De esquilos e bolotas

Texto originalmente entitulado Collapse Competitively, de autoria de Dmitry Orlov. Leia e compreenda a mensagem.

We are heading
toward economic, political and social collapse, and every day that
passes brings it closer. But we just don’t know when to stop, do
we? Which part of “the harder we try, the harder we fail” can’t we
understand? Why can’t we understand that each additional dollar of
debt will drive us into national bankruptcy faster, harder and
deeper? Why can’t we grasp the concept that each additional dollar
of military spending further undermines our security? Is there some
sort of cognitive impairment that prevents us from understanding
that each additional dollar sunk into the medical industry will
only make us sicker? Why can’t we see that each incremental child
we bear into this untenable situation will make life harder for all
children? In short, what on earth is our problem?

Why can’t we stop? We can blame evolution, which has produced in
us instincts that compel us to gorge ourselves when food is abundant,
to build up fat reserves for the lean months. These instincts are
not helpful to us when there is an all-you-can-eat buffet nearby
that’s open year-round. These instincts are not even specifically
ours: other animals don’t know when to stop either. Butterflies
will feast on fermented fruit until they are too drunk to fly. Pigs
will eat acorns until they are too fat to stand up and have to
resort to crawling about on their bellies in order to, yes of course,
eat more acorns. Americans who are too fat to walk are considered
disabled and the government issues them with little motorized
scooters so that they don’t have to suffer the indignity of crawling
to the all-you-can-eat buffet on their bellies. This is considered
progress.

Or we can blame our education, which puts mathematical reasoning
ahead of our common sense. Mathematics uses inductionthe idea that
if 1 + 1 is 2 then 2 + 1 must be 3, and so on up to an arbitrarily
large quantity. In the real world, if you are counting acorns, then
1 + 1 acorns is not the same as 1,000,000 + 1 acornsnot if there
are squirrels running around, which there will be once they find
out that you are the one who’s been stealing their acorns. A million
acorns is just too many for you to keep track of, and your concerted
effort to keep adding one more to the pile while fighting off
squirrels may cause small children to start calling you silly names.
The bigger the pile grows, the more likely you are to have to take
inventory, and in the process you are increasingly likely to make
a mistake, so that it turns out that 1,000,000 + 1 is in fact
1,000,001 – d, where d is the number of acorns you have lost track
of, somehow. Once d > 0, you have achieved diminishing returns, and
once d > 1, you have achieved negative returns. In the real world,
the bigger you think a number should be, the smaller it actually
turns out to be. At some point, trying to add one more to the pile
becomes a particularly wasteful way of making the pile smaller.
This result is not intellectually pleasing, and there is no theory
to back it up, but it is observable anywhere you care to look. The
fact that we are unable to adequately explain any given phenomenon
by using our feeble primate brains does not make it any less real.

The concept of diminishing returns is quite simple for most people
to understand and to observe, but notoriously difficult to detect
for the person who is at the point of achieving them. The point of
negative returns is even harder to detect, because by that point
we tend to be too far gone to detect much of anything. If you already
had N drinks, can you tell if you are at the point of diminishing
returns yet? Will another drink make you happier and more sociable,
or will it not make much of a difference? Or will it cause you to
embarrass yourself and spend the next day nursing a debilitating
hangover? Or will it send you to the emergency room to be treated
for vomit inhalation? As a general rule, the more you imbibe, the
more difficult it becomes for you to draw such fine distinctions.
This rule does not seem to be limited to drinking, but applies to
almost all behaviors that produce a feeling of euphoria rather than
the simple satisfaction of needs. Most of us can stop ourselves
from drinking too much water, or eating too much porridge, or
stacking too many bales of hay. Where we do tend to run into trouble
with self-control is when it comes to things that are particularly
pleasurable or addictive, such as drugs, tobacco, alcohol, and rich
and delicious food. And we tend to lose it completely when it comes
to euphoria-inducing social semi-intangibles: satisfaction of greed,
status-seeking, and power over others.

Is this the best we can do? Certainly not! Human culture is full
of examples where people stood up and successfully opposed such
primitive tendencies within themselves. The ancient Greeks made a
virtue of moderation:

the temple of Apollo at Delphi bore the inscription MH?EN AGAN”Nothing
in excess.” Taoist philosophy focuses on the idea of balance between
yin and yang (? ?)seemingly contrary natural forces that in fact
work together and must be kept in balance. Even in contemporary
engineering culture one sometimes hears the motto “Better is the
enemy of good enough.” Sadly, though, engineers who are good enough
to abide by it are something of a rarity. At the micro level of
solving specific problems most engineers do strive to achieve the
clever optimum rather then the stupid maximum, but at the macro
level the surrounding business culture forces them to always go for
the stupid maximum (maximum growth, revenue and profits) or the
stupid minimum (minimum cost, product cycle time and maintainability).
They are forced to do so by the influence of a truly pernicious
concept that has insinuated itself into most aspects of our culture:
the concept of competition.

The concept of competition seems to have first been elevated to
cult status by games that were played as a form of sacrifice before
gods, in cultures as different as ancient Greece and the Mayan
civilization, where competitive events were held to please their
various deities. I much prefer the Olympic version, where the object
of the games was to express the ideal of human perfection in both
form and function, rather than the Mayan version, where the outcome
of the game was used to decide who would be sacrificed on the altar
of some peculiar cultural archetype, but being open-minded I am
ready to accept either as valid, because both are competitions in
defense of principle. It was Aristotle who pointed out that pursuit
of principle is the one area where moderation is not helpful, and
who am I to refute Aristotle?

But when moving from defending an ideal or a principle to performing
mundane, practical, utilitarian functions it is the idea of competition
itself that should be offered up as a nice, sizzling-fat burnt
offering on the altar of our common sense.

If the goal is to achieve an adequate result with a minimum of
effort, then why would two people want to compete to do the job of
one? And if there is in fact work enough for two, then why wouldn’t
they want to cooperate instead of wasting their precious energies
in competition? Well, they may have been brainwashed into thinking
that they must compete in order to succeed, but that’s beside the
point. The point is that there is a major difference between competing
for the sake of a principlesuch as the perfection of divine creationand
competing for mere money. There is nothing divine about a big pile
of money, and, just as with a big pile of acorns, the bigger the
pile, the more “squirrels” it tends to attract. In fact, those who
are sitting on some of the bigger piles of acorns often seem rather
squirrely themselves. To mix metaphors, they also tend to be
chicken-like, roosting on their acorns and expecting them to hatch
into more acorns. But be they squirrels or be they chickens, or be
they drug-addled mutant chicken-squirrels on steroids, they are
certainly not gods, and their acorns are not worthy of our sacrifice.

Once we dispense with the idea that competition is in any sense
necessary, or even desirable, new avenues of thought open up. How
much is enough? Probably much less than we have now. How hard do
we need to work for it? Probably a lot less hard than we are working
now. What happens if we don’t have enough? Well, perhaps then it’s
time to try working just a tiny bit harder, or, better yet, perhaps
it is time to take a few acorns from those who still have too many.
Since having too much is such hard work (mind the damn squirrels!)
we’d only be helping them. We certainly don’t want to keep up with
them, because we know where they are headed  a quaint, exclusive
little place called collapse. What we should probably be trying to
do instead is to establish some sort of balance, where enough is,
in fact, enough.

* * * * *

Artigo publicado originalmente no ClubOrlov

16/02/2010 – Chuva, Organização do Mac e Música

Hoje o dia foi gostoso: chuva lá fora (quem me acompanha sabe que adoro chuva), música aqui dentro e, com a companhia do meu amor sempre pertinho, usei boa parte do tempo para organizar alguns programas aqui no Mac. Instalei o Adium, o Transmission, o Quicksilver e o AppZapper, que vão facilitar muito minha vida. Também aproveitei para atualizar os demais softwares. Em pouco tempo, uma máquina mais rápida nas mãos.

Dias assim me fazem ter vontade de voltar a blogar como antigamente, escrevendo compulsivamente todos os dias, como a vida fosse só isso. Mas ela não é, já te contaram?

15/02/2010 – Piratas do Rock, Feijoada e Cachorrada

Hoje fomos ver alguns tijolos de demolição lá no Morro dos Conventos, almoçamos a deliciosa feijoada da Carol e agora vamos assistir ao filme “Os Piratas do Rock”. Fora isso, trabalhando no Manifesto da Coolmeia e brincando com os cachorros. Ah, também fiz o logotipo para a The Brains Cooperation, que devo divulgar em breve.

chuva

Por que gosto de chuva

 

chuva

Hoje passei o dia meio cansado, desanimado, desmotivado. Na verdade, não faltam propósitos ou motivos para me mexer, buscar melhorar, ser feliz, nada disso. Foi apenas uma sensação que durou parte do dia. Carol e eu até brincamos que é “excesso de empatia”, já que ela também está em fase de recuperação de um pequeno procedimento cirúrgico…

O fato é que o dia estava abafado e, além de cuidar dela, não tinha vontade de fazer mais nada – coisa praticamente impossível de imaginar em se tratando de mim.

Foi quando vi algumas nuvens se formando e um vento diferente se aproximando das árvores ali fora. Senti que a chuva poderia estar chegando. E desejei que chegasse. Nesse momento, já a escuto ao longe, e sei que vai chegar a qualquer instante.

Não sei em que exato momento da vida passei a ter esta fascinação por chuva, este gosto, prazer de ouvir, sentir, olhar para a chuva. Minha memória mais remota me leva para os domingos em minha cidade Natal, em Agudo, em uma época em que meu avô materno, seu Waldemar, ainda era vivo. naqueles domingos, tínhamos um almoço “diferente”, em família, e também haviam as corridas de fórmula 1. Mas do que lembro mais nitidamente eram destes mesmos domingos chuvosos, em que a chuva batia na janela envidraçada, sem venezianas, que temos na sala de estar de nossa casa. A chuva, para mim, remete à simplicidade e felicidade daqueles dias, e sempre que ela se aproxima, vem junto uma boa sensação, um bem estar.

O fato é que muitas coisas podem ter ajudado a causar a sensação de mal estar de hoje mais cedo: o fato de eu ter caído e voltado a comer carne – hoje me considero um “vegetariano fraco”, porque o desejo ainda está presente, mas a vontade fraquejou. Não estou comendo carne como antes, apenas uma vez por semana, mas mesmo assim me sinto um pouco derrotado.

Além disso, tem a Coolmeia, e a vontade de fazer acontecer logo este “mundo melhor”, este “despertar na consciência” que reduza a ganância das grandes corporações, que ajude as pessoas a viverem melhor consigo mesmas e com aqueles que os cercam.

Estou lendo um livro bastante gostoso, chamado A Arte da Felicidade – Um Manual para a Vida, de Howard Cutler. O autor é um psiquiatra americano, que passou boa parte do tempo acompanhando o Dalai Lama, líder espiritual e político tibetano em algumas palestras nos EUA e também em sua casa em Dharamsala, seu local de exílio na Índia. No livro, Cutler tenta traduzir o pensamento budista para que o leitor ocidental possa melhor entender sua mensagem. Acho que seria interessante plotar algumas das mensagens que estou recebendo e revisando.

Sempre defendo a leitura dos originais, tanto quanto possível, mas também não sou mais supercrítico quanto a releituras como esta de Howard Cutler. Acredito que cheguei em um ponto da vida no qual já aprendi a separar o joio do trigo na maior parte das vezes e, de um livro assim, consigo separar o que é bom e pode ser aproveitado, daquilo que deve ser descartado.

E por falar em livro, vou seguir minha leitura. Com sua licença…

Foto: Ben

 

O Sentido da Vida não precisa ser procurado fora dela mesma

A idéia de que a moralidade necessariamente foi “colocada” em nós me é totalmente estranha. Da religião cristã, retiro toda a teologia e cosmogonia e fico apenas com seus preceitos éticos. Não há que existir Deus, ou louvar a um Deus para ser generoso, justo e bom. A moralidade é uma característica que pode ser cultivada em ateus e que pode grosseiramente estar faltando naqueles que crêem em Deus.

Os seres humanos são fracos. Temos fraqueza de querer. Nós nem sempre fazemos aquilo que sabemos muito bem que deveríamos fazer. E isso, em muitas pessoas, produz o fenômeno da culpa, do remorso. A culpa é uma força negativa poderosa na cabeça das pessoas. As pessoas não gostam de sentir culpa, é um mau sentimento. Assim, a idéia de Deus, mais forte do que a simples ideia de uma moralidade, acaba por dar um motivo mais forte às pessoas para fazer o certo de forma regular. Assim, a existência de Deus pode ser uma necessidade para algumas pessoas. Se a força que possuem não lhes permite ser moralmente corretos somente pelo fato de que esta seria a escolha certa a ser feita, então há que se ter um Deus para regular e “fiscalizar” os atos dos homens.

É muito melhor fazer as coisas certas porque são boas e SOMENTE porque são boas do que fazer porque algum Deus está nos olhando e irá nos recompensar!

Um dos principais argumentos para não acreditar em Deus diz respeito ao fato de que, se ele é todo-poderoso, onisciente e todo-generoso, como pode haver tanto sofrimento na terra? Tantas catástrofes naturais, tanta maldade, doenças genéticas que trazem sofrimento às famílias e aos portadores das enfermidades? Se existe um Deus todo-poderoso que poderia evitar isso e ele não o faz, não é o Deus ao qual quero me reportar ou com o qual quero me relacionar. Se um ser humano resolve fazer experiências colocando dificuldades e sofrimento na vida das pessoas, como Joseph Menguele por exemplo, você acharia isso correto? Imputar sofrimento às pessoas somente para ver “como elas enfrentarão as dificuldades”, dando-lhes o livre arbítrio?

Reprogramações de fim/começo de ano

Fazia tempo que não esperava por férias. Na verdade, não lembro se algum dia isso aconteceu. O fato é que aguardo com grande expectativa os 12 dias que terei, entre 23 de dezembro e 3 de janeiro, para fazer uma reengenharia do meu tempo e de minhas prioridades.

Sinto que nos últimos meses tenho feito muitas coisas mas tenho perdido o foco. E é justamente ele, o foco, que pretendo reencontrar nesta dúzia de dias que estão por chegar. Encontrando-o, mando lembranças, pode deixar…

 

Economia Profunda, Fortaleza, Amizade e Felicidade

É tão bom escrever em uma tela de 21 polegadas, sentado em uma cadeira confortável, em uma sala climatizada, com boas perspectivas para o futuro e com atucanações que, em geral, são resolvidas a contento…

Apesar da grande carga de trabalho, tenho conseguido ler bastante. Tenho aproveitado horários de almoço, intervalos de consulta, momentos de viagens, idas ao banheiro… Uma das minhas leituras mais recentes, Deep Economy – The Wealth of Communities and The Durable Future, de Bill McKibben, aprofundou meus próprios insights sobre o mundo, o consumo e a sustentabilidade de nossas maneiras e de nossa Natureza.  É um livro que fornece exemplos suficientes sobre o que é, e sobre como deveria e poderia ser o mundo se fizessemos escolhas diferentes (melhores) do que as atuais.

Apesar de certamente não me encaixar entre as pessoas mais consumistas da face da terra, tenho sim um desejo de conforto e de extrair prazer dos frutos do trabalho (dinheiro) que, de sol a sol (ou no caso, de fluorescente compacta a fluorescente compacta) tenho colhido.

A noção de pegada ecológica já me é familiar há um bom tempo, e creio que seja extremamente válida para avaliar nossa relação com o mundo. Saber se tiramos mais ou se repomos mais (é raríssimo encontrar um ocidental que repõe mais do que tira da Natureza). É importante saber o impacto que temos e também é importante saber se somos ou não afetados moralmente pelo impacto que causamos. Posso dizer, sem medo, que gosto mais das pessoas que se importam. Pessoas que, com humildade, reconhecem que poderiam estar fazendo melhor. Tento me afastar das que não reconhecem o fato de que estamos todos conectados e que hábitos somente “extrativistas” (tirar do meio sem se preocupar em repor) tendem a extinguir o que conhecemos como natural e, em muitos casos, levam à extinsão de possibilidades, biodisponibilidades e biodiversidades.

Mas o papo é longo. Vim aqui só pra dizer que voltei, em meio a um delicioso Congresso da Sociedade Brasileira de Diabetes em Fortaleza e à confecção de meu livro sobre Qualidade de Vida, Bem-Estar e Felicidade, por aqui darei as caras de quando em vez. Semanalmente pelo menos, assim espero.

E estou com saudades dos amigos leitores e blogueiros. Não pensem que este que vos fala não se lembra de cada um que comentou aqui recentemente ou mesmo em tempos idos. Estão todos guardados no meu coração e na minha memória.

Ioga do Caos

Todas as nossas ações refletem no mundo em que vivemos

Nossos pés deixam pegadas na areia do tempo. Se estivermos no caminho errado, muitos nos seguirão, desviando-se do que é correto. Quando pensamos que uma ação é só por aquele momento e esquecemos que ela deixa um rastro atrás de si, não estamos sendo responsáveis.
Todas as nossas ações afetam os seres humanos, dando-lhes alívio ou tristeza. Podemos fortalecê-los ou não. Podemos causar ferimentos ou curas. Podemos gerar conflitos ou resolvê-los. Podemos criar cataclismas ou algo nobre para a sociedade.
” B.K.Jagdish

Este fantástico pensamento, por mim retirado há mais de uma década do “Almanaque Gaúcho”, publicado em Zero Hora e que agora reside não só naquela folha amarelada que guardo comigo, conseguiu realizar uma mudança gigantesca na forma que percebo o mundo e as coisas ao meu redor.

Posso dizer que, na experiência da minha vida, esse talvez tenha sido o chacoalhar que deu início ao meu processo de Despertar. Sempre que me referir a este termo, “Despertar“, me refiro não a um acordar biológico tão somente, e também não uso o termo como um fenômeno puramente místico mas, mais ainda, a um fenômeno que abraça em si as necessárias mudanças biológicas, espirituais e sociais necessárias a uma Reforma do Pensamento.

Esta Reforma do Pensamento, que começa com uma Reforma da Percepção e passa por uma Reforma do Julgamento, é o sentido último do meu esforço intelectual dos últimos 14 anos. Tenho forte convicção de que as mudanças que urgem passam por este processo que, em última instância, deverá modificar a forma com que percebemos, julgamos e pensamos.

Entretanto, e agora me dobro a evidências empíricas, nem sempre é através da palavra – como ocorreu comigo – que se consegue promover o “Despertar“. Muitas vezes, precisamos da prática, da ação, do exemplo como ferramenta para que a mudança ocorra.

Hoje, infelizmente, ainda precisamos ser violentados, maltratados, desrespeitados, perder o emprego, ter nossa honra machucada ou precisamos ser retirados de nossa “zona de conforto” para perceber que alguma coisa está muito errada no mundo aí fora. Os sinais da degeneração da qualidade de vida estão cada vez mais salientes e, apesar do crescimento do consumo de bens materiais, pouquíssimas vezes conseguimos escutar a palavra felicidade. E esta, por incrível que possa parecer a este ser humano individualista, capitalista e competidor que é a regra hoje em dia, é mais ouvida em ambientes onde a confraternização, a socialização e a cooperação estão presentes. Paradoxal? Nem tanto, quando lemos alguns estudos científicos a respeito.

Pois é deste fluxo que trataremos aqui: o fluxo contínuo de linguagear, emocionar e conversar – para utilizar os neologismos criados por Humberto Maturana – em direção a um porvir mais voltado para o social do que para o individual, que tenda à cooperação entre as pessoas e o ambiente. Por incrível que pareça, você não precisará abrir mão de seu conforto para isso. Aprenderemos juntos como seguir este caminho. O primeiro passo está dado. Agora me dê sua mão e vamos caminhar juntos.

– Utopia […] ella está en el horizonte. Me acerco dos pasos, ella se aleja dos pasos. Camino diez pasos y el horizonte se corre diez pasos más allá. Por mucho que yo camine, nunca la alcanzaré. Para que sirve la utopia? Para eso sirve: para caminar.Eduardo Galeano

(publicado originalmente na Coolmeia, em 6 de abril de 2009)

icq

Voltei a usar o ICQ

icqDe tempos em tempos bate uma nostalgia. Hoje foi um desses dias. Depois de muitos anos, voltei a instalar o ICQ (I seek you), na ocasião em que foi lançado um dos melhores comunicadores instantâneos existentes. Disponibilizava até hoje uma função que não encontramos no MSN e no G-talk, que é de ver o que a pessoa com a qual estamos teclando digita em tempo real, enquanto ela ainda está digitando.

Essa particularidade faz com que possamos antecipar respostas antes da conclusão da sentença. Um ganho de tempo interessante.

Na ocasião que criei pela primeira vez o ICQ, eu tinha um número de registro de 4 ou 5 dígitos, hoje ele já está na casa dos 9! Segue meu novo número: 587202165

Vejo você por lá!

ops1

Se eu desapareço de vez em quando…

…é porque estou aqui, aqui ou aqui.

Pode confiar. Se não estou publicando algo no Escrever Por Escrever, é certo que estou muito bem vivo n´O Pensador Selvagem (cujo novo site acabei de lançar), na Coolmeia ou no Simplicíssimo (cujo novo site lançamos faz 2 semanas). Entao, nesse periodo, comentarios demoram a ser moderados e respondidos e tudo fica com um bocadinho de teias de aranha. Mas, quando volto, a faxina e grande e meus gas voce ja conhece: deixo tudo arrumado denovo.

Os 3 banners abaixo vão ficar bem visíveis aí na coluna da direita (ou em outro lugar, futuramente) para me levar facilmente de um lugar a outro. Entao, acertados estamos: se nao me encontras por aqui, me procura ai embaixo. E nao deixe de comentar. A sua palavra e o meu pagamento.

ops1 coolmeiaw girafa_trevo