O Plano das Bicicletas Violetas – Qual é o plano?

Posted By Rafael Reinehr on jan 5, 2014 | 2 comments


O plano é reproduzir em Araranguá o Plano das Bicicletas Brancas,

desenvolvido originalmente por Luud Schimmelpennink em 1964, em Amsterdam. A ideia de Ludd era distribuir 20 mil bicicletas pela cidade para melhorar o trânsito caótico da cidade holandesa, mas isso foi negado pelas autoridades. Não se dando por vencido, Ludd e seus parceiros do coletivo PROVOS pintaram 50 bicicletas de branco e as distribuiram pela cidade, e qualquer pessoa poderia pegá-la, utilizá-las e depois devolvê-las.

Nossa ideia é fazer o mesmo, distribuindo uma série de 50 bicicletas que receberíamos a partir de doações e, sob os cuidados da rede Coolmeia, Ideias em Cooperação, e com apoio da iniciativa privada, comércio e indústria da cidade, reformaremos estas bicicletas pintando-as de violeta. Ao mesmo tempo, realizaremos uma campanha educativa em nosso município, mostrando que é possível experienciar situações em que os objetos de uso diário podem ser bens comuns, podem ser de todos e de ninguém ao mesmo tempo.

Este projeto traz consigo uma série de benefícios, tanto para os cidadãos araranguaenses quanto para a cidade como um todo:

1. Melhora da saúde do cidadão:

– diretamente, pela atividade física (atividade física científicamente reduz os níveis de colesterol, triglicerídeos, pressão alta, diabetes e o índice de doenças cardiovasculares como infartos e derrames, por exemplo.), além de reduzir a recorrência de depressão;

– indiretamente, pela redução da poluição ambiental que acontece quando se utiliza menos o automóvel como meio de transporte e mais um veículo de mobilidade auto-propelida como a bicicleta

2. Economia para os cofres públicos

Imagina-se que estimular o uso de bicicletas pode gerar uma economia gigantesca com gastos na área da saúde. Estima-se que para cada 1 real gasto em mudar o hábito dos cidadãos de uma transporte motorizado para um cicloativado, se economizariam 280 reais em gastos de saúde, desde medicamentos até internações hospitalares e dias ausentes do trabalho. (Na França, o governo está lançando o Plano Nacional da bicicleta, e vai subsidiar as empresas cujos funcionários vierem trabalhar de bicicleta. Cada funcionário ganhará 21 centavos de euro por km rodado. Foi calculado um gasto de 20 milhões no subsídio e uma economia de 5,6 bilhões em gastos na área da saúde – http://brasil.elpais.com/brasil/2013/12/27/sociedad/1388172257_849294.html )

Neste momento, precisamos reunir a sociedade civil para nos ajudar com as seguintes necessidades:

1 – 50 bicicletas, novas ou usadas, em bom estado de funcionamento

2 – Uma ou mais pessoas com entendimento em conserto e reforma de bicicletas

3 – Uma ou mais pessoas com conhecimento em pintura de bicicletas

4 – Tintas específicas para pintura de bicicletas + pintura dos raios + lateral dos pneus

5 – Auxílio na divulgação do projeto, em todas suas etapas, desde a inicial (de captação de recursos) até a etapa de lançamento e manutenção da ideia

5.1 – design gráfico de material de divulgação para as campanhas

5.2 – criação de um hotsite para informar sobre O Plano

5.3 – criação de um spot de áudio para divulgar O Plano

5.4 – criação de um vídeo informativo sobre O Plano

6 – Comunicação aos poderes governamentais

7 – Bicicletas às ruas

8 – Registro na forma de um documentário sobre todo o processo (opcional)

Nosso cronograma é o seguinte:

Janeiro a Março de 2014 – itens 1, 2, 3 e 4

Fevereiro a Abril de 2014 – itens 5 e 6

Maio em diante – item 7

(o documentário poderá ocorrer durante todo o processo – serão registradas imagens em fotos, vídeos e registros de áudio e textos da imprensa local)

Um pequeno auxílio financeiro também é muito bem-vindo, para ajudar a cobrir os custos de alimentação das reuniões e mutirões para pintura e consertos das bicicletas, para compra de pães, frutas, geléias e café. Todos os valores doados serão tornados públicos de forma a manter a transparência d’O Plano das Bicicletas Violetas.

Agora é com você: com o que te sentes chamado a ajudar?

Assinam: membros do Favo Araranguá da Coolmeia, Ideias em Cooperação

(artigo original em http://net.coolmeia.org/pages/view/17757/o-plano-das-bicicletas-violetas-qual-e-o-plano

faça parte do grupo de trabalho do projeto em http://net.coolmeia.org/groups/profile/17314/o-plano-das-bicicletas-violetas)

Compre-me um caféCompre-me um café
Gostou deste post? Se ele lhe ajudou, que tal doar 1 real para que continuemos produzindo conteúdo assim?
Doação Única de Qualquer Valor via PagSeguro: https://pag.ae/blhvRmR
Regras para comentários: Tudo OK criticar, mas se você trolar, seu conteúdo será deletado. Divirta-se e obrigado por somar à conversação.

2 Comments

  1. Thiago, bom saber que tens afinidade com o assunto mobilidade urbana. Me é bastante caro também. Desculpe a demora na resposta, meu blog era um latifúndio improdutivo (ou pouquíssimo produtivo) nos últimos 2 a 3 anos, nem estava liberando os comentários.

    Por enquanto, o Plano das Bicicletas Violetas está em pausa em Araranguá, mas pode voltar a qualquer hora, lá ou “em um lugar perto de você”, hehehe.

    Da mesmo forma, sabendo de algo correlacionado, me dá um toque!

    Post a Reply
  2. Brilhante iniciativa!
    Nossas cidades precisam ser mais humanizadas!
    O ronco dos motores predominam. Toda a infraestrutura de uma cidade prioriza e incentiva o uso do automóvel. Na contra mão disso, através de seguidos atos que revelam a miopia por parte dos administradores públicos e empresários, o que vemos ainda é o transporte individual motorizado como única opção e a bicicleta ainda vista como opção de lazer ou opção de transporte do pobre. Temos muito a aprender sobre mobilidade urbana com os holandeses, alemães…e também mais recentemente com o exemplo de Bogotá.
    Os textos de Eduardo Galeano (A Automovelcracia) são ótimos sobre esse tema.
    Fiz um trabalho de conclusão de curso sobre transporte cicloviário. No que eu puder ajudar…
    Abraços!

    Post a Reply

Deixe um comentário!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: