Tag Archives for " conhecimento "

Senescência
jul 13

Endocrinologia da Senescência

By Rafael Reinehr | Senescência

SenescênciaComo endocrinologista, sempre estudei tudo o que dizia respeito aos nossos hormônios e ao nosso metabolismo, além de recentemente e cada vez mais ter me dedicado também ao estudo da nutrição humana e melhores formas de manter nosso corpo forte e saudável por mais tempo.

Dentro deste pano de fundo, a Endocrinologia da Senescência começou a se tornar cada vez mais interessante para mim. Saber quais mecanismos levam a um maior envelhecimento em algumas pessoas e aprender a como retardar estes processos está se tornando parte mais e mais importante dos meus estudos.

Chegou a hora de armazenar e organizar este conhecimento, talvez na forma de um arquivo virtual e, porque não ao cabo de um par de anos, em um livro. O desejo já está posto, o conhecimento de base já tenho, vou atrás agora do que de mais novo se produziu no conhecimento científico nesta área tão interessante.

Quem já vibrou comigo com esta decisão foi meu amigo Eduardo Sabbi, médico psiquiatra e dono do Centro Geriátrico Vitalis, uma das melhores (senão a melhor) Clínica Geriátrica de Porto Alegre.

Acompanhe a saga do conhecimento da Endocrinologia da Senescência nesta subseção do site. Todo novo artigo publicado sobre o tema será publicado na aba Senescência do site. Dúvidas e questões pertinentes poderão ser enviadas através do Formulário de Contato e poderão virar um artigo que tentará esclarecer a seção.

abr 05

Sexta-feira, 16 de abril de 2004 O fim dos blógues – O fim de uma Era ou Vamos colocar Fluoxetina…

By Rafael Reinehr | Escrever Por Escrever (blog)

O fim dos blógues – O fim de uma Era ou “Vamos colocar Fluoxetina nesta água?”

campo de arroz amarelo.jpg

Tenho notado um fenômeno estranho nestes últimos meses, especialmente nas últimas semanas: vários blogueiros do meu círculo de amizades tem desistido de seus blógues, alegando cansaço, esgotamento de idéias, falta de tempo…

Aperceberam-se, como acontece com todos nós, depois do ímpeto fulguroso inicial, que encanta e nos torna um apaixonado pela Blogosfera que deixamos um pouco de lado nossas vidas reais e dedicamos cada vez mais tempo a este mundo hipertextual e virtual.

Vamos nos afundando em um mar de ilusões: alguns em busca do sucesso (querem atingir o topo dos blógues mais acessados ou ter dezenas ou centenas de comentários em cada pôust); outros realizando psicoterapia aberta, chorando suas mágoas e seus problemas em público; outros ainda querem tão somente ter “um lugar para guardar e/ou mostrar seus escritos, suas idéias; outros querem revolucionar, criar seitas e seguidores, propagandear, colocar fogo…

Não importa onde nos incluamos nestas ou em outras categorias de blogueiro, todas intercambiáveis e sem limites precisos, o certo é que participamos de um fenômeno particular a este começo de milênio que nem Nostradamus havia previsto: o da globalização do conhecimento e do direito à comunicação.

Com a Internet e suas possibilidades (e me desculpem se estou repetindo o que é senso comum), qualquer um de nós pode, a cada instante e quase instantaneamente, tomar conhecimento do que acontece em virtualmente quase qualquer canto habitado do planeta e comunicar-se com aquele habitante.

Esta facilidade foi progressivamente se tornando mais e mais acessível, culminando no fim da década de 90 e de forma mais significativa no começo do presente século com aquilo que chamamos de blog, weblog ou blógue, como prefiro.

O blógue, espécie de site (ou sítio) revisitado, surgiu como uma forma gratuita e de fácil edição (significando acesso mesmo a pessoas com parco conhecimento de informática), ganhando rapidamente adeptos em todos cantos do planeta.

A rápida explosão e o surgimento de milhares de blógues novos a cada dia, por que não dizer a cada hora, constitui o “Fenômeno Blógue”, que no ano passado foi responsável pelo surgimento de mais de 5 milhões de blógues nos 8 principais provedores. Entretando, em uma pesquisa realizada pelo Perseus Institute (http://www.perseus.com) , 2,72 milhões estão praticamente abandonados, sem atualizações. 1,09 milhões foram criados e alimentados com informações apenas no dia de sua criação, 1,63 milhões foi abandonado após 126 dias de atualizações e 132.000 não foram atalizados após 1 ano ou mais. Só 13,6 mil foram retomados de pois de abandonados. Na mesma pesquisa, o Instituto verificou que os homens são mais propensos a abandorarem seus blógues (46,4% contra 40,7% das mulheres). Outro achado curioso foi o fato de que apenas 106,5 mil blógues eram atualizados pelo menos 1 vez por semana e menos de 50 mil atualizados diariamente.

Mesmo com estes dados, o número de novos blógues criados ainda supera em muito os abandonados, levando a capacidade dos provedores do serviço para o beleléu, já que os ganhos com publicidade foram ultrapassados pela rapidez de crescimento do fenômeno que teve de ter suas rédeas encurtadas.

Hoje, a maioria dos provedores, como era de se esperar, limitaram em muito o tamanho máximo dos blógues gratuitos e até mesmo do serviço pago, já que muitos previamente ofereciam hospedagem de imagens como fotografias, que rapidamente aumentam o tamanho dos arquivos hospedados.

Como tudo que sobe um dia desce (dizem…), depois da ascensão de uma grande nação inevitavelmente vem a sua queda, zênite e nadir, passamos neste momento por um período de “mortes controladas”: assim como no corpo humano, em que as células realizam sua morte de forma programada (apoptose) a fim de possibilitar o surgimento de células novas e revigoradas em seu lugar, vários blogueiros, alguns acompanhando o fenômeno desde o princípio, outros mais novatos, estão desistindo de manter seus blógues.

Será esta tendência um anúncio preliminar funesto do fim do Fenômeno? Serão apenas falsos sinais de fumaça a indicar uma expectativa errônea? Será que o aspecto individual, eminentemente depressivo e cinzento de alguns blogueiros, para os quais o eletrochoque seria a solução definitiva o responsável pelo que estávamos a discutir? Ou será que ler o livro de Haim Grumspum sobre resiliência os manteria na ativa?
Creio eu que muita água ainda vai rolar até que que a solução definitiva a esta questão se fixe. De qualquer forma, as respostas não serei eu a dar…

set 30

Bem-vindo a O Pensador Selvagem!

By Rafael Reinehr | Novidades!

    São tempos de Efervescências, mesmo… Está surgindo no horizonte um novo modo de perceber a internet e a blogosfera, algo que tem suas origens bem antes da web 1.0, utiliza conceitos da web 2.0 mas cujos limites vão além, tocando de forma intermitente o desconhecido. Este novo modo já tem nome: O Pensador Selvagem.

    Uma revista. Um site. Um portal. Um condomínio de blogs. Uma comunidade. Uma rede. Um painel. Um ponto de encontro, de convergência. Uma experiência de autogestão. Tudo isso ao mesmo tempo, constituindo um todo que é maior que a soma de suas partes, já que o todo comporta, além das partes, também as relações entre elas, em concordância com o que diz Edgar Morin

 

Objetivo: ser uma revista multicultural ampla, eclética, envolvendo desde a literatura passando pelas artes plásticas, cênicas, música, ecologia, gastronomia, política, economia, história, direito, filosofia, quadrinhos, cinema, antropologia, arquitetura, sociologia, sexologia, fotografia, religião, espiritualidade, comportamento, utilizando para sua apresentação e divulgação os meios virtuais escritos, mas também imagens, sons, vídeo e prota-organizando encontros virtuais e reais transdisciplinares entre seus colaboradores e visitantes.

O Nome: “O Pensador Selvagem” deriva da idéia de um indivíduo tentando escapar de sua animalidade, entretanto encerrado nesta e relacionando-se constantemente com os conflitos derivados desta relação. Percebe-se “O Pensador Selvagem” como indivíduo, mas também como “coisa”, como representação de um coletivo ou de um objeto mecânico ou quântico, físico e metafísico simultaneamente, que aceita dentro de si todos paradoxos, entre os quais o de pensar e ser selvagem ao mesmo tempo. Na essência, é impossível negar a animalidade que há em nós, ditos humanos. Alguns tentam esquecer, ludibriar o lado bicho, mas isto é uma ilusão.

A Motivação: existem hoje no Brasil numerosas “revistas virtuais culturais”, abarcando uma ou mais áreas desta rica cultura, recebendo textos originais de pensadores e praticantes autônomos das mais diversas áreas do conhecimento humano. Muitas delas, com excelente desempenho dentro do seu foco de atuação. Existe, entretanto, uma carência na busca de integrar estas diferentes áreas na criação de um conhecimento sintético e representativo destas áreas. Carecemos de uma “quebra das fronteiras” entre as disciplinas, que dialogam sim, entretanto não mais do que duas ou três ao mesmo tempo. Buscaremos transformar “O Pensador Selvagem” em um grande fórum onde criadores possam, de forma singular, interagir entre si, usando para seu benefício os estímulos recebidos e alimentando o grande coração d’O Pensador. Este, por sua vez, servirá de propulsor para novas mudanças que, em moto perpetuo alimentará a espiral do saber sensível gerando satisfação, bem-estar e novo conhecimento.

O Começo: a etapa inicial da concretização deste ambicioso projeto é agrupar um número significativo de pessoas ou coletivos qualitativamente relevantes dentro dos grupos culturais que representam e tornar estas pessoas ou coletivos responsáveis, dentro d’O Pensador e fora dele, pela criação e coleta-receptação dos produtos nas diferentes mídias e meios além da divulgação da idéia entre grupos semelhantes ou dessemelhantes. Cada grupo, que provisoriamente será chamado de Seção (até que nome melhor venha a ser utilizado), deverá concatenar esforços e se autogerir com o objetivo de, na freqüência que lhe for possível, trazer conhecimento e estímulo produzidos dentro do grupo ou fora dele para “O Pensador Selvagem”, tratando de gerenciar também a entrada de novos membros no grupo. Estes novos membros, automaticamente farão parte da comunidade maior, transdisciplinar. É importante manter a noção da troca de experiências entre os diferentes grupos como forma de ampliar os estímulos recebidos e assim aprimorar o senso de integração, fraternidade e multiplicação características de uma comunidade harmoniosa.

A Idéia: assim como Kafka, em suas cartas para Felice confessou-lhe que o lugar ideal para escrever seria a mais profunda galeria de uma caverna, apenas acompanhado de uma lamparina e o material necessário para a escrita, sendo que lhe levassem o alimento até a porta da caverna – e esse seria seu único passeio, buscar comida, para depois tornar a escrever – hoje padecemos da ultramultitude de informações que infestam todos nossos sentidos. Perdemos a noção do silêncio e da solidão, no sentido estrito do termo. Como criar, num mundo assim? Como pensar (n)um mundo assim?

Desafios: um dos objetivos mais ambiciosos de “O Pensador Selvagem” é integrar, em um só ambiente, o popular e o erudito, samba e orquestra, ou seja, o senso comum e o acadêmico. Colocar para conversar estas verdades por vezes tão distantes que até parecem de mundos diferentes. Ensinar, através do confrontamento dialético, uma a enxergar pelos olhos da outra. Praticar constantemente a alteridade. Aqui, o míope se torna hipermétrope para somente depois bem enxergar e vice-versa. Há que se exercitar a humildade, a paciência e a tolerância. Há que se despojar de preconceitos ou mesmo de conceitos bem fundamentados para conseguir dar um salto intelectual, um salto espiritual, um salto selvagem, super-humano.

 

   Nos próximos dias, mais novidades. Mas sem pressa, porque o bolo do forno da vovó é mais gostoso.

ago 12

16/05/2003 – #023 – Febre de rachar a boca!

By Rafael Reinehr | Editoriais

Uma das coisas que mais tenho apreço é ao conhecimento. Ao lado das formas mais variadas de expressão artística, o conhecimento tem cadeira cativa no rol de preferências da minha vida. De tal forma, qualquer pessoa que possa me trazer conhecimento (quer seja técnico ou mesmo humano) pode ter certo que terá meu respeito. Não tenho vergonha em me espelhar em pessoas a minha volta e mesmo dizer isso para elas. Sou propagandista número 1 daqueles que me ensinam coisas. Agora mesmo, aprendendo a lidar com o Dreamweaver e programação HTML: esse é um conhecimento que nunca vai me deixar, e graças ao meu grande amigo Eduardo Sabbi, vou levar comigo um conhecimento que pode abrir várias portas. Continue lendo

Quem Diz Que Não é Lua Cheia
jul 01

Por quê um Curso de Fotografia?

