Eduardo Sabbi – mais do que amigo

Posted By Rafael Reinehr on abr 26, 2007 | 6 comments


   Eduardo na Vitalis
Eduardo Sabbi com a amiga Vanessa na Festa de Natal da Vitalis em 2006

    Feche os olhos.  Agora, faça comigo um exercício de imaginação: imagine um de seus melhores amigos sendo atropelado violentamente por um ônibus em alta velocidade e sendo jogado em cima de um poste. Imagine seu amigo, corpo inerte, jogado no solo, todo ensangüentado. Imagine ele recebendo os primeiros socorros por um radialista e um estagiário da área de saúde que por coincidência estava por lá. Imagine o SAMU sendo chamado – para o médico, técnico de enfermagem e motorista é somente mais um trabalho no dia cheio. Imagine a dificuldade em encontrar um familiar em um celular estraçalhado. Uma carteira de identidade revela o sobrenome da vítima: o sobrenome de seu amigo. O radialista procura na lista telefônica enquanto a ambulância remove o seu amigo, gravemente ferido, totalmente inconsciente. Um familiar de seu amigo recebe um telefonema, informando que seu amigo foi atropelado e está sendo levado ao Hospital de Pronto Socorro. O familiar do seu amigo é um tio, e prontamente telefona para o primo do seu amigo ir correndo para o hospital, enquanto ele faz o mesmo e deixa a esposa encarregada de contatar o pai do seu amigo, que mora em outra cidade, distante dali 130 quilômetros…

   Eduardo na Vitalis
Eduardo Sabbi com a amiga Vanessa na Festa de Natal da Vitalis em 2006

    Feche os olhos.  Agora, faça comigo um exercício de imaginação: imagine um de seus melhores amigos sendo atropelado violentamente por um ônibus em alta velocidade e sendo jogado em cima de um poste. Imagine seu amigo, corpo inerte, jogado no solo, todo ensangüentado. Imagine ele recebendo os primeiros socorros por um radialista e um estagiário da área de saúde que por coincidência estava por lá. Imagine o SAMU sendo chamado – para o médico, técnico de enfermagem e motorista é somente mais um trabalho no dia cheio. Imagine a dificuldade em encontrar um familiar em um celular estraçalhado. Uma carteira de identidade revela o sobrenome da vítima: o sobrenome de seu amigo. O radialista procura na lista telefônica enquanto a ambulância remove o seu amigo, gravemente ferido, totalmente inconsciente. Um familiar de seu amigo recebe um telefonema, informando que seu amigo foi atropelado e está sendo levado ao Hospital de Pronto Socorro. O familiar do seu amigo é um tio, e prontamente telefona para o primo do seu amigo ir correndo para o hospital, enquanto ele faz o mesmo e deixa a esposa encarregada de contatar o pai do seu amigo, que mora em outra cidade, distante dali 130 quilômetros. Quem atende o telefone é o irmão. A esposa do tio pede que o telefone seja passado ao pai. Ela passa a notícia, dentro das poucas informações que tem. Pede que ele venha com urgência pois o filho sofreu um acidente. Era hora do almoço, havia recém sentado à mesa. Um nó embrulha o estômago. Sente que não tem condições de dirigir, mas precisa ir ao encontro do filho. O chão parece ter desaparecido. Um novo telefonema: mais uma pessoa informando do ocorrido com seu filho. Senta novamente na mesa. A comida não entra. Um novo telefonema traz a notícia repetidamente. A esposa não entende nada. Novo telefonema, desta vez é o tio ligando do hospital, trazendo informações sobre o quadro. É grave. É gravíssimo. Choque. Perda de consciência. Hemorragia interna. Traumatismo craniano com hemorragia intra-craniana. Pensou ter ouvido falar a palavra coma. A cabeça começa a girar. Precisa se levantar. Precisa ir em direção ao filho. A esposa não pode saber. Ela não vai agüentar. “Filho, me leva até a Rodoviária. Preciso ir assinar uns papéis urgentes para teu irmão”. Despede-se da esposa e é levado pelo filho até a Rodoviária, onde lhe conta a verdade. Pede que não diga nada para a mãe até que tenha certeza da real situação. Chega ao hospital. A verdade é amarga. Ninguém  podia lhe antecipar com palavras a cena que iria ver. O filho, com um tubo na traquéia, sendo ventilado por uma máquina e ligado a diversas outras máquinas e monitores. O caminho até aí já havia sido difícil: uma hemorragia interna causada por ruptura do baço obrigou a retirada com urgência do mesmo. A hemorragia intra-craniana formou um coágulo que teve que ser removido com urgência. Houve perfuração de ambos pulmões, que tiveram que ser drenados. A forte energia cinética do acidente provavelmente irá deixar seqüelas. A mais temida delas já aparece no segundo dia de evolução. Tem nome de mulher: SARA. A temida Síndrome da Angústia Respiratória Aguda (ou do Adulto) havia se instalado, a princípio timidamente mas agora com toda força. Equipamentos de ventilação mecânica funcionando no máximo, os alvéolos do jovem pulmão de alguém que nunca colocou um cigarro na boca quase explodindo de tanta pressão, obrigatória para tentar vencer a resistência imposta por essa gravíssima forma de inflamação pulmonar generalizada, que impede a oxigenação do sangue. Nessa hora, você está de olhos abertos. Viajou 260 quilômetros da cidade onde mora e está indo em direção ao hospital onde mora seu amigo. Um hospital que você conhece com a palma da mão, pois realizou vários meses de estágio voluntário e obrigatório lá durante sua faculdade de Medicina. Você não sabe ao certo o que lhe espera. À medida que vai se aproximando da cidade, seu coração vai ficando apertado. Quando se aproxima da curva que levará à grande avenida Oswaldo Aranha, onde se encontra o Hospital de Pronto Socorro, começa a ter uma leve tontura. Logo depois, já na Oswaldo Aranha, enfrentando o trânsito de fim de tarde de Porto Alegre, começa a sentir tenesmo, aquela sensação de que precisa evacuar e, ao mesmo tempo, uma dor de barriga começa a lhe incomodar. Você pensa em desistir de ir ao hospital. Acredita estar iniciando um processo de transtorno conversivo histérico. Você aperta os punhos no volante do carro e diz pra si mesmo: deixe de ser bobo. Vá em frente! Seu amigo precisa de você. E lá está você, estacionando o carro perto do hospital e se dirigindo até a UTI. Na entrada, encontra-se com o primo do seu amigo, seu pai e mãe, aflitos. Dá-lhes um forte abraço e profere palavras de esperança, mesmo ainda incerto do que seu julgamento irá dizer logo mais. ~E chegada a hora de subir. Você sobe acompanhando os pais do seu amigo. Somente uma pessoa pode entrar por vez. Os pais de seu amigo lhe deixam entrar primeiro. Você entra e vai em direção ao leito em que seu amigo se encontra. Lhe disseram que é o leito seis, no fim da sala. Você olha e, de longe, parece que se enganaram. Aquele indivíduo edemaciado, com a cabeça raspada não parece ser seu amigo. Você dá mais um passo e percebe que o engano era seu. Aquele é, sem dúvida, seu amigo. Aquele amigo que há menos de uma semana lhe emprestou um livro do Eduardo Galeano. Aquele amigo que até na outra noite estava lhe ajudando a debulhar alguns códigos de php no site que vocês faziam juntos. Aquele amigo que algum tempo atrás tinha lhe abraçado fortemente, em êxtase, quando seu time foi campeão do mundo. Aquele amigo que você levou pela primeira vez ao restaurante Marcellu’s, para comer um delicioso rodízio de filés e que agora, ironicamente, havia sido atropelado justamente saindo deste mesmo restaurante, após um almoço que tinha se tornado habitual naquele lugar. Você teima em não chorar, pois quer passar uma voz tranqüila a seu amigo que, mesmo inconsciente, você acredita possa lhe ouvir. Você avisa que chegou, que os pais dele entrarão logo a seguir. Segura em seu braço edemaciado, olha para seu rosto deformado pelo líquido, observa seus hematomas e a cicatriz da craniectomia na região occipital e lhe diz, ao ouvido, que quer que ele volte logo, pois está precisando de ajuda com o site. Diz que o livro que ele lhe emprestou é realmente ótimo, e pede para ficar com ele por mais alguns dias, se ele não se incomodar. Diz, com a voz embargada, que ele precisa ser forte, que existem uma centena de pessoas que precisam dele, como por exemplo os idosos da Clínica Geriátrica Vitalis, da qual ele é mentor, fundador, proprietário, psiquiatra e na qual tudo funciona sob sua batuta. Você diz que queria ficar mais tempo, mas não quer ser egoísta e quer deixar os pais dele entrarem, pois ambos estão apreensivos. Você passa a mão na cabeça raspada do seu amigo, fica acariciando com a mão e com os olhos. Manda toda energia positiva que é possível emanar de um só corpo e reza para que ela seja suficiente para tirar seu amigo de lá. Você não sabe se Deus existe, mas pede que, se ele existir e for tudo isso que dizem dele, que ele apareça e tome uma atitude. Agora você já pode abrir os olhos, mas a verdade é uma só: nada disso é fruto da imaginação. Você é Rafael Reinehr, e seu amigo Eduardo Sabbi está precisando muito de toda força positiva que existe nesse mundo para melhorar e voltar a viver plenamente, entre seus amigos e familiares. Você é médico, mas nessa hora reconhece sua limitação, sua impotência frente às grandes forças da Natureza. Você se sente pequeno, minúsculo mesmo neste grande Universo. Você novamente percebe o papel da morte que caminha lado a lado com a vida. Você sabe que, de hoje em diante, sua vida nunca mais será a mesma.

