A literatura acossada

Posted By Rafael Reinehr on mar 2, 2008 | 3 comments


Literatura

 

"Naquela noite, em meu quarto de hotel, vendo no espelho minha triste figura, fui dizendo para mim mesmo que no início do século 21 – pensava eu, como se vê, como um livro aberto já – a literatura não respirava nada bem, apesar do otimismo irresponsável de alguns. A literatura, disse-me, está sendo acossada, como nunca tinha sido até agora, pelo mal de Montano, que é uma perigosa doença de mapa geográfico bastante complexo, pois é composta das mais diversas e variadas províncias ou zonas maléficas; uma delas, a mais visível e, talvez, a mais populosa, em todo caso a mais mundana e a mais estúpida, acossa a literatura desde os dias em que escrever romances se converteu no esporte favorito de um número quase infinito de pessoas; dificilmente um diletante se põe a construir edifícios ou, logo de saída, fabrica bicicletas sem ter adquirido uma competência específica; sucede, ao contrário, que todo o mundo, exatamente todo o mundo, sente-se capaz de escrever um romance sem nem sequer ter aprendido os instrumentos mais rudimentares do ofício, e sucede também que o vertiginoso aumento desses escrevinhadores terminou por prejudicar gravemente os leitores, afundados hoje em dia numa notável confusão."

 

Enrique Vila-Matas, em O Mal de Montano

E não é? Existem hoje mais escritores do que leitores. Como não haver crise editorial se todos se julgam aptos a escrever sem estar armado com as ferramentas básicas que fazem do escritor o que é?

 

Compre-me um caféCompre-me um café
Gostou deste post? Se ele lhe ajudou, que tal doar 1 real para que continuemos produzindo conteúdo assim?
Doação Única de Qualquer Valor via PagSeguro: https://pag.ae/blhvRmR
Regras para comentários: Tudo OK criticar, mas se você trolar, seu conteúdo será deletado. Divirta-se e obrigado por somar à conversação.

3 Comments

  1. Iniciante na blogosfera
    Você falou, num comentário do Grande Mapa da Blogosfera Brasileira, de uns blogues veteranos (acho que vc não usou essa palavra!), algo como a “tradição” nos blogues ou os clássicos… E eu queria tua ajuda pra entender mais, me informar mais. Comecei um blogue, que mantenho e de vez em quando acho que não é exatamente um blogue.
    E estou cada vez mais gostando de viver neste espaço.
    O seu é extenso e estou só começando a conhecer. Já gostei de cara.
    Se quiser, visite o meu, “O mundo tem inscrições sempre abertas” (http://inscricoessempreabertas.blogspot.com/.
    Mas tem uma experiência que estamos fazendo, eu e Nuno Miranda Ribeiro, um blogueiro de Portugal, que eu queria que você conhecesse e desse uns palpites. É o Laboratorio do Carteiro. http://laboratoriodocarteiro.blogspot.com.

    beijinhos

    adoros Santa Catarina…

    Post a Reply
  2. http://vejotudoenaomorro.wordpress.com
    não creio, sinceramente, que existam mais escritores que leitores. a crise editorial, que vejo mais como a crise de um modelo clássico de indústria editorial, tem de ser considerada no contexto da internet e da chamada “geração audiovisual”. o problema não é haver gente de mais escrevendo, isso não é nem nunca foi problema, pois muita gente escrevendo significaria também muita gente lendo a produção de outros… acho que o que está em xeque é a noção de “sucesso literário”, isso sim.

    Post a Reply
    • Sucesso literário
      João, permita-me discordar. A crise à qual Vila-Matas e eu nos referimos é, sim, bastante real e muita gente escrevendo NÃO SIGNIFICA necessariamente muita gente lendo. Há um erro lógico nesta asserção. Eu mesmo, quanto mais produzo, menos tempo tenho para ler os colegas do outros blogs e o mesmo se aplica à literatura.

      Sobre a noção de “sucesso literário”, tocaste num ponto interessante, e seria bom ouvir você falar mais sobre isso. Qual a sua noção de sucesso literário?

      Post a Reply

Deixe um comentário!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: