Chegando no Rio de Janeiro pela primeira vez

By Rafael Reinehr | Brasil

nov 07

A chegada no Rio foi tranqüila. Depois de um vôo calmo entre Criciúma e Florianópolis e outro mais calmo ainda entre Floripa e o Rio, fomos, meu colega Manoel Fernandes e eu, levados até nosso hotel, o Windsor Barra, na Barra da Tijuca.

Logo após sairmos do Galeão, duas coisas chamaram minha atenção: os bolsões de pobreza que se destacavam em meio às belezas naturais como a floresta da Tijuca ao fundo e o calibre das armas dos policiais espalhados pelos bifurcamentos do caminho. Suas metralhadoras (ou submetralhadoras, perguntem aos especialistas) em punho levam ao incauto visitante oriundo de pacatas cidades do interior imaginar um clima de guerra constante.

A Natureza na tarde de hoje está meio tímida, já que nuvens e finos pingos de chuva insistem em esconder o sol e o azul do céu, guardando em aura de mistério o Rio de Janeiro que cantam os poetas.

Após desfazer as malas no esplendoroso hotel, fomos à beira do mar comer alguns camarões ao alho e óleo acompanhado de uma cervejinha enquanto as marolas logo ali embalavam quatro atletas concentrados em seu vôlei de praia. Um bom bate-papo, a falta de compromissos e de relógio completaram o clima de leveza desta tarde de sexta-feira. Vejamos o que nos espera a primeira noite.


Gostou deste post? Se ele lhe ajudou, que tal doar 1 real para que continuemos produzindo conteúdo assim?
Doação Única de Qualquer Valor via PagSeguro: https://pag.ae/blhvRmR
Regras para comentários: Tudo OK criticar, mas se você trolar, seu conteúdo será deletado. Divirta-se e obrigado por somar à conversação.