas etapas, desde a inicial (de captação de recursos) até a etapa de lançamento e manutenção da ideia

5.1 – design gráfico de material de divulgação para as campanhas

5.2 – criação de um hotsite para informar sobre O Plano

5.3 – criação de um spot de áudio para divulgar O Plano

5.4 – criação de um vídeo informativo sobre O Plano

6 – Comunicação aos poderes governamentais

7 – Bicicletas às ruas

8 – Registro na forma de um documentário sobre todo o processo (opcional)

Nosso cronograma é o seguinte:

Janeiro a Março de 2014 – itens 1, 2, 3 e 4

Fevereiro a Abril de 2014 – itens 5 e 6

Maio em diante – item 7

(o documentário poderá ocorrer durante todo o processo – serão registradas imagens em fotos, vídeos e registros de áudio e textos da imprensa local)

Um pequeno auxílio financeiro também é muito bem-vindo, para ajudar a cobrir os custos de alimentação das reuniões e mutirões para pintura e consertos das bicicletas, para compra de pães, frutas, geléias e café. Todos os valores doados serão tornados públicos de forma a manter a transparência d’O Plano das Bicicletas Violetas.

Agora é com você: com o que te sentes chamado a ajudar?

Assinam: membros do Favo Araranguá da Coolmeia, Ideias em Cooperação

(artigo original em http://net.coolmeia.org/pages/view/17757/o-plano-das-bicicletas-violetas-qual-e-o-plano

faça parte do grupo de trabalho do projeto em http://net.coolmeia.org/groups/profile/17314/o-plano-das-bicicletas-violetas)

Read More

Segue o vídeo com minha apresentação (em inglês) no SCWF 2012, em Gotemburgo – Suécia:

(minha parte começa em 28min e 24 segundos, mas não deixe de assistir a primeira parte, com Justo falando sobre a experiência do Nuestra Escuela, em Porto Rico, uma experiência de educação libertadora)

Read More

Captura_de_Tela_2012-01-06_as_16.51.03Teremos uma Oficina Autogestionada da Coolmeia, Ideias em Cooperação no Fórum Social Temático 2012 – Crise Capitalista, Justiça Social e Ambiental.

O nome da oficina é “Transição para uma Melhor Política, Economia e Humanidade: Propostas de Ações Práticas para a Mudança Social“. Segue o resumo:

Existem movimentos lutando por uma Nova Política. Outros, por uma Nova Economia. Outros ainda, por uma Nova Humanidade.

 

Talvez tenha chegado a hora de convergir. Encontrar os pontos em comum entre os movimentos sociais, ambientais, políticos e espirituais e começar a planejar junto, mover junto em direção a uma Melhor Política, Economia e Humanidade.

 

Uma proposta bem prática de mudança social pode começar com um sonho. Se esse sonho for coletivo, melhor ainda.

 

Se pudéssemos imaginar um outro Estado, uma outra configuração de governança da “Coisa Pública”, quem sabe até com a ausência de um governo instituído, representativo, se pudéssemos voar alto e imaginar uma Sociedade voltada para o Bem Comum, como ela seria? O que precisaríamos para chegar lá?

 

É este exercício que eu proponho. É esta tarefa, a de pensar em Modelos, Ferramentas, Atitudes e Soluções que possam nos levar, neste Caminho de Transição, para um outro mundo possível, que lhe convido a aceitar.

 

Nos próximos meses, anos, estaremos nos debruçando sobre estas questões, que interessam tanto a cada um de nós bem como às gerações que ainda estão por vir.

 

Estamos idealizando uma plataforma de interação que seja voltada à criação do Novo, à inovação. Mas uma inovação com um foco determinado: produção de Bem Comum, de Instâncias, Vivências, Momentos e Espaços em que o humano possa exercer sua humanidade, sua capacidade de ser social, solidário, altruísta, convivial. Momentos e espaços em que possamos nos congraçar com nossa criatividade, compaixão, inteligência, beleza e que possamos deixar de lado o egoísmo, a ganância, a opressão e a torpeza dos atos que somos capazes de perpetrar.

 

Como em todo processo de Transição, haveremos de encontrar obstáculos: indivíduos, corporações, governos determinados a manter o “Estado das Coisas” como está, beneficiando apenas uma parcela minoritária da população, em detrimento de uma grande maioria.

