O Estuprador e o Indulto de Natal

Posted By Rafael Reinehr on jan 9, 2009 | 8 comments


Quais são os riscos e os benefícios de liberar um criminoso durante as festas natalinas? Durante este texto você vai se colocar no lugar de duas famílias e ajudar a decidir…

O Estuprador e o Indulto de Natal

Dia 25 de Dezembro. Na noite anterior, a ceia na casa da família Silva tinha sido ótima. Seu Franciel e dona Amália tinham recebido seus filhos que moram em Criciúma e Araranguá e, juntamente com a filha Verônica que com eles residia, tiveram uma noite muito agradável, regada a boa comida e conversas animadas.

Dia 25 de Dezembro. Na noite anterior, a ceia na casa da família Santos tinha sido ótima. Seu Aristides e dona Severiana tinham recebido seus filhos que moram no Arroio do Silva e seu filho Leonardo, preso há dois anos por roubo e tentativa de estupro, que recebeu o indulto de Natal e estava passando os dias com a família em Sombrio. Conversas animadas, boa comida… Uma noite muito agradável.

Gustavo e Frederico Silva voltaram para Araranguá e Criciúma na tarde daquele dia, já que no dia 26 trabalhavam. Despediram-se dos pais e da irmã e rumaram para suas casas.

Leonardo Santos avisou aos irmãos que ia passar o dia com os amigos, que não lhe esperassem para jantar.

Na casa de Verônica, a janta era feita com as sobras da ceia da noite anterior. Sentados na mesa de jantar, Verônica, seu Franciel e Dona Amália conversavam sobre a incapacidade do ser humano em respeitar as diferenças, enquanto um barulho de vidro quebralho lhes chama atenção.

Leonardo encontra-se com seus amigos para uma roda de fumo, bebida e pó. Conta para os camaradas que ainda não sabe se vai voltar ao presídio na segunda-feira, quando acabar o indulto. Com a cabeça ainda “ativada”, se despede do grupo e vai em direção à sua casa.

Quando Verônica se levanta para ver que barulho era aquele, um homem com cerca de um metro e noventa entra cozinha a dentro, vindo dos fundos da casa e manda todo mundo “ficar frio que ninguém ia se machucar”.

Leonardo tem uma idéia súbita: se realmente resolver ficar na rua, vai precisar de grana pra se manter foragido. Olha para o lado direito e vê a casa de sua antiga professora do primário. Se lembra que sempre morava sozinha, e resolve entrar. Pelos fundos. Quebra o vidro da porta, gira a chave por dentro e entra. Na mesa da cozinha, a professora e duas pessoas mais velhas. Diz:

– Fica todo mundo frio aí que ninguém vai se machucar.

Verônica, apavorada, reconhece na face machucada, barba por fazer e uma grande cicatriz à direita, o rosto de alguém que não vê há muito tempo. Seu Franciel se levanta para tirar satisfação, e em menos do que um instante já está deitado no chão, com a boca cheia de sangue, ouvindo os gritos da esposa e da filha.

Mas o velho teimoso não lhe escuta e resolve se meter a machão. “Tu vai ver o que é bom filhadaputa”. E Leonardo lhe desfere um forte soco que acerta o velho na boca, levando-o ao chão. Pega o braço da velha e da jovem e as carrega até o banheiro. Depois volta até o velho, chuta-lhe a boca e a cabeça e o arrasta até o banheiro.

O homem a agarra pelo braço, assim como à sua mãe e as tranca no banheiro. Logo traz, puxando pelas pernas, seu pai desfalecido. Ela pensa em gritar, mas o pavor é tanto que fica paralisada. Tenta ficar calma, mas mal consegue pensar. O invasor pede que a leve até algum dinheiro, dizendo que depois irá embora.

Leonardo pede que a professora lhe dê todo dinheiro que tiverem em casa.

– Ninguém precisa se machucar. Me dá o dinheiro e eu me mando.

Verônica o leva até os quarto dos pais, pega a caixa guardada na parte superior do armário, atrás de uma pilha de roupas e entrega a Leonardo. Três mil reais, é tudo que eles tem em casa.

Leonardo pega os três mil reais da caixa, mas antes de ir embora, ele precisa matar mais uma vontade reprimida nestes dois anos na prisão.

Verônica sente um olhar estranho em Leonardo, e o terror que já era gigantesco quase a faz desfalecer.

– Agora, fica quietinha se não quiser que eu te corte toda. E começa a arrancar a roupa da professora, que, pálida e com o corpo todo tremendo, não esboça nenhuma reação.

Verônica sente que está perdendo a consciência. Uma mistura de náusea, horror, vertigem e embrulho no estômago se somam ao tremor generalizado em seu corpo. Seus músculos não respondem à ordem que grita, dentro da sua cabeça: “Reaja, lute, se defenda, fuja…”

Leonardo penetra Verônica com toda força e disposição acumuladas no tempo em que ficou preso. Agarra seus seios e depois afasta suas coxas com vigor, para penetrar mais fundo. Ejacula dentro de Verônica, e o faz com um gemido de prazer. Levanta sua cueca, fecha o zíper e vai embora, sem olhar para trás.