By Rafael Reinehr | Curso de Fotografia

    A partir da próxima semana, estarei ministrando um Curso de Fotografia previsto para durar (ao menos) 52 semanas. Muito do material aqui contido foi coletado durante os 2 anos em que estudei fotografia de forma autodidata, enquanto juntava dinheiro para comprar minha primeira D-SLR (máquina fotográfica digital profissional com lentes intercambiáveis).
    Em fevereiro de 2004 consegui finalmente adquirir minha Nikon D100. Um sonho. Finalmente poderia colocar em prática todo aquele conhecimento represado nos anos anteriores, oriundo da…

Continue lendo

jun 06

14/02/2003 – #010 – Editorial

By Rafael Reinehr | Editoriais

     Volta e meia questões concernentes à Bioética permeiam nosso dia-a-dia. E cada vez mais isso vai acontecer. Quem lembra do filme Gattaca (guanina, adenina, timina, timina, adenina, citosina, adenina) achou bastante familiar os acontecimentos dos últimos dias. Me refiro à forma com que a menina Roberta foi testada para excluir a possibilidade de Vilma, a seqüestradora do Pedrinho, ser sua mãe. Para quem está por fora ou está chegando de viagem do exterior hoje, a história é mais ou menos assim: uma senhora, há mais de vinte anos atrás, seqüestrou uma, duas ou sabe se lá quantas crianças, mas não foi descoberta. Há alguns meses, descobriu-se que um de seus filhos na verdade não o era, e sim de outra família, pois ela o havia seqüestrado ao nascer, e haviam dito a verdadeira mãe que seu filho havia morrido. Como se isso já não bastasse, agora se suspeitava que outra filha sua na realidade também poderia ter sido seqüestrada. A moça recusou-se a prestar o exame de DNA mas uma investigadora do caso sugeriu examinar a saliva que a moça deixou em uma bituca de cigarro. A saliva foi, sem o conhecimento da moça, enviada para análise e se descobriu que a mesma não é filha legítima de Vilma. 

Continue lendo

maio 29

Segunda, 5 de Janeiro de 2004

By Rafael Reinehr | Escrever Por Escrever (blog)

{Segunda-feira, Janeiro 05, 2004}

 

Das delícias de preparar um pôust

Não sabia se escreveria em prosa

Ou ousaria tentar em poesia

Este pôust que versa sobre as delícias

Proporcionadas pela nova tecnologia

Decidi fazer uma mistura

Entre essas duas formas de escrever

Para tentar mostrar a quem lê

Como um blógue pode nos dar prazer

O bom blogueiro é um grande comentador. Pega o mundo, seleciona os principais ingredientes, coloca-os em um caldeirão e com temperos tirados de sua bolsa mágica de idéias cria pratos magníficos para alimentar e deliciar seus interlocutores.

Delícia que podemos comparar a um prato no seu sentido real, a uma música recém-composta e cheia de viço , a um quadro ou escultura cuidadosamente criados e saborosos de ver. Há também, é claro, aqueles feitos com desleixo, sem preocupação alguma com transferência de conhecimento, geração de informação estética ou ética e acabam por ser unicamente depósitos de acontecimentos do dia-a-dia, com relativamente pouco valor….

Continue lendo

Rafael Reinehr
jun 30

Quem sou

By Rafael Reinehr | Nonsense

Eu sou um escritor que não é.Rafael Reinehr

Eu sou um músico que não é.

Eu sou um fotógrafo que não é.

Eu sou um cineasta que não é.

Eu sou um filósofo que não é.

Eu sou um pintor que não é.

Eu sou um médico que não é.

Eu sou um ecologista que não é.

Eu sou um amante que não é.

Eu sou um pai que não é.

Eu sou um filho que não é.

Eu sou um homem que não é.

Eu sou aquilo que sou,

E assim sendo,

Sou aquilo que ninguém mais é.

Resolvi armazenar aqui algumas “auto-definições” que publiquei em várias fases da minha vida.

O perfil abaixo é o que aparece no site Simplicíssimo, do qual sou fundador e editor, escrito em 2003:

Rafael Luiz Reinehr. Ser pensante. Médico especialista em Medicina Interna e Endocrinologia, escritor, músico, fotógrafo teórico, holoterapeuta e criador da terapia integral, leitor contumaz de tudo que cai nas mãos, inventor de teorias sociais, antropólogo em essência, membro do Corpo Clínico do Dr.Gate e Centro Geriátrico Vitalis, artista plástico em desenvolvimento, atleta não praticante, futuro yogue, presidente da Medic’Arte, The Brains Corporation, Editora SuperJazz7 e do selo musical Os Decibéis Impossíveis, membro do Pigmeu Moral, degustador de chá de jasmim, comida chinesa e sorvete de flocos, colecionador de girafas , colaborador do Núcleo para a Excelência Humana da UFRGS, freqüentador de brechós, do Sarau Elétrico e da Cidade Baixa, cultivador em potencial de bonsais, filósofo prático, fã dos Mutantes, do Frank Jorge e do Luís Fernando Veríssimo, fiel ardoroso das Viagens Etéreas e Psicodélicas Impressas no Éter Universal, namorado da Carol e editor do site Simplicíssimo (www.simplicissimo.com.br) As fotos contam um pouquinho da minha história;

Aí embaixo, foi como me apresentei na coluna “Bravo! A vida é simples!” no coletivo Metáphoras, em 2005.

Rafael Luiz Reinehr nasceu em Primeiro de Julho de Mil Novescentos e Setenta e Seis e há mais de dez anos ouve vozes no chuveiro que lhe dizem o que fazer. Mora em Santa Maria da Boca do Monte, no Rio Grande do Sul. Agnóstico, Anarco-Humanista, tira fotos da vida com a percepção cada vez mais afiada característica daqueles que amam o conhecimento. Exercita a sensibilidade através de relações progressivamente mais próximas com o outro. Dorme só de cueca no verão. Mantém o sítio Simplicíssimo e está definitivamente envolvido com seu projeto megalomaníaco Armazém de Idéias Ideais (armazemdeideias.org). Adora sorvete de flocos e um dia de chuva próximo de quem ama. Já ouviu falar em trabalho mas não sabe direito do que se trata. Caminha contra o vento, sem lenço nem documento. Andam dizendo por aí que também é médico endocrinologista, mas se fosse você, não acreditava não…

Em 2007 fundei o site e coletivo de blogs O Pensador Selvagem, então coloquei a seguinte descrição no “Quem é”:

Rafael Reinehr é um escritor que não é.

Como profissão, escolheu a Medicina em 1993, em um páreo duro com as Ciências da Computação. Formou-se na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) em 1999, realizou residência médica em Medicina Interna em 2000-2001 e em Endocrinologia e Metabologia em 2002-2003 no Hospital Nossa Senhora da Conceição, em Porto Alegre – RS.

Durante a especialização, cursou Filosofia e depois Ciências Sociais na mesma UFRGS, sendo chamado a servir à pátria no ano de 2004. Um ano (quase) perdido.

Já publicou livros, plantou árvores, e agora só falta ter um filho. Já gravou CD com sua banda The Brains e adora ler e escrever. Fica angustiado quando, por qualquer motivo, precisa deixar a leitura e a escrita em segundo plano.

Já manteve vários blogs e sites desde 2003, dentre os quais se destacaram o Escrever Por Escrever, o site literário Simplicíssimo e seu site pessoal Reinehr.org. Perto do final de 2006 surgiu a idéia de desenvolver um projeto colaborativo que pudesse integrar diferentes áreas do conhecimento e fazê-las conversar entre si. Este projeto está gradualmente se concretizando n’O Pensador Selvagem, com ajuda de um grupo fantástico de selvagens pensadores.

Tem certeza que este perfil está incompleto e pretende melhorá-lo no decorrer de 2009.

Um texto muito espirituoso que fala sobre mim foi escrito pelo amigo Felipe de Amorim, e no Simplicíssimo podemos ver uma brevíssima entrevista feita comigo pelo editor interino Marcos Pedroso.

Quem preferir algo mais sério ou “técnico”, pode analisar meus estudos médicos acessando meu Curriculum vitae profissional.

