Monthly Archives: outubro 2008

20 de Outubro de 2008
out 20

20 de outubro de 2008 – Dia cheio…

By Rafael Reinehr | Cotidianices

…sem muita chance de fuçar na Internet, tampouco de atualizar blogs e afins. Ainda me espera um editorial para o OPS! à noite e alguns trabalhos de edição de imagens também para o OPS!. Preciso achar tempo para começar logo a ajudar o Tarciano com o novo site da Prodapys.

Enquanto isso, 20 pessoas online neste momento aqui no site… Triste, mas verdade: a maior parte chega pelas ferramentas de busca, nos artigos de sempre. Não sou um blogueiro para “conversas instantâneas”. Os comentários vêm em posts antigos, observe.

Repare, tenho uma boina
out 18

Gente que não vai a lado nenhum

By Rafael Reinehr | Esquetes

Há um tempo atrás, publiquei duas fabulosas e hilárias esquetes retiradas do programa português Hora H: Daniel Matos, o Blogodependente e a Associaçào dos Blogueiros Anônimos Vale muito conferir. Hoje, navegando pelo novo site do Paulo Polzonoff acabei por encontrar mais uma, deliciosamente engraçada tanto quanto as anteriores. Assista aí embaixo a esquete “Gente que não vai a lado nenhum”:

http://www.youtube.com/v/YrRE359cVy8&color1=0xb1b1b1&color2=0xcfcfcf&hl=pt-br&fs=1

A casa em ordem
out 18

Pondo a casa em ordem

By Rafael Reinehr | Cotidianices

O fim-de-semana foi reservado, desta vez, para organizar as coisas da casa, computador, papéis e outros quetais. Bobviamente, nem em um mês feito de 15 fins-de-semana conseguiria dar conta de tudo que preciso organizar, mas preciso dar um jeito “no grosso”.

Uma das coisas que mais me toma(va) tempo é (era) a atual (des)organização do(s) meu(s) computador(es). Trocentas pastas com subclassificações mas distribuídas de forma pouco eficaz pelo rebelde aparato eletrônico. Ou seja, vários cliques necessários para chegar onde queria. A manhã de hoje e parte da tarde estão sendo responsáveis por uma revolução no gerenciamento do meu tempo em relação a esta ferramenta tão interessante.

Fiz alguns ajustes no Windows Vista (que sou “obrigado” a utilizar em função do software médico que possuo e deixei-o um pouco mais rápido do que o padrão. Acelerei também o “shutdown” e reduzi o tempo necessário para ligar a besta. O dia em que conseguir acelerar o tempo para ligar esta besta que vos fala, lhes digo como fazer. Atualmente levo uns vinte a trinta minutos para “ligar” logo pela manhã…

Ontem fiz uns bifes de fígado que ficaram deliciosos com o Molho de Pimentas Mãe da Flávia a la Rafael Reinehr. Estava cons saudade de comer fígado. Hoje fizemos frango xadrez a quatro mãos (mais as da Carol, que picou o frango, a cebola, o alho…). Usamos nosso óleo de gergelim e também o óleo de amendoim, que dá um gosto todo especial ao frango. Acompanhando, arroz integral.

Segue o baile. Uma boa organização a quem precisa começar.

Erradicando a pobreza: maneiras simples
out 15

Erradicar a pobreza: maneiras simples para começar

By Rafael Reinehr | Meme

Este é um post referente ao BlogActionDay 2008.

A pobreza é, sem sombra de dúvida, a conseqüência de nossas escolhas de estilo de vida capitalista-consumista-individualista e também a causa de muito sofrimento e violência.

Abaixo, vou listar algumas coisas que cada um pode fazer hoje e sempre para ajudar a erradicar a pobreza no mundo. São coisas simples que não necessitam nenhum grande esforço ou desprendimento.

1. Dar votos a artigos que falem sobre pobreza em Redes Sociais
2. Dar 1 (ou 2) reais para um empreendedor que busca eliminar a pobreza para cada nova pessoa que assinar seu blog em um determinado período de tempo. Você pode ajustar esta quantia para mais ou menos, dependendo de suas condições financeiras e de acordo com o número de assinantes que já tem.
3. Dar 10 reais para cada pessoa que linkar seu blog em um determinado período.
4. Se o seu blog for monetizado, doar o seu rendimento de um dia específico (15 de outubro?) para um empreendimento para a erradicação da pobreza ou…
5. Doe 2 (ou 5, ou 10) reais para cada 1000 pageviews na sua página em um período de um mês
6. Doe algum tipo de tecnologia que você tem de sobra ou não utiliza para uma família em estado de pobreza.
7. Junte-se ou crie um grupo no Facebook ou no Orkut dedicado a reduzir a pobreza
8. Conheça e participe da Coolméia, uma Cooperativa de Idéias Altruístas que chegou para mudar o mundo para melhor
9. Utilize o Twitter e outras ferramentas de microblogging para compartlhar um bom artigo sobre a pobreza, bem como para compartilhar algum fato ou dado relevante sobre a mesma
10. Ajude os sites que ajudam a erradicar a pobreza lincando-os em seu website utilizando boas palavras-chaves (para os entendidos em SEO)
11. Crie e divulgue um papel de parede para lembrar as pessoas acerca da luta para eliminar a pobreza
12. Doe suas habilidades (por exemplo, habilidades de webdesign) para uma entidade de combate à pobreza
13. Crie uma série de fotos no Flickr ou em seu site contando uma história sobre a pobreza
14. Venda coisas das quais não mais necessita e doe o resultado para pessoas ou entidades que combatem a pobreza (ou doe o produto do qual não mais precisa em si)
15. Crie um vídeo para aumentar a percepção das pessoas acerca da pobreza e compartilhe-o no You Tube
16. Doe espaço não utilizado no seu servidor para um empreendimento que combata a pobreza
17. Mande e-mails para seus representantes políticos locais com suas idéias para combater a pobreza
18. Use seu blog ou site para contar a história de alguém que superou a pobreza, relatando os passos pelos quais esta pessoa passou (e salve a aliteração!)
19. Encorage os leitores de seu blog a doarem ou se envolverem com o combate da pobreza
20. Doe 1 ou 2 reais por cada comentário no seu próximo post, deixando claro para o leitor os motivos pelos quais estará fazendo esta doação
21. Dê publicidade grátis em seu blog ou site para sites que defendam a erradicação da pobreza
22. Mande um fantástico artigo sobre como erradicar a pobreza para seus amigos do Stumbleupon
23. Participe do Blog Action Day. Ainda é 15 de outubro, ainda dá tempo!

(A quase totalidade das dicas foram sugadas do site Skelliewag)

Sedex Ulisses
out 14

As balas de goma do Ulisses Adirt

By Rafael Reinehr | Novos Amigos

Costumo receber aquelas caixas amarelas do SEDEX com alguma freqüência (com trema, pois a reforma ortográfica ainda não “pegou”). Ontem recebi uma caixinha pequena com material de divulgação da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia sobre obesidade. Hoje recebi outra, e desta vez não estava esperando. Não tinha feito nenhuma compra (na verdade tinha, mas não havia tempo hábil para meus DVD-R chegarem, já que a confirmação do depósito só foi feita nesta manhã).

Fui olhar o remetente:

Sedex Ulisses

Hummm… Ulisses Adirt? O que será que o dono de um dos melhores blogs da rede do OPS! quer comigo? Será que estaria ele a me encaminhar um de seus livros para apreciação? É claro que abri de pronto. Para minha surpresa, o que encontrei lá dentro foram…

Um pacote de gomas
…dois pacotes de balas de goma!

Não pude resistir! Caí na gargalhada! Que bela surpresa! Dia desses comentei com o Ulisses que adorava balas de goma e que aqui na região vendem sempre as mesmas balas de goma, da Dori, e que já estava enjoado. Agora, poderei me deliciar com gomas de outros sabores! Viva!