Rafael Reinehr, em 26/04/2007

 

 

Compre-me um caféCompre-me um café
Gostou deste post? Se ele lhe ajudou, que tal doar 1 real para que continuemos produzindo conteúdo assim?
Doação Única de Qualquer Valor via PagSeguro: https://pag.ae/blhvRmR
Regras para comentários: Tudo OK criticar, mas se você trolar, seu conteúdo será deletado. Divirta-se e obrigado por somar à conversação.

6 Comments

  1. Seu desgraçado, ainda hoje choro muito lendo isso. Muito obrigado pelas palavras, o carinho e a energia na beira do leito meu grande amigo. Não tenho dúvida alguma que é também por isso, também por você, que hoje estou aqui.

    Post a Reply
  2. Se eu te conhecesse naquela época e pudesse, tinha ficado ao teu lado no hospital todos os dias.

    Post a Reply
  3. Só agora soube
    No aniversário de um ano ainda posso perceber o quanto marcou esse acidente.

    Não tenho muito o que dizer, pois somente agora soube, mas espero que o Eduardo não se acostume com esse tipo de acontecimento.

    Post a Reply
  4. ENCANTAMENTO À DISTÂNCIA…
    Rafael, teu texto me encantou pela franqueza poética de, no meio do caos, conseguires hastear nossa ESPERANÇA na INTEIREZA dos relacionamentos HUMANOS. Mais exatamente, foi uma carga elétrica muito POSITIVA de vocês aí para essa “pilha” aqui de RECIFE!:-) O Universo CONSPIRA quando estamos buscando respostas espirituais, nué? Pois. AGRADEÇO a transparência de depoimentos como este que movem montanhas ainda que à distância…É ISSO!
    Vocês hoje fazem parte da minha caixinha de ETERNIDADES !;-)) VIVA DUDZ, VIVA TU, VIVA O RABO DO TATU!!!;P

    Post a Reply
  5. Almerindas mil…
    Estou aqui em Santo Antônio da Patrulha e acabei de consultar uma pacientinha chamada Almerinda. Não sei porque, no meio daquele tumulto que estava naqueles dias, acabei pedindo a ela que orasse por você, como toda força que tivesse. Ela se comprometeu a fazê-lo. Hoje, 6 meses depois, ela vem em seu retorno para consultar e, uma das primeiras coisas que me pergunta é: ” como está aquele seu amigo , Eduardo?” Disse-me que muito orou por você. Quando lhe disse como estavas, bem e cada vez melhor, chorou. Emocionou-se verdadeiramente por sua história. São pessoas assim, humanas, que precisamos valorizar neste mundo-máquina. É muito bom pode contar contigo por anos infinitos a fio. Um abraço e até breve. Espero sua visita em Araranguá!

    Post a Reply
  6. Estamos aí!!!
    Ah pois é… e escrever agora o que é ler uma marco desses da minha vida numa tela … E o livro do Galeano intitulado “De pernas pro ar…” cuja sinopse que encontrei na web diz assim: “Em suas páginas, que transitam pela ironia e, não raro pela indignação, desfilam uma enorme quantidade de fatos, eventos históricos e jornalísticos que comprovam por argumentos indesmentíveis que o mundo está, de fato, de pernas pro ar, refletindo a nossa incapacidade de harmonizar justiça e liberdade. Verdadeiro, generoso, lírico e às vezes cruel, este livro é um inventário da nossa dura, estranha e injusta realidade.”.

    Mas enfim, alguns poucos meses depois, surpreendentemente para todos os que acompanharam de perto as dificuldades que enfrentei, incluindo os profissionais que me atenderam excelentemente, estou de volta, estou inteiro! E apesar de ter conhecimento deste texto Rafael desde o tempo em que estava no hospital, só agora me encorajei a lê-lo. Não sei se sabes a dimensão que ele teve e ainda tem. Uma cópia dele ficou no mural da minha empresa e foi compartilhado com todos os colaboradores que nela atuavam e que, naquele momento, acumulavam incertezas sobre meu futuro e, por assim dizer, o da empresa e o deles também.

    Muitas vezes tenho a estranha sensação de que eu sofri muito menos que vocês ao meu redor. Te sou grato meu amigo (ou “mais que amigo” como bem tu mesmo define) pela tua visita, tua energia e tuas palavras ao lado do meu leito (não importa se eu ouvi, importa que deu certo – alguém ouviu com certeza…). Pela corrente que fizeste e que se espalhou por tanto canto e tanta gente nesse mundão. Pela alegria que sinto em ter a minha vida com você nela.

    Cara, enquanto lia teu relato, na minha cabeça transbordava a música Hey You, do Pink Floyd. Tive que ir escutá-la e pesquisei a tradução (escuta e dá uma olhada no site Cifras ([url]http://www.cifras.com.br/traducao/pink-floyd/hey-you[/url])). Bah, que loucura! Estamos aí tchê, porque lá ainda não me quiseram! 😀 Aquele abraço!

    Post a Reply

Deixe uma resposta para Lilly Cancelar resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: