Category Archives for "Literatura"

Renata Miloni
set 19

Renata Miloni: a revisora que escreve

By Rafael Reinehr | Quarto Sobrescrito

Ela mesma não se define como escritora. Seu blog é somente um depósito das coisas que gosta e quer guardar. É uma pessoa criativa e inteligente, embarcou em projetos instigantes como a Copa de Literatura Brasileira, a Revista Malagueta e também escreve quinzenalmente para a seção Palavra do Le Monde Dimplomatique Brasil.

Hoje é sexta, dia de literatura e ótima oportunidade para conhecer o site da Renata Miloni.

Clube de Leituras
set 05

Clube de Leituras do Escrever Por Escrever

By Rafael Reinehr | Clube de Leituras

 

 

Uma das grandes virtudes do meio virtual – internet, blogs, e-mails – é poder aproximar pessoas afins. Consigo, a partir de uma rápida busca, encontrar pessoas que dividem comigo o gosto pela gastronomia, música, fotografia, cinema, literatura…

Um dos projetos que tenho a tempos é o de fomentar um Clube de Leituras na internet. O Alex já fez isso e o Idelber também, ambos com bastante sucesso nas suas edições, apesar do curto prazo que duraram. Naquela época não consegui participar de nenhum e creio que chegou o tempo de organizar o Clube de Leituras do Escrever Por Escrever.

Para que possamos fazer desta jornada literária uma experiência agradável e duradoura, precisaremos de algumas diretrizes básicas, quais sejam:

1O livro a ser discutido no Clube de Leituras será definido sempre pelo menos 30 dias antes, possibilitando ao leitor tempo suficiente para ler com calma e fazer as anotações necessárias à discussão que sobrevirá

2Serão muitíssimo bem-vindas sugestões de livros a serem lidos e discutidos. As sugestões de livros podem ser feitas através do sistema de comentários do site ou através do Formulário de Contato.

3A discussão do livro se dará na caixa de comentários do post que apresenta o livro, a partir da data programada e perdurando “oficialmente” por uma semana, dando oportunidade para réplicas e tréplicas aos comentários acerca do livro. Não há uma data “não-oficial” para a conclusão do debate, já que os comentários não serão fechados após a semana ter se encerrado.

4O debate é aberto a todo e qualquer leitor do livro em questão, não sendo necessária qualquer preocupação com erudição ou falta da mesma. Todos os comentários serão respeitados como uma opinião pessoal, pois somente um ser completamente estúpido poderá julgar-se como dono da verdade em uma crítica literária.

5São esperados, nos comentários do Clube de Leituras do Escrever Por Escrever citações de trechos interessantes do livro, análise dos personagens, contexto histórico, análise do discurso, dificuldades na leitura ou simplesmente os motivos pelos quais você gostou ou não do livro. O espaço do debate é seu, assim como o ponto-de-vista.

6Além do espaço dos comentários, todos aqueles blogueiros que quiserem postar algo em seus blogs sobre o livro estão, desde já, devidamente convidados. O post oficial do Clube de Leituras irá linkar todos os blogs que resenharem o livro discutido a fim de criar uma hiperligação de leituras relevantes acerca da obra analisada e todos os leitores possam passear pelas impressões registradas nestes blogs.

Começamos já a definir qual livro estreará nosso Clube de Leituras.

Eu tenho uma sugestão, e você, tem alguma? Tão logo possamos definir o livro a ser devorado, possamos estabelecer a data da discussão do livro. Agora é contigo, digníssimo leitor!

Vamos iniciar com qual obra da literatura mundial?

 

Hagar
ago 15

Múltiplas funções

By Rafael Reinehr | Minicontos

HagarRagah está sentado em um bar, com a cabeça baixa e as mãos na testa, lamuriando para seu amigo:

– Estou com um problemão em casa.

– Já pensou em procurar um conselheiro sentimental?

– Um conselheiro sentimental conserta telhados?

(Esta falácia lógica, em que o amigo supõe incorretamente a partir dos dados que se apresentam, que Ragah está com problemas matrimoniais, mas na verdade só precisa consertar o telhado quebrado, foi-me lembrada hoje pelo nobre colega Carlos, cardiologista em Sombrio-SC. Segundo ele, é uma tirinha de Hagar, o Horrível, de Dick Browne, daí o nome do personagem da historieta acima).

Pilhas de Livros
ago 08

Troca de livros

By Rafael Reinehr | Minicontos

Pilhas de Livros– Amélia, li esses dias um livro maravilhoso. Você tem que ler!

– É mesmo? Sobre o que trata?

– É um livro com dicas fantásticas para melhorar a memorização. Assim que eu lembrar onde está, eu te empresto!

– Ai, obrigada Marta! Também tenho um livro para lhe emprestar!

– É mesmo? Sobre o que fala?

