{03/06/2000 – Sábado – 23:28}

By Rafael Reinehr | Escrever Por Escrever (original)

Jun 03

Escrito originalmente em…{03/06/2000 – Sábado – 23:28}

Certo dia ouvi dizer, em uma aula de Introdução à Filosofia que houve um certo escritor grego que escrevia cerca de 500 linhas por dia. Ao final da vida, havia escrito cerca de 700 livros. Bem, quanto à qualidade de seus escritos, não ponho a mão no fogo mas, certamente, foi esta uma idéia interessante! Há algum tempo já havia me surgido a idéia de escrever um livro que tratasse de assuntos de interesse da maioria das pessoas, como convívio social, política, bem-viver, virtude, justiça, sentido da vida e de nossas ações e humanismo em geral. Depois de vários textos isolados escritos e arquivados em meu computador, peguei a idéia daquele escritor grego e resolvi escrever um pouquinho todos os dias, de forma contínua, sem correções posteriores ao texto já escrito, mas com a possibilidade de corrigir informações ou idéias em novos escritos subseqüentes. Com certeza meu objetivo não é escrever 500 linhas por dia, mas apenas aquilo que minha criatividade ou a necessidade de expressar ou deixar registrado exigisse. As sim foi que surgiu este (para você que está lendo o livro pronto, se é que isto se tornou um livro) livro: repentinamente e ao mesmo tempo muito aos poucos. Hoje tive a idéia de colocar a data em que escrevi cada passagem e também o horário de começo e de término do escrito. Acho que isso pode ser interessante para quem ler, pois dará a noção de tempo e, quem sabe, de história, já que pretendo relatar junto com minhas idéias, leituras, citações e demais rabiscos alguns acontecimentos cotidianos atuais, tanto meus como de outras pessoas, pessoas que fazem a história.

Acho que uma coisa interessante a fazer no princípio desses meus escritos é localizar o leitor sobre quem está com ele conversando (prometo que a minha biografia será curta [pelo menos nesse momento!]). Meu nome é Rafael Luiz Reinehr, nasci na cidade de Agudo, Estado do Rio Grande do Sul, na Região Sul do Brasil, maior país da América do Sul (e, dizem alguns, país emergente do ponto de vista econômico [agora até quer fazer parte do G8!]). Estudei lá na minha cidadezinha até os 14 anos, quando vim para Porto Alegre para fazer o segundo grau e aumentar minhas chances de entrar na faculdade via Vestibular. Entrei em meu primeiro Vestibular na Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, concluí a faculdade, passei no concurso de residência médica no Hospital Nossa Senhora da Conceição e agora estou trabalhando como residente de primeiro ano nesse hospital. No começo desse ano prestei novo Vestibular, desta vez para Filosofia e, mesmo sem estudar nada relativo ao meu ensino primário e secundarista, passei em 5o lugar, novamente na UFRGS. Agora estou cursando 2 cadeiras deste curso nos fins-de-tarde de Segunda a Quinta-feira. Além disso, gostaria de deixar expresso aqui o meu gosto pela música. Tenho uma banda chamada The Brains, e estou tentando aprimorar meu conhecimento e habilidades musicais. Bom, chega de autobiografia por enquanto.

Bom, tenho que escolher um assunto para começar a falar. Estou aqui no meu quarto deitado na cama de lado, me arriscando a desenvolver uma escoliose, teclando em meu Notebook com a televisão ligada em um canal brasileiro. Isso me traz uma impressão que gostaria de deixar registrada: a falta de uma maior programação cultural e educativa em nossa televisão, que atualmente se baseia em programas de auditório com animadores, apresentação de artistas musicais, de telenovelas, programas que apresentam escândalos e besteirol dos mais variados tipos. É rara a quantidade de programas com uma qualidade mínima que nos traz alguma informação ou mensagem útil ou ao menos não agressiva e fútil. Não que eu não goste de programas divertidos, que dêem prêmios aos participantes e que tenham apresentações artísticas de qualquer forma, mas esses que aí estão, além se serem em número excessivo e ocuparem a parte nobre da programação, são vulgares e de muito mau gosto. Uma coisa que é importante ser dita agora e vale para todas as coisas que escreverei daqui para diante é que tudo isso trata-se apenas de uma opinião pessoal e não necessariamente corresponde ao que é verdadeiramente bom, verdadeiramente belo, verdadeiramente justo e verdadeiramente verdadeiro. Esse conjunto de verdades é o que estou (entre outras coisas) buscando. Mas não se esqueçam que tenho 23 anos e não sou nenhum mestre chinês ou lama tibetano, por isso não aspiro conhecer a verdade sobre as coisas, ainda mais agora ! {04/06/2000 – Domingo – 00:32}

banner do Medictando - O Bem-estar ao seu alcance

Banner da Zen Nature produtos orgânicos, sustentáveis e oriundos do comércio justo

Gostou deste post? Se ele lhe ajudou, que tal doar 1 real para que continuemos produzindo conteúdo assim?
Doação Única de Qualquer Valor via PagSeguro: https://pag.ae/blhvRmR
Regras para comentários: Tudo OK criticar, mas se você trolar, seu conteúdo será deletado. Divirta-se e obrigado por somar à conversação.

(1) comment

Add Your Reply