Peaceful Warrior – Poder Além da Vida

Posted By Rafael Reinehr on Maio 7, 2007 | 2 comments


    O fim-de-semana foi cinematográfico. Não, não realizamos nenhuma grande aventura. Apenas vimos filmes. Nos rendemos à Róliú.

    Na quinta assistimos O Sacrifício , com Nicolas Cage, na sexta foi a vez de Coisas Belas e Sujas , com a Audrey Tautou, no sábado O Diabo Veste Prada com Meryl Streep e no domingo assistimos Poder Além da Vida , com Nick Nolte.

    O Sacrifício (apesar das críticas ruins por aí) foi um bom entretenimento, assim como O Diabo Veste Prada, que conseguiu me arrancar algumas gargalhadas. Coisas Belas e Sujas é chocante. Nada que não se tivesse visto antes no cinema, mas mesmo assim, cenas de estupro são sempre chocantes.

    Poder Além da Vida me foi indicado pelo amigo Pedro Volkmann, que sabia de antemão que eu gostaria do filme. Ele realmente acertou. São pequenos drops budistas para melhor perceber o mundo. Vale pra qualquer pessoas, independente da crença. É um caminho de auto-aprendizado, sem deixar de ser também um ótimo drama. 

 

Compre-me um caféCompre-me um café
Gostou deste post? Se ele lhe ajudou, que tal doar 1 real para que continuemos produzindo conteúdo assim?
Doação Única de Qualquer Valor via PagSeguro: https://pag.ae/blhvRmR
Regras para comentários: Tudo OK criticar, mas se você trolar, seu conteúdo será deletado. Divirta-se e obrigado por somar à conversação.

2 Comments

  1. Humildade, serenidade…
    Quando pessoas que mantém hábitos alimentares naturais e orgânicos tratam de exibir uma espécie de “superioridade” em relação àqueles que não mantém os mesmos hábitos, chamamos isso de Ortorexia. Não sei qual é o nome que se dá a alguém que julga entender melhor (muito melhor) algo do que outrem – talvez bobice seja um termo brando que possa ser utilizado. Muitas vezes, pode ser arrogância. É interessante ler o comentário agressivo de alguém que julga ser – pela forma com que se expressa, um profundo entendedor dos Koans e, ao mesmo tempo, não consegue traduzir nos seus atos nenhum grau de humildade ou serenidade. Mas tudo bem, pelo que li do comentário, não tenho mesmo capacidade de compreender o mundo que me cerca, nem mesmo interpretar um filme feito por um comedor de batatas-fritas…

    Post a Reply
  2. Cumas?
    Ai, “pequenos drops budistas” doeu tanto quanto assistir o filme. O autor da história que inspirou o filme é um típico americano enrustido comedor de batatas fritas que nos tenta contar um Koan enquanto mastiga um McDonalds. O problema é que ele ainda não enteneu o Koan… e provavelmente jamais entenderá no resto de sua vida.
    O filme é praticamente aquela mesma baboseira do “O Segredo” ou da “A Lei da Atração”, só que embalado em um papel pretensamente oriental. Nunca vi tamanha porcaria.
    Eu pensei que tinha sofrido o pior na minha vida ao ver o filme “Poder Além da Vida”. Mas ler “pequenos drops budistas” me provocou uma dor até mais atroz.

    Post a Reply

Deixe um comentário!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: