Tag Archives for " internet "

mar 19

Aaaaarg.fail, Sci-hub, LibGen, TAL, LBRY e outros repositórios livres para artigos científicos, livros e mídias variadas

By rafaelreinehr | Blogs e Internet , Cibercultura

Somos contemporâneos de uma época de Transição. Mais uma delas, por sinal. Vislumbramos o surgimento da Internet com toda sua potência e possibilidades, a liberação de criações antes  privadas, tornadas acessíveis a todos com acesso à WWW (Napster, Audiogalaxy, Torrents). Aaron Swartz morreu defendendo o conhecimento livre, aos 26 anos.

Esta postagem não tem o intuito de recuperar toda a história das lutas pelo OKN (Open Knowledge, ou Conhecimento Livre), mas traz algumas das ferramentas atuais que podem ser utilizadas por quem deseja se aperfeiçoar a partir do conhecimento acessível e compartilhado na web.

Vamos a elas:

Aaaaarg.org –  http://aaaaarg.fail: Originalmente conhecida como aaarg.org, um acrônimo para Artists, Architects, and Activists Reading Group, foi criada por Sean Dockray e após vários processos, precisou mudar de domínio mais uma vez, hoje sendo hospedada em http://aaaaarg.fail. Trata-se de um grande repositório de livros de ciências humanas, arte contemporânea, teoria crítica, artigos científicos, teses, anotações e trabalhos que dificilmente são encontrados em qualquer outro lugar. Para não perder contato, se eles precisarem mudar de endereço mais uma vez, siga-os no twitter em https://twitter.com/aaaarg

Sci-Hub – http://sci-hub.cc: Criado pela neurocientista russa Alexandra Elbakyan, o Sci-hub é, na verdade, um script que “desbloqueia” e libera o acesso a milhões de artigos científicos de várias revistas e editoras espalhadas pelo mundo. Seu objetivo é “remover todas as barreiras no caminho da ciência”.

Library Genesis – http://libgen.io: Um gigantesco repositorio de livros, revistas, quadrinhos, pinturas e artigos científicos. Diversão garantida por dias e dias e dias e dias…

LBRY – https://lbry.io: Criada por Jeremy Kaufman, pretende ser o futuro do compartilhamento digital. Uma biblioteca digital descentralizada onde cada um é dono do seu próprio conteúdo e pode distribui-lo gratuitamente ou de forma paga, sem publicidade ou custos de intermediação. Inicia em ABRIL DE 2017. Quer ser um dos primeiros a conhecer? Acessa por aqui: https://lbry.io/get?r=B6IVb

TAL – The Anarchist Library – http://teias.org/tal: A Biblioteca Anarquista é o maior repositório de textos anarquistas e libertários da atualidade, em várias línguas. A versão brasileira ainda está em construção. Se você deseja contribuir com ela, deixe um comentário!

Se você quer saber um pouco mais sobre o conceito de RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS (REA em português e OER (Open Educational Resources) em inglês), leia meu capítulo sobre o assunto no livro Recursos Educacionais Abertos – Práticas Colaborativas e Políticas Públicas. O capítulo chama-se Recursos Educacionais Abertos na Aprendizagem Informal e no Auto-didatismo e pode ser lido AQUI.

Se você conhece outras plataformas que espalham o conhecimento livre, compartilhe nos comentários! Elas serão adicionadas ao texto do artigo.

Gostou deste artigo? COLABORE para que possamos fazer mais: http://reinehr.org/viva-o-mecenato/

 

Referências: 

  1. https://www.memoryoftheworld.org/blog/2014/10/28/aaaaarg-org/
  2. https://monoskop.org/Aaaaarg
  3. https://monoskop.org/The_Public_School
  4. https://pt.wikipedia.org/wiki/Aaron_Swartz
  5. https://pt.wikipedia.org/wiki/Alexandra_Elbakyan
  6. https://twitter.com/LBRYio
  7. https://lbry.io/news/20000-illegal-college-lectures-rescued
  8. https://www.youtube.com/watch?v=DjouYBEkQPY
  9. Recursos educacionais abertos na aprendizagem informal e no autodidatismo
  10. http://www.livrorea.net.br/livro/home.html
Internet e redes sociais
maio 04

Internet, Redes Sociais e outras Baldades, na ESUCRI

By Rafael Reinehr | Redes Sociais

Fui convidado pela Doutoranda Roberta Mânica,

professora da ESUCRI, Escola Superior de Criciúma, para ministrar uma aula sobre Internet, Redes Sociais e falar um pouco mais da minha história e meu envolvimento com as redes sociais.

