Posts Tagged "primeiro"


Entre primeiro de setembro e primeiro de outubro de 2008, realizei uma pesquisa aqui no site para tentar entender o que as pessoas que aqui chegam sentem em relação ao trabalho, bem-estar e à remuneração que se vincula com este trabalho e este bem-estar.

O resultado foi o seguinte:

Pesquisa Remuneração

A conclusão a que cheguei analisando os dados acima foi que uma grande parte das pessoas prefere não “viver somente para o trabalho”, mesmo que isso represente um incremento substancial (100%) da renda. Chegando a um patamar que lhes dê conforto, segurança e estabilidade financeiras, os votantes na opção “12 mil reais” preferem utilizar seu tempo com lazer ou outras atividades que lhes preencham do que utilizar as demais horas trabalhando mais para alcançar uma maior renda.

Me surpreendi com o grande percentual (32,2%) de pessoas que ficariam satisfeitas com uma rende de 3 mil reais para fazer 100% do tempo somente aquilo do que gostam. É claro que esta pesquisa sofre um grande viés: não leva em conta a remuneração atual do indivíduo que está votando. Ou seja, para alguém que ganha 1000 reais por mês, passar a ganhar 3 mil e fazer somente o que lhe dá prazer parece uma proposta aprazível. Mas e para quem ganha 24 mil, será que conseguiria passar a receber 3 mil e ficar plenamente satisfeito?

Obrigado a todos que votaram. Me ajudaram a pensar mais sobre o assunto. Ainda preciso de tempo para decidir por que caminho seguir. Quando decidir, compartilho com vocês a decisão.

Read More

Uma mulher chamada Suruba

Hoje estreiou a novela coletiva escrita a várias patas pelos blogueiros d’O Pensador Selvagem, Uma Mulher Chamada Suruba. O grandioso projeto cooperativo mantido pelo poderoso conglomerado de blogs d’O Pensador Selvagem já nasce com uma certeza: se o sucesso não vier, estupendas gargalhadas virão. Veja só a descrição sobre a obra e seus autores:

Uma Mulher Chamada Suruba é uma obra (lato sensu) coletiva, escrita a várias patas pelos blogueiros de O Pensador Selvagem. Trata-se de uma produção ficcional e, sobretudo, friccional. Portanto, qualquer semelhança com a realidade é mero sinal de que você deve ter uma vida muito merda.

Mal li o primeiro capítulo e já espero ansioso pela continuação da saga da jovem Suruba dos Santos… Um capítulo (ou mais) por dia… Haja coração!

Read More

Uma mulher chamada Suruba

Hoje estreiou a novela coletiva escrita a várias patas pelos blogueiros d’O Pensador Selvagem, Uma Mulher Chamada Suruba. O grandioso projeto cooperativo mantido pelo poderoso conglomerado de blogs d’O Pensador Selvagem já nasce com uma certeza: se o sucesso não vier, estupendas gargalhadas virão. Veja só a descrição sobre a obra e seus autores:

Uma Mulher Chamada Suruba é uma obra (lato sensu) coletiva, escrita a várias patas pelos blogueiros de O Pensador Selvagem. Trata-se de uma produção ficcional e, sobretudo, friccional. Portanto, qualquer semelhança com a realidade é mero sinal de que você deve ter uma vida muito merda.

Mal li o primeiro capítulo e já espero ansioso pela continuação da saga da jovem Suruba dos Santos… Um capítulo (ou mais) por dia… Haja coração!

Read More
Aborto Elétrico

Aborto Elétrico


Posted By on ago 23, 2008

 

 

Primeiro grupo punk de Brasília (e talvez o primeiro do Brasil), verdadeira escola de rockeiros, em suas fileiras passaram, entre outros, o baterista Fê, do Capital Inicial, Renato Russo, do Legião Urbana e Marcão, do Burguesia Decadente (1977-1979). De suas fileiras, sairam os músicos que depois formariam o Legião Urbana, a Plebe Rude e o Capital Inicial.

Aborto ElétricoUma das frases marcantes em suas letras foi “Menos guerra, mais pão, vocês de direita, vocês de esquerda são todos babacas,
velhos demais, vivendo intrigas de tempos atrás
” (O Despertar Dos Mortos).

Uma das raras gravações da banda, feita ao vivo na UnB em 1978, contava com as seguintes canções:

1. Fátima
2. Construção Civil
3. Ficção Científica
4. Veraneio Vascaína
5. Conexão Amazônica
6. Que Pais É Este
7. Love Song For One
8. Tédio

Para escutar (a qualidade é baixa, mas vale o registro histórico), clique em Download de Aborto Elétrico – Ao Vivo na UbB 1978

 

Read More

 

 

Steve ReichStephen Michael Reich (nascido a 3 de outubro de 1936) é um compositor americano pioneiro no minimalismo. Foi o primeiro a utilizar loops de fita para criar padrões de phasing. Muitas de suas composições são marcadas pelo uso de figuras repetitivas, ritmos harmônicos lentos e que, até certo ponto, influenciaram a música contemporânea nos Estados Unidos. Na década de 80 seus trabalhos se tornaram mais obscuros mas não menos intrigantes. Entre outros, Steve Reich sabidamente influenciou Philip Glass, John Adams, a banda progressiva King Crimson e o músico eletrônico Brian Eno.

Formado em Filosofia em 1957, incorporou alguns textos de Wittgenstein em suas músicas Proverb (1995) e You Are (variations) (2004). Desde seus primeiros trabalhos, Reich interessou-se pelo dodecafonismo, sendo que a utilização da escala cromática ao invés das escalas melódicas convencionais é uma marca registrada de seu trabalho.

Seu primeiro grande trabalho, entitulado It’s Gonna Rain, escrito em 1965, usava gravações de um sermão sobre o fim do mundo dado por um pregador de rua Pentecostal conhecido como Irmão Walter. O sermão foi enviado em múltiplos loops tocados dentro e fora de fase, com segmentos cortados e rearranjados.

A música Come Out, de 1966, usa em seus 13 minutos desta mesma manipulação de uma simples fala de um sobrevivente agredido em uma ação de violência civil. Reich pegou a fala “come out to show them” e a regravou em dois canais, que são inicialmente tocados em uníssono. Rapidamente, os canais saem de sincronia e gradualmente a discrepância entre eles se alarga e continua se separando até que as palavras se tornem ininteligíveis, deixando o ouvinte somente com os padrões rítmicos e tonais.

Veja abaixo um vídeo com a música Come Out:

http://www.youtube.com/v/H6x1co_5F7E&hl=en&fs=1(existe outra versão de Come Out acompanhada de coreografia, mas existem algumas interferência sonoras nesta versão; a versão acima respeita mais a sonoridade original da música)

(este é um artigo incompleto; será complementado nas próximas semanas com mais informações e vídeos)

 

Read More
%d blogueiros gostam disto: