Tag Archives for " livre? "

Artigos científicos com Acosse Livre!
jun 22

Artigos científicos serão totalmente liberados na União Européia até 2020

By rafaelreinehr | Saúde da Sociedade , Sociedade

Em busca do conhecimento livre:

No último dia 27 o Conselho de Competitividade da União Européia determinou que todos os artigos acadêmicos produzidos por instituições públicas ou privadas do bloco econômico deverão ser disponibilizados em caráter de Acesso Aberto até o ano de 2020.paywall

Fonte: http://meiobit.com/345185/uniao-europeia-determina-que-todos-artigos-cientificos-produzidos-no-continente-sejam-disponibilizados-em-acesso-aberto-ate-2020-elsevier-e-nature-sao-contra-a-resolucao/

Enquanto isso, vamos de Sci-Hub!

1. https://en.wikipedia.org/wiki/Sci-Hub

2. http://www.sci-hub.io/ (frequentemente fora do ar ultimamente, em função de brigas judiciais)

Comida Livre - mapeamento colaborativo.
fev 03

Comida Livre – Mapa dos Alimentos Livres do Mundo

By Rafael Reinehr | Agir localmente , Coolmeia , Ecologia , Efervescências , Ideias , Novidades! , Saúde da Sociedade , Sociedade , Sustentabilidade e Resiliência

A ideia do Comida Livre nunca foi muito humilde não: tínhamos, Arthur e eu, pensando em criar um mapa que pudesse mapear desde novas mudas de árvores plantadas em ambientes urbanos (ou, porque não, rurais), mas também e principalmente, mapear hortas coletivas, hortas comunitárias, hortos medicinais, PANCs (Plantas Alimentícias Não Convencionais), locais em que fossem jogadas bombas de sementes e pontos de descarte de alimentos não comercializados.

Captura de Tela 2016-02-03 às 00.14.31

Esse portal seria tão mais importante quanto fosse se tornando mais difícil o acesso ao alimento.

Hoje, apesar de todas as críticas que temos à sociedade industrial, ainda se consegue comida de forma suficiente em um país como o nosso, Brasil. Com a escassez do petróleo, o aumento dos custos de produção e distribuição dos alimentos que se seguirá nas próximas décadas, o acesso a alimentos de qualidade irá se tornar mais e mais difícil.

Mapear a Comida Livre, em primeiro lugar por uma questão de locavorismo e de soberania alimentar, mas também para defender a permanência e a existência de árvores e espaços que produzem os alimentos localmente em nossas cidades vai se tornar uma questão de “advocacia”, quando os mecanismos repressivos neofascistas começarem a ampliar seu controle para cima desse tipo de alimento que, inevitavelmente, tentará ser proibido nos anos que virão. Na Espanha, ao invés de incentivar a  produção de energia a partir do Sol, as pessoas são taxadas e desincentivadas a fazê-lo, em alguns estados dos EUA, é proibido coletar água da chuva, na Nova Zelândia, é proibido cultivar verduras e legumes em seu próprio jardim… E é só o começo.

Então, fique atentx! E aceite meu convite: visite o Comida Livre e mapeie tudo que for alimentício perto de onde você mora, estuda, trabalha. E monitore a continuidade desse alimento livre na sua cidade, além de incentivar o surgimento de mais hortos medicinais e hortas coletivas, bem como pequenas sacadas e até vasos ou latas comestíveis!

E Compartilhe essa ideia!

Energia limpa e sustentável
mar 17

Inversor de 12 volts para 220 volts

By Rafael Reinehr | Sustentabilidade e Resiliência

Hoje realizamos a primeira reunião de uma força-tarefa idealizada para ajudar no processo de transição para uma sociedade mais livre e limpa energeticamente. Em uma reunião na UFSC – Araranguá, estivemos Werther Serralheiro, Eduardo Tocchetto, Gabriel Lobato, a equipe da Empresa Jr. da Engenharia de Energia da UFSC (Jamil Bacha, Hanna Itamaro, Leticia Dalpaz, Caroline Farias, Rodolfo Souza, Raffaela Zandomenego, Ronaldo Torres da Silveira) e eu, Rafael Reinehr, reunidos para dar o primeiro passo em um projeto que deverá, entre outras coisas:

– pesquisar a matriz de ventos de Araranguá

– criar um projeto de fácil reprodutibilidade, open source, de geração energética eólica

– possibilitar o espalhamento da tecnologia para residências e áreas rurais, a baixo custo, com materiais majoritariamente locais ou nacionais

Conversou-se também sobre a necessidade de pensar no desenvolvimento de um inversor de 12 volts para 220 volts, enquanto o mercado não está pronto para produzir equipamentos de 12V de corrente contínua, como os produzidos pelo gerador eólico.

Definimos que iremos tentar conseguir algum apoio financeiro inicial via crowdfunding, talvez através do Catarse.me. O resultado do projeto será disponibilizado de forma livre, com tutoriais e documentação completa para poder ser reproduzido por indivíduos e instituições que desejarem possuir independência energética a partir da força dos ventos, onde isso for possível e desejável.

Observação: O título deste post é Inversor de 12 volts para 220 volts para demonstrar ao Gabriel como podemos colocar algumas palavras-chave entre os 10 melhores resultados do Google em poucos dias usando algumas ferramentas de SEO. Espero que funcione.