Uma visão mais detalhada da minha vida na web até os 31 anos pode ser encontrara aqui: 31 anos, algumas conquistas

Abaixo vai uma espécie de “Coisas que fiz” nos últimos anos (devo concluir o registro até o final de outubro de 2010):

pré-1999:

– Entrei em contato com Tomas Morus e seu “A Utopia” e Henry David Thoreau, e seu “A Desobediência Civil” – talvez o embrião de minha relação com o pensamento libertário
– curso de História da Ciência Ocidental com Moacyr Scliar e Ivan Izquierdo e de Antropologia de Culturas Urbanas com Ruben Oliven, no Instituto Fernando Pessoa
– curso O Pensamento Complexo de Edgar Morin, no Instituto Pichón Riviére
– conclusão do Inglês Avançado e especialização em Tradução no Instituto Cultural Brasileiro Norte-Americano
– …

1999:

– Idealizei a Grande Cooperativa Mundial, um sistema de troca de bens e serviços baseados na web, hoje trazida à realidade por organizações como a STRO e o InSTROdi, com seu software Cyclos
– Criei o fanzine Simplicíssimo (que em 2001 virou e-zine e em 2002, website – talvez o fanzine literário virtual com periodicidade semanal de maior duração da internet brasileira, funcionando ininterruptamente de outubro de 2001 a abril de 2010)
– publiquei Antologia Poética, pela Editora Shan, de Porto Alegre
– entrei em contato pela primeira vez com os pensadores Fritjof Capra (O Tao da Física, Ponto de Mutação, Teia da Vida), Howard Gardner (Teoria das Inteligências Múltiplas), …
– formei-me, em 10 de dezembro de 1999, em Medicina pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul
– …

2000:

– comecei a fazer especialização em Medicina Interna no Hospital Conceição
– entrei no curso de Filosofia da UFRGS
– entrei no curso de Ciências Sociais da UFRGS
– descobri que é uma delícia rechear pão de queijo com chocolate ou nutella!
– abri meu primeiro consultório médico, uma sublocação de sala no centro de Porto Alegre

– …

2001:

– concluí a residência médica em Medicina Interna
– inspirado no fanzine, criei o e-zine Simplicíssimo, inicialmente enviado para 33 amigos
– …

2002:

– iniciei residência médica em Endocrinologia e Metabologia, no Hospital Nossa Senhora da Conceição, em Porto Alegre – RS
– …

2003:

– concluí a residência médica em Endocrinologia e Metabologia e me tornei especialista na área
– consegui o Título de Especialista em Endocrinologia e Metabologia da SBEM
– criei um blog-forum que durou menos de um mês, chamado Politikaos: http://politikaos.blogspot.com/ (25/02/2003-10/03/2003†)
– criei uma versão embrionária do que viria a ser o Simplicíssimo, o Tudo Está Impresso no Éter Universal (http://www.tudoestaimpressonoeteruniversal.blogspot.com/), que depois virou Tudo Está Escrito no Éter Universal (http://tudoestaescritonoeteruniversal.blogspot.com/) e que depois foi incorporado no Simplicíssimo, que passou a ter o subtítulo “Viagens Etéreas e Psicodélicas Impressas no Éter Universal” – http://simplicissimo.com.br/ – A história completa e detalhada das minhas andanças online iniciais pode ser lida aqui: http://reinehr.org/efervescencias/quase-filosofia/31-anos-algumas-conquistas
– em 14 de dezembro de 2003 surgiu o Escrever Por Escrever, meu primeiro blog pessoal – novamente, veja a história completa no link acima

2004:

– comprei minha primeira máquina fotográfica digital, uma Nikon D100
– mudei-me para Santa Maria, compulsoriamente, para cumprir o “serviço militar obrigatório” no Hospital de Guarnição daquela cidade – fui morar com minha então namorada e atual esposa, Carolina Schumacher
– montei meu consultório de endocrinologia, inicialmente com a dermatologista Dra. Rosane Spiazzi e depois com a maravilhosa colega endocrinologista Silvia Londero, em Santa Maria
– minha primeira fotografia foi publicada em revista de circulação nacional, a Fotografe Melhor, na edição de maio
– cursei Extensão em Cinema Digital, na UFSM, tendo filmado 3 curtas e 1 média-metragem, sendo que O Envelope Azul, de Lunara Dias, ganhou 4 prêmios no Festival de Cinema Santa Maria Video e Cinema
– ganhei meu primeiro prêmio em concurso fotográfico, uma Menção Honrosa na categoria Preto e Branco Amador do Concurso Fotográfico Cidade de Santa Maria
– criei o roteiro do curta-metragem “A Maleta”
– …

2005:

– lancei o Armazém de Ideias Ideais – http://armazemdeideias.org
– organizei o Sarau Eléqtrico, juntamente com Marlon Schirrmann no Coyote Bar e Restaurante em Santa Maria – RS – Na estréia, participação especialíssima de Frank Jorge, da Graforréia Xilarmônica
– participei de um coletivo literário que se reunia todas às quintas-feiras no Coyote Café, juntamente com Vitor Biasoli, Orlando Fonseca, Athos Miralha, Antônio Cândido, Leonardo Brasiliense, Escobar Nogueira e Aguinaldo Severino
– lançamos o Selo Editorial Expresso Impresso
– lançamos o livro coletivo Café dos Confrades, coletânea de crônicas – http://reinehr.org/literatura/meus-livros/cafe-dos-confrades
segundo lugar na categoria Preto e Branco Amador do Concurso Fotográfico Cidade de Santa Maria
– organizei e ministrei o curso Curso de Fotografia para Iniciantes com Ênfase em Fotografia Digital
– …

2006:

– lancei o Escrever por Escrever no novo endereço (http://reinehr.org)
– fundamos o FotoClube Santa Maria
– …

2007:

– mudamos, Carol e eu, para Araranguá – SC
– idealizei e fundei, após apresentar a ideia a Milton Ribeiro, O Pensador Selvagem, um portal de colunas e artigos que perpassam áreas tão variadas como cinema, artes plásticas, demografia, política e matemática, e o condomínio OPSBlog, com um time de blogueiros de primeira
– …

2008:

– casei-me com  Carolina Schumacher, em 12 de abril
– lançamos o livro coletivo O Maquinista Daltônico – Crônicas, e O Maquinista Daltônico – Poesias
– …

2009:

– fundei a Coolmeia, Ideias em Cooperação, uma incubadora de ideias altruístas. Uma rede idealizada para conectar pessoas com a finalidade de desenvolver e aperfeiçoar ferramentas, modelos, técnicas e atitudes em busca de um mundo social e ambientalmente mais justo, responsável e sustentável.
– …

2010:

– em 11 de maio, nasceu a coisinha mais importante da minha vida, meu filho Benjamin
– fundei, em conjunto com outros colegas Araranguaenses, o coletivo APonte! – Rede de Educadores Livres – RELigando Saberes, com o objetivo de melhorar a educação e ampliar a cultura no sul catarinense
– fui fundador do CineAvenida, o CIneclube de Araranguá
– fui fundador do Fotoclube Araranguá
– fundei o Green Drinks Araranguá
– co-idealizei e organizei o Celeiro de Oficinas
– comecei a desenvolver o Mapa da Educação Democrática e Libertária, idealizado por José Pacheco e pelos Românticos Conspiradores
– palestrei no Seminário Vivo em Educação, sob o tema Ivan Illich e a Sociedade Desescolarizada 40 anos depois – http://www.slideshare.net/RafaelReinehr/ivan-illich-sociedade-desescolarizada-ii-o-retorno
– apresentei o projeto Teias de Aprendizagem no Festival Vivo de Ideias Inovadoras em Educação – http://www.slideshare.net/RafaelReinehr/teias-de-aprendizagem-7722249
– criei o Jornal Em Transe – Um breve resumo das atividades nas quais invisto meu tempo – http://reinehr.org/em-transe.pdf

– comprei minha segunda máquina fotográfica digital, uma Canon 5D Mark II, e duas lentes – uma 25-104mm f/4.0 e uma 16-35mm f/2.8

2011:

– fundado o favo Vale do Aço da Coolmeia (13/01/2011)
– palestrei na Conferência Internacional de Redes Sociais / Conferência Internacional de Cidades Inovadoras, em Curitiba, apresentando a Coolmeia, Ideias em Cooperação
– fundado o Favo Porto Alegre da Coolmeia (16 de abril de 2011)
– palestrei com o tema Saúde para os professores e funcionários da Escola Educação Criativa, de Ipatinga – MG – http://www.slideshare.net/RafaelReinehr/sade-9123636
– palestrei para a sociedade, coletivos e ONGs de Ipatinga sobre o tema Redes Sociais e o Desenvolvimento das Cidades
– palestrei na UFSC, falando sobre As Redes e as Mídias Sociais e seu papel na mudança social
– fundado o Favo Araranguá da Coolmeia (16 de julho de 2011)
– palestrei no III Encontro Catarinense de Escritores e no I Encontro Internacional de Escritores de Alfredo Wagner, falando sobre “A Literatura enquanto catalisadora da mudança social” – http://www.slideshare.net/RafaelReinehr/a-literatura-enquanto-catalisadora-da-mudana-social
– em 01 de dezembro nasceu meu amado filho Conrado, minha preciosidade e também coisinha mais importante da vida

 

2012:

 

JANEIRO

– 01/01 lancei o site do CEHLA e o fundei “oficialmente”
– 10/01 – alugamos a casa da Sete de Setembro, onde ficará o Café com Mistura, nosso Café Contracultural e sede de algumas atividades contraculturais locais




– 26 a 29/01 – participei do Fórum Social Temático, em Porto Alegre – no dia 28 apresentei a oficina “Transição para uma Melhor Política, Economia e Humanidade – Propostas de Ações Práticas para a Mudança Social”

FEVEREIRO

– 07/02 – recebi o convite da Insite para integrar o Conselho Administrativo da Insite



– 21 e 22/03 – organizei o III CarnavalSofia – http://reinehr.org/efervescencias/quase-ideias/iii-carnavalsofia-2012

MARÇO


ABRIL


MAIO


JUNHO

– Participei, de 13 a 22 de junho de 2012, da Rio+20, Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável. Em verdade, participei da Cúpula dos Povos, evento simultâneo que servia de contraponto popular aos desmandos dos governantes no evento oficial.

JULHO


AGOSTO


SETEMBRO


OUTUBRO


NOVEMBRO


– Participei do Fórum Mundial do Capital Social (Social Capital World Forum) em Gotemburgo, na Suécia. Proferi a palestra Connecting Islands – The Human Quest for Transition in the 21st Century – http://reinehr.org/sociedade/economia/apresentacao-no-social-capital-world-forum-2012-em-gotemburgo

DEZEMBRO


 

2013:

 

JANEIRO

Participei do X ELAOPA – Encontro Latino Americano de Organizações Populares Autônomas, efetivamente como membro da Comissão de Comunicação; propus a agregação do conteúdo dos blogs dos coletivos participantes em uma página única no site do ELAOPA e o uso do Ágora.CC como ferramenta de interação e comunicação ativa entre eventos, para garantir uma aceleração dos processos de mudança social

FEVEREIRO

– Organizei o IV CarnavalSofia

2014:

 

2015:

 

Projetos, iniciativas e realizações que criei, fundei ou estou envolvido no momento:

(em breve, com descrição – por enquanto um pequeno resumo pode ser visto em http://brainscooperation.org/)

 

Coolmeia, Ideias em Cooperação – a Coolmeia é uma incubadora de ideias e soluções altruístas

Nuvem de Soluções

Tradução do Citizen’s Handbook

Círculo de Estudos de Pedagogia Libertária

Livro de Rua

Colha sua própria salsinha

Coolmeia Mão na Massa

Mapa da Educação Alternativa

Escambo e Sistema de Moedas Complementares e Economia Criativa

Tudotecas

Vizinhocas

Diretório de Organizações, Coletivos e Ativistas do Bem Comum

Expansão dos favos como metáforas para os nós da rede

Debate sobre Democracia Líquida e Democracia Direta

Ágora.cc

Café com Mistura

APonte!

Mobiliza Araranguá

CineAvenida

FotoClube Araranguá

Massa Crítica Araranguá

Green Drinks Araranguá

Ignição

Alimentação em Araranguá e Região

Caravana da Cultura, da Saúde e da Alegria / Arte por toda parte

Grupo de Estudos e Práticas em Permacultura

Almoços / Cafés / Piqueniques Filosóficos

CarnavalSofia

Fazenda Bom Encontro

Longa-metragem open source

Série audiovisual “A vida de…””

Minuto da Transição

Livro Transição

Curta-metragem A Maleta

CEHLA

Anarquia em uma hora

AntiEditora

Agoratopia – tradução

ACidade.net.br – jornalismo hiperlocal

The Lala Gallery

Creatio

Sustentabilidade Urbana

Projeto de Casa + Carro energieticamente sustentável

Simplicíssimo

O Pensador Selvagem / OPSBlog.org

Mensagem em uma Garrafa

Fotos de Quinta

The Brains Cooperation

Clínica MedSpa

CES e RIES

Coluna Medic(t)ando

Capítulo de livro sobre REA na educação informal e autoaprendizagem

Ensaio sobre desescolarização da sociedade

Algumas das minhas fotos podem ser vistas abaixo:

[flickr_photostream]