Todas as nossas ações refletem no mundo em que vivemos


Add this to your website

"Nossos pés deixam pegadas na areia do tempo. Se estivermos no caminho errado, muitos nos seguirão, desviando-se do que é correto. Quando pensamos que uma ação é só por aquele momento e esquecemos que ela deixa um rastro atrás de si, não estamos sendo responsáveis.
Todas as nossas ações afetam os seres humanos, dando-lhes alívio ou tristeza. Podemos fortalecê-los ou não. Podemos causar ferimentos ou curas. Podemos gerar conflitos ou resolvê-los. Podemos criar cataclismas ou algo nobre para a sociedade.
" B.K.Jagdish

Este fantástico pensamento, por mim retirado há mais de uma década do "Almanaque Gaúcho", publicado em Zero Hora e que agora reside não só naquela folha amarelada que guardo comigo, conseguiu realizar uma mudança gigantesca na forma que percebo o mundo e as coisas ao meu redor.

Posso dizer que, na experiência da minha vida, esse talvez tenha sido o chacoalhar que deu início ao meu processo de Despertar. Sempre que me referir a este termo, "Despertar", me refiro não a um acordar biológico tão somente, e também não uso o termo como um fenômeno puramente místico mas, mais ainda, a um fenômeno que abraça em si as necessárias mudanças biológicas, espirituais e sociais necessárias a uma Reforma do Pensamento.

Esta Reforma do Pensamento, que começa com uma Reforma da Percepção e passa por uma Reforma do Julgamento, é o sentido último do meu esforço intelectual dos últimos 14 anos. Tenho forte convicção de que as mudanças que urgem passam por este processo que, em última instância, deverá modificar a forma com que percebemos, julgamos e pensamos.

Entretanto, e agora me dobro a evidências empíricas, nem sempre é através da palavra - como ocorreu comigo - que se consegue promover o "Despertar". Muitas vezes, precisamos da prática, da ação, do exemplo como ferramenta para que a mudança ocorra.

Hoje, infelizmente, ainda precisamos ser violentados, maltratados, desrespeitados, perder o emprego, ter nossa honra machucada ou precisamos ser retirados de nossa "zona de conforto" para perceber que alguma coisa está muito errada no mundo aí fora. Os sinais da degeneração da qualidade de vida estão cada vez mais salientes e, apesar do crescimento do consumo de bens materiais, pouquíssimas vezes conseguimos escutar a palavra felicidade. E esta, por incrível que possa parecer a este ser humano individualista, capitalista e competidor que é a regra hoje em dia, é mais ouvida em ambientes onde a confraternização, a socialização e a cooperação estão presentes. Paradoxal? Nem tanto, quando lemos alguns estudos científicos a respeito.

Pois é deste fluxo que trataremos aqui: o fluxo contínuo de linguagear, emocionar e conversar - para utilizar os neologismos criados por Humberto Maturana - em direção a um porvir mais voltado para o social do que para o individual, que tenda à cooperação entre as pessoas e o ambiente. Por incrível que pareça, você não precisará abrir mão de seu conforto para isso. Aprenderemos juntos como seguir este caminho. O primeiro passo está dado. Agora me dê sua mão e vamos caminhar juntos.

"- Utopia [...] ella está en el horizonte. Me acerco dos pasos, ella se aleja dos pasos. Camino diez pasos y el horizonte se corre diez pasos más allá. Por mucho que yo camine, nunca la alcanzaré. Para que sirve la utopia? Para eso sirve: para caminar." Eduardo Galeano

(publicado originalmente na Coolmeia, em 6 de abril de 2009)



Adicione este artigo à sua Rede Social favorita
Digg! Reddit! Del.icio.us! Google! Live! Facebook! StumbleUpon! Yahoo! Joomla Portal
Artigos recomendados

Comentários  

 
0 #3 Eliane Silva 24-03-2011 13:38
Caminhemos.

:-)
Citar
 
 
0 #2 Rafael Reinehr 07-11-2009 21:05
Patrícia, também penso assim: acho que podemos muito bem viver de "gotas de alegria". Mas também acho que, se conseguirmos aprender uma lição já internalizada pelos budistas, podemos ser VERDADEIRAMENTE FELIZES mesmo enquanto estamos em pleno sofrimento. São níveis diferentes e não excludentes, como costumamos pensar.

Isso me lembra de trazer para cá uma série de vídeos que vi sobre Felicidade e que tocaram fundo.

Obrigado pela visita e pelo belo comentário.
Citar
 
 
0 #1 Patricia 07-11-2009 17:40
Citação:
"(...) precisamos ser retirados de nossa "zona de conforto" para perceber que alguma coisa está muito errada no mundo aí fora. (...) Os sinais da degeneração da qualidade de vida estão cada vez mais salientes e, apesar do crescimento do consumo de bens materiais, pouquíssimas vezes conseguimos escutar a palavra felicidade."


Você sintetizou muito bem o conceito nestas frases. Passei pelo processo de me dar conta disso no final de 2001 e ele evoluiu ao longo dos anos para uma filosofia de vida que hoje me guia. Todo mundo gosta do filme Matrix e a ironia é que muita gente não faz o questionamento necessário para perceber que muitos dos seus comportamentos socialmente condicionados as coloca em uma realidade conceitualmente muito próxima à mostrada no filme.

Postei ontem no Facebook essa citação que embasa um pouco do que você está falando:

Citação:
A happy life is just a string of happy moments. But most people don't allow the happy moment, because they're so busy trying to get a happy life. --- Abraham, Excerpted from the workshop in Sacramento, CA on Saturday, March 15th, 2003.


E é bem isso. Precisamos às vezes parar e olhar nossa vida com um olhar externo. Meditar. Transcender as convenções.

ps: obrigada pelo comentário lá no Sinestesia.

Abçs.
Citar
 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

rafael-reinehr160Rafael Reinehr é médico endocrinologista, mas seus olhos vasculham o horizonte em busca de soluções para criar um Mundo Melhor através de iniciativas como a Coolmeia, Ideias em Cooperação.

Para saber um pouco mais sobre o que o autor do blog anda fazendo hoje em dia, baixe gratuitamente o jornal Em Transe.

Você também pode Acompanhá-lo no Twitter, no Facebook e Assinar o Feed RSS do Blog.

Artigos relacionados (com tags similares)

Share
eXTReMe Tracker