El Ojo de Iberoamérica

Como você pode expressar, de forma regionalmente específica uma determinada ideia? Através da literatura, da música, da dança…   …e da publicidade!

Os vídeos abaixo fazem parte de uma campanha divertidíssima, mostrando como a história dos três porquinhos poderia ser contada de diferentes formas, dependendo do narrador. Selecionei algumas versões, e as outras podem ser vistas no site oficial do El Ojo.

Assista e garanta sua dose de gargalhadas para a semana inteira!

História da Religião – Cinco mil anos de religião em 90 segundos

Quer saber como evoluíram as 5 principais religiões do mundo? Na animação a seguir, em 90 segundos é mostrada a expansão do Hinduísmo, Judaísmo, Budismo, Cristianismo e do Islamismo através do tempo e nos diferentes países e continentes.

Vi primeiro no blog do Leonardo Kuba

Bem-vindo a O Pensador Selvagem!

    São tempos de Efervescências, mesmo… Está surgindo no horizonte um novo modo de perceber a internet e a blogosfera, algo que tem suas origens bem antes da web 1.0, utiliza conceitos da web 2.0 mas cujos limites vão além, tocando de forma intermitente o desconhecido. Este novo modo já tem nome: O Pensador Selvagem.

    Uma revista. Um site. Um portal. Um condomínio de blogs. Uma comunidade. Uma rede. Um painel. Um ponto de encontro, de convergência. Uma experiência de autogestão. Tudo isso ao mesmo tempo, constituindo um todo que é maior que a soma de suas partes, já que o todo comporta, além das partes, também as relações entre elas, em concordância com o que diz Edgar Morin

 

Objetivo: ser uma revista multicultural ampla, eclética, envolvendo desde a literatura passando pelas artes plásticas, cênicas, música, ecologia, gastronomia, política, economia, história, direito, filosofia, quadrinhos, cinema, antropologia, arquitetura, sociologia, sexologia, fotografia, religião, espiritualidade, comportamento, utilizando para sua apresentação e divulgação os meios virtuais escritos, mas também imagens, sons, vídeo e prota-organizando encontros virtuais e reais transdisciplinares entre seus colaboradores e visitantes.

O Nome: “O Pensador Selvagem” deriva da idéia de um indivíduo tentando escapar de sua animalidade, entretanto encerrado nesta e relacionando-se constantemente com os conflitos derivados desta relação. Percebe-se “O Pensador Selvagem” como indivíduo, mas também como “coisa”, como representação de um coletivo ou de um objeto mecânico ou quântico, físico e metafísico simultaneamente, que aceita dentro de si todos paradoxos, entre os quais o de pensar e ser selvagem ao mesmo tempo. Na essência, é impossível negar a animalidade que há em nós, ditos humanos. Alguns tentam esquecer, ludibriar o lado bicho, mas isto é uma ilusão.

A Motivação: existem hoje no Brasil numerosas “revistas virtuais culturais”, abarcando uma ou mais áreas desta rica cultura, recebendo textos originais de pensadores e praticantes autônomos das mais diversas áreas do conhecimento humano. Muitas delas, com excelente desempenho dentro do seu foco de atuação. Existe, entretanto, uma carência na busca de integrar estas diferentes áreas na criação de um conhecimento sintético e representativo destas áreas. Carecemos de uma “quebra das fronteiras” entre as disciplinas, que dialogam sim, entretanto não mais do que duas ou três ao mesmo tempo. Buscaremos transformar “O Pensador Selvagem” em um grande fórum onde criadores possam, de forma singular, interagir entre si, usando para seu benefício os estímulos recebidos e alimentando o grande coração d’O Pensador. Este, por sua vez, servirá de propulsor para novas mudanças que, em moto perpetuo alimentará a espiral do saber sensível gerando satisfação, bem-estar e novo conhecimento.

O Começo: a etapa inicial da concretização deste ambicioso projeto é agrupar um número significativo de pessoas ou coletivos qualitativamente relevantes dentro dos grupos culturais que representam e tornar estas pessoas ou coletivos responsáveis, dentro d’O Pensador e fora dele, pela criação e coleta-receptação dos produtos nas diferentes mídias e meios além da divulgação da idéia entre grupos semelhantes ou dessemelhantes. Cada grupo, que provisoriamente será chamado de Seção (até que nome melhor venha a ser utilizado), deverá concatenar esforços e se autogerir com o objetivo de, na freqüência que lhe for possível, trazer conhecimento e estímulo produzidos dentro do grupo ou fora dele para “O Pensador Selvagem”, tratando de gerenciar também a entrada de novos membros no grupo. Estes novos membros, automaticamente farão parte da comunidade maior, transdisciplinar. É importante manter a noção da troca de experiências entre os diferentes grupos como forma de ampliar os estímulos recebidos e assim aprimorar o senso de integração, fraternidade e multiplicação características de uma comunidade harmoniosa.

A Idéia: assim como Kafka, em suas cartas para Felice confessou-lhe que o lugar ideal para escrever seria a mais profunda galeria de uma caverna, apenas acompanhado de uma lamparina e o material necessário para a escrita, sendo que lhe levassem o alimento até a porta da caverna – e esse seria seu único passeio, buscar comida, para depois tornar a escrever – hoje padecemos da ultramultitude de informações que infestam todos nossos sentidos. Perdemos a noção do silêncio e da solidão, no sentido estrito do termo. Como criar, num mundo assim? Como pensar (n)um mundo assim?

Desafios: um dos objetivos mais ambiciosos de “O Pensador Selvagem” é integrar, em um só ambiente, o popular e o erudito, samba e orquestra, ou seja, o senso comum e o acadêmico. Colocar para conversar estas verdades por vezes tão distantes que até parecem de mundos diferentes. Ensinar, através do confrontamento dialético, uma a enxergar pelos olhos da outra. Praticar constantemente a alteridade. Aqui, o míope se torna hipermétrope para somente depois bem enxergar e vice-versa. Há que se exercitar a humildade, a paciência e a tolerância. Há que se despojar de preconceitos ou mesmo de conceitos bem fundamentados para conseguir dar um salto intelectual, um salto espiritual, um salto selvagem, super-humano.

 

   Nos próximos dias, mais novidades. Mas sem pressa, porque o bolo do forno da vovó é mais gostoso.

Caldeirão de Sabores – o início

         Nesta nova fase de vida, inaugurada com a mudança para Araranguá, decidi que era hora de me dedicar mais a algumas coisas às quais amo fazer. Uma delas – e tenho certeza que compartilho desta paixão com muitas pessoas – é comer.

         Para comer bem, entretanto, há que se saber cozinhar bem (ou morar em uma cidade onde a gastronomia seja o ponto forte, o que não é o nosso caso). Minha esposa é craque em uma série de pratos, que me deixam com água na boca só de lembrar. Entretanto, nosso repertório é limitado, e eu gostaria muito de exercitar meu paladar com outras experiências culinárias.

         Desta forma, resolvi separar um dia da semana para cozinhar alguns pratos diferentes. Não necessariamente exóticos ou complicados, mas diferentes do feijão com arroz do dia-a-dia. Assim, como sou 87% adicto à blogagem, resolvi simultaneamente criar esta nova Seção do site voltada à apresentação de receitas e dicas culinárias.

Continue reading

Qual o teor de gordura dos diferentes tipos de carne vermelha?

 
Patinho – 7 g
Maminha – 7 g
Músculo – 7 g
Lagarto – 9 g
Filé mignon – 9 g
Coxão duro – 9 g
Coxão mole – 9 g
Acém – 11 g
Alcatra – 12 g
Contra-filé de costela – 13 g
Cupim – 13 g
Picanha – 20 g
Fraldinha – 26 g
Costela – 28g
(por 100 gramas de carne)