Emprestei, não lembro a quem, Síndrome de Bartleby, de Enrique Vila-Matas

Emprestei, há alguns anos, o livro Síndrome de Bartleby, de Enrique Vila-Matas. Acontece que quero o livro de volta, mas tem um pequeno probleminha pra atrapalhar: não lembro pra quem emprestei!

Se você, amigo meu ou amiga minha que pegou o livro emprestado, estiver lendo este post, por favor o devolva!

Se você por acaso tem o livro e quiser me dar, entre em contato! Eu pago o envio pelo correio!

Ainda, se você quiser me dar o livro de presente, fico ainda mais feliz!

Não sei por que, mas quis emprestar este livro a uma amiga e, quando fui procurá-lo, me lembrei do empréstimo. Desde lá estou com uma sensação de um “buraco” na minha prateleira, pela ausência do livro…

Vamos ver se ele aparece, nos próximos meses…

Bolinhas Azuis

Do sentido, Tania Montandon

Do sentido da conduta
De viva astúcia e brilho
Que a ciência não escuta
Não se põe lúcida no trilho

Do sentido da história
Que perfaz cada trajetória
Da arte finita do mover-se
O que liga os interesses?

Do sentido da mente
Ínclito poço de habilidades
Poder saber que se sente
Que se liga potencialidades

Do sentido da vida
Do mistério e da energia
Que fascina e arrepia
Que se conhece só a ida

Do sentido da alma
Da coerente comunhão
Intuição que acalma
O desvario da razão

O poema acima é de autoria da poeta Tania Montandon, como ela mesma diz "Uma eterna aprendiz da arte de ser feliz… apenas a semente amadurecendo naturalmente…", e estou divulgando pois é uma artista que vale ser conhecida.

Enquanto reflete no sentido da poesia acima, faça o seguinte exercício: encontre a bola vermelha na figura abaixo, acompanhe seu trajeto e me diga onde ela vai parar. Mais importante: qual é o sentido da bola, metáfora essencial da vida?

(clique para ver a imagem)

 

Continue reading

O gosto do novo: Jackson Franco

Hoje o Eduardo me encaminhou um mail comunicando sobre um novo comentário em um Editorial antigo do Simplicíssimo e lá me deparei com um singelo elogio, feito por um escritor que, até agora, não conhecia.

Como é de praxe, sempre visito quem me visita e comenta, ainda mais quando não conheço. Acabei chegando no blog Literaturagara, onde Jackson Franco, que iniciou seu blog em setembro e publica um novo conto ou miniconto a cada sete dias, aproximadamente, apresenta sua verve literária, muitas vezes com cunho social e, com freqüência, utilizando a morte com fim último de seus personagens.

O escritor recifense me impressionou positivamente com sua literatura crua, mas, como disse em um comentário que por lá deixei, bem cozida. O ato de costurar histórias e personagens não é, em essência, o trabalho do bom escritor?

Continue reading

Gilberto Freyre

Gilberto Freyre – E eu fui iniciado no uso de uma vaca

Gilberto FreyreGilberto de Mello Freyre, sociólogo, antropólogo, escritor e pintor brasileiro falecido aos 87 anos em 18 de julho de 1987 começou suas leituras com As Viagens de Gulliver. Talvez encontremos traços desta obra de Jonathan Swift em Casa Grande e Senzala, obra prima do escritor brasileiro mas foi como antropólogo que apresentou algumas de suas pérolas.

Entre suas frases mais célebres estão:

"Como todo menino de engenho, tive uma iniciação que não teria tido na cidade. No engenho você vê os animais, o touro cobrindo a vaca… E eu fui iniciado no uso de uma vaca. Experimentei o contado pecaminoso com uma vaca!"

"O Brasil é a mais avançada democracia racial do mundo" (entrevista a Veja, em 1970) – o que pensaria Gilberto Freyre a respeito do sistema de cotas?

Além de tudo, Gilberto Freyre foi também um "teórico do futebol", pois defendeu o estilo Dionisíaco do futebol brasileiro em contraposição ao estilo Apolíneo do futebol europeu. O tempo passa, o tempo voa… Que estilo teve a seleção brasileira de 1998? e a de 2002 e 2006? E a seleção do Dunga? "Aquileano", quem sabe?

A perda de pensadores originais sempre nos falta. Nós, humanos que somos, temos muito a aprender com a originalidade de pensadores como Gilberto Freyre e, se houver um céu, este será um lugar onde poderemos sentar em um café com estas figuras ímpares da história do pensamento universal.