Livrai.me | Igreja Anarquista Livrai-vos dos Senhores

pedro-rios-leao

Nem todas minhas postagens e ideias fazem sucesso em todos os públicos (ainda bem, do contrário iria pensar que estou em um sonho egocêntrico e 🙂 ).

Uma dessas ideias polêmicas é a ideia da Livrai.me | Igreja Anarquista Livrai-vos dos Senhores.

A Livrai.me é, na verdade, um Manifesto pela autossuficiência e pela tomada de uma autoconsciência profunda por cada um de nós.

Na página inicial (livrai.me) conclamamos às pessoas que enviem fotos e uma pequena descrição de momentos nos quais elas sentiram-se verdadeiramente livres.

Leia o Manifesto completo em http://livrai.me/igreja-anarquista/

PS: Mantenho profundo respeito pelas crenças individuais de cada um, e desejo a felicidade e o bem-estar para todos os seres sencientes. Existem vantagens e desvantagens individuais e coletivas para cada escolha, teísta ou ateísta que fizermos. Os livros de história e de estatística estão aí para nos demonstrar, podemos usá-los como referência ou ignorá-los, bem como as escrituras assim ditas sagradas.

PS2: na foto, Pedro Rios Leão, na “Colheita da abstenção”.

 

Cooperativa de Compras Coletivas da Coolmeia

ccccEstando com frequência em Santa Maria, descobri ao falar com o Eduardo Luft que por aqui estão começando o processo de criação de uma Cooperativa de Compras Coletivas, mais ou menos nos mesmos moldes que iríamos desenvolver no Favo Araranguá da Coolmeia.

Ainda não participei de nenhuma reunião presencial com o grupo que está organizando a Associação por aqui, mas resolvi resgatar, lá da Rede Social Cooperativa da Coolmeia o documento que registra alguns apontamentos da CCCC – Cooperativa de Compras Coletivas da Coolmeia.

Como iria funcionar:

O foco inicial da Cooperativa é a compra de produtos alimentícios em formato “a granel” com 3 objetivos principais:

1. Ecológico/Ambiental: para reduzir a utilização excessiva de embalagens plásticas e de todos os tipos que recebemos quando compramos os produtos nos supermercados

2. Econômico: para se beneficiar da economia individual e familiar quando se compra produtos em grandes quantidades, direto dos distribuidores. A estimativa de redução de preço é de 30-40%.

3. Educativo/Pedagógico: a experiência de fazer parte de uma cooperativa e decidir coletivamente sobre como esta deve funcionar acende a noção de co-responsabilidade que todos devemos ter para com os recursos existentes, quer sejam eles domésticos, locais ou globais. No processo, questiona-se o próprio consumo e questões como valor-de-uso X valor-de-mercado.

Etapas necessárias:

1. Definição das pessoas interessadas

2. Busca e seleção da Cesta de Produtos iniciais

3. Busca e seleção de fornecedores, seguindo os critérios:

– produtos orgânicos/de agricultura familiar

– produtos produzidos à menor distância possível da cidade-sede da Associação

– produtos de qualidade

– produtos baratos

(podemos criar um índice para selecionar os produtos que nos satisfaçam, que satisfaçam a todos)

4. Definir um local de entrega dos produtos, que será o ponto de encontro para dividi-los nas porções individuais

– Em uma fase inicial, pode ser a casa de alguém, e um dia da semana escolhido para a partilha (já que nessa fase tudo será voluntário)

– Em um segundo momento (ou desde o princí­pio) pode-se adicionar um pequeno valor percentual adicional sobre a compra para poder alugar um espaço físico e/ou contratar uma pessoa para ficar neste local em certos dias da semana para partilhar os produtos. Ou idealmente, podemos alugar/escolher um local e fazer uma escala entre os próprios cooperados para cuidar do local, mantendo um livro de controle de estoque detalhado, onde se anota que produto foi para quem, de acordo com critérios pré-estabelecidos

5. Formalização da Cooperativa

6. Criação de algo como o “Supermercado do Povo” -(http://www.thepeoplessupermarket.org/) – em que as pessoas fazem parte do supermercado, podendo trabalhar em troca de alimentos

Este é apenas um esboço inicial de um modelo que pode ser experimentado localmente e replicado em outras comunidades, caso seja bem sucedido.

Da mesma forma, a Cooperativa de Compras Coletivas pode, a partir de certo ponto:

1. Estabelecer uma demanda fixa de certos produtos e estimular produtores locais a produzirem estes alimentos, evitando que os mesmos percorram longas distâncias para chegar até aqui (Agricultura Suportada pela Comunidade)

2. Passar a realizar compras coletivas de bens duráveis, que sejam interessantes para a comunidade ou para os indivíduos componentes da Cooperativa

3. Criar um Fundo de Suporte Alimentar, com um valor percentual das compras coletivas, visando beneficiar pessoas em risco da comunidade, como crianças, idosos, moradores de rua e outras pessoas necessitadas.

Quem quiser se juntar ao processo de co-criação da Cooperativa de Compras Coletivas (ou nome a ser definido) em Santa Maria (tanto como produtor ou como consumidor, preencha os dados abaixo e entraremos em contato para informar das próximas reuniões).

Se você deseja criar uma Cooperativa de Compras Coletivas em sua localidade, mas não sabe por onde começar, entre em contato também! Vamos trocar figurinhas e ajudá-lo a revisar o passo-a-passo necessário para criar tua Cooperativa e gerar acesso a alimentos saudáveis e orgânicos em tua comunidade.

’]

GoodFood – Mapeamento da Comida Boa no Brasil

goodfood2
Good Food é um portal que tem por objetivo mapear de forma colaborativa, com ajuda dos usuários, locais em que são produzidos, distribuídos, comercializados e servidos alimentos que podem ser chamados de “boa comida”, ou seja: produtos sem agrotóxicos, orgânicos, da agricultura familiar, de pequenos produtores e distribuidores, de pequenas cooperativas, restaurantes veganos e vegetarianos, produtos locais e locávoros.

 

O portal irá dispor de um sistema de revisão e qualificação, permitindo que usuários dêem notas sobre a qualidade dos produtos ofertados, permitindo uma avaliação continuada do estabelecimento e dos alimentos. Aqueles que reiteradamente forem denunciados e as denúncias confirmadas, serão retirados do catálogo.

A ideia é mapear desde fazendas de orgânicos, pequenos agricultores familiares orgânicos, restaurantes orgânicos, veganos e vegetarianos, sistemas de agricultura suportada pela comunidade, armazéns e feiras com venda de produtos saudáveis, Sistemas de compras coletivas,  comida feita localmente, de forma sustentável, livre de agrotóxicos, respeitando economicamente as pessoas que estão produzindo…

Essa ideia já foi discutida em um encontro no Ágora.cc em 9 de outubro de 2012, porém não houve força e colaboração suficientes para que saísse do mundo das ideias.

Algumas referências inspiradoras de várias etapas do processo:

Talvez, com tantas soluções complementares disponíveis, o que falte mesmo é uma que simplifique todo o processo e disponibilize, em um local só (um app, por exemplo), todas as informações necessárias de acordo com o nível de exigência do usuário.

Quem desejar apenas localizar na região em que se encontra um alimento que pode ser considerado “boa comida” pelos critérios padrão do site, encontrará. Quem desejar ir mais a fundo e buscar toda a cadeia produtiva do alimento, poderá refinar a busca e verificar inclusive (estando disponível esta informação, por parte do produtor/distribuidor) se o alimento foi trazido ao consumidor através de uma cadeia de comércio justo, sem uso de trabalho infantil ou escravo, por exemplo.

Agora, para tornar esta iniciativa ainda melhor, preciso que você, que leu até o final e chegou até aqui, colabore com algum Comentário ou Sugestão. Se quiser enviá-lo de forma privada ou deseja participar do Grupo de Trabalho do Good Food (GTGF) use o formulário imediatamente abaixo.

’]

 

Se quiser enviar de forma pública, use o sistema de comentários logo abaixo.

Seja sempre bem-vindo ao meu blog, fique à vontade para navegar em outros artigos e páginas do site, bem como em visitar e Curtir minha página no Facebook, em https://www.facebook.com/rreinehr/. É com seus insights e opiniões que vamos lapidando e aprimorando as ideias cruas que por aqui são apresentadas, cooperando, juntos, para criação de um outro mundo, melhor para todos.

 

Comida Livre – Mapa dos Alimentos Livres do Mundo

A ideia do Comida Livre nunca foi muito humilde não: tínhamos, Arthur e eu, pensando em criar um mapa que pudesse mapear desde novas mudas de árvores plantadas em ambientes urbanos (ou, porque não, rurais), mas também e principalmente, mapear hortas coletivas, hortas comunitárias, hortos medicinais, PANCs (Plantas Alimentícias Não Convencionais), locais em que fossem jogadas bombas de sementes e pontos de descarte de alimentos não comercializados.

Captura de Tela 2016-02-03 às 00.14.31

Esse portal seria tão mais importante quanto fosse se tornando mais difícil o acesso ao alimento. Hoje, apesar de todas as críticas que temos à sociedade industrial, ainda se consegue comida de forma suficiente em um país como o nosso, Brasil. Com a escassez do petróleo, o aumento dos custos de produção e distribuição dos alimentos que se seguirá nas próximas décadas, o acesso a alimentos de qualidade irá se tornar mais e mais difícil.

Mapear a Comida Livre, em primeiro lugar por uma questão de locavorismo e de soberania alimentar, mas também para defender a permanência e a existência de árvores e espaços que produzem os alimentos localmente em nossas cidades vai se tornar uma questão de “advocacia”, quando os mecanismos repressivos neofascistas começarem a ampliar seu controle para cima desse tipo de alimento que, inevitavelmente, tentará ser proibido nos anos que virão. Na Espanha, ao invés de incentivar a  produção de energia a partir do Sol, as pessoas são taxadas e desincentivadas a fazê-lo, em alguns estados dos EUA, é proibido coletar água da chuva, na Nova Zelândia, é proibido cultivar verduras e legumes em seu próprio jardim… E é só o começo.

Então, fique atentx! E aceite meu convite: visite o Comida Livre e mapeie tudo que for alimentício perto de onde você mora, estuda, trabalha. E monitore a continuidade desse alimento livre na sua cidade, além de incentivar o surgimento de mais hortos medicinais e hortas coletivas, bem como pequenas sacadas e até vasos ou latas comestíveis!

E Compartilhe essa ideia!

Tudoteca: um Espaço de Convivência, Compartilhamento e Cooperação

Imagine se você não precisasse mais se preocupar em trabalhar para juntar dinheiro para comprar coisas, e você as tivesse à sua disposição, quando precisasse, próximo da sua casa, pelo tempo que você precisar, a uma fração do custo de adquiri-la. E, mesmo que você não tivesse dinheiro, você também pudesse usufruir destas “coisas” que você necessita?

Então, isso já é possível, dentro do conceito de Tudoteca.

A Tudoteca é uma ideia que tive lá pelos idos de 2007-2008 e foi inspirada em dois conceitos: o de Cohousing (que também me inspirou a criar a Coolmeia, naqueles anos) e o conceito de Tool Library, que vim a conhecer lá por 2011-12, e ajudou a aperfeiçoar o modelo da Tudoteca.

Bem, e o que é exatamente, para quê serve e como funciona essa tal de Tudoteca? Explico. Pega um café, suco, água, mate gelado ou um chimarrão e presta atenção vivente, que a história é boa de se ouvir!

Berkeley_Public_Library_tool_lending_library,_inside

In Boulder, Colorado the Tool Library looks much like a hardware store and even rents out tools to contractors to help subsidize rental costs and membership fees for the general public.

CRC_HeaderPhotos_ToolLibrary

Imagine um lugar no qual você possa pegar emprestado “quase” qualquer utensílio de uso eventual para sua casa, local de trabalho, viagem, festa… Um local no qual estariam disponíveis para empréstimo desde ferramentas de uso eventual como furadeiras, serras elétricas, escadas de vários tamanhos, aspiradores de pó, lava-jatos portáteis, ferramentas de mão como martelos, serrotes, chaves de fenda, de boca, alicates, tornos… Além disso você poderia pegar emprestado louças, talheres, copos e toalhas de mesa para aquela festa de formatura do seu filho ou aniversário da sua filha (que se fossem alugados custariam os olhos da cara!)… E você também poderia pegar emprestados livros, revistas, CDs, DVDs, roupas, um freezer, frigobar, chaleiras, liquidificadores, microondas, forno elétrico, batedeira, panificadora… Quer acampar? Para quê comprar se você pode pegar emprestada uma barraca, lanterna, uma churrasqueira portátil, um par de rádio-transmissores de longo alcance, varas de pescar…

pratos-e-talheres

Padarias-comunitarias

Nesse mesmo espaço, encontraríamos também uma padaria comunitária, na qual os membros do coletivo que irá autogerir a Tudoteca se revezariam na produção, distribuição e eventual comercialização do excedente lá produzido. Poderíamos também ter um refeitório ou restaurante comunitário, que ofereceria refeições produzidas com alimentos orgânicos produzidos por pequenos agricultores das redondezas. O mesmo sistema de rodízio e escala de trabalho aqui também se aplicaria. E que tal um café funcionando no mesmo espaço, o dia inteiro, para quem está de passagem e quer encontrar um amigo enquanto lê um livro ou escuta uma música na vitrola que está à disposição dos associados?

Balzacs1

instrumentos-musicais

lavanderia-coletiva-wise-blog-do-parlare

E se, além disso, na Tudoteca também tivesse uma lavanderia coletiva, em que as máquinas pudessem ser usadas em troca de alguns “pontos de crédito” dos associados? E, ainda mais, se tivéssemos uma pequena Brinquedoteca para as crianças poderem se divertir enquanto os pais trabalham ou circulam pela Tudoteca?

brinquedoteca

Não seria macanudo tudo isso num mesmo lugar, agradável, aconchegante e efervescente cultural e socialmente, recebendo vez ou outra oficinas, seminários, rodas de conversa, encontros de aprendizagem informais, apresentações musicais e artísticas, saraus, cineclubes, fotoclubes, green drinks, pecha kucha nights, stand ups?

E o mais legal de tudo isso: poderia participar quem tem grana, quem tem coisas sobrando e mesmo quem não tem grana nenhuma, só um pouco de tempo para trocar. Como assim? Explico:

Tudoteca, para se tornar sustentável, funcionaria como uma associação horizontal e autogerida.

Opção 1: Se você tem grana, você paga digamos 39,90 ao mês por 300 créditos, 59,90 por mês por 500 créditos ou 79,90 por mês por 800 créditos e pode trocar estes créditos por X dias dos produtos W, Y e Z que você precisa naquele mês. Se não quer pagar mensalidade, você pode se associar e, por cada 1 real você comprar 5 créditos para poder emprestar algum bem ou serviço determinado (digamos que você só está na Tudoteca pelo maravilhoso pão de arroz integral sem glúten que a Daiane faz…)

Opção 2: Se você não tem grana, mas tem “coisas” que estão paradas na sua casa, você pode doar estas coisas para a Tudoteca – por exemplo uma parafusadeira, uma guitarra e um amplificador que você não toca mais, um jogo Banco Imobiliário e 2 decks de Super Trunfo e um secador de cabelo que sua ex-namorada esqueceu no seu apartamento – e em troca delas, você ganha créditos e passa a usá-los para emprestar coisas das quais você realmente precisa.

Opção 3: Tá! Mas eu não tenho grana e também não tenho nada para doar. Sou um estudante universitário pé-rapado, sou morador de rua, tenho um emprego que mal dá pra sustentar minha família. E agora. Preciso de uma furadeira só por um dia pra consertar algumas coisas lá em casa. Neste caso, você pode oferecer algo que todos seres vivos (enquanto vivos) temos: tempo! Você pode oferecer um sábado pela manhã da sua vida para ajudar a alcançar os objetos para quem for na Tudoteca pegá-los, pode ajudar na padaria ou no restaurante comunitários, pode ajudar na limpeza, buscando nossos hortifrutigranjeiros orgânicos ou mesmo cuidando das crianças na Brinquedoteca. Em troca do seu tempo, você ganha os créditos que você vai trocar pelo que você quiser. Sempre que eles acabarem, não tem problema: só oferecer o seu tempo novamente!

Ei, mas espera aí! Vai ter gente trabalhando na Tudoteca em troca de créditos e depois vai vender por fora para ganhar uns trocos. Mercado Negro! Pode isso? Sabe que só pensei nisso agora, nesse exato instante? Eu, Rafael, não vejo problema nisso. Mas e o resto das pessoas do coletivo, o que pensam? Acho que esse é um dos assuntos que deve ser deliberado coletivamente, bem como outros detalhes que devem ser registrados em uma Carta de Princípio e em uma Bases da Unidade (que também podemos chamar de Termos de Uso) da Tudoteca.

Tá, e essa grana que vai entrar na Tudoteca, pra quê serve? Vai enriquecer alguém? Nããão! O dinheiro que entrar será usado em parte para consertar e repor equipamentos, peças e ampliar o acervo de bens e serviços da Tudoteca, uma parte será reservada na forma de um Fundo de Emergência para os Associados, em caso de catástrofes naturais ou épocas de crise (estão vendo as nuvens negras da tempestade se aproximando no horizonte?) e uma parte será reservada para um Fundo de Multiplicação de Tudotecas, para criar a Tudoteca 2, a Tudoteca 3, a Tudoteca 4 e assim por diante, nas comunidades que forem se apresentando e demonstrando desejo de possuir uma na vizinhança.

E aí? Gostou da ideia? Supimpa né? Valeu, obrigado! Também acho! 🙂

Ah! tem outras ideias que já foram desenvolvidas pensando na expansão e no “espalhamento” de Tudotecas por todos os cantos do Brasil e do Mundo.

Quer saber quais são elas e fazer parte do time que vai planejar a instalação da primeira Tudoteca no Brasil? Coloca teu nome e e-mail aí embaixo que entramos em contato!

Agora, se você se empolgou de verdade e quer fazer parte do time que vai fazer as Tudotecas se espalharem pelo mundo, vá direto para o nosso Mapeamento de Ativos e Necessidades e apresente-se!

 

O que é o Estado?

Em tempos de repressão policial e estatal, é sempre bom refletir e estar atento aos fatos.

Tradução livre de artigo retirado da “Irish Anarchist Review”, edição 11, retirado de postagem ao Movimento de Solidariedade aos Trabalhadores da Irlanda (Workers Solidarity Movement).

man-vs-the-state

“O que é o Estado?

Mas o que é o estado? Nós conhecemos o estado por suas cortes, polícia, exército, governo e burocracia em geral. Ele se arroga ao monopólio da força legítima, um “direito” de te cobrar, multar, taxar, prender ou mesmo atirar em você e te torturar. O estado é um mecanismo pelo qual uma minoria pode manter um controle desproporcionalmente enorme sobre uma maioria. Um número relativamente pequeno de pessoas pode desencadear uma guerra que envolve milhões de pessoas, decidir qual gênero é permitido a você beijar, governar o que é permitido a você escrever em um artigo e em grande parte subsidiar atividades ecologicamente destrutivas. Fundamentalmente isso envolve um grupo de estranhos dizendo a você o que fazer ou então atacando um outro grupo de estranhos.

state-functions

Meu Guardador de Propriedade

Ao contrário da crença popular, o estado não existe para proteger a todos do mal ou prover os serviços necessários que de outra forma não poderiam ser providos. Ao invés disso, ele existe para preservar e melhorar a posição de grupos dominantes na sociedade. O estado-nação capitalista é primariamente uma ferramenta para perpetuar o sistema existente de propriedade privada – no qual uma pessoa pode possuir escritórios, apartamentos, fábricas e a terra mesmo que não consigam utilizá-la – e assim manter a gigante distribuição desigual de riqueza em nossa sociedade. Em um mundo extremamente carente, a força é necessária para parar os sem teto de tomarem casas, para parar os famintos de tomarem comida. Crucialmente o estado reenforça uma situação na qual a vasta maioria é excluída do controle da capacidade produtiva da sociedade. Isso permite a uma classe capitalista muito pequena “alugar” o resto da população em troca de salários (trabalho assalariado) e, fazendo assim, alcançar grande riqueza e poder.

O capitalismo e o estado tem uma relação simbiótica, e cresceram juntos ao longo de centenas de anos. Quando o capitalismo está encrencado (ou mesmo quando não está) o estado começa a resgatá-lo através de financiamentos, quebras de taxas, subsídios ou mesmo tomando controle direto sobre grandes setores da indústria. Em tempos nos quais o sistema está sob ameaça devido a pressões populares, as forças armadas do estado podem restarurar a ordem como uma última opção.”

1107.mettler_article

Primeiro de Maio: Automação, Desemprego, Terceirização, Precarização do Trabalho

Premissas:

# A automação pode representar a liberação dos seres humanos, no momento em que substitui a força de trabalho humano deixando-o o livre para atividades contemplativas e prazerosas

# Para que isso seja verdade, os benefícios da automação devem ser divididos entre toda a espécie humana

# É fato que, no mundo contemporâneo (2015), os frutos da automação estão sendo auferidos para uma pequena parcela desta mesma espécie humana, e são restritos a grupos econômicos, corporações e pessoas que detém o capital e os meios de produção

# O desemprego – ou incapacidade de encontrar um meio de labor que sustente de forma satisfatória a vida de um indivíduo e sua família – é uma realidade em praticamente todos Estados Nação – excetuando-se talvez o Vaticano, Liechtenstein, o Principado de Mônaco e o Principado de Sealand.

# O desemprego funciona, dentro do sistema capitalista, como uma ferramenta a serviço da precarização do trabalho e para a manutenção dos baixos salários da população assalariada, já que a massa desempregada funciona como lastro para a substituição de empregados que não se adaptam aos baixos valores praticados

# O desemprego poderia ser atenuado em parte através de uma visão mais empreendedora dos indivíduos, que, mesmo com oportunidades insuficientes, poderiam usar a engenhosidade e a criatividade para gerar renda para si mesmo, através da observação das necessidades não atendidas em cada localidade

# O desemprego poderia ser atenuado em parte através da formação de cooperativas que permitam a associação autônoma de indivíduos que se especializam em uma determinada área de atuação

# O desemprego poderia ser atenuado imediatamente, de forma top-down, através da limitação das horas de trabalho em 6 horas ou 4 horas

# A terceirização – ou subcontratação de serviços de outrem para realização de tarefas que foram a alguém contratadas – é uma faca de “dois legumes”, pelo menos no Brasil: ao mesmo tempo em que permitiria a otimização de processos produtivos e a inclusão de novos parceiros em atividades de criação de valor, quando usada de forma totalmente liberal em um mercado capitalista, acaba por gerar a perda dos direitos historicamente adquiridos pela classe trabalhadora

# A terceirização, dentro de um contexto de Economia Solidária, é uma forma de realizar tarefas e atividades produtivas que um determinado grupo, coletivo ou comunidade não tem capacidade de realizar, sendo então vista como algo mutuamente benéfico aos grupos envolvidos

# Surgem cada vez menos oportunidades de trabalhos com longo vínculo (estáveis) e cada vez mais trabalhos autônomos temporários (bicos/instáveis)

# A precarização do trabalho é ferramenta do sistema capitalista liberal para garantir a manutenção do status quo, baixos salários e contingente populacional ávido por qualquer oferta de emprego ou subemprego

# Formas flexíveis de contratação – como as derivadas da terceirização – contribuem ainda mais para a precarização do trabalho

foto de Pedro Martinelli: "Esta fotografia foi feita no dia primeiro de maio de 1971 no jogo Palmeiras X Guarani no Parque Antártica, segundos depois que o juiz colocou a bola na marca branca do meio do campo."

foto de Pedro Martinelli: “Esta fotografia foi feita no dia primeiro de maio de 1971 no jogo Palmeiras X Guarani no Parque Antártica, segundos depois que o juiz colocou a bola na marca branca do meio do campo.”

Analisando historicamente e evolutivamente o contexto no qual nos situamos, não será pela via político-partidária ou através de qualquer forma institucionalizada vinculada ao Estado e seus grupos econômicos financiadores e expropriadores que se resolverá as situações acima descritas.

A criação de alternativas deve seguir vindo de baixo para cima, com a formação de cooperativas conscientes, estabelecimento de ecovilas, ecopolos, comunidades intencionais despertas, comunidades autogestionadas com capacidade produtiva variada, aplicação de conceitos da Ciência das Redes e dos princípios da economia solidária, da cultura do conhecimento livre e da cultura peer-to-peer.

rafael_19_paris_primeiro_de_maio

Manifestação popular e trabalhista em Paris, primeiro de maio de 1999

 

Como complemento de leitura, sugiro o livro de Alexis Rowell, “Communities, Councils & a Low-carbon Future – What we can do if governments won’t”. Escrito dentro do contexto das Cidades em Transição, ele foca em vários aspectos interessantes e fundamentais para a constituição de uma vida em sociedade mais harmônica, justa, equânime, convivial e sustentável, como por exemplo a biodiversidade, eficiência energética, cooperação, água, reciclagem, trabalho coletivo e co-working, bem-estar, ativismo, boas práticas, geração de energia, transporte, espaços verdes, planejamento comunitário, etc.

Somente dentro de comunidades que são fundadas e se mantém a partir de princípios éticos claros e transparentes, que a exploração do homem pelo homem e os vícios de dominação e opressão do humano sobre o humano e sobre os outros seres pode deixar de existir.

Não será em uma sociedade na qual seres humanos guiados por interesses próprios e egoístas, a serviço de outros tão ou mais interesseiros e egoístas quanto, que conseguiremos nos livrar da hierarquia, da expropriação do tempo alheio em benefício de poucos e da humilhação de uns para o deleite de outros, substituindo-os por uma sociedade na qual os princípios de fraternidade, solidariedade, apoio mútuo, sustentabilidade e justiça social sejam favorecidos.

São pequenas reflexões para um primeiro de maio atípico, no qual o resto do dia será realmente dedicado ao descanso, à contemplação e à reflexão sobre quem somos, de onde viemos e para onde vamos…

Leitura sugerida:

Internetocracia Brasil: Desemprego e Precarização do Trabalho e comentários associados.

precarizacao

produtos-transgenicos

A verdadeira face da política: o caso da rotulação dos transgênicos

A Câmara dos Deputados aprovou em plenário o PL 4148/2008, do deputado ruralista Luiz Carlos Heinze (PP/RS). Foram 320 votos a favor e 120 contra. O projeto prevê a não obrigatoriedade da rotulagem de alimentos que possuem ingredientes transgênicos.
O projeto ruralista é um atentado ao direito à informação da população e só beneficia as empresas de agronegócio que querem esconder a origem do produto comercializado. Além do mais, quanto mais transgênicos, mais agrotóxicos. E já consumimos 7,3 litros de venenos agrícolas.
Temos o direito de saber o que colocamos no nosso prato!
” – do site do MST

transmaizena

Os deputados tem preço, a tua comida tem veneno.” – Henrique Sant´Anna

E a Câmara dos Deputados (competindo pau a pau com o Sensacionalista) mais uma vez decide tirar nossos direitos: dessa vez é para piorar a transparência (que está mais para opaca) com relação à informação sobre o que comemos.
A situação já não era legal e tende a piorar.
A solução é cada vez mais consumir alimento local (tendo contato direto com os produtores) e/ou produzir o que for capaz. Deixar de depender das grandes empresas que ditam as leis: essa é a verdadeira revolução.” – Álvaro Justen

produtos-transgenicos

Há poucos dias, eu mesmo tinha avisado que, onde há fumaça, há fogo, em uma postagem na mídia social facebook:
Salgadinho de milho sem o logo do TRANSGÊNICO, no Brasil? Será? Difícil acreditar… Yoki alimentos… vamos conferir…
No outro dia vi também uma farofa de milho sem o logo. Já achei esquisito…
Efeito antecipado da quebra da lei solicitada pelo tristíssimo deputado Luiz Carlos Heinze, que até agora obriga as empresas a notificar quando seus produtos contém transgênicos na formulação?
” – Rafael Reinehr, em postagem do facebook

transgenicos-or-not

A própria rotulação dos transgênicos, da forma que foi realizada, sem uma campanha mais ampla para toda a população, já estava sendo insuficiente. Um estudo demonstrou que a maior parte das pessoas nem sabia o que o triângulo amarelo com um T preto dentro significava:

transgenico-certo

Enquanto isso nossos pseudorepresentantes da classe corja política continuam atendendo a seus próprios interesses e de seus financiadores. Alguns de nós, ainda acreditam no sistema e, tal qual gado, de tempos em tempos comparecem aos currais eleitorais para depositar seu voto de confiança.

Enquanto a resistência não se organiza de forma suficiente, através da criação de redes cada vez mais capilarizadas e interdependentes de produtores autônomos autogestionados fortalecidos por redes de comunicação e suporte como a Coolmeia, seguimos caminhando acorrentados a um modelo que drena boa parte da nossa energia e riqueza produzida para as mesmas famílias e seus asseclas.

Neste interim, ficam algumas SUGESTÕES:

1. Empresas conscientes, sustentáveis e éticas devem começar a rotular alimentos LIVRES DE TRANSGÊNICOS!

2. Criar uma Coalisão Nacional entre produtores orgânicos e Livres de Transgênicos e criar uma LISTA, a ser tornada pública, com alimentos definitivamente livres de transgênicos. Associações como a ABRANGE, a Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e Pela Vida e a Campanha Nacional por um Brasil Livre de Transgênicos, entre outros, podem liderar esta coalisão.

3. Organizar Campanhas contínuas de conscientização ampla da população, para que a mudança seja através da informação e do contágio. Incluir professores de séries iniciais e educação básica para que o conhecimento seja retransmitido aos jovens desde cedo. Elaboração de cartilhas informativas, histórias em quadrinhos, memes para toda sorte de mídia a que estes jovens tem acesso, incluindo games e aplicativos para smartphones

livre de transgênicos

Sugestão de logomarca para produtos livres de transgênicos. Arte: Rico Silva

 

Finalizo com uma postagem do Coletivo Até o Talo, nos lembrando sobre o papel do Estado nesta triste situação:

Pra quem acha que o Estado tem qualquer preocupação com o bem estar e a saúde das pessoas, esse breve exemplo da realidade parece suficiente – essa instituição aposta na ignorância na qual mantém as pessoas para garantir as vendas das corporações transnacionais por cujos interesses se pauta.

Pra quem serve o Estado? Pra quem nele manda; pras grandes corporações, pros empresários, pra quem controla, distribui e detém os direitos sobre as sementes transgênicas e que fabrica os agrotóxicos que já éramos economicamente e por meio de pesadas campanhas publicitárias coagidos a comer e que agora, tendo o nosso direito à realidade negado, seremos enganados e obrigados a consumir.

O ônus de comprovar a procedência da sua produção não recai sobre as grandes empresas milionárias que envenenam o mundo e esgotam as terras mas, outra vez, sobre o pequeno produtor agroecológico que se vê cada vez mais prejudicado por um Estado que impõe selos e certificações caras e burocráticas no desejo de inviabilizar a pequena produção que respeita o meio ambiente e as pessoas.

O Estado é criminoso e não existe consenso ético na sua organização que leve em consideração a situação, as necessidades e a opinião das pessoas sob o seu controle. A própria existência do Estado se opõe à autonomia e autogestão dessas pessoas, porque depende que a hierarquia social e a exploração das terras, dos animais, das mulheres se mantenham. Depende da dependência inventada – forjada nas pessoas desde o seu nascimento – do seu controle. Depende do capitalismo e de um modo de produção que mata e esgota todo o tipo de vida e recursos para a vida todos os dias sem pensar duas vezes.

oracao_anarquia2

 

Sobre fazer a diferença e a indiferença à política

Já fazem alguns anos que não participo do circo eleitoral. Minhas últimas eleições nas quais efetivamente depositei meu voto nas urnas foram em 2000. Depois disso, votei em branco uma vez e, nas últimas eleições, nem saio mais de casa para votar, tampouco justifico o voto. Então, segue-se uma explicação sobre como fazer para não perder meus direitos civis e bla bla bla…
 
Para muitas pessoas, isso representa uma indiferença ao ato político. Para mim, muito pelo contrário. Meu sentimento não é de indiferença.
 
É de certeza de que outra política é possível. De que outros caminhos são desejáveis e necessários. E estes caminhos passam pela reunião de pessoas sensíveis, humanas, inteligentes e dedicadas ao bem comum em redes cooperativas significativas como a Coolmeia e outras afins.
 
Não precisamos mais ficar acuados acreditando que a via político-partidária é a única saída. Precisamos dedicar uma parcela de nossa atenção e nossas vidas a praticar, aqui e agora, a vida em comunidade e em redes autogestionadas, horizontais e confederadas que acreditamos sejam possíveis inverter este sistema opressor, excludente e corrupto que ora vigora.
 
A infraestrutura está sendo criada, modelos baseados em compartilhamento, peer to peer, sistemas de software, hardware e conhecimento aberto implementados. O "novo humano" está começando a entender os processos de tomada de decisão horizontais e já não se choca quando os reconhece.
 
No processo, muito mais do que uma mudança de cima para baixo, uma mudança cultural, na percepção de como as coisas são e como deveriam ser levam a um despertar gradual e o surgimento de uma massa crítica, que progressivamente se afasta dos caminhos da hierarquia e da pseudorepresentatividade e se aproxima da vida significativa e singular.
 
Neste dia 5 de outubro, exercite sua consciência e juízo crítico, e comece a se aproximar de redes, coletivos e movimentos que lutam e afirmam o bem coletivo sem criação de lados ou partidos. Se ainda não souber onde procurar, fale comigo. Procuraremos juntos, enquanto caminhamos e compartilhamos nosso sonho comum.

 

A impossibilidade do SUS (I e II)

Os artigos abaixo foram publicados em 2004 em vários sites da internet, em duas partes que estão reunidas nesta publicação. Foram, entre outros locais, publicados no Duplipensar , no Simplicíssimo e no Escrever por Escrever)

Eles representam uma visão pessoal que eu tinha naquela época e não necessariamente representam na totalidade minha visão atual sobre o assunto.

A impossibilidade do SUS

 

O SUS (Sistema Único de Saúde) brasileiro é uma grande utopia que já dura mais de 16 anos.

Nosso sistema de saúde é baseado em vários princípios básicos, sendo dois deles fundamentais: o da universalidade e o da integralidade.

O princípio da universalidade prega que todo e qualquer cidadão brasileiro tem direito de acesso gratuito à saúde e o princípio da integralidade diz que esse acesso deve ser irrestrito desde a consulta médica mais simples, até o exame diagnóstico mais elaborado e o tratamento mais complexo e caro disponível.

Tais princípios – e vou me ater somente a eles pois já provam meu ponto de vista – são bloqueados por alguns aspectos que discutirei agora.

O primeiro deles diz respeito à distribuição dos médicos pelos diferentes espaços do país. Todos sabemos que há médicos de todas especialidades sobrando nos grandes centros ao mesmo tempo em que há carência em muitas cidades do interior ou zonas rurais, causando o "fenômeno da multiplicação de ambulâncias e vans", no qual grande parte da verba de um dado município é destinada não a programas de assistência à saúde no próprio município mas na compra e manutenção de veículos e serviços de assistência social para organizar o transporte de enfermos para cidades vizinhas (o que é muito mais barato) – sobrecarregando assim a rede pública do outro município.

O segundo aspecto diz respeito a este mesmo assunto: há insuficiência de leitos em hospitais de assitência secundária e terciária à saúde em praticamente todas as capitais, sem citar leitos de Unidades de Tratamento Intensivo adultos, infantis e neonatais.

Devido a essa mesma falta de especialistas nos locais afastados dos grandes centros foi criado um sistema de encaminhamento onde o paciente da Unidade de Saúde periférica é encaminhado, através de um gerenciamento centralizado das consultas, para consultar nos locais onde existem estes profissionais. A questão permanece: pela insuficiência de profissionais contratados – ou pela grande demanda, você quem escolhe o ponto de vista – acabam agendando consultas com espera de 6 meses ou mais para várias especialidades.

Existe ainda outra questão fundamental que devemos abordar: a insuficiência do dinheiro destinado à saúde.

Ano após ano os custos com despesas de saúde aumentam, quer seja pelo surgimento de novas tecnologias e métodos que se tornam necessários para o melhor diagnóstico das enfermidades ( e que não substituem e toa somente acrescentam ônus aos exames anteriores ) quer seja pelo custo dos tratamentos com novos fármacos que já surgem com preços exorbitantes para compensar os custos da pesquisa farmacêutica.

Nem mesmo grandes potências e países considerados desenvolvidos como Estados Unidos, Canadá, Inglaterra e França conseguem manter um sistema de saúde público universal e integralmente gratuito. Não há disposição humana nem condições financeiras para sua manutenção.

A gratuidade do Sistema Único de Saúde Brasileiro (SUS) está com seus dias contados. O que falta? Iniciativa para mudar uma situação que já beira o insustentável.

Não existem bolsos públicos do tamanho necessário para manter a UNIVERSALIDADE e a INTEGRALIDADE que constituem o cerne do SUS.

A solução que se apresenta seria a de cobrar pela utilização da rede pública de saúde, desde a consulta médica, odonto ou psicológica, até os exames diagnósticos ou tratamentos oferecidos.

Tal ônus seria proporcional à condição econômica do favorecido e se daria até mesmo àqueles sem as mínimas condições de pagar qualquer centavo. Ficariam isentos de custo tão somente as atividades de prevenção primária à saúde, tão negligenciadas atualmente por profissionais e mesmo pacientes ¿ e maiores responsáveis pela diminuição da incidência de enfermidades.

Dia desses estava conversando com um amigo sobre o SUS. Desde os idos da década de 80 que essa utopia tenta se estabelecer. Sem sucesso. Aparentemente, cada vez mais aumenta a tecnologia necessária para o bem tratar do paciente, pois nossos incansáveis cientistas descobrem mais e mais formas de descobrir antes, ver melhor e também tratar mais adequadamente as doenças. Não é preciso dizer que toda essa melhoria que cresce vertiginosamente tem um custo. Que também cresce vertiginosamente! Fora dos parâmetros possíveis de serem abarcados por um sistema de saúde que busca ser universal (para todo e qualquer cidadão brasileiro), integral (da mais simples consulta médica e do pedido de hemograma até o mais elaborado PET scan ou angioressonância disponíveis) e gratuito.

Se a tecnologia não pára de se desenvolver, a qualidade da saúde possível de ser oferecida também não, e, ora, os custos acompanham este acréscimo de qualidade, nada mais justo do que pagar por todo esse novo conhecimento! É utópico, atualmente, conceber um sistema público de saúde que seja responsável por todo e qualquer gasto de toda a população de um país do tamanho do Brasil!

A proliferação da busca por planos privados de saúde é somente um dos sinais dessa insuficiência. Mas como então podemos resolver o problema desta saúde que anda tão capenga?

Em primeiro lugar, toda e qualquer consulta deveria ter um valor, um custo para o paciente, mesmo que simbólico. Isso evitaria, entre outras coisas, o que ocorre todos os dias em nosso sistema de saúde: consultas por frivolidades, ocupando a vez de quem realmente necessita; marcações desenfreadas para todo e qualquer tipo de especialista sem a devida avaliação ( o paciente só buscaria auxílio se realmente estivesse necessitando (sabemos que hoje não é assim) e assim por diante. O mesmo valeria para exames. Hoje, como os exames não são pagos, boa parte das pessoas nem se interessa por saber qual exame está sendo realizado. Vai consultar no clínico no Posto de Saúde em fevereiro e este lhe pede um hemograma, glicose, colesterol e triglicerídeos. Como estava com dor no peito, pede encaminhamento ao cardiologista, no Hospital A, que lhe pede uma glicose, colesterol e triglicerídeos, além de um eletrocardiograma. O paciente leva os exames ao clínico que diagnostica diabete e encaminha o paciente ao Endocrinologista. Chegando ao Endócrino no Hospital B, este solicita uma glicose, colesterol, triglicerídeos, já que o paciente não lembrou de trazer os exames nem sabe direito por que está consultando com aquele médico. Isso acontece TODOS os dias, acreditem! TODOS os dias!!!

Claro que um sistema informatizado integrado poderia resolver este último problema, mas mesmo assim, não há dinheiro público suficiente para açambarcar toda saúde da nação. Aí você vai dizer: e se o Zé Ninguém, pobre de marré de si, que mora na Rua do Sobe e Desce, número que não aparece, que não tem onde cair morto acaba caindo na Emergência do Hospital, vomitando sangue pelas orelhas depois de ter tomado todas e mais algumas, o que fazer? Cobrar como dessa figura? Tiramos-lhe as calças cagadas? De forma alguma! Este paciente precisa ser realmente ajudado! Seu problema é principalmente social. A este, se o Estado não ajudar, a morte vai logo logo pegar. Este pode ser supervisionado por uma equipe de médicos comunitários, auxiliado por uma assistente social e, inclusive, pensar em pagar seu atendimento com algum serviço voluntário. Pôxa, mas ele não tem dinheiro nem pra cachaça quanto mais pra pensar em fazer serviço voluntário! Aí é que você se engana! Para quem não ganha migalha, um serviço "voluntário" que ofereça residência temporária, alimentação e vestimenta é uma "baita mão na roda". Mas o que você está dizendo: o mendigo bebum vai trabalhar pro governo? É isso aí que estou dizendo!!! O cara morava na rua, bebia até vomitar o fígado. Agora ele vai pra uma casa comunitária mantida pelo governo, vai ter uma assistente social lhe ajudando, orientação e supervisão de uma equipe composta por, no mínimo alguns médicos comunitários, psicólogos e voluntários e vai ser, ele mesmo, um voluntário. Pode ajudar a limpar os parques da cidade, pode ajudar na cozinha da casa comunitária, pode ajudar- depois da barba feita e de uma orientação – a cuidar de crianças em uma creche comunitária. Utopia? Menor do que a de um sistema público universal integral e gratuito de saúde pública!

A idéia é essa. Todos temos que colaborar com o Sistema Único de Saúde para que ele realmente possa beneficiar a todos, integralmente e de forma verdadeiramente efetiva. Não devemos ter vergonha em aceitar que não estamos ainda prontos para realizar nosso sonho. A idéia do SUS continua sendo, em essência, fenomenal e única. O momento, infelizmente, ainda não chegou. Hora de retroceder para ganhar fôlego. Só assim sairemos deste buraco que estamos nos enfiando e nos aproximaremos do conceito de saúde pregado pela Organização Mundial da Saúde: "Saúde é um estado de completo bem-estar físico, mental e social e não meramente a ausência de doença ou enfermidade". . Até lá!