39 anos, uma Odisseia

rafael-reinehr-o-grito

mis-én-scene, ou esbravejando, na Marcha das Vadias de Criciúma – foto Mariana Noronha

Da última vez que nos encontramos para um bate-papo assim tão longo, eu tinha 33 anos, está lembrado? . Ainda, como naquela ocasião, sinto que nada me falta. Materialmente falando. Tudo o que busco agora é preencher alguma possível lacuna espiritual. Ou então, quem sabe, é conseguir esvaziar-me por completo, e perceber que o Tudo e o Nada são, enfim, a mesma coisa.

Papos zen à parte, descobri muita coisa nestes últimos seis anos. Acho que pode ser interessante compartilhá-las aqui, nesta conversa leve e solta que estou tendo com você.

rafael-reinehr-coolmeia

cozinhando para os amigos, no Solar das Lagartixas

Em primeiro lugar, quero dizer que melhorei muito em alguns aspectos neste período. Mas acho que posso ter piorado em outros, também. Aproveite para descer a lenha em mim nos comentários! Espero que, no cômputo geral,  se é que isso existe, o saldo tenha sido positivo.

Aprendi que, para um casamento durar, não basta querer. Não basta que somente um seja “nós”, mas que ambos o sejam. Aprendi que o desencanto pode surgir assim, de uma hora para outra. Mesmo que esta “hora para outra” não seja assim tão instantânea… Aprendi que olhar para o mundo, tentar salvar “o mundo”, começa, na verdade, por olhar pra gente, para dentro, e começar por nós mesmos. Na verdade eu sempre soube: a distância entre a teoria e a prática é que são elas… O resto é consequência, o resto é respingo das mudanças que promovemos de dentro pra fora…

Aprendi como é bom poder voar e criar novamente, como é bom fazer novos planos, outros planos, sentir novos ares, outros ares e perscrutar novos-velhos lugares. Aprendi que sempre que caímos, podemos levantar, e que as feridas dóem mas saram. E nos ensinam. E o que aprendemos, levamos conosco no caminho que segue.

rafael-reinehr-flapoa

Falando sobre a Coolmeia, na Feira do Livro Anarquista de Porto Alegre

Voltei a me apaixonar pela música, e estou me dedicando progressivamente mais ao estudo das quatro e das seis cordas. Voltei a tocar em uma banda. E vamos logo logo gravar um compacto.

Voltei a escrever. E voltei a ser eu mesmo. Voltei a Escrever Por Escrever. E voltei a ousar. E voltei a assinar mais em meu nome e menos em nome da coletividade. Ego x Eco. Lego – Levo.

Voltei a me apaixonar, e estou me dedicando cada vez mais ao novo amor, de dia, de noite, de madrugada, em cima da cama e embaixo da escada…

Continuo sentindo e aprendendo que nossa meta precisa ser o bem, e que na hora em que menos esperamos, ele retorna pra gente, pelo menos na mesma intensidade mas geralmente em quantidade muito excedente à que praticamos. Hoje, dia primeiro de julho de 2015, quando completo meus 39 anos e – novamente – não vou fazer festa, mas sim festejar com minha namorada

rafael-reinehr-conrado-ben

com Conrado e Benjamin, na casa da vó Gisa

 

e meus filhos, jantando com calma, paz e delícia, Hoje, dia como qualquer outro, mas se não

fosse eu, seria outro, recebo uma ligação que vale como um desses presentes inesperados que a vida nos dá. Senta que lá vem história:

Há algumas semanas, colocaram para alugar aqui em Santa Maria – RS um local no qual havia sido, por 19 anos, uma

loja de discos, CDs, camisetas, discos de vinil, chamada Exclusive. Essa loja fechou e o local, o segundo andar de um sobrado construído na década de 20 do século passado, fica na mesma quadra da escola dos meus filhos, em cima de uma padaria, em área central da cidade e perto de tudo, inclusive do meu trabalho, para o qual posso ir caminhando. O problema: a reforma dessa casa tem um valor relativamente significativo, já que todo piso, forro e aberturas estão tomados de cupins. Basicamente, tudo precisa ser trocado. Apesar de querer ficar muito morando lá, e até mesmo utilizar o local como algum ponto de encontro cultural ou de ativismo sócio-ambiental na cidade, os altos custos tornavam as possibilidades de mudança para lá remotas. Agora, a mágica: a ligação que recebi foi do proprietário que, ao conversar com sua irmã, e sentindo minha boa vontade em cuidar com

verdadeiro carinho e apreço pelo lugar, decidiram dar-me 2 anos (DOIS ANOS!) de carência no aluguel, para que eu possa realizar as reformas planejadas!!! Ypiiii! Um presentão! É aí que se fala de ganha-ganha: ganho eu, ganham eles, ganha a comunidade santamariense… Ideias já fervilham sobre o que irá acontecer no novo Solar da Andradas. Chega mais, e vem contar esse nova página da história com a gente!

rafael-reinehr-capa-de-livro

foto do amigo André Jacob, brincadeira em estúdio

E a vida rebrota. Morre-se, composta-se, revive-se e o ciclo finda infinitas vezes para reiniciar aqui e acolá, mutante, mudado, mudante…

Seis anos depois, uma coisa não muda: ainda espero que minhas amigas e amigos de verdade continuem me presenteando

com o que pedi, pela primeira vez, naquela ocasião: “se quiser me dar um presente no dia de hoje (ou em qualquer tempo), faça isso: pratique, com desapego, sem interesse por receber nada em troca, um ato de generosidade com alguém que você não conhece. Se calhar, permaneça com o espírito aberto, para repetir esta proeza quando for possível. Se conseguir, estará me dando um presente mais valioso do que qualquer um que já ganhei.”

conrado-luana-ben-rafa

Conrado, Luana, Benjamin e eu, na casa da bisa Helga, em Agudo.

