Saber quem se é, ser quem se é.

Posted By Rafael Reinehr on mar 30, 2009 | 5 comments


Preciso saber quem sou para ser o que sou.

Agora, a boa notícia: já tenho uma pista!

Compre-me um caféCompre-me um café
Gostou deste post? Se ele lhe ajudou, que tal doar 1 real para que continuemos produzindo conteúdo assim?
Doação Única de Qualquer Valor via PagSeguro: https://pag.ae/blhvRmR
Regras para comentários: Tudo OK criticar, mas se você trolar, seu conteúdo será deletado. Divirta-se e obrigado por somar à conversação.

5 Comments

  1. thanks
    maplestory mesos ([url]http://www.maplestorymesosshop.com[/url]),
    maplestory mesos ([url]http://www.maplestorymesosstore.com[/url]),
    maplestory mesos ([url]http://www.mesosoon.com[/url]),
    maple story mesos ([url]http://www.maplestorymesosshop.com[/url]),
    maple story mesos ([url]http://www.maplestorymesosstore.com[/url]),
    maple story mesos ([url]http://www.mesosoon.com[/url]),

    Post a Reply
  2. Obrigado
    Obrigado pelos comentários, obrigado pela oração, canção, hino, digníssimo Keyne.

    Post a Reply
  3. Um hino de presente:
    Não existia nada: nem o claro céu,
    Nem ao alto a imensa abóbada celeste.
    O que encerrava, tudo abrigava,
    E tudo encobria, que era? Era das águas
    O abismo insondável? Não existia a morte,
    Mas nada havia imortal. E separação
    Também não existia entre a noite e o dia. Só o uno respirava em si mesmo e sem ar:
    Não existia nada, se não ELE. E ali
    Reinavam as trevas, tudo se escondia
    Na escuridão profunda: oceano sem luz.
    O germe, que dormitava em seu casulo,
    Desperta ao influxo do ardente calor
    E faz então brotar a Natureza una.

    …………………………………………..

    Quem sabe o segredo? Quem o revelou?
    De onde, de onde veio a criação multiforme?
    Os Deuses só mais tarde a vida surgiram.
    De onde esta criação imensa? Quem o sabe?
    Por ação ou omissão de sua vontade?
    O Sublime Vidente, no alto dos céus,
    O segredo conhece… Talvez nem ele…

    Profundando a eternidade… Inda mesmo antes
    De lançados os alicerces do mudo,

    …………………………………………..

    Tu eras. E quando o fogo subterrâneo
    Romper sua prisão, destruindo a estrutura,
    Oh! ainda serás Tu como era antes.
    Também quando o tempo já não existir
    Nenhuma transformação conhecerás,
    Mente infinita, divina Eternidade!

    RIG VEDA

    Post a Reply
  4. Tomara que a pista não esteja esburacada, em obras, com muito trafego e não tenha pedágio.

    Post a Reply

Deixe um comentário!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: