fev 17

De agradecimentos, resoluções e coisas que vão e vem…

By rafaelreinehr | Escrever Por Escrever (blog)

Quero fazer um agradecimento.

Agradeço de coração à Mônica, também conhecida por Alma, mentora e mantenedora do excelente Et Alors. Dia desses estava eu passeando no Et Alors e dei de cara com o seguinte pôust:

“Hoje arrumei uma das minhas estantes de livros. Separei quatro que quero ler (pois é, ainda estavam na estante, intocáveis), outros dois que quero reler (nesse grupo tem um Lobo Antunes que ganhei há três anos de um caro amigo português). E três, que quero doar, porque assumi que detesto o autor. Lógico que estou me referindo ao Saramago.”

Como eu tive uma experiência positiva com o Saramago, lendo Ensaio Sobre a Cegueira e Ensaio Sobre a Lucidez, que são, acredito eu, livros esplendorosos e geniais, levantei o dedo e pedi os livros. Qual não foi minha surpresa quando, de pronto, recebi resposta afirmativa da amiga Mônica.

E pois, não é que hoje, ao chegar em casa de um dia extenuante de trabalho, não encontro, em cima da mesa da sala, uma caixa de SEDEX dos nossos Correios?

Então, Mônica, Alma, ou como preferires que te chame, fica aqui um muitíssimo obrigado pela sua gentileza. Estes vão para a minha prateleira e não pretendo deixá-los por lá muito tempo sem devorá-los. Mas não antes de ler o “Umbigo do Sonho” da Adelaide Amorim.

Ah! Tive uma idéia interessante que veio junto com o recebimento dos livros da Mônica. Algo tipo uma biblioteca virtual real. Tipo assim: um grupo de amigos blogueiros que trocam livros através do correio… Um blogue centraliza e organiza as trocas e, sei lá… tenho que pensar melhor…

fev 11

Big Brother 5 – BBB Bizarro!

By rafaelreinehr | Escrever Por Escrever (blog)

Olhem só o que eu achei no Kibeloco! (Tô muito “copyandpaster”, não é mesmo? Pô!, cadê o “Escrever Por Escrever”???)

Mas é que achei muito hilário! Sempre me matei reindo destes “cruzamentos” improváveis!

Alguém aí me salve e me sugira um assunto decente para escrever sobre… Isso ou a solidão do esquecimento na Ermitolândia!

fev 10

RifaRifa e Provocações

By rafaelreinehr | Escrever Por Escrever (blog)

Hoje tenho 2 coisas importantes a dizer.

Em primeiro lugar, pediria aos meus 6 leitores que visitassem este site:





A Pipa (que eu nem conheço) foi assaltada e aí a Fal criou o RifaRifa para ajudar a Pipa e a família. Confiram! É uma chance de ouro de ajudar uma pessoa e ainda concorrer a uma pá de livros de escritores da “Nova Guarda”, incluido vários blogueiros e blogólatras de destaque! Mas vai rápido porque tá acabando!

A outra coisinha que eu queria relembrar é uma transcrição do discurso de Guaicaípuru Cualtemoc, um descendente de uma tribo indígena da América Central pronunciado em uma conferência dos chefes de estado da União Européia, Mercosul e Caribe realizado em 2002 que foi adaptada e apresentada pelo Antônio Abujamra no programa Provocações. O texto a seguir é o original, e a adaptação do Abujamra pode ser visto no linque aí atrás, no sítio do Provocações. Se você é brasileiro ou latino americano, vale a pena ler. Se você é europeu, mais ainda.

Aqui estou eu, descendente dos que povoaram a América há 40 mil anos, para encontrar os que a encontraram só há 500 anos.

O irmão europeu da aduana me pediu um papel escrito, um visto, para poder descobrir os que me descobriram.

O irmão financista europeu me pede o pagamento, com juros, de uma dívida contraída por Judas, a quem nunca autorizei que me vendesse.

Eu também posso reclamar pagamento e juros. Consta no Arquivo das Índias que somente entre os anos 1503 e 1660 chegaram a São Lucas de Barrameda 185 mil quilos de ouro e 16 milhões de quilos de prata provenientes da América.

Terá sido isso um saque? Não acredito, porque seria pensar que os irmãos cristãos faltaram ao Sétimo Mandamento!

Teria sido expoliação? Guarda-me Tanatzin de me convencer que os europeus, como Caim, matam e negam o sangue do irmão.

Teria sido genocídio? Isso seria dar crédito aos caluniadores, como Bartolomeu de Las Casas ou Arturo Uslar Pietri, que afirmam que a arrancada do capitalismo e a atual civilização européia se devem à inundação de metais preciosos!

Não, esses 185 mil quilos de ouro e 16 milhões de quilos de prata foram o primeiro de outros empréstimos amigáveis da América destinados ao desenvolvimento da Europa.

O contrário disso seria presumir a existência de crimes de guerra, o que daria direito a exigir não apenas a devolução, mas indenização por perdas e danos.

Prefiro pensar na hipótese menos ofensiva. Tão fabulosa exportação de capitais não foi mais do que o início de um plano Marshall do governo Montesuma, para garantir a reconstrução da Europa arruinada por suas deploráveis guerras contra os muçulmanos, criadores da álgebra, da poligamia, do banho diário e outras conquistas da civilização.

Para celebrar o quinto centenário do início desse empréstimo, poderemos perguntar:

– Os irmãos europeus fizeram uso racional desses fundos?

– Não!

No aspecto estratégico, os dilapidaram nas batalhas de Lepanto e outras formas de extermínio mútuo. No aspecto financeiro foram incapazes, depois de uma moratória de 500 anos, de cancelar o capital e seus juros. Este quadro corrobora a afirmação de Milton Friedman, segundo a qual uma economia subsidiada jamais pode funcionar, e nos obriga a reclamar-lhes o pagamento imediato do capital e dos juros.

Mas não cobraremos de nossos irmão europeus vis e sanguinárias taxas de 20% e até 30% de juros. Nosso limite é exigir a devolução dos metais preciosos, acrescida de um juro módico de 10% ao ano, acumulado apenas durante os últimos 300 anos.

Sobre esta base, e aplicando a fórmula européia de juros compostos, informamos aos descobridores que eles nos devem em ouro e prata um número para cuja expressão total seriam precisos mais de 300 cifras e que supera o peso total do planeta Terra.”

(quem me lembrou deste texto foi o Roger, do Perfect Sense)

fev 09

MIstério da propaganda!?!?!?!

By rafaelreinehr | Escrever Por Escrever (blog)

Não recomendado para pessoas que sofrem do coração

Essa era para ser a propaganda do Passat, mas nem chegou a ser passada no ar, por que misteriosamente, quando o carro vai entrar na terceira, curva, se você chegar bem perto da tela vai ver que aparece um vulto rapidamente na frente do carro, como se estivesse sendo atropelado e um gemido bem baixinho é ouvido e nem com a edição foi possível tirar o gemido, portanto, preste atenção. É impressionante!

Esse vídeo foi gentilmente “afanado” do Só Vídeos do Marcos Túlio.

Se você não gostou do vídeo acima, então nem tente descobrir as diferenças nas fotos abaixo: (clique para ampliar)

fev 07

Metáphoras

By rafaelreinehr | Escrever Por Escrever (blog)

Pois então, meus digníssimos 6 leitores (que estão todos pulando Carnaval a esta altura…), é com muito prazer, felicidade extrema, êxtase puro, diria eu, que lhes comunico que, a partir de hoje, tenho a honra (quantas vírgulas, não é mesmo?) de participar do site Metáphoras, no qual manterei uma coluna quinzenal chamada Bravo! A vida é simples!

Acessem o site e digam se não é um primor!

Olhem alguns dos banners aí abaixo:

Só não vai curtir quem é louco da cabeça ou doente do pé! E olhe que os primeiros são os que mais vão gostar…

fev 02

Fórum Social Mundial

By rafaelreinehr | Escrever Por Escrever (blog)

Sem muito para falar (é bom usar o tempo para agir), algumas fotos do Quinto Fórum Social Mundial em Porto Alegre – 2005.

Todas as cores…

O ilustre Milton Ribeiro e sua amada Cláudia Antonini estavam por lá…

Romanet, Saramago, Galeano…

Podem ser vistas muitas mais no Simplicíssimo

jan 26

A Cozinha Maravilhosa do Mestle Kuh-Kah! – Almôndegas Alemãs

By rafaelreinehr | Escrever Por Escrever (blog)

Hoje começa uma série de receitas especialmente preparadas pelo renomado Chef de Cozinha Internacional Mestle Kuh-Kah! (assim mesmo, com ponto de exclamação).

Ele irá nos brindar ocasionalmente com suas receitas que viajam o mundo e geram prazeres indescritíveis naqueles que comem seus pratos.

É um prazer poder contar com a participação de tão importante figura do cenário gastronômico mundial. Preparem em suas casas e se deliciem com as famosas Almôndegas Alemãs do Mestle Kuh-Kah!.

Ingredientes:



400g de carne de gado moída 200g de lombo de porco moído 50g de bacon picado 1 cebola picada 1 dente de alho picado 1 ovo 3 colheres de sopa de salsinha 2 colheres de sopa de cebolinha 4 fatias de pão de centeio 1 xícara de água 1 colher de sopa de vinagre sal e pimenta do reino óleo para fritura

Modo de preparo:

Coloque o bacon em uma frigideira e leve ao fogo baixo até o bacon estar crocante. Acrescente a cebola e o alho bem picados e refogue até a cebola estar macia. Retire do fogo, escorra o excesso de gordura e deixe esfriar. Coloque em uma tigela o vinagre e a água, acrescentando as fatias de pão. Em uma tigela, misture os dois tipos de carne, a cebola e o bacon refogados, a salsinha, o ovo levemente batido e misture bem, acrescentando sal e pimenta do reino. Escorra as fatias de pão e esprema bem, misturando à massa de carne e amasse até obter uma mistura bem homogênea. Faça bolinhas do tamanho de ping pong e frite em óleo quente abundante. Escorra em papel absorvente e sirva com salada de batatas e mostarda ou com arroz branco.

(publicado originalmente na edição #23 do Simplicíssimo)

jan 19

Nogueiras fazem bem à saúde

By rafaelreinehr | Escrever Por Escrever (blog)

(publicado originalmente na Revista Literária Simplicíssimo)

Estupefacto.

Mortalmente impressionado.

Loucamente decepcionado.

Profundamente deprimido.

Cadavericamente mortificado.

Subitamente confuso.

Fantasticamente assustado.

De queixo caído.

É como me senti ao ficar sabendo do absurdo que aconteceu com os dois irmãos de Alvorada, cidade que faz parte da região metropolitana de Porto Alegre.

William e Cristian Silveira buscavam uma vaga em Engenharia Mecânica na Universidade Federal do Rio Grande do Sul, universidade mais concorrida do estado por sua gratuidade e qualidade.

Atrasados para a realização da prova, resolveram correr para chegar a tempo, antes de fecharem os portões.

Entretanto, no meio do caminho, forma abordados por policiais militares como suspeitos de atividade criminosa.

Alegação da polícia: “Antes de um fato acontecer a gente tem de intervir”.

Me questiono: que fato “estaria por acontecer”? Um roubo a banco? Um seqüestro relâmpago? A tomada de Constantinopla?

Será que o fato de os jovens possuirem a pele um pouco mais escura interferiu com a conduta dos policiais militares?

Quem fará recuperar o ano de vida destes dois jovens de Alvorada que nada mais queriam a não ser preparar seu futuro para construir igualmente um futuro melhor para nosso país?

Estamos a poucos dias de um evento chamado Fórum Social Mundial, onde questões de desilgualdade social, econômica e de raça são postas em xeque. Momento oportuno para parar e pensar realmente se somos humanos ou o quê. Às vezes, em situações como a descrita acima, acho que somos “o quê”…

Àqueles que nunca participaram do Fórum Social Mundial, fica o convite:

de 26 a 30 de janeiro de 2005, em Porto Alegre – RS – Brasil , um encontro mundial de cabeças pensantes acerca do ser humano e de seu bem-estar enquanto sociedade nesta Nau Planetária. Chance imperdível de sentir-se integrado aos semelhantes e àqueles com idéias que realmente valem a pena serem ouvidas e debatidas.

O Simplicíssimo estará lá, representado pela figura deste editor que trará as novidades na edição imediatamente seguinte ao Fórum para aqueles que porventura não puderem participar de corpo presente.

Para mostrar que, REALMENTE, Um Outro Mundo é Possível, façamos a nossa parte.

“O espectáculo (da sociedade de consumo) que é a extinção dos limites do eu e do mundo pelo esmagamento do eu que a presença-ausência do mundo assedia, é igualmente a supressão dos limites do verdadeiro e do falso pelo recalcamento de toda a verdade vivida sob a presença real da falsidade que a organização da aparência assegura. Aquele que sofre passivamente a sua sorte quotidianamente estranha é, pois, levado a uma loucura que reage ilusoriamente a essa sorte, ao recorrer a técnicas mágicas. O reconhecimento e o consumo das mercadorias estão no centro desta pseudo-resposta a uma comunicação sem resposta. A necessidade de imitação que o consumidor sente é precisamente uma necessidade infantil, condicionada por todos os aspectos da sua despossessão fundamental.”

Guy Debord, em “A Sociedade do Espetáculo”