Como resolver nossos problemas de forma holística?

Os problemas que afetam as comunidades raramente aparecem de apenas uma fonte. É impossível, por exemplo, isolar uma causa de declínio das notas de uma turma de alunos em provas nacionais. O sucesso das crianças depende não apenas do material que elas estudam e como eles são ensinados, mas também se elas tem os livros e computadores de que precisam (um problema relacionado ao financiamento governamental), se elas tem um bom café da manhã e se sentem seguras em casa (um problema relacionado ao bem-estar e segurança econômica), e se elas se sentem saudáveis e cheias de energia (um problema relacionado ao acesso a cuidados de saúde). Se nós atendermos apenas a um desses fatores, podemos estar colocando um curativo no problema, mas não o iremos resolver.

Para firmar o tecido que constitui nossas comunidades, precisamos puxar todos os fios ao mesmo tempo: empoderar as gerações mais jovens, dar suporte às famílias, promover a educação, melhorar os cuidados à saúde e proteger a segurança da vizinhança. Ao redor do mundo, existem exemplos fabulosos de comunidades que adotaram uma abordagem holística para melhorar seus desafios. Quase sem exceção, tais abordagens tocam mais pessoas e produzem mais resultados do que foram projetados para resolver.

Baseado nessa premissa, você possui exemplos de situações nas quais uma abordagem holística conseguiu modificar o rumo de comunidades no Brasil ou no mundo? O que você pensa acerca desta possibilidade, desta abordagem?

Para participar desta discussão, dê um pulinho lá no OPS! Debate, clicando no link a seguir: http://opensadorselvagem.org/forum/5-verao-de-2010-11/100-como-resolver-nossos-problemas-de-forma-holistica

Cesta da Alemanha

Promoção de Aniversário do OPS! – A Belíssima cesta de Natal da Alemanha

E ela chegou! Já faz alguns dias, mas só tive oportunidade de colocar a foto da maravilhosa cesta de Natal enviada da Alemanha pela Solange Ayres, que idealizou uma belíssima promoção que, infelizmente, não teve nenhum acertador.

Como resultado, decidiu-se mandar o prêmio para a Redação do OPS! E não é que a cesta chegou aqui, inteirinha, apetitosa e muito, mas muito recheada?

Coloco a foto a seguir para que aqueles que pensaram em responder as perguntas do concurso mas desistiram por preguiça pensem melhor da próxima vez:

Cesta da Alemanha

E, Solange, só pra avisar: os chocolates daí são divinos! É até um pecado mordê-los: deixo-os derreter na boca. Mas uma coisa lhe confesso: sempre quis saber o gosto de marzipã (adoro essa palavra!) mas, de fato e de direito, o nome da palavra é mais bonito do que o gosto, hehehe!

Os papais-noéis de chocolate, bem como as joaninhas e as moedas são sensacionais. As castanhas-do-Brasil cobertas de chocolate… hummm… Que delícia… Mas vou parar de falar, senão vou precisar atacar a cesta novamente…

Continue reading

Não estou aqui, mas estou lá

Fico até envergonhado… Vinte minutos de uma quinta-feira dia 20 de novembro, 12 pessoas online no meu site e eu desaparecido daqui há alguns dias…

Explico: não estou aqui mas estou logo ali. O OPS! está em uma fase tão bacana, tantos colunistas e blogueiros geniais chegando à Nau, idéias fantásticas sendo implementadas em um ritmo alucinante que não tenho coragem de dedicar mais tempo para o Escrever Por Escrever por alguns dias.

Os resultados destas revoluções todas não tardarão a acontecer. Acompanhe.

Continue reading