Não acredite em tudo o que você pensa: Os 6 erros básicos que fazemos ao pensar

Posted By Rafael Reinehr on out 31, 2008 | 2 comments


O texto abaixo foi copiado graciosamente do perfil do Orkut de um amigo, que por sua vez bebeu do livro “Não acredite em tudo o que você pensa: Os 6 erros básicos que fazemos ao pensar”, de Thomas E. Kida e, como gostei muito, decidi compartilhar com os amigos e leitores do Escrever Por Escrever.

Erro 1: Nós preferimos histórias a estatísticas.

Mesmo uma má história é preferida em relação a uma boa estatística, isso não é de espantar. Somos animais sociais, assim qualquer coisa que pareça nos conectar uns aos outros terá maior impacto do que números frios, impessoais. Isso nos leva a tomar decisões baseadas em uma única história, que pode não ser representativa de tendências predominantes e ao mesmo tempo ignorando as estatísticas que nos informam sobre aquelas tendências.

Erro 2: Nós buscamos confirmar e não questionar nossas idéias.

Todos querem estar certos, ninguém quer estar errado. Essa pode ser a razão principal por trás do fato de que quando as pessoas olham diante de si uma evidência neutra, eles quase invariavelmente focam naquilo que parece confirmar o que já acreditavam e ao mesmo tempo ignoram o que pode ir contra suas crenças.

Erro 3: Raramente levamos em consideração o papel do acaso e da coincidência na formação de eventos.

É possível que uma pessoa selecionada ao acaso não tenha a menor idéia como as improbabilidades, o acaso e a aleatoriedade afetam suas vidas. As pessoas pensam que eventos improváveis são bem prováveis enquanto os prováveis são improváveis. Por exemplo; as pessoas se esquecem quão grande são os números à sua volta- um evento com uma probabilidade de 1:milhão de ocorrer ocorrerá se houver 1 milhão de tentativas. Em uma cidade como Nova Iorque p.ex. isso significa que vários eventos desse tipo podem ocorrer todo dia.

Erro 4: Nós, de vez em quando, percebemos erroneamente o mundo à nossa volta.

Simplesmente não percebemos coisas acontecendo à nossa volta com a precisão que achamos ou que gostaríamos de ter. Vemos coisas que na verdade não estão lá e falhamos em ver coisas que estão. E até pior, nosso nível de confiança naquilo que percebemos não é uma indicação válida de quão certos possamos estar.

Erro 5: Tendemos a simplificar demais nossas idéias.

A realidade é muito mais complicada do que pensamos. Na verdade, é mais complicada do que nossa capacidade de nos relacionarmos com ela – toda análise que fazemos sobre o que ocorre à nossa volta deve eliminar uma série de fatores. Se não simplificamos, não chegamos a lugar nenhum em nossas análises; infelizmente, com freqüência simplificamos demais e assim deixamos de considerar coisas que deveriam ser levadas em conta.

Erro 6: Nossa memória é com freqüência imprecisa.

Para ser justo, isso não é um erro porque não podemos fazer nada pelo fato de nossa memória não ser confiável. O verdadeiro erro esta em não atentar para isso, não compreender os caminhos que levam nossa memória a se enganar, e assim falhar em fazer o que pudermos para compensar esse fato.

E ao final, o Cássio complementa:

“Novamente, como Kida (autor do livro) observa esses não são os únicos erros que as pessoas cometem; mas se vc se habituar a levar em consideração e evitar esses erros, você estará à frente da maioria e terá mais sucesso do que tinha antes. Entretanto, você não pode focar apenas esses erros. Em vez disso vc deve ter em mente que o objetivo é tornar-se mais cético e crítico em sua modo de pensar e dessa forma distinguir com mais consistência as coisas mais prováveis de serem verdadeiras em relação àquelas que simplesmente não merecem gastarmos nosso tempo.”

Só tenho a dizer: bem posto, amigo!

Compre-me um caféCompre-me um café
Gostou deste post? Se ele lhe ajudou, que tal doar 1 real para que continuemos produzindo conteúdo assim?
Doação Única de Qualquer Valor via PagSeguro: https://pag.ae/blhvRmR
Regras para comentários: Tudo OK criticar, mas se você trolar, seu conteúdo será deletado. Divirta-se e obrigado por somar à conversação.

2 Comments

  1. É errando que se arrepende!
    Amei o texto e fiquei impressionada em me deparar com algo que faco dia-a-dia. Pois é, isso porque erro muito, logo penso muito em como nao errar, mas mesmo assim sinto que continuo errando, pois continuo me arrependendo. 😛 Tá na verdade meu maior erro é levar a numerologia a sério demais, pois segundo esta tenho um monte de 7 e esse é o número da perfeicao. E? E buscar a perfeicao é o caminho mais comum de se tropecar em vários erros. 😛 Pois é, penso nos meus erros, esqueco dos acertos. 🙂 Erro 7: pensar demais nos erros que fazemos ao pensar. Enfim, o texto é ÓTIMO, mas sempre é bom aliviar com um pouco de humor, pois um cara que leva isso muito a sério pode pirar! Digo por mim! 😛

    Post a Reply
  2. Muito Bom !

    Isso deveria ser ensinado nas escolas ! Você encontrará aulas de Relgião, mas não de pensamento racional. Que tristesa.

    E são coisas simples de se aprender e ensinar ! Ótimo post !

    Post a Reply

Deixe uma resposta para Tiago Cancelar resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: