Somos realmente donos das nossas vidas?

By Rafael Reinehr | Medictando

mar 24
Pirâmide. A construção.

Publicado originalmente em 08 de setembro de 2009 na Revista DOC

Em meados do século passado, o psicólogo americano Abraham Maslow propôs o que viríamos a conhecer como “Hierarquia das necessidades de Maslow”, uma pirâmide composta de degraus os quais deveríamos escalar para atingir nossa autorrealização, desenvolver nossos potenciais e nos tornar tudo que fôssemos capazes de ser.

Começando por atender a nossas necessidades fisiológicas (como respiração, comida, água e sono), passando pela necessidade de sentir-se seguro em casa, com um emprego estável, poderíamos então atingir o terceiro degrau da escada, em que poderíamos nos dedicar às necessidades sociais ou de amor e afeto, bem como pertencer a determinados grupos ou clubes.

No degrau seguinte, exercitaríamos nossa autoestima, buscaríamos o respeito dos outros frente às funções que desempenhamos e cultivaríamos o respeito aos outros para só então, finalmente, chegar ao ápice da pirâmide da realização pessoal em que conviveriam harmonicamente a moralidade, a criatividade, a espontaneidade, a ausência dos preconceitos e a aceitação dos fatos.

Várias críticas podem ser feitas ao modelo de Maslow e a mais dura delas ataca seu âmago: no momento em que reconhecemos, por exemplo, pessoas sem estabilidade financeira que exibem na prática diária qualidades morais exemplares e apresentam-se mais realizadas do que qualquer magnata do petróleo. Da mesma forma, na sociedade de consumo na qual estamos inseridos, a influência da mídia e da propaganda sobre o que “devemos ter” e “como devemos nos portar” acaba gerando mudanças na hierarquia, trazendo a necessidade de status para um primeiro plano, antes mesmo que algumas necessidades mais básicas sejam atingidas.

Anedoticamente, vou ilustrar com o exemplo daquele médico residente que, em dada época, com salário equivalente a R$1.200, adquiriu um automóvel no valor de R$45 mil, sem antes ter garantido sua segurança financeira, tampouco possuir moradia própria. O que justifica este ato senão o desejo de demonstrar uma espécie de “capacidade” ilusória ao mundo que lhe observa?

Como curiosidade, a psicanálise de nosso eminentíssimo colega Sigmund Freud nos lembra que temos a tendência de repetir os erros de nossos pais e, ainda, repetir nossos próprios erros ao longo do tempo. Quantos de nós continuam sub-repticiamente manipulados pelo desejo de status e consumo desconectados de qualquer sinal de alerta e, mesmo quando nos perguntam: “por que você continua trabalhando até às 22 horas na sexta-feira?”, respondemos: “porque tenho que pagar a faculdade dos filhos”?

Longe de propor qualquer tipo de julgamento, esta coluna apenas pede um pequeno espaço no seu pensamento e um olhar mais demorado sobre sua própria vida e sobre as escolhas que você tem feito. Em vez de apresentar respostas definitivas, elaboraremos perguntas que busquem gerar reflexão, para que o leitor rumine, medite e chegue as suas próprias conclusões.

* Rafael Reinehr é endocrinologista. Idealizador e fundador da Colmeia – Ideias em Cooperação, uma incubadora de ideias e ações altruístas.

Gostou deste post? Se ele lhe ajudou, que tal doar 1 real para que continuemos produzindo conteúdo assim?
Doação Única de Qualquer Valor via PagSeguro: https://pag.ae/blhvRmR
Regras para comentários: Tudo OK criticar, mas se você trolar, seu conteúdo será deletado. Divirta-se e obrigado por somar à conversação.