Category Archives for "Jujubas"

Esfiha Chester e Chocolate
ago 20

Esfiha de Chester e Chocolate

By Rafael Reinehr | Jujubas

Dia desses, pedi via tele-entrega uma esfiha para um restaurante relativamente novo da cidade, especializado nisto: esfihas. Eles dão a opção de dividir a esfiha em 2 sabores, um afago interessante que faz com que possamos jantar e comer a sobremesa ao mesmo tempo.

Resolvi pedir uma esfiha com metade de chester e metade de chocolate preto. O resultado foi este:

Esfiha Chester e Chocolate
Choco-chester

No momento em que vi o lado salgado da esfiha tomado por chocolate, fiquei bravo e não liguei reclamando. Costumo ser pacífico, já que qualquer pessoa (ou empresa) tem direito a uma falha, penso eu, ainda mais quando não é grave. Só que, logo a seguir, enquanto estava comendo minha esfiha com sabor indefinível, minha empregada falou:

– E eu, que pedi de chocolate branco e vei chocolate preto…

Putz, me desculpem meus ideais budistas, mas nessa hora o sangue ferveu. A Sônia passou o dia inteiro trabalhando lá em casa, nos ajudando com a limpeza e a organização do nosso cantinho e, na justa hora em que ela poderia descansar e aproveitar um pouco o fim do dia, ainda trocam o sabor da esfiha dela? Que saco e que irresponsabilidade, pensei eu!

Liguei para a referida “esfiheria” para solicitar a troca da esfiha da Sônia por aquela que realmente havia sido solicitada. A atendente, de forma não muito educada, tentou verificar de todas as formas (ou melhor, tentou insinuar) que o erro poderia ter sido nosso e nào deles. Infelizmente, tanto a nota de serviço quanto o pedido estavam juntos à esfiha e ambos demonstravam o pedido: queijo com orégano (a metade com queijo veio sem orégano) e chocolate BRANCO!

Mesmo depois de confirmar o erro, ela resistia em enviar a metade da esfiha correta. Sendo chato – mas não mais do que o sificiente para a ocasião – invoquei o Direito do Consumidor e, finalmente, tivemos nosso direito atendido. Uma hora depois, como é de se esperar no caso de uma empresa birrentinha. No lugar deles, trataria de atender o cliente da forma mais atenta e pronta possível para evitar este mal-estar.

Não deixarei de visitar a “Casa da Esfiha”, o produto é bom quando não acontecem estes detalhes. O que mais chamou atenção foi o despreparo de quem atende o telefone em uma situaçào como a que ocorreu. Muitas pessoas no meu lugar deixariam de utilizar o produto ou o serviço por todo o sempre. Espero que realmente melhorem este aspecto do atendimento.

Caminhos
jul 02

Ninguém é perfeito

By Rafael Reinehr | Jujubas

Por que estamos obcecados com ideais inatingíveis, como ter uma beleza irretocável, um casamento de novela e ser o funcionário do mês? Saiba como conviver (na boa!) com suas imperfeições.

CaminhosEssa é a manchete do mês da revista Vida Simples, uma das mais agradáveis e educativas revistas do Brasil. Tenho praticamente todas as 68 edições da revista e, confesso, preciso praticar um bocadinho mais os maravilhosos ensinamentos que lá encontro.

O primeiro passo a retomar será, nas próximas semanas, reduzir novamente o ritmo de trabalho, para viver mais intensamente meu lado cultural e, conseqüentemente, viver melhor. Ninguém é perfeito, mas buscar melhorar não é crime, tampouco pecado muito menos um defeito. Há que se conceber um limite em todos nossos atos, para que a sobrecarga de idealização não nos tome toda energia vital e acabe o feitiço a virar-se contra o feiticeiro.

Nas próximas semanas, Drops de Sabedoria serão incluídos nas páginas deste Escrever Por Escrever; excertos retirados de minhas leituras aleatórias (mas nem tanto). Delícias literárias e filosóficas para mastigar e nutrir corpo e espírito. Aproveite.

ago 12

Muito mais que efervescências…

By Rafael Reinehr | Jujubas

    Queria um ano de férias e a possibilidade de não dormir um minuto durante esse ano. Queria que uma espécie de entidade corpórea de mim mesmo permanecesse na Terra fazendo companhia a meus queridos enquanto esta minha mente inquieta se instalasse em um escritório num provável universo paralelo onde eu tivesse todo papel, caneta e mãos necessárias para realizar os projetos que se avolumam sem parar.