 

Saúde – parte IV (de VIII)

A vida é uma série de mudanças naturais e espontâneas. Não resista a elas – isso só criará sofrimento. Deixe a realidade ser realidade. Deixe as coisas fluirem naturalmente da forma que quiserem.” – Lao Tzu

Ria, respire e vá devagar.” – Thich Nhat Hahn

desapego

Como é costume aqui na Medic(t)ando, seguimos nesta edição com mais algumas palavras e significados que estão atrelados ao conceito de Saúde, talvez de uma forma subversiva, nem sempre óbvia ao primeiro olhar.

A primeira reflexão diz respeito à mudança, e a ir com o fluxo. A mudança é, talvez, a mais inevitável e frequente característica que nos acompanha, desde antes do nosso nascimento até após nossa morte. E mesmo sabendo disso, temos dificuldades para aceitar ou nos adaptar aos fluxo daquilo que se renova sem nossa influência. Para beber vinho em uma chávena cheia de chá é necessário, primeiro, deitar fora o chá para depois beber o vinho. Essas são as mudança sobre as quais temos controle. Mas nem sempre estamos com o controle da chávena de chá, temos acesso ao vinho ou somos tolerantes a ele. Essas variáveis, muitas vezes, são indiferentes ao nosso poder e, neste caso, precisamos aprender a ir com o fluxo.

Alteridade é o segundo conceito que precisamos associar com saúde. Alteridade é compreender o outro usando sua própria lente, e não somente a nossa. Temos o injusto hábito de olhar para o mundo somente com as lentes que desenvolvemos durante a vida, e nem sempre nos dispomos a tirá-las e passar a enxergar as situações que nos sucedem em nossas relações utilizando o ponto de vista alheio. Além de nos trazer aprendizado, acaba por ser a solução de muitos problemas.

Existe uma parábola zen que nos ensina muito sobre o “Olhar sob diversas perspectivas”, nosso terceiro conceito de hoje:

O velho Mestre pediu a um jovem triste que colocasse uma mão cheia de sal em um copo d’água e bebesse.

Qual é o gosto? – perguntou o Mestre.

Ruim – disse o aprendiz.

O Mestre sorriu e pediu ao jovem que pegasse outra mão cheia de sal e levasse a um lago.

Os dois caminharam em silêncio e o jovem jogou o sal no lago, então o velho disse:

Beba um pouco dessa água.

Enquanto a água escorria do queixo do jovem, o Mestre perguntou:

Qual é o gosto?

Bom! – disse o rapaz.

Você sente o gosto do sal? – Perguntou o Mestre.

Não – disse o jovem.

O Mestre então sentou ao lado do jovem, pegou sua mão e disse:

A dor na vida de uma pessoa é inevitável. Mas o sabor da dor depende de onde a colocamos. Então, quando você sofrer, a única coisa que você deve fazer é aumentar a percepção das coisas boas que você tem na vida.

Deixe de ser um copo. Torne-se um lago.

O quarto conceito é a “descolonização do imaginário”, que trata justamente de nos libertar, trazendo-nos de volta à singularidade roubada pelas forças normalizadoras e homogeneizadoras que subvertem o pensamento, fazendo-nos acreditar nos ideais que o sistema estabelecido propaga. Questionar as informações prontas, fáceis e mastigadas e aprender a reconhecer as falácias das informações que chegam até nós fazem parte da manutenção de um “status saudável” individual e social.

Finalmente, o quinto item da pauta de hoje: Desapego. Ter desapego é deixar ir. É não nos deixar possuir por aquilo que possuimos. Mais: é não valorizar o ter acima do ser. É desligar-se do excesso de ligação às coisas, aos bens, às relações.

Na próxima edição, seguimos com as noções sobre Decrescimento, Generosidade, Compartilhar e Agir conforme a própria natureza. Até lá!

23/05/2003 – #024 – Poesia prá quê?

Não há, ó gente ó não, luar como esse do sertão…

Quando conseguimos parar nossas vidas, descer delas, dar uns passos e olhar para ela, ali, inerte, podemos aprender muito. Podemos aprender que velocidade em excesso não é bom. A pressa é realmente inimiga da perfeição.

Contemplação é necessária para que possamos perceber que fomos feitos também para gozar a vida, não somente construir futuros desenfreadamente sem usufruir. Volta e meia nos deparamos com problemas em nossa existência. Desde os mais simples: dívidas a pagar, prazos de entrega ou realização de compromissos, até mais importantes como casamento, aposentadoria, falecimento de entes próximos, etc. Nesses momentos, alguns de nós têm a percepção de que estão em um beco sem saída, encurralados, sem opções. Esse é um momento bom para parar tudo, dar uns passos atrás (ou ao lado) e observar nossas vidas.

Crises vitais e problemas são, na verdade, grandes aliados: são ferramentas que nos dão a oportunidade de recomeçar ou incrementar nossas atitudes positivas frente à vida. Momentos de amargura e sofrimento são inerentes à condição humana. Não podemos esquecer disso em nenhum momento. Recarregar as energias é a pedida!

Atravessar precipícios em pinguelas cambaleantes e mergulhar em águas gélidas faz parte do nosso caminho. Sabemos disso, entretanto queremos negar tal aspecto da existência. Contos de fadas são contos de fadas. Vidas reais são as nossas vidas. Objetivos existem e devem ser atingidos, principalmente quando norteados por princípios éticos e morais bem delimitados. Vamos dar o tempo que nossos atos precisam para colher os frutos.

Rafael Luiz Reinehr

A tristeza é só um esquecimento. Você esqueceu que foi criado pela luz e para a luz, Mas agora está no escuro, Que é só o meio do caminho” – Cleber Saffi – 29/04/03

luar-do-sertao

Convergencia

Decisões que mudam nossa vida

Hoje decidi algo importante, que deverá mudar minha vida nos próximos anos: vou, decididamente, deixar a Medicina dormir. Com isso quero dizer que vou começar a buscar mais intensamente situações e condições que me permitam dedicar, cada vez mais, ao que vem me interessado nos últimos anos: Cooperação, Comunicação, Conhecimento e a Convergência destas matérias.

Vou tentar buscar alguma forma de sustentar este desejo, me aliar a instituições ou projetos que permitam que eu dedique meu tempo à pesquisa, divulgação e implementação das ideias e ideais que temos desenvolvido e apresentado na Coolmeia, incluindo aí iniciativas educativas, de economia solidária, de sustentabilidade e de despertar individual.

Ainda não faço ideia de como farei para realizar esta “necessidade” nos próximos anos, mas logo depois de atender a alguns compromissos pré-assumidos para este ano, estarei começando a planejar e traçar novos rumos. Deseje-me sorte e eficiência.

Convergencia

Resistência à mudança, Inovação e Conservadorismo

Retirado de um seminário da STRO (Social Trade Organization):

Devemos ter em mente que não há nada mais difícil e perigoso, ou mais duvidoso de sucesso do que a tentativa de introduzir uma nova ordem de coisas em qualquer situação. O inovador tem todos os indivíduos que obtiveram vantagens com a antiga ordem das coisas como inimigos, enquanto aqueles que esperam ser beneficiados com as novas instalações, serão defensores moderados. Essa indiferença surge, em parte por medo de seus adversários, que eram os favorecidos pelas leis existentes e, em parte, pela incredulidade daqueles que não acreditam em nenhuma coisa nova, que não seja o resultado de uma experiência bem-sucedida. Por isso é que, sempre que os opositores da nova ordem das coisas têm a oportunidade de atacá-la, eles o farão com o zelo dos partidários, enquanto os outros o defendem, mas com pouca intensidade, assim, resulta ser perigoso confiar nestes últimos.” (Nicolau Maquiavel, em O Príncipe)

E o texto segue (agora fala o autor do texto, Hen van Arkel):

Certamente, quando você se propõe a repensar as estruturas básicas da sociedade, há uma grande resistência. E, de fato, durante muitos anos, era essencial que os ricos tivessem uma espécie de dinheiro disponível que lhes permitisse transferir poder ao longo do tempo e do espaó. No entanto, temos sobrevivido a esse episódio. Hoje as pessoas que têm muito, enfrentam o risco de perder tudo, vivendo neste planeta ecológico e socialmente frágil. Isso não significa que todas as pessoas ricas estão conscientes disto ou que sabem como melhorar seu comportamento. A opção por tais “mudanças” tanto atrai quanto assusta as pessoas. Nós, seres humanos, na grande maioria, desconhecemos que a história cria mudanças o tempo todo. A verdadeira questão é: nós vamos nos atrever a começar e apoiar as mudanças nas regras fundamentais existentes por trás da atual organização da sociedade, ou vamos esperar até que as coisas mudam, como resultado dessas regras em vigor ou devido a outras forças?

Para algumas pessoas, saber que a mudança de um estado de organização social para outro parece ser algo impossível, posto que todas as forças do tabuleiro jogam contra, basta para que se recolham à rotina de TV a cabo e churrascos de domingo.

Para outros, ela só reforça a noção de que o que está errado precisa de soluções ainda mais engenhosas e criativas, partindo para a prancheta e para a colaboração em rede para buscar as respostas aos problemas que se apresentam.

Como disse-me o amigo Luiz Algarra, depois que lhe encaminhei esta reflexão:

“Tenho refletido sobre o fato de que a inovação é apenas um estágio da conservação.
Inovamos para conservar.
As empresas inovamprocessos para conservar posições de mercado.
Partidos inovam propostas para se adaptar ao desejo dos eleitores, e se conservar no poder.
Somos seres conservadores po natureza. Conservamos nosso viver.
Então hoje para mim a questão é: o que desejo conservar?
Tudo de organiza em congruência ao redor de um sistema que conserva uma determinada classe de coisas.

Pergunta importante: “o que desejo conservar?“. É o meu desejo egoísta, altruísta? Estou respeitando o outro, a diversidade ou apenas o meu dinheiro e o meu poder? Qual é minha compreensão acerca do mundo que me cerca? Biologia do Amar e Biologia do Conhecer, disciplinas que não são ensinadas nas Escolas do Mundo ao Avesso…

Vamos estudar juntos, vamos apreender estes conceitos e com eles aprender a nos tornar humanos?

14/09/2009 – Trabalho, Mudança e Mudanças

No fim do dia de hoje, chega a mudança da minha mãe Claise, que está se mudando para Araranguá e virando catarinense. Ainda bem que não trabalho amanhã (vantagens da vida de autônomo, de profissional liberal) e posso ajudá-la na casa nova.

Por falar em ausentar-se do trabalho, atualizei o texto Abaixo ao Trabalho com mais um texto, agora o Elogio do Lazer, de Bertran Russell.

Vou virar o Belchior e me escafeder?

Meus amigos (verdadeiros) me perguntam por onde ando… Que história é essa de não utilizar mais e-mail, porque não conseguem me achar no celular… Vai virar ermitão, comprou uma casa na montanha, vai virar Belchior e sumir sem deixar vestígios?

Não meus amigos, não é nada disso. Quem está sendo afetado diretamente por estas decisões talvez esteja sofrendo junto comigo, e chegou a hora de um esclarecimento um pouco mais detalhado. Espero que eu consiga me fazer entender.

Durante toda vida sempre fui considerado uma pessoa muito inteligente, criativa. Sempre estava entre os primeiros da classe sem fazer nenhum esforço para isso. Uma bênção, diriam alguns.

Acontece que sempre gostei muito de ler. Devorava livros como outros devoravam sorvetes, balas e chocolates. Esse gosto pela leitura trouxe, digamos assim, algumas conexões benéficas para o jovem rafinha.

O tempo passou, vieram a adolescência e seus hormônios, o foco na faculdade, depois em especialização médica… Tudo muito rápido e, nesse turbilhão de acontecimentos, muitos desejos, projetos e objetivos a serem alcançados. Em 15 anos vivendo na internet se conhece muitas pessoas, se faz amizades passageiras e outras, em menor número, bastante duradouras e interessantes. Trocas fantásticas, mas também muita energia dispensada em bobagens que nada mais fazem do que sugam nosso tempo e energia criativa.

Entre tantos projetos, senti que aquele rafinha de antanho estava ficando pálido, sem energia, e que os projetos tão belos e que poderiam ajudar tantas pessoas estavam capengando, por falta de dedicação. Não por falta de empenho ou vontade de fazer, mas por falta de organização da minha rotina diária.

Comecei, há cerca de 5 anos,  a analisar em que pontos eu poderia melhorar. O ponto inicial: gerar renda suficiente para que pudesse, em menos horas de trabalho, garantir o meu sustento e da minha família, além de programar um futuro sereno e sustentável. Fruto deste planejamento, mudamos de cidade e de estado e hoje trabalho em condições mais favoráveis do que as de então.

Nos passos seguintes, passei a reduzir minha atividade laboral. Hoje não trabalho nas sextas, sábados e domingos. Entretanto as sextas acabam servindo para “tapar os furos” dos dias da semana. Ainda não estou bem organizado para deixar as sextas realmente livres como gostaria. Em um novo passo, estou tentando deixar 2 terças-feiras por mês também livres, para, quem sabe, concentrar as atividades que faço nas sextas e finalmente liberá-las para outros projetos. Isto porque, a noite e a madrugada tem-me sido muito caras. Estou deixando de desfrutar minha casa, a companhia de minha esposa e cães na intensidade que gostaria.

Tudo se trata, em verdade, de três coisas:

1. Estabelecer uma hierarquia de prioridades
2. Otimizar e organizar o tempo
3. Colocar em prática o que foi definido nos items 1 e 2

Não. Isso não é GTD (Getting Things Done, mas bem que poderia ser). Isso também não é uma decisão hermética. Estou experimentando, e conto com a compreensão dos verdadeiros amigos. Aqueles que não compreendem estas tentativas, talvez estejam distantes demais para perceber o que significa para mim ganhar 2 horas a mais por dia (livre do e-mail).

Talvez aqueles que permaneçam por perto, ganhem acesso a um novo e-mail, extremamente restrito, exclusivo para mensagens 1:1, que seja usado com moderação e sem esperar de mim urgência na resposta. Sim, neste caso sim, estou indo morar na Montanha. E só vou ter acesso a este e-mail quiçá uma vez na semana…

Enquanto isso, coloquei os comentários deste blog como privados. Assim, quem quiser fazer um comentário pessoal poderá fazê-lo e o mesmo não será publicado se houver algo que não seja de interesse público.

Ainda no mês de setembro estarei reavaliando minha relação com as atuais mídias sociais das quais faço parte, como Facebook, Orkut e Twitter. Vou ver o que presta e o que não presta e vou dar um jeito de realmente selecionar o que é válido para mim.

Ainda, aquelas pessoas mais próximas podem me adicionar no MSN, Skype ou ver minhas outras formas de contato e produção no Me Adiciona, que vai estar em algum lugar do blog. Mas, sem dúvida, este espaço aqui (http://reinehr.org) será o meu lar virtual a partir das próximas semanas, e o local mais fácil para me encontrar.

Então, meus AMIGOS, não vou virar Belchior nem vou sumir do mapa. Apenas compreendam este meu período de experiências. Tenham por certo que todo este esforço é para produzir um rafinha um pouco mais humano, menos atrelado às máquinas. É uma espécie de pausa (alguns diriam retorno), um tipo de reflexão sobre os caminhos pelos quais tenho percorrido. É uma reavaliação, que faz parte de um Processo.

Mudança

“Um pouco de perturbação faz parte do processo de mudança. Quando realizamos que é o nosso estado de consciência que influencia a percepção do mundo exterior, um avanço notável acontece. Realidades externas são apenas um reflexo do estado da mente. São as nossas competências, especialidades e poderes latentes que nos tornam efetivos em um ambiente conturbado. Para ser efetivo é preciso ser poderoso. Ser poderoso é ter a habilidade para lidar com todas as situações e aplicar o poder correto na hora certa. Para gerir mudança não basta autoconhecimento, é preciso autorrealização.”

BK Usha, Self Managing Leadership, Om Shanti Press, Abu Road, Índia

Desafio aos Holísticos: Vamos Pensar em Política? – por David Pacine

Recebi ontem uma carta do amigo Davi Pacine, contando-me sobre um evento ao qual eu gostaria de ter comparecido em Palmas – TO. Ao que tudo parece, pelo relato do amigo, foi muito bla-bla-blá e poucas propostas efetivas de ação para mudança social. Vejam o que ele me escreveu e abaixo o belíssimo artigo por ele escrito. Leitura recomendadíssima, pela profundidade e relevância da reflexão.

Prezado Rafael,

Recentemente estive participando do Seminário Internacional “Crise Civilizacional”, o qual tive uma pequena decepção. Bem só consegui me livrar dela com um desabafo. O desabafo vai logo abaixo. Se entender que há proveito no contexto do seu espaço virtual, no todo ou em parte, fique a vontade…

Abs

Pacine

Crise Civilizacional

 

Tive a honra de participar do Seminário Internacional “Crise Civilizacional: Distintos Olhares” ocorrido em Palmas-TO, em junho/09. O evento contou com as presenças de pensadores ilustres como o filósofo Edgar Morin, o palenteólogo Michel Brunet, os Senadores Cristóvam Buarque e Marina Silva e muitos outros, brindando o Brasil e o mundo com um consistente diagnóstico da crise sócio-ambiental que acomete o planeta.

 

O diagnóstico, praticamente unânime, já é bem conhecido de todos. Diante da maciça carga de informações científicas já existentes, não há duvida de que nós estamos trilhando o caminho errado. Numa síntese realista, o Senador Cristóvam Buarque disse que “estamos indo para o abismo” e, pior, não há sinal algum de uma mudança efetiva de comportamento, pois, para ele, “essa mudança só se faz possível mediante a educação, principalmente dos jovens”.

 

No entanto, apesar da concórdia dos especialistas em relação ao “cataclismo” que se aproxima, o seminário foi marcado por uma forte mensagem de esperança. Morin metaforizou dizendo que estamos navegando a bordo de um imenso “Titanic”, mas acredita que a humanidade será capaz de se salvar passando por um processo de “grande metamorfose”, como “o verme que se enclausura e se desintegra para então mudar seus processos e se transformar em borboleta”. Nesse sentido, o filósofo acha que a sociedade deverá se autodestruir e se recriar, encontrando novos caminhos para o futuro.

 

 

A Dúvida Angustiante

 

Lugar comum a parte, sob os distintos olhares do seminário internacional, um dos painéis de estudo tratou da possibilidade de uma “governabilidade mundial”, o que, entrando na seara da política, algo angustiante me desassossega no bojo do movimento holístico pela construção de uma nova consciência civilizacional. Assim, na oportunidade dos debates, após as brilhantes apresentações, dei vazão às minhas inquietudes e lancei um articulado questionamento. Sem me surpreender – porque já é de costume –, recebi, dos eminentes teóricos, singelas evasivas à guisa de respostas.

 

O que foi que perguntei? Ora, já que a patologia global é reconhecidamente profunda e sistêmica, sua “cura” não pode se restringir às dimensões “econômica” e “ambiental”, que são meramente sintomáticas. A verdadeira cura deve ir além e atuar nas profundas causas social, ética, política, existencial. Então, se este é o sentido da “profunda metamorfose” – questionei – onde está no multidimensional movimento teórico, científico e fático pela salvação do planeta, que se converge para o “projeto de uma nova civilização”, as bases teóricas e a mobilização real para a necessária reconstituição política da sociedade?

 

 

As Evasivas

 

As evasivas, como eu já disse, foram três. Primeiramente eu fui lembrado de que o processo de transformação política só pode ser operado pela via da educação. O segundo palestrante disse que uma grande mudança já está sendo operada “nos bastidores da consciência humana”. O último, por fim, me recordou da bandeira do “cidadão planetário”, para o qual seria ela a grande contribuição do movimento holístico para a formação de uma nova sociedade política.

 

 

Uma Matriz Política Doentia

 

Antes de comentar essas respostas, cumpre destacar alguns rudimentos relativos ao nosso modelo político ocidental. Sinteticamente, não é demais lembrar que a arquitetura iluminista do “estado constitucional moderno” já possui mais de três séculos. Três séculos! Nesse período passamos por drásticas mudanças como as propiciadas pelas revoluções científica, industriais, dos transportes, das comunicações, socialista, quântica, da informação, etc. O mundo mudou tanto que se tornou uma aldeia globalizada e começamos até a acordar, forçosamente, para as questões ambientais. Mas o nosso sistema político continua se arrastando com a mesma caricatura contratualista, que segrega a sociedade das instancias de poder.

 

Obviamente, o problema não reside simplesmente no fato do modelo ser senil ou anacrônico. Na verdade ele é e sempre foi totalmente doentio. Por qual razão? Justamente porque suas bases teóricas são fundamentadas em uma concepção da “natureza humana” terrivelmente amesquinhada e grosseira. As conseqüências desse engodo, nem precisa dizer, são brutalmente devastadoras.

 

 

Qual é a Natureza Humana?

 

Como é a natureza humana? Seria o homem originalmente mau e egoísta, ou ele é bom de fábrica e o “sistema” é quem o corrompe? Essa é uma pergunta filosófica que vem cruzando os milênios sem uma resposta definitiva. Portanto, fundamentar o aparelhamento de instituições públicas baseado em uma opinião reducionista faz-se extremamente perigoso. Exemplo disso? Para o capitalismo o homem é naturalmente egoísta e competitivo, e mais, o consumo é sinônimo de felicidade. Qual a conseqüência? O sistema “produz” pessoas egoístas, competitivas e consumistas que estão devastando o planeta.

 

 

Profecia Autorrealizável

 

Nesse sentido, estudos matemáticos, como a “teoria dos jogos”, tentam decifrar o comportamento humano em ambientes condicionados por múltiplas regras e atores. Uma noção interessante desses estudos é a de que, por exemplo, num ambiente onde reina a desconfiança, a tendência dos indivíduos é de serem egoístas. Outro fenômeno parecido é chamada “profecia autorrealizável” em que a própria “crença” de que algo venha a se realizar é suficientemente capaz de concretizá-lo. Exemplo? O mercado de ações. Quanto mais pessoas acreditarem que os preços irão desabar, maior será a “corrida” dos investidores, acarretando a queda real dos valores dos títulos.

 

Notadamente, não é difícil concluir que não temos uma natureza pronta. Em grande medida, somos produtos culturais do sistema que nós mesmos criamos. Em parte, somos reféns das nossas próprias idéias, a partir das quais criamos instituições, sistemas e superestruturas de poder. Em outras palavras, primeiramente são os homens moldam os “sistemas”, mas logo em seguida, são os sistemas que moldam os homens.

 

Com esse breve preâmbulo, agora podemos examinar o nosso “sistema contratualista” que se constitui como idéia fundante dos ditos “estados constitucionais modernos”. Em seus sutis pressupostos, ele afirma que a sociedade teria, pela via do pacto, reconhecido a sua incapacidade de se auto-organizar. Assim sendo, a sociedade se faz ontologicamente, e por isso perenemente, carecedora de um poder soberano que a pacifique e a conduza. Aceita essa teoria, passamos então a criar instituições detentoras de poderes cada vez mais especializados, que nos controlam e dirigem. Simples assim!

 

 

Um Paradoxo Extraterrestre

 

Todavia, é preciso dizer que o raciocínio contratualista é portador de um paradoxo mortal. Ora, se a sociedade é ontologicamente incapaz de se autogovernar, então quem estaria apto a governar esta sociedade, um extraterrestre? “Não!” – diriam os mais persistentes –, “a sociedade e o próprio estado devem ser dirigidos pela lei e pelas instituições impessoais”. Mas mesmo nesse caso a pergunta continua válida. Quem elaboraria as leis, quem as interpretaria, quem as aplicaria? Os ETs?

 

Talvez seja por isso que Pool Válery disse com tanta propriedade que “a política é a arte de impedir as pessoas de participar dos assuntos que, propriamente, lhes dizem respeito”. Pois bem, se essa frase é portadora de alguma verdade, pergunto aos ambientalistas, como poderemos ser holísticos se os nossos maiores interesses coletivos encontram-se monopolizados nas mãos de pequenos grupos de tecnocratas dirigentes?

 

 

A Construção do Engodo

 

Sem embargo, a doutrina do “estado constitucional moderno” é complementada com mais dois ingredientes importantes. A idéia da “democracia representativa”, a qual nos diz que o exercício do poder soberano é legítimo quando alcançado pela via da eleição. E a idéia da tripartição do poder que, funcionando como um sistema de freios e contrapesos, evita (ou evitaria) a tirania e os abusos de poder.

 

A democracia representativa pode ser um grande refresco para a consciência dos indolentes, já que supostamente transfere a responsabilidade (e também a culpa) de todas as atribuições públicas para pessoas que “em seus nomes” foram autorizadas a exercê-las, porém, na prática, os extraterrestres eleitos orbitam em esferas tão longínquas que nem se lembram dos interesses dos comuns. Aí o alívio se transforma em suplício.

 

Nesse jogo de empurra-empurra, uma questão está sempre em evidência. Por que será que os políticos não exercem o poder em benefício do povo? Seria por mera falta de ética dos ETs patifes? Sinceramente, generalizar é tolice, pois alguns até são muito bem intencionados. O problema não está na falta de ética dos ETs, mas na “ética do sistema” que, volto a dizer, é segregadora e alienante.

 

 

Visão em Paralaxe

 

Se em grande parte somos “produtos do meio”, e esse “meio” é repartido em dois, então temos, inevitavelmente, uma dupla personalidade ou “programação”. Por isso, quem sai da sociedade e ingressa na máquina pública acaba “obrigado” a mudar o seu discurso. A isso o filósofo Slavoj Zizek denomina de “visão em paralaxe”. Ou seja, esse molde civilizatório cindido em “estado” versus “sociedade” é o motor da dicotomia perene governados x governantes, ou simplesmente nós x eles. Desnecessário dizer, mais uma dose de profecia autorrealizável.

 

Nós insistimos em não enxergar o óbvio, teimamos com a velha comodidade, mas a verdade cristalina é que não se faz possível o atendimento dos interesses coletivos pela via da alienação. Por incrível que pareça, é praticamente impossível, mesmo ao melhor dos gestores, exercer o poder em benefício do povo, porque a “máquina do poder” tem sua própria vida, sua própria lógica, seus próprios interesses. Ela vive prioritariamente para atender aos seus próprios fins, deixando em segundo ou terceiro plano as demandas sociais.

 

 

De Volta à Marx?

 

Nessa altura, talvez alguém já esteja pensando que estamos defendendo a bandeira marxista. Ledo engano. A teoria de Marx também é reducionista-economicista, na medida em que se atém muito mais à propriedade dos meios de produção que, para ele, uma vez que esta passasse para as mãos do proletariado, poria fim na dicotomia capital x trabalho. No entanto, a alienação de que falamos não se refere somente da produção laboral, mas ao distanciamento das artes políticas.

 

 

Manobra Invertida

 

Conforme demonstrado, o sofisma da tese contratualista é auto-evidente. Por via de conseqüência, a teoria da democracia representativa, que apenas pretende “legitimar o contrato”, também o é. Mas se isolarmos a sua própria finalidade, a da “legitimação”, nela também nos depararemos com uma ardilosa farsa. Ocorre que, numa manobra invertida, o estado, usando de seu poder de império, se serve da sociedade para se autojustificar.

 

Uma escolha legítima só pode se originar de uma convicção íntima, da manifestação livre da vontade dirigida para a obtenção de um fim desejado. Porém, o nosso mecanismo eleitoreiro consiste apenas numa pequena “janela” – extrínseca – que a lei “concede” ao cidadão, e somente de quatro em quatro anos, para que ele escolha candidatos que raramente conhece e, pior, para fazer, “em seu nome”, aquilo que, de fato, ele não determinou. Nessa sistemática dissimulada, as desagradáveis surpresas são tanto inevitáveis quanto intermináveis.

 

 

Fracionamento e Hiper-especialização

 

No tocante à teoria da “tripartição do poder” – que de fato se excedeu e instalou um multifracionamento do poder – é até desnecessário fazer uma longa exposição de argumentos aos defensores do pensamento sistêmico, basta dizer que nessa empreitada o estado e a sociedade perderam totalmente o sentido da unidade. Voltando à profecia autorrealizável, a concepção dos “freios e contrapesos” produziu o conhecido “campo de batalha”, um inferno plurissubjetivo onde cada fração, na ótica da sua caixinha hermética de hiper-especialização, “puxa” para um lado. Por causa disso, o sistema se tornou complexo, oneroso, burocrático e ineficiente.

 

 

A Fórmula da Alienação

 

Assim, se os cientistas versados em teoria dos jogos pudessem prescrever a fórmula para a “alienação política”, creio que seria suficiente que receitassem a fusão de três ingredientes. Primeiro, separe o estado da sociedade. Para isso, convença e dogmatize as pessoas de que o interesse público deve estar sob o domínio de um poder centralizado. Segundo, invente um arremedo de democracia para que tudo pareça racional e legítimo. E, por fim, fracione e refracione o poder tornando-o hiper-especializado, para que tudo pareça complexo demais para qualquer um administrar. Pronto, eis o molde para a eterna dominação.

 

 

Política é a Arte da Convivência

 

Nesse mesmo raciocínio, cabe dizer que política nada mais é que a arte de viver em sociedade ou simplesmente de se relacionar, de se “integrar socialmente”. Portanto se existe uma fórmula para produzir alienação política, essa fórmula é a mesma que produz o “individualismo”, ou a desintegração social.

 

Indubitavelmente, ser cidadão de verdade é participar da vida da cidade, de seus projetos, de sua concretização e de seu futuro. O exercício da arte política requer cidadãos ativos e não meros expectadores passivos. O individualismo, portanto, não é uma característica inerente à natureza humana, mas resulta do esvaziamento da cidadania pelo atual projeto contratualista de civilização.

 

Esse malsinado sistema político, sustentado por ardilosas mentiras, é uma gigantesca e poderosíssima máquina de entorpecimento humano, que promove o encadeamento de vícios interdependentes numa marcha de infindáveis sequelas. Da alienação surge a apatia; da apatia, a manipulação; da manipulação, o descaso; do descaso, a corrupção; da corrupção, o clientelismo; do clientelismo, a exclusão; da exclusão, a violência…

 

 

Quem Somos Nós?

 

Desse modo, em face do iminente colapso planetário, urge sim a elaboração de um projeto de recriação da civilização, mas que não repita os mesmos erros do modelo atual. Portanto, que não despreze a força da “semente ontológica” com a qual se reconhece a dimensão do ser humano. Se partirmos novamente de uma base filosófica que reduza o homem a uma criatura domesticável, já sabemos qual será o futuro da civilização. Mas se o considerarmos como um ser perfectível, detentor do potencial necessário para atingir a plenitude intelectual e moral… abriremos uma possibilidade real para que a lagarta se transforme em borboleta.

