Tag Archives for " dentro "

Sinfonia Internética
abr 15

Internet Symphony, Eroica, por Tan Dun – só através da internet mesmo!

By Rafael Reinehr | Só observando...

O vídeo abaixo mostra uma “mashup”, uma mistura de uma série de vídeos enviados por milhares de músicos internautas de vários países, tocando diversos instrumentos musicais e compondo assim a bela e colaborativa “Sinfonia Internética”.

Repare nos instrumentos pouco usuais dentro da música clássica.

 

Continue lendo

Ficção x Realidade
jan 09

O Estuprador e o Indulto de Natal

By Rafael Reinehr | Contos

Quais são os riscos e os benefícios de liberar um criminoso durante as festas natalinas? Durante este texto você vai se colocar no lugar de duas famílias e ajudar a decidir…

O Estuprador e o Indulto de Natal

Dia 25 de Dezembro. Na noite anterior, a ceia na casa da família Silva tinha sido ótima. Seu Franciel e dona Amália tinham recebido seus filhos que moram em Criciúma e Araranguá e, juntamente com a filha Verônica que com eles residia, tiveram uma noite muito agradável, regada a boa comida e conversas animadas.

Dia 25 de Dezembro. Na noite anterior, a ceia na casa da família Santos tinha sido ótima. Seu Aristides e dona Severiana tinham recebido seus filhos que moram no Arroio do Silva e seu filho Leonardo, preso há dois anos por roubo e tentativa de estupro, que recebeu o indulto de Natal e estava passando os dias com a família em Sombrio. Conversas animadas, boa comida… Uma noite muito agradável.

Gustavo e Frederico Silva voltaram para Araranguá e Criciúma na tarde daquele dia, já que no dia 26 trabalhavam. Despediram-se dos pais e da irmã e rumaram para suas casas.

Leonardo Santos avisou aos irmãos que ia passar o dia com os amigos, que não lhe esperassem para jantar.

Na casa de Verônica, a janta era feita com as sobras da ceia da noite anterior. Sentados na mesa de jantar, Verônica, seu Franciel e Dona Amália conversavam sobre a incapacidade do ser humano em respeitar as diferenças, enquanto um barulho de vidro quebralho lhes chama atenção.

Leonardo encontra-se com seus amigos para uma roda de fumo, bebida e pó. Conta para os camaradas que ainda não sabe se vai voltar ao presídio na segunda-feira, quando acabar o indulto. Com a cabeça ainda “ativada”, se despede do grupo e vai em direção à sua casa.

Quando Verônica se levanta para ver que barulho era aquele, um homem com cerca de um metro e noventa entra cozinha a dentro, vindo dos fundos da casa e manda todo mundo “ficar frio que ninguém ia se machucar”.

Leonardo tem uma idéia súbita: se realmente resolver ficar na rua, vai precisar de grana pra se manter foragido. Olha para o lado direito e vê a casa de sua antiga professora do primário. Se lembra que sempre morava sozinha, e resolve entrar. Pelos fundos. Quebra o vidro da porta, gira a chave por dentro e entra. Na mesa da cozinha, a professora e duas pessoas mais velhas. Diz:

– Fica todo mundo frio aí que ninguém vai se machucar.

Verônica, apavorada, reconhece na face machucada, barba por fazer e uma grande cicatriz à direita, o rosto de alguém que não vê há muito tempo. Seu Franciel se levanta para tirar satisfação, e em menos do que um instante já está deitado no chão, com a boca cheia de sangue, ouvindo os gritos da esposa e da filha.

Mas o velho teimoso não lhe escuta e resolve se meter a machão. “Tu vai ver o que é bom filhadaputa”. E Leonardo lhe desfere um forte soco que acerta o velho na boca, levando-o ao chão. Pega o braço da velha e da jovem e as carrega até o banheiro. Depois volta até o velho, chuta-lhe a boca e a cabeça e o arrasta até o banheiro.

O homem a agarra pelo braço, assim como à sua mãe e as tranca no banheiro. Logo traz, puxando pelas pernas, seu pai desfalecido. Ela pensa em gritar, mas o pavor é tanto que fica paralisada. Tenta ficar calma, mas mal consegue pensar. O invasor pede que a leve até algum dinheiro, dizendo que depois irá embora.

Leonardo pede que a professora lhe dê todo dinheiro que tiverem em casa.

– Ninguém precisa se machucar. Me dá o dinheiro e eu me mando.

Verônica o leva até os quarto dos pais, pega a caixa guardada na parte superior do armário, atrás de uma pilha de roupas e entrega a Leonardo. Três mil reais, é tudo que eles tem em casa.

Leonardo pega os três mil reais da caixa, mas antes de ir embora, ele precisa matar mais uma vontade reprimida nestes dois anos na prisão.

Verônica sente um olhar estranho em Leonardo, e o terror que já era gigantesco quase a faz desfalecer.

– Agora, fica quietinha se não quiser que eu te corte toda. E começa a arrancar a roupa da professora, que, pálida e com o corpo todo tremendo, não esboça nenhuma reação.

Verônica sente que está perdendo a consciência. Uma mistura de náusea, horror, vertigem e embrulho no estômago se somam ao tremor generalizado em seu corpo. Seus músculos não respondem à ordem que grita, dentro da sua cabeça: “Reaja, lute, se defenda, fuja…”

Leonardo penetra Verônica com toda força e disposição acumuladas no tempo em que ficou preso. Agarra seus seios e depois afasta suas coxas com vigor, para penetrar mais fundo. Ejacula dentro de Verônica, e o faz com um gemido de prazer. Levanta sua cueca, fecha o zíper e vai embora, sem olhar para trás.

Dia 25 de Dezembro. Um funcionário de plantão na delegacia de polícia de Sombrio recebe uma denúncia de assalto, agressão física e estupro. E pensa: “Porque uma merda dessas justamente no meu plantão? Vou ter que chamar o delegado…”

(O conto acima foi baseado em uma história real, contada por uma paciente minha no dia 08/01/2009, ocorrida com uma amiga dela, no último Natal. Os nomes dos personagens não condizem com a realidade, e alguns fatos foram omitidos e outros modificados, tornando esta uma obra de ficção.)

 

Zona do Crime
jul 15

Zona do Crime – La Zona (2007)

By Rafael Reinehr | Ando Vendo

Zona do CrimePrimeiro longa-metragem do diretor uruguaio Rodrigo Plá conta a história de Alejandro, um adolecente que vive em La Zona, um rico condomínio residencial fechado na Cidade do México, protegido por forte sistema de segurança privado e cercado de um bolsão de pobreza. Nas primeiras horas de seu aniversário, três garotos da favela vizinha invadem uma das casas do condomínio e, durante o assalto fracassado, a dona da casa, uma mulher idosa é assassinada. A empregada doméstica consegue escapar e avisa os seguranças. Os guardas de La Zona agem rapida e brutalmente, matando a tiros dois dos três rapazes. O terceiro, de nome Miguel escapa mas permanece preso dentro de La Zona.

Atenção: a partir desta parte serão apresentados vários spoilers. Se ainda não viu o filme e não quiser saber antecipadamente algumas informações importantes acerca do roteiro, não continue lendo.

Os moradores acabam por ficar em um dilema: se avisam a polícia do que aconteceu, perdem os privilégios concedidos ao condomínio, que funciona de forma semelhante a um “estado autônomo”. Acabam por fazer a escolha alternativa: a de procurarem por conta o jovem intruso e darem cabo dele.

Alejandro encontra Miguel escondido no porão de sua casa e, de seu relacionamento com o invasor surgem uma série de questionamentos em relação ao comportamento dos adultos e também ao fato dele permanecer sempre preso dentro de La Zona, de onde não sai nem para ir à Escola.

A crítica social é nítida no roteiro e na forma com que Rodrigo Plá dirige o filme, entretanto algumas conexões deixaram de ser bem amarradas no decorrer da narrativa cinematográfica. O menino Alejandro modifica sua percepção de mundo de forma súbita demais, concorrendo para uma percepção surreal da situação, contrastando com a evidente necessidade de realismo que todo resto da trajetória narrativa convoca. Uma hora é o filho riquinho e no instante seguinte é o maior defensor do bandido. Não se trata aqui de nenhuma Síndrome de Estocolmo, tendo em vista que o seqüestrado na verdade era o jovem Miguel, exilado de seu mundo severo mas não tão hostil quanto o que o espera fora do porão da casa de Alejandro.

A Sociedade de Controle está claramente apresentada. Câmeras de segurança vigiam os passos de todos – bandidos e mocinhos. A lei das selvas tem seu lugar na modernidade, e a lei de Talião não é respeitada: ela é amplificada: as duas mortes não pagaram a primeira; precisa-se de mais uma para vingar a morte da velha senhora.

A expectativa de que a situação apresentada possa se tornar cada vez mais comum não vive somente no mundo da ficção: violência e caos urbano são crescentes e a diferença entre quem possui mais e quem tem menos é cada vez maior. O estado de Mal Convulsivo está próximo.

 

abr 13

Segunda-feira, 16 de agosto de 2004 – DotNode, Multiply e pausas no blógue

By Rafael Reinehr | Escrever Por Escrever (blog)

Amigos, meus queridos 5 leitores e efêmeros visitantes…

Nos próximos dias, estarei utilizando todo meu tempo livre disponível para assuntos internéticos para melhorar o Escrever por Escrever e iniciar o projeto Armazém de Idéias Ideais.

Portanto, não fiquem sentidos se não puder lhes visitar pelos próximos, digamos, 10 a 15 dias.

O projeto que porei em prática pode-se chamar de uma "Interconexão de Blógues" ou "Sitemblógue" ou o contrário (Blóguemsite)… Irão entender assim que estiver pronto.

Esta empreitada demandará tempo e concentração para que não hajam falhas. Estou programando isso a um tempão e espero que tudo corra bem.

Enquanto isso, se ainda não conhecem, tratem de conhecer o Multiply e o DotNode, novos Network Social Systems, filhotes bonitinhos do Orkut. Para quem já conhece o Orkut, a novidade é que estes dois sistemas proporcionam, além de encontrar sua patota lá dentro deste imenso ajuntamento de comunidades virtuais, a possibilidade de colocar lá uma pá da fotos além de criar, lá dentro mesmo, seu blógue. Tudo num lugar só.

Eu já dei uma olhada e, sinceramente, vou ficar por aqui mesmo. Dar uma caprichada no Escrever Por Escrever e tocar meus projetos "na simplicidade". Para quem vive grudado na Internet, é uma pérola.

Para mim, que quero fazer o caminho inverso daqui a algum tempo, não serve…

De qualquer forma, se alguém quiser convite para entrar nas comunidades DotNode e/ou Multiply é só deixar o e-mail aí na caixa de comentários que eu envio tranqüilamente…

Não sei com que freqüência vou atualizar o Escrever Por Escrever nas próximas semanas mas o esforço e o tempo que vou demandar neste projeto vai valer a pena! Torçam por mim!

Grande abraço a todos, amigos e amigas de todas as Querências!

rafael_19.jpg

set 30

Bem-vindo a O Pensador Selvagem!

By Rafael Reinehr | Novidades!

    São tempos de Efervescências, mesmo… Está surgindo no horizonte um novo modo de perceber a internet e a blogosfera, algo que tem suas origens bem antes da web 1.0, utiliza conceitos da web 2.0 mas cujos limites vão além, tocando de forma intermitente o desconhecido. Este novo modo já tem nome: O Pensador Selvagem.

    Uma revista. Um site. Um portal. Um condomínio de blogs. Uma comunidade. Uma rede. Um painel. Um ponto de encontro, de convergência. Uma experiência de autogestão. Tudo isso ao mesmo tempo, constituindo um todo que é maior que a soma de suas partes, já que o todo comporta, além das partes, também as relações entre elas, em concordância com o que diz Edgar Morin

 

Objetivo: ser uma revista multicultural ampla, eclética, envolvendo desde a literatura passando pelas artes plásticas, cênicas, música, ecologia, gastronomia, política, economia, história, direito, filosofia, quadrinhos, cinema, antropologia, arquitetura, sociologia, sexologia, fotografia, religião, espiritualidade, comportamento, utilizando para sua apresentação e divulgação os meios virtuais escritos, mas também imagens, sons, vídeo e prota-organizando encontros virtuais e reais transdisciplinares entre seus colaboradores e visitantes.

O Nome: “O Pensador Selvagem” deriva da idéia de um indivíduo tentando escapar de sua animalidade, entretanto encerrado nesta e relacionando-se constantemente com os conflitos derivados desta relação. Percebe-se “O Pensador Selvagem” como indivíduo, mas também como “coisa”, como representação de um coletivo ou de um objeto mecânico ou quântico, físico e metafísico simultaneamente, que aceita dentro de si todos paradoxos, entre os quais o de pensar e ser selvagem ao mesmo tempo. Na essência, é impossível negar a animalidade que há em nós, ditos humanos. Alguns tentam esquecer, ludibriar o lado bicho, mas isto é uma ilusão.

A Motivação: existem hoje no Brasil numerosas “revistas virtuais culturais”, abarcando uma ou mais áreas desta rica cultura, recebendo textos originais de pensadores e praticantes autônomos das mais diversas áreas do conhecimento humano. Muitas delas, com excelente desempenho dentro do seu foco de atuação. Existe, entretanto, uma carência na busca de integrar estas diferentes áreas na criação de um conhecimento sintético e representativo destas áreas. Carecemos de uma “quebra das fronteiras” entre as disciplinas, que dialogam sim, entretanto não mais do que duas ou três ao mesmo tempo. Buscaremos transformar “O Pensador Selvagem” em um grande fórum onde criadores possam, de forma singular, interagir entre si, usando para seu benefício os estímulos recebidos e alimentando o grande coração d’O Pensador. Este, por sua vez, servirá de propulsor para novas mudanças que, em moto perpetuo alimentará a espiral do saber sensível gerando satisfação, bem-estar e novo conhecimento.

O Começo: a etapa inicial da concretização deste ambicioso projeto é agrupar um número significativo de pessoas ou coletivos qualitativamente relevantes dentro dos grupos culturais que representam e tornar estas pessoas ou coletivos responsáveis, dentro d’O Pensador e fora dele, pela criação e coleta-receptação dos produtos nas diferentes mídias e meios além da divulgação da idéia entre grupos semelhantes ou dessemelhantes. Cada grupo, que provisoriamente será chamado de Seção (até que nome melhor venha a ser utilizado), deverá concatenar esforços e se autogerir com o objetivo de, na freqüência que lhe for possível, trazer conhecimento e estímulo produzidos dentro do grupo ou fora dele para “O Pensador Selvagem”, tratando de gerenciar também a entrada de novos membros no grupo. Estes novos membros, automaticamente farão parte da comunidade maior, transdisciplinar. É importante manter a noção da troca de experiências entre os diferentes grupos como forma de ampliar os estímulos recebidos e assim aprimorar o senso de integração, fraternidade e multiplicação características de uma comunidade harmoniosa.

A Idéia: assim como Kafka, em suas cartas para Felice confessou-lhe que o lugar ideal para escrever seria a mais profunda galeria de uma caverna, apenas acompanhado de uma lamparina e o material necessário para a escrita, sendo que lhe levassem o alimento até a porta da caverna – e esse seria seu único passeio, buscar comida, para depois tornar a escrever – hoje padecemos da ultramultitude de informações que infestam todos nossos sentidos. Perdemos a noção do silêncio e da solidão, no sentido estrito do termo. Como criar, num mundo assim? Como pensar (n)um mundo assim?

Desafios: um dos objetivos mais ambiciosos de “O Pensador Selvagem” é integrar, em um só ambiente, o popular e o erudito, samba e orquestra, ou seja, o senso comum e o acadêmico. Colocar para conversar estas verdades por vezes tão distantes que até parecem de mundos diferentes. Ensinar, através do confrontamento dialético, uma a enxergar pelos olhos da outra. Praticar constantemente a alteridade. Aqui, o míope se torna hipermétrope para somente depois bem enxergar e vice-versa. Há que se exercitar a humildade, a paciência e a tolerância. Há que se despojar de preconceitos ou mesmo de conceitos bem fundamentados para conseguir dar um salto intelectual, um salto espiritual, um salto selvagem, super-humano.

 

   Nos próximos dias, mais novidades. Mas sem pressa, porque o bolo do forno da vovó é mais gostoso.

auto-retrato
set 15

O que andam dizendo de mim por aí…

By Rafael Reinehr | Nonsense

    Pois é, vida de blogueiro famoso é bucha… Entrevistas pra cá, vernissages pra lá, lançamentos de livros, palestras, congressos e tudo o mais… Até que é bom estar no meio dos acontecimentos, mas ultimamente tem sido demais. Meu assessor de imprensa e minha agente fizeram uma pequena coletânea do que algumas pessoas andam falando de mim por aí. Veja só:

 

"Bonito, inteligente e modesto."
(The New York Times)

"Não há nada igual em todo o planeta. Nem mesmo aqui, na Argentina."
(Clarín)

"Sem dúvida, o maior pensador brasileiro de todos os tempos."
(Folha de São Paulo)

"Além de ser tudo, ainda é um pouco mais."
(Le Monde)

"Dentro em breve ele figurará nesta lista como o trilionário mais bem-sucedido do mundo."
(Forbes)

"O homem mais sexy do Brasil."
(Angelina Jolie)

"Rafael non ecziste."
(Padre Quevedo)

"Eu não me meteria com esse cara."
(Michael Moore)

 

auto-retrato
self-portrait

 

    Quer mais? Tem mais, mas como não gosto de auto-promoção (Rá rá rá!) vou deixar pra outra hora. Um ótimo dia pra você.

jul 31

La buona cucina di Anselmo

By Rafael Reinehr | Caldeirão de Sabores

Pois, não é que estou começando a levar esta história de gastronomia realmente a sério? Comecei na última quinta-feira um curso de Alta Gastronomia com o Cheff Anselmo Ronsoni, em Criciúma – SC.

A primeira aula consistiu em uma introdução acerca de alguns conceitos básicos da alta Gastronomia e passamos boa parte da mesma conhecendo e degustando dezenas de frutas pouco comuns e até mesmo exóticas. Depois passamos a fazer o mesmo com diversos temperos, comuns e raros. Foi um choque de paladares, para quem está habituado com maçãs, laranjas, bananas-prata, sal, orégano e pimenta-do-reino.

Em seguida, aprendemos como higienizar adequadamente as saladas e tentamos – com pouco sucesso – preparar uma salada dentro dos padrões da Alta Gastronomia. Fomos gentilmente “detonados” pelo Cheff, que corrigiu um a um nossas saladas e nos conduziu a uma melhor apresentação de nossos pratos.

As fotos da primeira aula podem ser vistas abaixo:

 

Na próxima aula passaremos a aprender a preparar caldos, brodos e os molhos base. Em cada aula estaremos preparando 3 a 4 pratos diferentes e degustando-os durante a própria aula. São 4 horas e 30 minutos por semana, num curso intensivo com duração de 10 semanas, sendo que, na última semana, estaremos encarregados de preparar uma janta especial para convidados que nós escolheremos, em uma espécie de “trabalho de conclusão”.

Será uma bela aventura! Vem comigo?

jul 12

12/07/2007 – Il piccolo Alquimista

By Rafael Reinehr | Cotidianices

    Já sei qual é o gosto de damasco. Também sei o gosto que tem abobrinha. Hoje fui com minha esposa jantar no "Il Piccolo Alquimista", um restaurante supimpa "trés chiq" qui de Araranguá e, depois de um salmão com camarão com legumes grelhados e purê de batatas ao limão, comi um delicioso "Petit gateau au Mario (nome do proprietário do restaurante)"que foge do tradicional por conter algumas tiras de damasco dentro. De-lí-cia!

jul 10

10/07/2007 – Redes e mais redes

By Rafael Reinehr | Cotidianices

    A manhã foi chata: tive que dispensar a nossa empregada, que resolveu tomar uma cerveja da geladeira sem nos consultar. Detalhe: era a terceira vez que ela vinha. Eu nem ligo a tv na casa de um amigo sem perguntar! Além do que, voltei para casa sem avisar e a moça estava fumando dentro da nossa casa. Não consegui instalar o wireless aqui em casa. Ganhamos de 6 no futebol.