Dia 25 de Dezembro. Um funcionário de plantão na delegacia de polícia de Sombrio recebe uma denúncia de assalto, agressão física e estupro. E pensa: “Porque uma merda dessas justamente no meu plantão? Vou ter que chamar o delegado…”

(O conto acima foi baseado em uma história real, contada por uma paciente minha no dia 08/01/2009, ocorrida com uma amiga dela, no último Natal. Os nomes dos personagens não condizem com a realidade, e alguns fatos foram omitidos e outros modificados, tornando esta uma obra de ficção.)

 

Compre-me um caféCompre-me um café
Gostou deste post? Se ele lhe ajudou, que tal doar 1 real para que continuemos produzindo conteúdo assim?
Doação Única de Qualquer Valor via PagSeguro: https://pag.ae/blhvRmR
Regras para comentários: Tudo OK criticar, mas se você trolar, seu conteúdo será deletado. Divirta-se e obrigado por somar à conversação.

8 Comments

  1. [quote name="Daise"]1)Falando como jurista que sou: o indulto só pode ser concedido aos presos com bom comportamento nos últimos 12 meses e que já tenham cumprido 1/3 da pena (réu primário) ou 1/2 (reincidente). Estão excluídos presos condenados por crime de tortura, terrorismo, tráfico de drogas e crime hediondo (cabendo o consumado e o tentado. No caso em tela, levando em consideração ambos os crimes por ele cometidos, tendo recebido a pena mínima, Leonardo não poderia ter recebido o indulto, pois só tinha cumprido 2 anos de prisão. O indulto só poderia ser concedido se ele tivesse cumprido 3 anos. Observe que tentativa de estupro é crime hediondo, logo incabível o indulto. Logo, em tese, Leonardo passaria o Natal na prisão.
    2)Falando como cidadã, mulher, mãe que sou, o caso é repulsivo. Para garantir a nossa segurança, gostaria que todos ficassem presos. No caso de estupro, então, um dos crimes mais aviltantes, a pena deveria ser perpétua (coisa que não temos no nosso sistema penal). E nesse caso de ficção, se assim tivesse existido, o indulto ~cria mais males que benefício. Várias correntes jurídicas já defendem revisar esse poder dado ao Presidente da República. A pena tem que reeducar o indivíduo. Sabemos que a prisão é medida ineficaz. O que fazer então? Esse tema é causa de grandes discussões na seara da criminologia.
    Saudações, amigo. Tenha uma ótima semana! Abraços[/quote]

    Daise, gostei muito de seu comentário… Moro na cidade de Sombrio e conheço o fato que foi baseado essa obra… o que me faz duvidar (se é que essa seria a melhor palavra a se usar), da justiça, é não entender o pq esse Leonardo esteja solto mais uma vez!
    Isso mesmo, você não esta lendo errado, após ter conseguido o indulto, ter feito o que fez, não só com Verônica, como com outras pessoas inclusive meninos… ele esta mais uma vez solto!!! A cidade esta bem preocupada e mais uma vez, o bandido solto e as pessoas de bem, se trancando em casa… alguma explicação? Eu não tenho!! Talvez, continuar divulgando o que sei e rezando para que tudo fique melhor!!

    Post a Reply
  2. ai que história triste 😥 fiquei até com medo ! 😮

    Post a Reply
  3. esse moco Odair Jose deve ter problemas sérios ele e novo 26 anos ele e muito corajoso pra da banho nos mortos tudo bem e uma proficao mais chegar a esse ponto de depois da pessoa morta já enterrada ,ele ter a coragem de retira o corpo e fazer sexo já e o cumulo de todos abir cudos. e os parentes como não fica ,e ele o Odair ele falando com o reporte parece ser uma pessoa tranquila, agora esse negocio dele esta possuído e difícil de acreditar,tudo que acontece as pessoas tem que falar que e culpa do diabo e errado os seres humanos sabe muito bem o que faz ,esse Odair ele sabe falar se defender ,de bobo ele não tem nada ,isso e a maior falta de respeito que uma pessoa pode cometer na vida e pecado , cruel e uma coisa que e difícil ate de comentar , porque e muito triste invadir uma sepultura,de pessoas que estão descansado e nem depois de mortos podem descancare em paz .eu respeito todo mundo ,principalmente os mortos que não podem se refender .esse Odair ele e bem esperto falando de um jeito de da dor ,mais ele não passa de um infeliz um coitado que vai pagar caro. ninguém tem esse direito .e colocar um homem desse pra trabalhar em um lugar onde nos temos que respeitar um lugar onde todos nos vamos um dia . sera que esse homem não tem mente nem coração .chega ser patético e so maldade .a mente desse Odair e podre ;ele tem que passa muitos anos na cadeia .para ele ter muito tempo para pensa nas coisas orivel que ele cometeu ,nem os animais fazem uma coisa dessa . nossa a mulher ja morta enterrada e depois ser violentada e dimais eu nunca tinha ouvido falar uma coisa dessa ,eu nunca imaginava que uma pessoa fosse capaz de um ato tao cruel desse,esse Odair louco ele não e mesmo.eu vir o vidio dele falando que não sabia o que ele tinha feito . que esse Odair já estava acostumado a fazer isso ele pra mim e um mostro . 😐 😡 :zzz :sigh: :sigh: :sigh:

    Post a Reply
  4. Cara Daise,

    Seu comentário está totalmente viciado por esses idiotas dos direitos humanos e advogados/professores criminalistas. A principal função da pena NÃO É ressocializar preso, e sim, castigá-lo por sua conduta má. O Estado brasileiro é relapso e inconsequente com essa questão prisional, infelismente. O povo brasileiro, por sua vez, disperso e resmungão sem atitude, o que não adianta nada também, por isso esse estado de coisas. Temos que parar com essa besterira de sermos vítimas e ainda ficarmos preocupados com os pilantras que os cometem. bandido teria que temer a justiça e a prisão. A coisas só não é pior, porque lá dentro, há lei entre eles e aí, é que finalmente, sofrem algum castigo e até morrem, mas não que o Estado quisesse. Sugestões: indulto de natal seria só pra crimes de pequeno potencial ofensivo, isto é, penas de até 02 anos, fora disso, não. Os presos perigosos teriam que cumprir pena em presídios em lugares bem ermos e obrigados a trabalhar, e sentirem que estão preso e não mometaneamente fora de combate como é hoje. Outra extravagância brasileira é a tal de visita íntima, pela desculpa das necessidades fisiólogicas. Mas bandidão tem é que se fuder e sentir que está sendo castigado, e não rir da cara de todos nós.

    Post a Reply
  5. que ruim
    esse ”Induto de Natal” é uma porcaria, so serve para dar liberdade aos crimes! :grr: =_= :flame:

    Post a Reply
  6. 1)Falando como jurista que sou: o indulto só pode ser concedido aos presos com bom comportamento nos últimos 12 meses e que já tenham cumprido 1/3 da pena (réu primário) ou 1/2 (reincidente). Estão excluídos presos condenados por crime de tortura, terrorismo, tráfico de drogas e crime hediondo (cabendo o consumado e o tentado. No caso em tela, levando em consideração ambos os crimes por ele cometidos, tendo recebido a pena mínima, Leonardo não poderia ter recebido o indulto, pois só tinha cumprido 2 anos de prisão. O indulto só poderia ser concedido se ele tivesse cumprido 3 anos. Observe que tentativa de estupro é crime hediondo, logo incabível o indulto. Logo, em tese, Leonardo passaria o Natal na prisão.
    2)Falando como cidadã, mulher, mãe que sou, o caso é repulsivo. Para garantir a nossa segurança, gostaria que todos ficassem presos. No caso de estupro, então, um dos crimes mais aviltantes, a pena deveria ser perpétua (coisa que não temos no nosso sistema penal). E nesse caso de ficção, se assim tivesse existido, o indulto ~cria mais males que benefício. Várias correntes jurídicas já defendem revisar esse poder dado ao Presidente da República. A pena tem que reeducar o indivíduo. Sabemos que a prisão é medida ineficaz. O que fazer então? Esse tema é causa de grandes discussões na seara da criminologia.
    Saudações, amigo. Tenha uma ótima semana! Abraços

    Post a Reply
  7. Difícil julgamento
    🙁 Aquí na Alemanha tivemos vários casos de presos que cometeram estupros que foram “liberados”, depois de cumprir pena ou mesmo por indulto, por seus psicólogos, psiquiátricos e voltaram a atacar mulheres e criancas, inclusive com morte das vítimas. Aquí aqueles que cometem crimes desta natureza sao acompanhados de perto por médicos, psiquiatras, juristas e também pela comunidade. Mesmo com “atestado” de que estao “curados”, ou com possibilidade de retornar a vida em sociedade, voltam e cometer os mesmos crimes. O jultamento é difícil. Encarcerar para sempre? Lobotomia? Teve um caso que o preso mesmo pediu para ser “lobotomizado” – nao sei se a palavra esta correta- para que o “Trib” ou “impulso” de cometer crime sexual fosse estirpado. Aquí só se sai da prisao se tiver, como disse acima, “atestado” de que os cidadaos, cujas penas foram vencidas, sejam soltos. Com todo o controle do Estado, tratamento psicológico e em alguns casos psiquiátricos os cidadaos agora livres voltam a cometer crimes. A questao é de dificíl solucao.
    Solange

    Post a Reply
  8. O texto ficou bem legal, Rafa… mas, não combina, simplesmente não dá para ouvi-lo no leitor automático. Esse texto merecia uma leitura gravada por alguém que interprete… se bobear até com uma trilhazinha sonora de fundo.

    Post a Reply

Deixe uma resposta para pedro havoc Cancelar resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: