Into the Wild Na Natureza Selvagem

Na Natureza Selvagem – Into the Wild (2007)

Into the Wild Na Natureza SelvagemAssisti agora há pouco Na Natureza Selvagem, um filme inspirado no livro homônimo, escrito por Jon Krakauer, sobre a vida de Chris McCandless, um jovem que aos 22 anos largou sua estável vida de bom aluno e classe média-alta em busca de liberdade e aventura.

Rebatizando-se Alexander Supertramp (superandarilho), rumou com destino ao longínquo e pouco habitado Alasca, para se embrenhar na mais inóspita Natureza. No caminho, cruzou com as vidas de muitas pessoas que lhe davam carona, casa ou um emprego temporário.

Uma bela fotografia, interessante trilha sonora composta por Eddie Vedder (ele mesmo, do Pearl Jam) e, principalmente, uma facada no coração deste mundo inóspito em que, na verdade, nós vivemos. Um mundo em que muitos vivem se relacionando cada vez mais com coisas e menos com pessoas e com a própria Natureza.

Uma grande mensagem do filme é a que transcrevo abaixo, e deve nos fazer refletir sobre seus vários significados:

"A felicidade só é real se compartilhada."

Continue reading

Senescência

Endocrinologia da Senescência

SenescênciaComo endocrinologista, sempre estudei tudo o que dizia respeito aos nossos hormônios e ao nosso metabolismo, além de recentemente e cada vez mais ter me dedicado também ao estudo da nutrição humana e melhores formas de manter nosso corpo forte e saudável por mais tempo.

Dentro deste pano de fundo, a Endocrinologia da Senescência começou a se tornar cada vez mais interessante para mim. Saber quais mecanismos levam a um maior envelhecimento em algumas pessoas e aprender a como retardar estes processos está se tornando parte mais e mais importante dos meus estudos.

Chegou a hora de armazenar e organizar este conhecimento, talvez na forma de um arquivo virtual e, porque não ao cabo de um par de anos, em um livro. O desejo já está posto, o conhecimento de base já tenho, vou atrás agora do que de mais novo se produziu no conhecimento científico nesta área tão interessante.

Quem já vibrou comigo com esta decisão foi meu amigo Eduardo Sabbi, médico psiquiatra e dono do Centro Geriátrico Vitalis, uma das melhores (senão a melhor) Clínica Geriátrica de Porto Alegre.

Acompanhe a saga do conhecimento da Endocrinologia da Senescência nesta subseção do site. Todo novo artigo publicado sobre o tema será publicado na aba Senescência do site. Dúvidas e questões pertinentes poderão ser enviadas através do Formulário de Contato e poderão virar um artigo que tentará esclarecer a seção.

Kalinka e Benjamim

Baby names – Nomes para bebês

Hoje perguntei para um conhecido que havia me confessado que iniciará os "trabalhos" para ter um bebê se ele já tinha escolhido o nome do futuro rebendo, ao que me respondeu:

Mas se ele nem nasceu ainda!

Kalinka e BenjamimÉ interessante notar que, no nosso caso (meu e da Carol) já temos os nomes dos bebês definidos há algum tempo. Se for menina, chamar-se-á Kalinka (que significa Pequena Flor). Se for menino, Benjamim (que significa Filho da Felicidade). Escreverei mais sobre esta decisão em outra ocasião.

Interessante perceber que em algumas culturas, o nome de um filho é dado somente após o nascimento. Em algumas tribos indígenas, o nome definitivo – ou nome de guerra – de um indivíduo só se dá quando o mesmo passa a ser considerado adulto.

No nosso caso, a pequena ansiedade de já imaginar nossos filhos (com carinha e nomes) nos fez correr antes do fato consumado. Na verdade, não vejo a hora de ver a pequena Kalinka e o pequeno Benjamim correndo pátio afora, brincando com a Bhali e o Sancho… Sonhos viram realidade?

Deus e o Tratado de Kyoto

– Pai! Esses dias me disseste que os homens não suportam muitas mudanças em pouco tempo, estou certo?
– Sim, meu filho! Estás correto.
– É por isso que a Terra está sendo destruída gradativamente pelo desmatamento desenfreado, indústrias que poluem o ar e as águas com suas emissões de detritos e gases tóxicos e pela caça e pesca predatórias, entre outras coisas?
– É, filhão. Isso mesmo o que está acontecendo.
– Por ganância crescente, o homem busca a todo custo subjugar a Natureza que eu criei. Alguns países tem penas severas e fiscalização rígida no que diz respeito aos desmatamentos e caça e pesca de animais dentro do período reprodutivo, por exemplo. No Brasil, especificamente na Amazônia, infelizmente, o corte de madeira de forma ilegal é endêmico e não é adequadamente controlado pelas autoridades locais.
– E o que se pode fazer para mudar isto?
– Bem, uma das tentativas que está sendo feita é o Tratado de Kyoto, onde os países assinantes devem reduzir seu percentual de emissão de dióxido de carbono em 5,2% até 2012 comparando-se com 1990. Dessa forma, poderiam evitar o rápido aquecimento global que vem ocorrendo.
– Puxa pai! Isso é interessante! Parece um começo!
– Sim, pena que os Estados Unidos, responsáveis por 25% da produção de dióxido de carbono do planeta inteiro, se recusaram a assinar, pois seu presidente disse que isto traria prejuízos para a economia norte-americana…
– Puxa! Assim não dá! Tem homem que é uma besta mesmo né pai?
– Pois é, filho…

(depois de algumas semanas interrompida, retomarei a publicação da série Diálogos com Deus; outros textos da série publicados anteriormente. é só fuçar e achar!)

 

Cessar de buscar

[00:10] giorgia: vamos fazer uma experiencia rapida
[00:10] { [ (Signifer animi ) ] }: mas, sabe, eu tenho uma impaciência e uma pacieência ao mesmo tempo
[00:10] { [ (Signifer animi ) ] }: não sei explicar
[00:11] giorgia: nao precisa me falar, mas imagina ai o momento mais feliz da tua vida
[00:11] { [ (Signifer animi ) ] }: ao mesmotempo que quero tudo pra ontem, não me importo se minhas tentativas não dão certo
[00:11] { [ (Signifer animi ) ] }: aí que entra o lado paciente
[00:11] { [ (Signifer animi ) ] }: agora
[00:11] { [ (Signifer animi ) ] }: o momento mais faleiz da minha vida é agora, aqui com você
[00:11] { [ (Signifer animi ) ] }: ops
[00:11] { [ (Signifer animi ) ] }: falei
[00:11] giorgia: isso ta muito zen!!!!
[00:11] giorgia: mas falando sério
[00:11] { [ (Signifer animi ) ] }: mas é verdade
[00:12] { [ (Signifer animi ) ] }: posso LEMBRAR de momentos muito felizes
[00:12] { [ (Signifer animi ) ] }: mas estou sendo sincero
[00:12] { [ (Signifer animi ) ] }: estou 100 % aqui
[00:12] { [ (Signifer animi ) ] }: e AGORA
[00:12] giorgia: então nosso exercicio nao vai funcionar… hehehehe
[00:12] giorgia: porque tu ja ta iluminado!
[00:12] { [ (Signifer animi ) ] }: mas vamos tentar fazer sua experiência
[00:12] { [ (Signifer animi ) ] }: haha
[00:12] giorgia: na verdade, foi uma palestra que eu fui com um psiquiatra que eu amei
[00:12] giorgia: aluno do prof. hermongenes
[00:12] giorgia: ate quero fazer um post sobre isso
[00:13] giorgia: o cara pediu pra gente imaginar o momento mais feliz da vida.
[00:13] giorgia: e esse momento normalmente tem a ver com uma CONQUISTA
[00:13] giorgia: então a gente associa felicidade com CONQUISTAS
[00:13] giorgia: mas ele diz que a felicidade está no fato de que, naquele momento, PARAMOS NOSSA BUSCA
[00:13] giorgia: que a felicidade tem a ver com o FIM DA BUSCA
[00:13] giorgia: e não com a conquista
[00:14] { [ (Signifer animi ) ] }: interessante
[00:14] giorgia: mas a gente confunde
[00:14] giorgia: associa com conquista e continua tentando conquistar coisas e mais coisas
[00:14] giorgia: quando o contentantamento é parar de buscar
[00:14] giorgia: estar contente aqui e agora
[00:14] giorgia: isso vem do vedanta
[00:14] { [ (Signifer animi ) ] }: pior que eu concordo com isso
[00:15] { [ (Signifer animi ) ] }: mas assim como minhas pacientes ansiosas que ganham peso porque não conseguem tapar os buracos deixados pelas angústias do dia-a-dia, eu luto bravamente contra minha consciência do que é melhor para mim
[00:15] giorgia: é super interessante, ne?
[00:15] giorgia: é do Vedanta isso
[00:16] { [ (Signifer animi ) ] }: na verdade, eu preciso justamente isso – parar de buscar
[00:16] giorgia: mas isso é ilumnacao…
[00:17] giorgia: por outro lado, a tua inquietacao é salutar… é isso que vai te permitir chegar no ponto de parar de buscar
[00:17] giorgia: quem nao tem inquietacao, nao chega la nunca
[00:17] giorgia: é um morto vivo…
[00:17] giorgia: é muita sorte ter essa tua inquietacao…
[00:17] giorgia: o professor hermogenes diz que é fome de Deus

Flávio

Como acertar na Mega-Sena e não ganhar o prêmio

 Flávio   Fácil, faça como o Flávio Biass, o marceneiro de Joaçaba (Santa Catarina) que resolveu confiar no patrão para fazer o jogo para ele. Segundo o moço, ele deu o dinheiro para o chefe e a combinação de números que ele deveria jogar. Estes números seriam combinações dos números do celular de Flávio.

    Mega-Sena sorteada, bilhete premiado. Reza a lenda que no domingo pela manhã (o prêmio havia sido sorteado no sábado), o patrão foi à casa da família de Flávio, comemorar com ele e com seus pais, mas já na segunda-feira o patrão esperto foi à Caixa Econômica Federal sacar o dinheiro. Segundo a família, o pretenso larápio ainda ofereceu dar uma moto a Flávio, mas depois sumiu.
   
    Mas nesse mundo dos espertos, Flávio não foi tão bobo assim: rapidinho deu queixa na delegacia de polícia da cidade e a Justiça, 2 dias depois, mandou bloquear a conta em que o dinheiro foi depositado. A Caixa Econômica Federal acatou a ordem.

    Agora vem o mais interessante: para a Caixa Federal, o dinheiro é do portador do bilhete. A Justiça brasileira terá que julgar o caso e definir quem fica com a bufunfa. O que será decidido? Há como se provar que Flávio está falando a verdade? Quem merece ficar com o prêmio? Que batata quente, hein senhor Juiz? Agora, você decide…

(Foto: Lilian Simioni/Zero Hora/ Ag.RBS) 

Ralureh e os insondáveis mistérios das ferramentas de busca

    Até ontem, a palavra Ralureh não existia para o Google. Hoje, já existem 2 links (às 9:09 da manhã). E, o que é muito interessante (mas não surpreendente) é que este blog, que publicou a palavra em primeiro lugar, não está entre eles! Um dos blogs que aparecem é o Bender Blog e o outro o Engadget. Ambos não publicaram nenhuma resenha sobre o método. O que apareceu no Google foi um comentário deixado por mim para divulgar a experiência de hoje à noite.

    Se você não está entendendo bulhufas do que estou falando, leia aqui primeiro. 

    Deixando de lado o caráter publicitário da experiência, que em um dia fez meu ranking no Technorati subir de 18 para 25 e o do BlogBlogs cair de 3800 para 1069 (Ainda não instalei o Alexa , segundo os especialistas o melhor índice para avaliar o posicionamento do seu blog), é interessante avaliar as reações das pessoas frente ao Método Ralureh.

    Boa parte das pessoas não consegue perceber benefícios imediatos da utilização do mesmo. Entretanto, um deles é explícito: é um Método de "código aberto"! Pode ser utilizado por qualquer grupo de pessoas ou comunidades para avaliar a colocação de, por exemplo, páginas distintas de um determinado webdesigner ou dos membros de um grupo. O "texto original padrão" pode ser hospedado em qualquer site, não somente aqui! 

    O fato é que ontem foi meu dia com mais acessos desde que voltei há blogar com mais freqüência, há cerca de 5 semanas. Tal fato, somado a um que considero o principal – estar conhecendo novas pessoas durante este processo, incluindo os já amigos Jobson Lemos e Wagner Fontoura , já me faz encarar esta empreitada um pequeno sucesso. Um grande sucesso seria, conforme conversa que tive ontem com a Giorgia , parar de querer mais. Mas isso é conversa para outro post.

    Quem estiver conectado na WWW, participe copiando o texto padrão que será postado aqui exatamente às 22 horas de hoje. O texto não precisará necessariamente ser publicado na frontpage. O importante é que esteja em "algum lugar" do blog.  Nos vemos lá.

    Enquanto isso, aproveite para conhecer o Mahalo , a primeira ferramenta de busca "human-powered" como afirma seu criador, Jason Calacanis . Mas abra o olho: se você tiver muitos anúncios em seu site, corre o risco de ser cortado da nova ferramenta de busca!

 

Come On Come On

        "Não bastava para ti que eu entregasse o meu amor…" Isso sim é uma canção de amor! Come On Come On começa já a milhão, chamando a galera para sacudir o esqueleto.

        Mas é depois que a tempestade passa que vem a parte mais interessante da música a meu ver: uma levada baião-iron-maiden faz um intermezzo pra lá de diferente, seguido por uma porção de calmaria que direciona para um final surpreendente.

        Vocalizes e palmas, escute aqui.

 

Naïf Gendarme

        Hoje começo a fazer uma seleção das melhores descrições que os blogueiros fizeram de si mesmos e de seus blogs. Tive essa idéia enquanto estava visitando o weblog de Igor Barbosa, o Naïf Gendarme .

        Há tempos algumas auto definições já chamavam minha atenção, mas nunca tinha me ligado em arquivar as que mais me agradavam.  Chegou a hora de começar. Vamos ver como o Igor fez?
 

Continue reading

{04/06/2000 – Domingo – 19:50}

(…) Amanhã vou começar a ler a "Crítica da Razão Pura" de Immanuel Kant pela terceira vez. Dessa vez eu vou até o fim! Além desse livro, também estou lendo "Por que ler os Clássicos" de Ítalo Calvino e "Os Analectos" de Confúcio. Acho que uma coisa interessante que eu poderia fazer era tecer alguns comentários sobre trechos que eu achasse interessante desses livros. Vou fazer isso! Uma coisa interessante em relação a Confúcio é a sua extrema atualidade, sua modernidade. Apesar de ter vivido de 551 a 479 a.C., suas mensagens políticas e humanas são mais do que aplicáveis aos nossos dias. Deixe-me incluir algumas coisas que constatei das leituras dos capítulos 1 a 4 do seu "Os Analectos":

Montesquieu, no século XVIII, desenvolveu noções que recuperaram o ponto de vista de Confúcio de que um governo de ritos (bom senso, costumes) é preferível a um governo de leis; Montesquieu considerava que um aumento da atividade de promulgação de leis não era um sinal de civilização mas, ao contrário, indica um colapso da moralidade social. É sua a famosa afirmação: "Quand un peuple a de bonnes moeurs, les lois deviennent simples" [Quando um povo tem bons costumes, as leis se tornam simples].

Segundo Confúcio, um rei lidera por seu poder moral {lembrar Thomas Hobbes – contrato social}. Se ele não consegue oferecer um exemplo moral, ele perde o direito à lealdade de seus ministros e à confiança de seu povo. O trunfo último do estado é a confiança do povo em seus dirigentes: quando essa se perde, o país está condenado. Na China, por mais de 2000 anos, existiu o governo dos eruditos, onde o império era dirigido pela elite intelectual, elite essa que tinha acesso ao poder político através de exames do serviço civil, aberto para todos. É interessante notar que esse foi o sistema de governo mais aberto, flexível, justo e sofisticado conhecido na História até hoje.

"O importante não é a pessoa acumular informações técnicas e habilidades especializadas, mas desenvolver sua própria humanidade. Educação não se refere a ter, mas a ser". (…)

 

Continue reading