– É um livro suuuuuperprático, útil e impressionantemente eficaz sobre organização do espaço de trabalho… Deixa só eu achar ele aqui na mesa…

– Hummm…

– Deixa ver aqui na gaveta…

-Hummmmmm…

– Acho que está ali atrás daquela pilha de papéis…

-Hummmmmmmmmm…

Linguagem e literatura
ago 01

Uma Aldeia Chamada Linguagem (e a seca da literatura)

By Rafael Reinehr | Contos

Há algum tempo atrás, cerca de quatro ou cinco anos para ser menos impreciso, escrevi um “conto didático” chamado Uma Aldeia Chamada Linguagem. Desde aquela época, muitas pessoas reconheceram nele uma possível utilidade como material didático para o ensinamento das figuras de linguagem e estilística.

Hoje, vagueando pelos confins do meu cérebro, acabei por dar um canelaço na lembrança deste conto e resolvi, aproveitando a por vezes presente “aridez literária” que me consome, revisitar este conto que, se melhor trabalhado, poderia inclusive ser incluído em algum livro de gramática como “material explicativo” ou “exemplo” das referidas figuras de linguagem.

Seco, encaminho-vos à leitura do conto Uma Aldeia Chamada Linguagem. Sua crítica é sempre bem-vinda.

Martins Livreiro
jul 25

Feira do Caminho do Livro – Rua Riachuelo em Porto Alegre

By Rafael Reinehr | Alhures

 

 

Martins LivreiroDurante meus primeiros anos em Porto Alegre, de 1991 a 1993, morei no terceiro andar de um prédio no qual, no térreo, estabelecia-se a Livraria Martins Livreiro, que vendia livros novos e usados e era um dos meus locais preferidos de peregrinação atrás de usados.

Agora, fiquei sabendo através do boletim da Associação Gaúcha de Escritores (AGES) que a Prefeitura de Porto Alegre e a Câmara Rio-Grandense do Livro (CRL) firmaram uma parceria para criar o Caminho do Livro, nome dado ao trecho da Rua Riachuelo ente a Avenida Borges de Medeiros e a Rua General Câmara, onde a partir de 9 de agosto ocorrerão as atividades da Feira do Caminho do Livro.

Todos os sábados, das 10 às 16h, ocorrerá no recuo das calçadas em frente às diversas livrarias que existem no trecho uma feira de livros e várias atividades de estímulo à leitura. Serão expostas caixas de saldos e alguns expositores inscritos instalarão seus postos de venda ao longo do caminho. Para complementar a Feira do Caminho do Livro, ocorrerão apresentações artísticas, contações de histórias, sessões de autógrafos e bate-papos com escritores. A belíssima iniciativa é aberta para livreiros, editores e distribuidores de livros da Região Metropolitana, bem como para escritores que queiram participar em algum momento da Feira em encontros, sessões de autógrafos, lançamentos ou através da contação de histórias.

Os autores que desejarem participar devem entrar em contato via e-mail com sonia@camaradolivro.com.br ou pelo telefone da CRL (51) 3225-5096. Os eventos ocorrerão sempre aos sábados, com interrupção 15 dias antes da Feira do Livro de Porto Alegre e reiniciarão 25 dias após.

Agradeço ao vice-presidente administrativo da AGES, Oscar Bessi Filho, pelas informações acima.

 

Gilberto Freyre
jul 18

Gilberto Freyre – E eu fui iniciado no uso de uma vaca

By Rafael Reinehr | Escritores e seus Escritos

Gilberto FreyreGilberto de Mello Freyre, sociólogo, antropólogo, escritor e pintor brasileiro falecido aos 87 anos em 18 de julho de 1987 começou suas leituras com As Viagens de Gulliver. Talvez encontremos traços desta obra de Jonathan Swift em Casa Grande e Senzala, obra prima do escritor brasileiro mas foi como antropólogo que apresentou algumas de suas pérolas.

Entre suas frases mais célebres estão:

 

“Como todo menino de engenho, tive uma iniciação que não teria tido na cidade. No engenho você vê os animais, o touro cobrindo a vaca… E eu fui iniciado no uso de uma vaca. Experimentei o contado pecaminoso com uma vaca!”

 

“O Brasil é a mais avançada democracia racial do mundo” (entrevista a Veja, em 1970) – o que pensaria Gilberto Freyre a respeito do sistema de cotas?

 

Além de tudo, Gilberto Freyre foi também um “teórico do futebol”, pois defendeu o estilo Dionisíaco do futebol brasileiro em contraposição ao estilo Apolíneo do futebol europeu. O tempo passa, o tempo voa… Que estilo teve a seleção brasileira de 1998? e a de 2002 e 2006? E a seleção do Dunga? “Aquileano“, quem sabe?

A perda de pensadores originais sempre nos falta. Nós, humanos que somos, temos muito a aprender com a originalidade de pensadores como Gilberto Freyre e, se houver um céu, este será um lugar onde poderemos sentar em um café com estas figuras ímpares da história do pensamento universal.