Por sinal, aquele pacote lá de cima já está aberto e pela metade, viu Ulisses? Tive que dar uma disfarçada para ficar bem na foto, hehehe!

E assim, as amizades vão frutificando. Conhecemos pessoas especiais que conseguem deixar noso dia mais leve e feliz com simples atos de desprendimento.

E você, para quem vai enviar um pacote de balas de goma?

Você não é o que você compra
out 13

Você não é o que você compra

By Rafael Reinehr | Saúde da Sociedade

No próximo dia 29 de Novembro teremos mais um Dia Mundial sem Compras. Uma iniciativa da Organização Ativista Adbusters, a campanha propõe uma moratória de 24 horas nas compras em todo o mundo. Mas não vale comprar nada. Nem chiclete ou passagem de ônibus. Com o slogan “Participe deixando de participar”, a campanha busca promover uma reflexão acerca dos valores da sociedade moderna, voltada de forma crescente para a aquisição de bens materiais em detrimento do aperfeiçoamento das relações humanas.

Por aqui, fiz minha parte e criei os dois banners abaixo para divulgar a campanha. Sinta-se livre para utilizá-los. Não precisa citar a fonte.

Você não é o que você compra
Banner de 450 pixels de largura

Você não é o que você compra
Banner de 180 pixels de largura

Zeitgeist
out 13

Zeitgeist: Addendum

By Rafael Reinehr | Ando Vendo

Lembram quando falei aqui sobre o filme Zeitgeist e toda aquela polêmica foi gerada? Pois desde o último dia 2 de outubro está disponível Zeitgeist: Addendum, a continuação do filme. Ainda sem legendas em português, pode ser visto na íntegra clicando no vídeo abaixo. No próximo fim-de-semana estarei fazendo a crítica do filme. Quer me acompanhar e assistir o filme? Já antecipo que está em grande consonância com muitas de minhas idéias, pois critica o sistema monetário atual mostrando sua fragilidade e como o Monetarismo é capaz de gerar sofrimento, miséria, ganância e infelicidade.

Desenferruje seu inglês e assista:

http://video.google.com/googleplayer.swf?docid=7065205277695921912&hl=pt-BR&fs=trueVocê pode também ver o filme na íntegra em Português clicando no link Zeitgeist Addendum em Português.

Money
out 12

O Dinheiro como Empecilho ao Senso de Comunidade – Alternativas para um mundo sem Dinheiro

By Rafael Reinehr | Saúde da Sociedade

Um estudo recente realizado por Vohs e colaboradores demonstrou a influência do dinheiro nas decisões tomadas por pessoas sem que as mesmas soubessem conscientemente desta influência. Foram dadas aos participantes da pesquisa determinadas tarefas como organizar palavras misturadas para formar uma frase sobre dinheiro; com outros participantes, deixaram pilhas de dinheiro fictício do jogo Banco Imobiliário; outro grupo via um protetor de tela com várias denominações de dinheiro. Já outras pessoas, selecionadas randomicamente, tinham que organizar frases que não tinham a ver com dinheiro, não viam o dinheiro do jogo Banco Imobiliário e viam protetores de tela diferentes. Em todos os casos, as pessoas que tinham sido levadas a pensar sobre dinheiro – do chamado “grupo do dinheiro” – comportaram-se de forma diferente daquelas que não pensaram nele.

MoneyQuando foi dada uma tarefa difícil e avisado que teriam ajuda à disposição se necessitassem, as pessoas do grupo do dinheiro demoraram mais para pedir ajuda.

Quando solicitadas a ajudar, as pessoas do grupo do dinheiro gastavam menos tempo ajudando.

Quando solicitadas a mover sua cadeira para que pudesse conversar com alguém, as pessoas do grupo do dinheiro deixavam um espaço maior entre as cadeiras.

Quando solicitadas a escolher uma atividade de lazer, as pessoas do grupo do dinheiro eram mais propensas a escolher uma atividade que pudesse ser realizada sozinho do que outra que envolvesse outras pessoas.

Finalmente, quando as pessoas do grupo do dinheiro eram convidadas a doar parte do dinheiro que lhes foi pago pela participação no experimento, elas deram menos do que aquelas que não foram induzidas a pensar sobre dinheiro.

É impressionante como estes fatores banais que levaram a pensar sobre dinheiro tiveram influência tão grande sobre o comportamento humano. Enquanto o grupo controle, aquele não induzido a pensar sobre dinheiro gastou em média 42 minutos ajudando alguém em uma tarefa, aquelas pessoas do grupo do dinheiro ofereceram apenas 25 minutos do seu tempo. Quando solicitados a fazer uma doação, o grupo do dinheiro deu apenas um pouquinho mais do que metade do que foi dado pelo grupo controle.Greg Mankinw questiona-se: “O que faz com que o dinheiro nos torne menos pronados a buscar ajuda ou ajudar, ou mesmo a sentar perto de alguém?”

o Trocador de DinheiroVohs e colaboradores sugerem que à medida que as sociedades iniciaram a utilizar o dinheiro, a necessidade de depender da familia e dos amigos diminuiu, e as pessoas se tornaram mais auto-suficientes. Desta forma, eles concluem que o dinheiro aumenta o individualismo e diminui as motivações comunitárias, um efeito que é claramente aparente no comportamento das pessoas hoje em dia.
Enquanto isso, do outro lado da moeda, Elizabeth Dunn e colegas descobriram que gastar dinheiro com outras pessoas promove a felicidade. De forma tão ou mais importante do que a quantidade de dinheiro que se ganha, a forma que se gasta parece estar diretamente ligada à sensação de bem-estar e felicidade.

Dunn avaliou a hipótese de que gastar com outros prediz maior felicidade do que gastando consigo mesmo avaliando três tipos de estudos: um estudo transversal derivado de uma pesquisa nacional, uma coorte que foi acompanhada enquanto se gastava dinheiro que lhes foi dado e em um estudo randomizado em que os participantes foram designados a gastar com outros ou consigo mesmos. Nos três casos, a hipótese-teste se confirmou.

Os dois trabalhos trazem em si uma informação bastante importante que, apesar de óbvia, não é tão fácil de interpretar. Ao mesmo tempo em que o dinheiro – instintivamente – pode ser capaz de minar o senso de comunidade fazendo com que fiquemos mais egoístas e menos altruístas à medida em que chegamos perto dele, se porventura escolhermos gastá-lo não somente conosco e sim com aqueles que nos cercam ou com atividades que envolvam pessoas além de nós mesmos, poderemos estar incrementando nossa sensação de bem-estar e felicidade. Paradoxal? Para mim, nem um pouco.

Na verdade, a sensação de estarmos bem vivos e felizes que nos toma de assalto quando gastamos algo para ou com alguém é a mesma de quando fazemos algo de bom para alguém, mesmo sem dinheiro envolvido.

Foi com esse espírito que, em 1999 teorizei um sistema de trocas de bens e serviços que chamei na época, de forma pouco humilde de “A Grande Cooperativa Mundial”. Idealizada para funcionar de forma global, A Grande Cooperativa Mundial centralizaria em um website e/ou em alguns endereços físicos um grande e aparentement complexo mas em realidade bastante simples sistema em que pessoas com bens e serviços a oferecer seriam encontradas por pessoas com necessidades de tais bens e serviços. Um espécie de sistema de classificados, só que o objetivo não seria a VENDA de bens e serviços, mas a sua TROCA. Desta forma, estaríamos dando “a volta” em um sistema sobrecarregado de impostos, estaríamos fazendo circular bens que não estão sendo utilizados e evitando a extração de matéria-prima para produção de novos bens de consumo bem como reduzindo a poluição advinda da produção e transporte deste produto, no caso da troca ser a nível local.

No texto original, publicado no Simplicíssimo em sua versão impressa em 1999 e depois na versão virtual em 2002, escrevi o seguinte:

Pelo Mundo afora, existem pessoas necessitando serviços, materiais, espaço, objetos, enfim, “coisas” em geral. Ao mesmo tempo, neste mesmo Mundo, existem pessoas dispostas a oferecer serviços, materiais, espaços e objetos que não necessitam em dado momento, “coisas” essas que escamboficam inutilmente paradas em um canto qualquer, sem que ninguém o(a) esteja usando. Por que não catalogar tais bens (i)materiais associando-os ao seu valor na área onde são oferecidos e distribuí-los a quem os necessita, em troca de uma outra contribuição para a Cooperativa por parte do beneficiado? Nos dias de hoje, com o advento estruturação e, definidamente, da entrada profunda da Grande Rede (Teia) Mundial em nossas vidas e culturas, esse trabalho torna-se bastante facilitado, podendo haver rápida comunicação entre as diversas “filiais” da Cooperativa espalhadas pelo planeta. Cada serviço ou bem oferecido e usado, geraria um crédito para o fornecedor deste bem ou serviço, ao mesmo tempo que seria criado um débito para o usuário do bem ou serviço para com a Cooperativa (veja bem, e não para com o fornecedor). Penso que os créditos possam ser ilimitados, mas os débitos devem ser restringidos a uma quantia máxima, talvez determinada pela capacidade de oferecer bens e serviços ou então, igual para todos. Certamente tornar-se-ia necessário realizar um projeto piloto desta Cooperativa em alguma localidade específica, para somente então tentar disseminar a idéia em uma área mais ampla. A estruturação completa desse projeto passa por um longo período de planejamento com uma equipe multidisciplinar envolvendo pessoas capacitadas em áreas do conhecimento como Política, Economia, Sociologia, Filosofia, Relações Interpessoais, Informática, e, provavelmente de áreas como física, matemática e mais especificamente estatística. Se alguém que tomar conhecimento desse projeto tiver interesse em tomar parte, deverá entrar em contato através do e-mail superjazz7@terra.com.br(Nota: este e-mail não existe mais).Veja bem, a princípio essa é uma idéia de uma atividade essencialmente civil, feita por pessoas comuns para pessoas comuns, sem envolver entidades governamentais, mas não haveria empecilho algum em haver participação ou mesmo regulação das atividades da Cooperativa por parte dos diferentes Estados. Qualquer comentário posterior, favor entrar em contato através do e-mail acima. Aproveitando o ensejo e o tema do Fórum Social Mundial: “Grande Cooperativa Mundial, em busca de um Mundo Melhor, impossível agora, mas certamente possível amanhã”.

Como podem ver, é um texto simples, ingênuo até, compatível com meu desenvolvimento intelectual e estímulos percebidos à época. Hoje, a idéia amadureceu e ainda acredito na possibilidade de sua concretização. Acredito tanto e sempre acreditei que ela se materializou, de forma um pouco Freecyclediferente na rede Freecycle, que surgiu em 2003 em Tucson, no Arizona, com a iniciativa de Deron Beal. A Freecycle Network tem como principal objetivo evitar que bens com boa qualidade fiquem parados nos cantos sem utilização e, basicamente, é uma grande rede de DOAÇÃO de produtos.
Composta hoje por mais de 5.900.000 integrantes divididos em mais de 4.600 grupos espalhados pelo mundo, a rede utiliza listas de e-mail do yahoo para centralizar por cidades e regiões as ofertas e os pedidos de bens e produtos. Pessoalmente, inscrevi-me nos grupos de Porto Alegre e Joinville, mais próximos de minha casa e também nos de Lisboa e de São Paulo, como forma de aprender com grupos mais movimentados.
Minha experiência como observador foi positiva. Nos dois grupos mais ativos que acompanhei – São Paulo e Lisboa, as ofertas são diárias bem como as respostas aceitando estas ofertas. A quem recebe o donativo, cabe buscá-lo no local informado por quem o está oferecendo. Entre os produtos que são oferecidos para doação encontram-se carregadores de celulares, beliches, liquidificadores com um canto da tampa quebrada, secadores de cabelo, filhores de cachorros, livros, revistas, sapatos e carrinhos de bebê, impressoras, monitores e até um notebook (com a bateria avariada) mas no mais funcionando perfeitamente. Já entrei em contato para ser o mediador de um grupo aqui na minha região. É interessante observar que o Freecycle não aceita trocas entre produtos ou entre serviços. Apenas ofertas e solicitações, sem condicionamento.
Pela idéia original da Grande Cooperativa Mundial (precisamos achar um nome menos pomposo para ela), todas as modalidades de troca e doação seriam possíveis:

1. Oferta de um bem ou serviço em troca de “pontos de crédito” junto à Cooperativa (ex: ofereço serviços de jardinagem por 30 pontos de crédito por dia de trabalho – neste caso, o jardineiro que executa o serviço recebe 30 pontos de crédito na sua conta que poderá ser usado futuramente na aquisição de algum bem ou serviço, sem juros, sem taxas ou impostos)
2. Recebimento de um bem ou serviço em troca de “pontos de débito” junto à Cooperativa (ex: aquisição de um abajur antigo por 50 pontos – neste caso, o adquirente do abajur terá 50 pontos debitados de sua conta e quem ofereceu o abajur terá 50 pontos creditados em sua conta)
3. Troca direta de um bem ou serviço por outro bem ou serviço (ex: ofereço conserto de sistemas hidráulicos em troca de um monitor de computador de 15 polegadas ou maior em bom funcionamento – neste caso, bastam as partes acertarem os detalhes da troca entre si)
4. Doação simples de um bem ou serviço (ofereço ao custo de 0 pontos (gratuitamente) 6 pares de sapatos tamanho 41 de couro em bom estado; retirar no endereço tal, combinar horário por telefone tal)
5. Solicitação simples de um bem ou serviço (necessita-se de babá para criança nas manhãs de quinta-feira; motivo: mãe precisa realizar fisioterapia por 3 meses; não temos capacidade de pagar nada)

Estamos vivendo em um outro mundo, bastante diferente de uma década atrás. Muito, muito diferente de 3 ou 4 décadas atrás. Poucas coisas nos emocionam, é difícil algo motivar o cidadão médio para a ação. O comodismo, a busca do conforto através dos psicofármacos e do circo como forma de anestesia dos sentidos está cada vez mais gritante. Aldous Huxley, em 1932 narrou em seu maravilhoso livro Admirável Mundo Novo este futuro que parece que já é presente.

Me pergunto até que ponto atividades que eliminem relações verticais (aquelas em que o detentor do conhecimento ou poder) possam ser efetivamente trocadas por relações horizontais, onde o conhecimento, o poder e as responsabilidades possam ser equitativamente compartilhados entre pessoas afins. Me pergunto se projetos como os que estou idealizando como a Coolméia, o Voto Contínuo e esta pomposa Grande Cooperativa Mundial poderão algum dia ser uma realidade e ajudar a produzir um mundo mais ecologicamente pronado (vide artigo sobre o Decrescimento Sustentável), com estímulo à produção e consumo local, valorizando as relações entre as pessoas que estarão mais preocupadas em Trocasser do que ter e dispostas a trabalhar COM e não CONTRA semelhantes em busca de uma vizinhança melhor, melhores alimentos, água e ar para se comer, beber e respirar.

Por quanto tempo ainda existirão os “espertos” que insistem em se aproveitar dos “trouxas”, aqueles teimosos que ainda acreditam que se deve fazer as coisas “do jeito certo”, mesmo que existam pessoas levando vantagem em tudo?

Se o dinheiro é um material inerte e não tem culpa do desejo, da ganância, da avareza e da violência que em nome dele é gerada, reduzir o poder de criar tanto sofrimento é algo que me interessa. O caminho está na mudança da percepção de mundo que as pessoas desenvolveram. Como fazer isso? Estou investigando e experimentando. Quer me ajudar?

Doors Perceptions
out 11

Música, espírito, estilo de vida e o dólar aumentando

By Rafael Reinehr | Novidades!

Dentre meus poucos (mas bons) leitores, aqueles mais atentos já devem ter percebido que na última semana não tenho mantido minha “programação normal” de publicação de textos (segundas gastronomia, terças cinema, quartas dicas de saúde e bem-estar). Isso não se deve ao fato de não ter filmes para comentar, não ter escutado música para criticar ou não ter uma receita nova para compartilhar. Isso está acontecendo tão somente pelo fato de que estou precisando me concentrar nos projetos sociais que estou desenvolvendo e estão em pleno andamento, como a Coolméia e o Voto Contínuo.

Hoje pela manhã me reuni aqui em casa com o vereador recém-eleito Chico, meu vizinho de bairro e apresentei a ele a proposta do Voto Contínuo e, ao final da conversa, ficamos acertados que o Chico fará parte do projeto-piloto que implantará o sistema aqui em Araranguá. À medida em que o mesmo for se desenrolando, colocarei os detalhes aqui.

A Coolméia está em fase final de construção, ficando quase pronta para ser lançada, mas como só uma “abelha-operária” não faz verão, precisarei encontrar outras abelhas-parceiras para que esta boa idéia não vire ostra infértil.

Como sempre acontece quando acabo por me concentrar muito no “mundo real”, acabo por me distanciar dos amigos virtuais, mesmo sem desejar que isso aconteça. É líquido e certo que, durante algum tempo, deixarei de visitar meus estimados amigos mas também é certo que estarei prestigiando aqueles que por aqui passarem, quer seja respondendo os comentários que por aqui forem deixados, os e-mails que receberei e também através das outras ferramentas de comunicação que utilizamos como MSN, Skype, G-talk, sinais de fumaça e “transmimento de pensação”.

Infelizmente não temos como trazer sempre conosco os amigos que mais prezamos para compartilhar o caminho que escolhemos trilhar. Entretanto, fica sempre naquela pontinha da lembrança a imagem do amigo e da amiga e o desejo de que, mesmo que não consigamos nos aproximar, que ele (ou ela) tomem a iniciativa para nos dar um alô. De todo modo, cada um dos amigos será notificado do andar da carruagem destes projetos tão importantes para mim, quer seja por e-mail ou pessoalmente.

Doors PerceptionsAntes de finalizar, queria indicar dois sites muito bons que conheci por estes dias. O primeiro chama-se Collectors Choice Music e trata-se de um belíssimo repositório de quase TODAS as gravações feitas nos Estados Unidos e na Europa (e algumas fora de lá também), incluindo bandas raras e raríssimas que só encontramos por lá. Se o dólar ainda estivesse em 1,65, esta caixa do The Doors com 6 CDs e 6 DVDs já estaria a caminho daqui a esta altura. A outra indicação da vez vai para um site que faz maravilhosas resenhas de todos lançamentos musicais tão logo sejam previstos ou aconteçam, o High Fidelity Review. No link aí atrás eles revisam detalhada e profundamente a caixa do Doors que citei anteriormente. Um primor, uma delícia.

Sinceramente não sei como consegui deixar de colocar uma música de fundo na minha vida nos últimos anos. Espero que isso não mais aconteça. Meu espírito agradece.

Atmosfera e pensamentos
out 10

Atmosfera

By Rafael Reinehr | Brahma Kumaris

“A atmosfera ou astral de um lugar é resultado da qualidade dos pensamentos ali gerados. Quando os pensamentos são de alegria e leveza, a atmosfera fica agradável. Quando os pensamentos são negativos, a atmosfera fica pesada. Por isso é muito importante desenvolver poder interior para ser capaz de influenciar positivamente a atmosfera e não o contrário. Da mesma forma que os médicos não são afetados pelas doenças dos pacientes, temos que manter a consciência de que somos responsáveis em criar a atmosfera ao redor. Assim a atmosfera não terá poder de nos influenciar negativamente.”

(mensagem recebida através do site da Brahma Kumaris)