 

Nessa perspectiva, em que somos profetas de nós mesmos, devemos responder uma pergunta básica. Que “tipo” de humanidade queremos ser? E nessa reflexão, se formos suficientemente capazes de ser ousados, nossa resposta poderá nos levar, na dicção de Morim, a “um novo caminho”, a desencadear os mais insondáveis recursos e descobrir as mais impensáveis soluções. Já começamos a antever o drama que nos espera, mas uma simples resposta poderá guinar o nosso porvir. Só não podemos permanecer na inconsciência, como uma massa tola arrastada para o abismo.

 

 

De Volta às Evasivas

 

Bem, agora já posso cuidar das respostas “evasivas” que recebi, nos termos declarados no início desse ensaio. Para relembrarmos, vou sintetizar a pergunta que fiz aos palestrantes do seminário enquanto teóricos do novo projeto civilizacional: “onde está a base teórica e a mobilização fática para a necessária recriação política da sociedade?”.

 

 

Educação Robotizante

 

Primeira evasiva: “o processo de transformação política só pode ser operado pela via da educação”. Comentário: é uma posição cômoda, todos concordam com isso. No entanto, importa clarificar que tipo de educação pode nos conduzir à profunda transformação que carecemos. Logicamente, nosso modelo de “educação” não passa de um sistema de “formação condicionante” que só piora as coisas. Esse modelo está a serviço do capitalismo e não da construção da cidadania. Uma educação verdadeira precisa se ocupar com as múltiplas dimensões humanas, intelectual, emocional, moral, social, espiritual, etc. Tem que ir além dessa matriz tecnicista-conteudista acrítica, alienante, desprovida de reflexão e de ampla e imprescindível interpretação de mundo.

 

 

Consciência Engaiolada

 

Segunda evasiva: “uma grande mudança já está sendo operada nos bastidores da consciência humana”. Comentário: outra platitude. Certamente a consciência humana está evoluindo, porém, um pássaro não aprende a voar enquanto não se livra da gaiola. Se realmente já começamos a enxergar as grades dogmáticas que nos aprisionam, por que não temos coragem de serrá-las? Não basta ter consciência, precisamos converter o nosso domínio conceitual em atitude.

 

Apesar da pretensa consciência, meu questionamento é pela ausência – ainda de uma mobilização global que, além do comunismo demonizado, nos torne capazes de, uníssonos, “recusar” a nossa sina de rebanho-indo-para-o-matadouro. Carecemos de um foco de convergência que nos habilite a enfrentar a ditadura do “pensamento único” (o capitalismo global e o estado burguês), pois, se realmente acreditamos que um outro mundo é possível, ressinto que este mundo não será possível através do laissez-faire, laissez-passer”, mas de um intenso movimento unitivo maior que o Save Our SelvesSOS (salvemos a nós mesmos).

 

 

Cidadania se Inicia no Quarteirão

 

Terceira evasiva: a bandeira holística do “cidadão planetário”. Comentário: essa bandeira é tão bela e profunda quanto inócua. Por que inócua? Simplesmente porque a gigantesca matriz cultural de dominação que “forma” o pensamento humano, principalmente o ocidental, é completamente individualista. Claro, é muito mais fácil manipular o indivíduo, ou seja, uma “massa de indivíduos”, que uma coletividade unificada por interesses comuns. E o que subtrai os nossos interesses comuns, já disse, é o contratualismo. E se não temos consciência de coletividade (cidadania) nem em nosso quarteirão, como a teremos em nível global?

 

 

Provocação

 

Com o desabafo dessas modestas linhas, pretendo apenas produzir uma provocação: a provocação em mim mesmo pela imensa vontade de sair do mero discurso e da letargia. Mas ainda que eu queira “agir”, me pergunto, onde está a tábua de salvação? A quem devo me juntar? Ou devo fazer apenas a “minha parte” dentro do meu mundinho particular ou da minha pequena organização? Não sei. Meu sonho é que todos os movimentos, ONGs e Instituições interessados em um novo “projeto civilizacional” se desfragmentassem, e se juntassem, um a um, numa consciência maior, holístico-planetária, sinalizando uma real possibilidade de recomeço para nossa humanidade.

 

 

A “Cola” da Sociedade

 

Por fim, se me perdoam a pretensão, acho que a única “cola” com a qual poderemos construir a união de todos, por mais incrível que pareça, é a POLÍTICA. Por que a política? Porque por mais que as baleias, os ursos polares e a floresta amazônica sejam importantíssimos, a política está na nossa porta. A política, por si só, é holística. Ela trata de educação, saúde, segurança, meio ambiente, habitação, tudo. Então, se ela voltar para as nossas mãos, ela nos unirá em tudo. Como isso seria possível? Talvez pela via de uma nova organização societária “em rede”, como defende Augusto de Franco, ou de uma sociedade autopoiética, como diria Maturana. Não sei. Mas acho que já é tempo de nos arrojarmos nesse novo caminho, iniciando pela ampliação da concepção do ser humano, da felicidade e da vida.

 

“O progresso não é senão a realização de utopias.” Oscar Wilde.

 

David Gomes Pacine

estadoemrede@gmail.com