 

Um dos nossos maiores desafios será o de conseguir avançar sem criar “Lados”. Não estamos falando de uma luta de classes, entre os menos e os mais favorecidos historicamente. Estamos falando em um processo dialógico e histórico que passa a reconhecer as injustiças do presente, oriundas do passado, em direção a um caminho restaurativo para o futuro.

 

Os caminhos tentados para isso foram, historicamente, a luta, a conquista, a movimentação político-partidária, a rebelião, a revolução. Podemos seguir usando os mesmos métodos, indefinidamente, ou podemos começar a trilhar um Caminho Alternativo – sem no entanto excluir outros métodos de luta. Esse Caminho Alternativo se daria pela construção e multiplicação destas mesmas Instâncias, Vivências, Momentos e Espaços, baseados nos Modelos, Ferramentas, Atitudes e Soluções que, juntos, iremos pesquisar, estudar, aperfeiçoar e implementar.

 

Vivemos hoje em um mundo caracterizado pelo individualismo, pela competição, pelo consumismo, pela valorização do ter em relação ao ser, pela desconexão homem-natureza, pela ignorância em relação às consequências de nossas escolhas, pela escolha do mais fácil ao invés do mais duradouro. Como, então, mudar para um mundo em que a humanidade pense no Bem Comum, na coletividade, na convivialidade, na valorização do ser, volte a se conectar com a natureza e esteja ciente das consequências das escolhas que fazemos?

 

Proposta de Oficina Autogestionada:

 

Momento 1 – Recepção dos participantes

 

Momento 2 – Apresentação da problemática

 

Existem movimentos lutando por uma Nova Política. Outros, por uma Nova Economia. Outros ainda, por uma Nova Humanidade.

 

Talvez tenha chegado a hora de convergir. Encontrar os pontos em comum entre os movimentos sociais, ambientais, políticos e espirituais e começar a planejar junto, mover junto em direção a uma Melhor Política, Economia e Humanidade.

 

Tentar responder à pergunta: como, em meio às diferenças, encontrar agendas comuns e pontos de convergência entre os diferentes movimentos que buscam a melhoria das condições de vida humana na Terra? Movimentos espirituais, ambientais, sociais, políticos…?

 

Momento 3 – Coleta de impressões, ideias e sugestões

 

2 metodologias (escolher uma delas):

 

  1. Coleta aberta, conversa em círculo (se possível), com anotações das ideias-chave
  2. World Café – pessoas distribuídas em mesas com 5-6 participantes debatem 2 ou 3 questões propostas, depois trocam de lugar e compartilham suas experiências, buscando apresentar uma Visão de Futuro Coletiva (*ver exemplo detalhado abaixo, ao final)

 

Momento 4 – Apresentação de uma proposta pré-formatada

 

  • criação de um Hub que permita a interlocução entre redes e movimentos socioambientais atores da mudança social
  • Criação de um Fórum Permanente, de uma plataforma de interação autogerida para que os diferentes movimentos sociais possam, de forma continuada, ao longo do  ano, trocar experiências, comunicar eventos, planejar ações e  implementá-las.

– A plataforma teria:

– um canal de notícias

– uma agenda

– uma mesa de reuniões

– ferramentas de audio e/ou videoconferência

– aplicativo para smartphones e tablets

– capacidade de crowdfunding para projetos dos movimentos sociais

  • área de vídeos para mostrar resultados dos projetos financiados
  • Grupos representando as Redes e ONGs já formadas
  • núcleos físicos, geograficamente baseados
  • núcleos temáticos, por afinidade de assunto de interesse

 

Momento 5 – Desconstrução da proposta prévia e Reconstrução de uma Nova Proposta

Após a breve explanação anterior de uma possibilidade de Encontros virtuais permanentes INTER-REDES, com Encontros Locais também INTER-REDES e Encontros Nacionais/Internacionais Sazonais – realizar uma avaliação coletiva das características, pontos fracos e fortes da proposta apresentada e adequação com as necessidades que as diferentes Redes e Organizações poderiam ter.

 

Momento 6 – Resumo, Pacto e Conclusão

 

É o momento de verificar se todos estão de acordo com o que foi conversado, definir um meio de comunicação para articular e dar seguimento às propostas colhidas e confirmar, através da assinatura de um Pacto, a adesão ao que foi discutido e determinado.

 

Conclusão festiva do Encontro.

(obrigado Maria do Carmo Bittencourt pela força e estímulo.)

Read More
%d blogueiros gostam disto: