A Crise Econômica Mundial de 2008 – Proposta de Luiz Carlos Freitas

By Rafael Reinehr | Economia

Out 24

Recebi hoje uma carta do amigo Luiz Carlos Freitas, de Porto Alegre, explicitando toda sua preocupação com a crise econômica mundial e as terríveis conseqüências que, segundo ele e alguns analistas econômicos, se avizinha. Recomendo aos leitores do Escrever Por Escrever a digestão atenta do texto abaixo e, aos mais opinativos, cedo o espaço nos comentários para receber seu olhar crítico e suas impressões. Ao final, o Luis deixa seu telefone de contato para quem prefira argüir diretamente com ele.

 
"Rafael
Obrigado pela atenção.
Tenho um assunto de elevada importância que gostaria de ter a opinião do amigo e toda a comunidade sua rede de influência.
O país e o mundo todo está passando por uma terrível crise financeira e de credibilidade financeira. A continuar tal situação teremos uma catastrofe econômica com reflexos no elevado desemprego de trabalhadores e na falência do sistema produtivo mundial. A continuar a atual situação, isto vai acontecer dentro de mais alguns meses. As determinações governamentais de salvar o sistema financeiro, incorporando-os aos seus ativos não proporcionou a credibilidade dos investidores a tal ponto de inverter a realidade. Acredito que as decisões de Governos no mundo todo não estão proporcionando instrumentos de inversão ao abismo econômico mundial.
Nesta crise só tem um benefíciário. São os especuladores financeiros. Estes estão olhando a crise sem perder patrimônio, sem reflexos nas suas "guaicas". A volta a uma normalidade só poderá ocorrer se estes tiverem que arcar com o ônus de uma reviravolta. Para tanto, os Governos e Bancos Centrais dos Páises deveriam determinar a devolução de parte dos investidores dos respectivos ganhos da especulação á partir de determinado momento.
Uma medida que nos parece eficaz e certamente a população mundial receberia com muita satisfação era fazer com que os bancos a nível mundial, extornassem todos os ganhos (parte do lucro nas operações) recebidos em Bolsa de Valores e de Mercadorias, á partir de 1º de julho de 2007.
Todos esses recursos iriam para um fundo e seriam para compensar os prejúizos que outros investidores tiveram desta data citada para cá, em seus resgates. Os Governos dos países que tomarem tal determinação permitiriam que os especuladores possam compensar o Imposto de Renda pago sobre os ganhos dos referidos investimentos.
Ambas as medidas, não teriam maiores dificuldades de realização pelos Governos, e proporcionariam uma nova onde de credibilidade ao Sistema Financeiro.
Uma outra medida para salvaguardar o futuro do sistema é limitar os ganhos especulativos a um determinado patamar, exemplo 20 % a.a., de modo a fazer com que, quem quiser ganhos superiores façam seus investimentos no sistema produtivo, gerando riquezas e empregos.
Se você entende que estas são ótimas alternativas, procura circular a proposta e informar quem tem poder de decisão no país e no exterior. Certamente o Presidente Lula e o Meireles no BACEN poderiam ser informados da idéia e quem sabe serem os protagonistas de uma ação de inversão da realidade e do retorno a credibilidade financeira no país e no mundo, evitando a evasão de recursos públicos para apagar o incendio.

Luiz C. Freitas – CPF 0008478860.00 – 51 – 99791122"

Para entender mais a atual crise econômica mundial, leia também os seguintes artigos:

* Zeitgeist – O espírito do tempo

* Um Mundo sem Dinheiro é Possível

* Decrescimento Sustentável – Uma nova forma de pensar e evoluir

* 7 Propostas para um Brasil Melhor

* O Voto Contínuo – Ação Popular, Democracia e Mudança


Banner da Zen Nature produtos orgânicos, sustentáveis e oriundos do comércio justo

banner do Medictando - O Bem-estar ao seu alcance

Gostou deste post? Se ele lhe ajudou, que tal doar 1 real para que continuemos produzindo conteúdo assim?
Doação Única de Qualquer Valor via PagSeguro: https://pag.ae/blhvRmR
Regras para comentários: Tudo OK criticar, mas se você trolar, seu conteúdo será deletado. Divirta-se e obrigado por somar à conversação.

(52) comments

Add Your Reply