Por que gosto de Jazz?

By Rafael Reinehr | Ando Escutando

Ago 12
Dave Brubeck

Por quê você escuta o que escuta? Milton Ribeiro, o que te atrai na música clássica? Alexandre Inagaki , o que te fez apaixonar-se por Aimee Mann?

– Rafael, porque gostas de Jazz? Te achas um cara "sofisticado", pensas que é "cult" gostar de Jazz?
– Não, amigo Reinehr! Gosto de Jazz porque ele fala comigo! Escutar Jazz é como ouvir uma boa conversa, daquelas que queremos nos lembrar para sempre.
– Então quando escutas Jazz te isolas?
– Não! Pelo contrário! Quando escuto Jazz entro em comunhão com todas as pessoas. Me religo à minha essência. Posso escutá-lo sozinho em meu quarto e também em um animado jantar com meus amigos.
– E o que você recomenda hoje?
– Hoje vou indicar o seguinte:

Dave Brubeck
Dave Brubeck – Time Out

Esta obra prima, lançada em 1959, levou Dave Brubeck a um sucesso sem precedentes na história do Jazz. Contém a fabulosa Take Five, talvez um dos singles mais conhecidos entre as peças do Jazz.

Além do piano de Brubeck, o quarteto se completa com Paul Desmond no sax alto, Eugene Wright no baixo e Joe Morello na bateria.

Definitivamente imperdível.

 

 

 

Diana Krall

Diana Krall – The Look of Love

Lançado em 2001 nos EUA e no Brasil, este é o sexto disco da cantora e pianista canadense alçada na segunda metade da década de 90 ao posto de "diva"do Jazz.

Apesar do intenso marketing que, feito em torno da bela imagem da cantora desviar a atenção de ouvidos desatentos, a contralto mostra mesmo que seu chão é a voz. Apesar de não poder se encaixar dentro das obras-primas do Jazz, este disco composto quase completamente por baladas serve muito bem para acompanhar uma boa leitura ou um romântico jantar à luz de velas.

 

 

Sonny Side Up

Dizzie Gillespie/Rollins/Stitt – Sonny Side Up

Gravado em 1957 em Nova Iorque, este brilhante embate entre o gigante trumpetista Dizzy Gillespie e os saxofonistas Sonny Stitt e Sonny Rollins mostrou que na guerra da música todos podem sair vencedores, principalmente os ouvintes.

Com Ray Bryant no piano, Tommy Bryant no baixo e Charles Persip na bateria, você escuta as quatro músicas esperando que elas se tornem 10, 20, 40.

Virtuosismo e perfeita noção de harmonia é o que demonstra este trio, neste encontro mais que histórico.

 

 

Toots Thielemans

Toots Thielemans – One More for The Road

Nascido na Bélgica em 1922, emigrando para os Estados Unidos 30 anos depois, este mestre da harmônica teve como seu primeiro ídolo o violonista Django Reinhardt e foi influenciado por Charlie Parker.

Tocou com Benny Goodman, Ella Fitzgeralds, Jaco Pastorius, Natalie Cole, Pat Metheny, Paul Simon, Billy Joel e muitos outros.

Neste disco, onde conta com participações especialíssimas de artistas como Oleta Adams e Madeleine Peyroux, a puxada é bluesística, mas o Jazz não deixa de participar. Vale conferir.

 

Trialogo

Debora Gurgel/Itamar/Pércio – Triálogo

Gravado ao vivo na casa de Debora, o CD Triálogo traz o registro da interação entre os músicos executando temas inéditos compostos por Debora.
Os arranjos iniciais, trabalhados por Debora junto à composição das músicas foram tomando outro rumo ao longo dos ensaios, incorporando as influências de Pércio e Itamar. Assim, o que inicialmente era um baião (Trilhos de Itatinga) tornou-se um baião "fusion", com claras influências do jazz-rock, o que era um samba em 3/4 ganhou referências atonais e rearmonizações que remetem a Hermeto Pascoal (Que Bagunça!), etc.
Sem retoques, overdubbings ou qualquer tipo de edição, o CD traz a concepção musical dos três integrantes na sua mais pura forma. (do site do grupo )

A audição deste disco de estréia é OBRIGATÓRIA! Baião, fusion, samba-choro, maracatu, bossa nova, partido-alto e até valsa são liquidificados pelo grupo.

Wayne Shorter

Wayne Shorter – Footprints Live!

Um dos saxofonistas mais influentes do Jazz moderno, o histórico saxofonista da fantástica Weather Report é conhecido pela composição de numerosos temas que se tornaram standards do Jazz.

Extremamente imaginativo, este Footprints Live! traz a turnê de 2001 em que Wayne Shorter liderou um quarteto formado pelo pianista Danilo Perez, pelo baixista John Patitucci e pelo baterista Brian Blade.

Rica alquimia que se transformou em uma peça digna de se ter em casa e apresentar para os melhores amigos.

 

Yamandú

Yamandú Costa – Yamandú

Yamandú só pode ser descrito com um adjetivo: gênio. Este passofundense começou a tocar com 7 anos de idade, ensinado pelo pai, Algacir Costa, líder do grupo "Os Fronteiriços".

Quando vi esta monstruosidade tocar pela primeira vez, no Salão de Atos da UFRGS, entendi o motivo da fila estar dando a volta no complexo da Universidade. Sua performance é indescritível. Qualquer pessoa que não tenha um disco do Yamandú Costa em casa é um alienado. Um louco. Doido varrido. Lelé da cuca.

No site do compositor , podemos encontrar partituras de algumas de suas músicas. Para um fantástico violonista, tentar tocar Yamandú é um desafio e tanto. Para os demais, uma tentativa vã e certamente frustra.

Coloque o CD e vá preparando o chimarrão, deliciando-se com o amargo e com a sonoridade.

 

banner do Medictando - O Bem-estar ao seu alcance

Banner da Zen Nature produtos orgânicos, sustentáveis e oriundos do comércio justo

Gostou deste post? Se ele lhe ajudou, que tal doar 1 real para que continuemos produzindo conteúdo assim?
Doação Única de Qualquer Valor via PagSeguro: https://pag.ae/blhvRmR
Regras para comentários: Tudo OK criticar, mas se você trolar, seu conteúdo será deletado. Divirta-se e obrigado por somar à conversação.

(1) comment

Add Your Reply