Apesar da experiência de ensino-aprendizagem se dar dentro de uma instituição constituída com fins pré-determinados, fiquei feliz em saber que existe esta abertura à participação da comunidade, sempre que se julgue – meritoria ou imeritoriamente – que alguém pode contribuir à formação de outros.

Acabei de saber que o espaço a ser utilizado é um auditório e que, a princípio, serão duas turmas com as quais irei conversar. O desafio será conseguir passar o que tenho aprendido ao mesmo tempo em que nosso contato não seja somente uma aula no sentido comum do termo, como um professor passando – de cima para baixo – o conhecimento a seus alunos.

É certo que tenho estudado e convivido muito com a internet e tenho pesquisado e praticado as redes sociais nos últimos anos, podendo compartilhar em boa dose um pouco do que aprendi. Mas gostaria muito de aproveitar esta experiência para ouvir o que está turma de jovens (ou nem tão jovens) aprendizes tem a questionar e a dizer.

Para tanto, espero tirar a parte expositiva do centro e focar mais na parte deliberativa, na discussão que virá entremeada e logo após.

Desde já agradeço o convite da Professora Roberta e espero fazer jus à expectativa que se criou em torno de minha visita à ESUCRI.

facebook
out 25

Facebook agora também é Lite

By Rafael Reinehr | Só observando...

Pois finalmente o pessoal no Facebook atendeu ao pedido de milhares de usuários: lançou a versão Lite, sem todas aquelas parafernalhas que o fizeram ter tanto sucesso. O fato é que, para algumas pessoas, todos aqueles coraçõezinhos e fru-frus eram um empecilho para o bom uso da ferramenta. Você pode acessar a versão Lite indo em lite.facebook.com

facebook

out 01

Estreando a Seção Cotidianices

By Rafael Reinehr | Cotidianices

Estou tecnologicamente feliz hoje: finalmente consegui configurar, de forma acertada, uma ferramenta chamada MMS Blog, utilizada pelo meu sistema de manejo de sites (CMS) para publicar artigos, imagens e vídeos oriundos de telefones celulares e de e-mail.

Quem produz websites, sabe que, tradicionalmente, é necessário acessar, via navegador de internet, uma página de administração do site ou do blog e lá incluir o conteúdo a ser publicado. Com o MMS Blog, além do sistema tradicional, que continuarei utilizando para as postagens comuns do blog, tenho também à mão esta poderosa ferramenta que me permitirá incluir rapidamente qualquer conteúdo em texto ou imagem tanto por e-mail, smartphone ou celular.

Um notável avanço que, antevejo, fará desta Seção “Cotidianices” uma das mais movimentadas do blog.

Para acompanhá-la, o endereço é: http://reinehr.org/cotidianices

Mosaico do Twitter
set 03

Mosaico dos followers do twitter

By Rafael Reinehr | Twitter

Conheci hoje, através do blog da Dra. Lilian Starobinas, o Twitter Mosaic, onde você consegue criar um mosaico com as imagens dos teus contatos. Muito bom ter por perto essa turma toda que, de forma quase diária adiciona uma pitada de novidades no meu monitor. E você, se enxerga aí?

Para me seguir no twitter, adicione @r4re ou acesse www.twitter.com/r4re e dê um follow.

Get your twitter mosaic here.

Sinfonia Internética
abr 15

Internet Symphony, Eroica, por Tan Dun – só através da internet mesmo!

By Rafael Reinehr | Só observando...

O vídeo abaixo mostra uma “mashup”, uma mistura de uma série de vídeos enviados por milhares de músicos internautas de vários países, tocando diversos instrumentos musicais e compondo assim a bela e colaborativa “Sinfonia Internética”.

Repare nos instrumentos pouco usuais dentro da música clássica.

 

Continue lendo

Web teia net contra-web
jan 04

TAZ – Zona Autônoma Temporária – Hakim Bey – A Internet e a Web (parte IV de VII)

By Rafael Reinehr | Apontamentos Anarquistas

Web teia net contra-webHakim Bey utiliza a seguinte nomenclatura:
net: a internet “oficial”, criada para fins militares e que ainda encontra-se com dados restritos, como os de segurança nacional, informações bancárias e monetárias
web: uma net dentro da net, uma estrutura aberta e horizontal de troca de dados, não hierárquica
contra-net: o uso clandestino, ilegal e rebelde da web, incluindo pirataria de dados e outras formas de parasitar a própria net
Importante salientar que elas não são compartimentos distintos mas se mesclam em vários pontos.
Já na década de 80, quando o que se tinha eram alguns zines marginais, redes BBS, alguns softwares piratas, alguma influência (pequena) na mídia impressa e no rádio (e nenhuma nas redes de TV) Bey já percebia a importância fundamental que esta nova “ferramenta” poderia ter para a organização e para o apoio logístico de TAZs. Nas suas palavras:

“Nesse ponto de evolução da web, e considerando nossas exigências por algo que seja palpável e sensual, devemos considerar a web fundamentalmente como um sistema de suporte, capaz de transmitir informações de uma TAZ a outra, ou defender a TAZ, tornando-a “invisível” ou dando-lhe garras, conforme a situação exigir. Porém mais do que isso: se a TAZ é um acampamento nômade, então a web ajuda a criar épicos, canções, genealogias e lendas da tribo. Ela fornece as trilhas de assalto e as rotas secretas que compõe o fluxo da economia tribal. Ela até mesmo contém alguns dos caminhos que as tribos seguirão só no futuro, alguns dos sonhos que eles viverão como sinais e presságios.”

Computador
Apesar de poderem utilizar como “web” o boca-a-boca, os correios, a rede marginal de zines, as “árvores telefônicas”, o uso da internet como forma de “pseudo-telepatia” tornou mais eficaz e dinâmica a comunicação.
Hakim Bey imagina como será o mundo quando efetivamente estiver se realizando o que chama de “hacking da realidade”.

“Por uma característica de sua própria natureza, a TAZ faz uso de qualquer meio disponível para concretizar-se – pode ganhar vida tanto numa caverna quanto numa cidade espacial – mas, acima de tudo, ela vai viver, agora ou o quanto antes, sob qualquer forma, seja ela suspeita ou desorganizada. Espontaneamente, sem preocupar-se com ideologias ou anti-ideologias. Ela vai fazer uso do computador porque o computador existe, mas também usará poderes tão completamente divorciados da alienação e da simulação que lhe garantirão um certo paleolitismo psíquico, um espírito xamânico primordial que vai “infectar” até a própria net. Porque a TAZ é uma intensificação, um excesso, uma abundância, um potlach, a vida vivida em vez de sobrevivida, e não pode ser definida como tecnológica ou anti-tecnológica. Ela se contradiz, como alguém que verdadeiramente despreza fantasmas e aparições, porque deseja ser, a qualquer custo ou prejuízo para a “perfeição” ou imobilidade final.”

Neste mesmo capítulo H.B. Faz uma pergunta aos “hackativistas”: Se os computadores já são capazes de possibilitar trocas, de realizar o desejo de alguém por comidas, drogas, sexo, sonegação fiscal, porque isso não está acontecendo? Seria a capacidade de “fiscalização” e opressão do Estado maior do que se imagina?
Em meu artigo sobre a possibilidade de um mundo menos dependente do sistema monetário, onde explico a possibilidade de uma Grande Cooperativa Mundial, escrito em 1999, estão as principais diretrizes para uma livre troca de bens e serviços sem a necessidade de uso de dinheiro e, obviamente, sem a incidência de impostos sobre a troca. Nada de empresas ou pessoas jurídicas. Trocas entre indivíduos. Pessoas físicas que querem trocar algo que possuem por outro algo que outrem possua, quer seja um bem ou um serviço.

Toda a série TAZ – Zona Autônoma Temporária:

TAZ – Zona Autônoma Temporária – Hakim Bey – Utopias Piratas (parte I de VII)

TAZ – Zona Autônoma Temporária – Hakim Bey – Esperando pela Revolução (parte II de VII)

TAZ – Zona Autônoma Temporária – Hakim Bey – Psicotopologia da Vida Cotidiana (parte III de VII)

TAZ – Zona Autônoma Temporária – Hakim Bey – A Internet e a Web (parte IV de VII)

TAZ – Zona Autônoma Temporária – Hakim Bey – Fomos para Croatã (parte V de VII)

TAZ – Zona Autônoma Temporária – Hakim Bey – A Ânsia de Poder como Desaparecimento (parte VI de VII)

TAZ – Zona Autônoma Temporária – Hakim Bey – Caminhos de Rato na Babilônia da Informação (final)