TAZ - Zona Autônoma Temporária - Hakim Bey - Utopias Piratas (parte I de VII)


Add this to your website

Zona autônoma temporária - TAZ - ZATA leitura de TAZ veio em boa hora. No momento em que estamos para desencadear uma ação que caracterizo como uma “força para-governamental”, uma série de atitudes voltadas a enaltecer o espírito altruísta dos indivíduos e de grupos humanos, a idéia de “zonas autônomas temporárias” vem bem a calhar.

Se ainda não consigo encontrar argumentos fortes o suficiente para rejeitar as ações de grupos anarquistas radicais como os Black Blocks e outros grupos libertários que utilizam a ação violenta para expressarem seu desagrado em relação à opressão que lhes é imposta pelas forças do Estado, pessoalmente prefiro encontrar formas que não utilizem a luta armada para atingir as mudanças que são necessárias a um mundo mais pleno de justiça e liberdade.

Como acredito que o Estado em si é uma ferrugem que a ser combatida, penso que todas atividades capazes de enfraquecer a importância do mesmo na vida dos indivíduos acaba por ser uma ação natural a ser posta em prática.

E aqui uma ressalva – este texto não é voltado àqueles que já se cansaram de lutar, que se renderam com exclusividade ao conforto do “mundo do capital” ou que já não vêem saída ou não acham necessária solução alguma para as amarras que se impõe aos pulsos e tornozelos da grande parte oprimida da população em quase todas as nações.

Segue uma seleção de excertos do livro, dividida em 7 partes, com alguns comentários meus quando os julgar necessários. Muitas vezes o próprio texto exprime de forma plena o que eu mesmo gostaria de ter dito.

Utopias Piratas

Recentemente, Bruce Sterling, um dos principais expoentes da ficção científica cyberpunk, publicou um romance ambientado num futuro próximo e tendo como base o pressuposto de que a decadência dos sistemas políticos vai gerar uma proliferação de experiências comunitárias descentralizadas; corporações gigantescas mantidas por seus funcionários, enclaves independentes dedicados à “pirataria de dados”, enclaves verdes e social-democratas, enclaves de Trabalho-Zero, zonas anarquistas liberadas, etc.”

Piratas de Dados Islands in the NetO título do livro é “Islands in the Net”, e no Brasil foi publicado como “Piratas de Dados”, pela Editora Aleph. É preciso lembrar que o livro de Hakim Bey foi escrito no final da década de 80, quando se navegava na internet com canoa e remos impulsionavam esta canoa. O BBS era a regra. Hoje, praticamente 20 anos se passaram e a “previsão” de Sterling se realizou em muitos aspectos. O passo posterior ao surgimento destas experiências é a definitiva proliferação das mesmas, levando à possibilidade de uma vida plena principalmente pela ausência de fiscalização e regulamentação do Estado. A única forma de fazer isso é tornando-se invisível.

Experiência comunitárias descentralizadas como a Coolméia trabalham para tornar este horizonte uma realidade.

Seguindo em sua introdução, Hakim Bey questiona:

Estamos nós, que vivemos no presente, condenados a nunca experimentar a autonomia, nunca pisarmos, nem que seja por um momento sequer, num pedaço de terra governado apenas pela liberdade? Estamos reduzidos a sentir nostalgia pelo passado, ou pelo futuro? Devemos esperar até que o mundo inteiro esteja livre do controle político para que pelo menos um de nós possa afirmar que sabe o que é ser livre? Tanto a lógica quanto a emoção condenam tal suposição. (...) Acredito que, dando conseqüência ao que aprendemos com histórias sobre “ilhas na rede”, tanto do passado quanto do futuro, possamos coletar evidências suficientes para sugerir que um certo “enclave livre” não é apenas possível nos dias de hoje, mas é também real. Toda minha pesquisa e minhas especulações cristalizaram-se em torno do conceito de Zona Autônoma Temporária (TAZ).”

 

Toda a série TAZ - Zona Autônoma Temporária:

TAZ - Zona Autônoma Temporária - Hakim Bey - Utopias Piratas (parte I de VII)

TAZ - Zona Autônoma Temporária - Hakim Bey - Esperando pela Revolução (parte II de VII)

TAZ - Zona Autônoma Temporária - Hakim Bey - Psicotopologia da Vida Cotidiana (parte III de VII)

TAZ - Zona Autônoma Temporária - Hakim Bey - A Internet e a Web (parte IV de VII)

TAZ - Zona Autônoma Temporária - Hakim Bey - Fomos para Croatã (parte V de VII)

TAZ - Zona Autônoma Temporária - Hakim Bey - A Ânsia de Poder como Desaparecimento (parte VI de VII)

TAZ - Zona Autônoma Temporária - Hakim Bey - Caminhos de Rato na Babilônia da Informação (final)



Adicione este artigo à sua Rede Social favorita
Digg! Reddit! Del.icio.us! Google! Live! Facebook! StumbleUpon! Yahoo! Joomla Portal
Artigos recomendados

Comentários  

 
0 #1 botocudo 02-11-2009 18:28
Cara, maluco, minha careca!!!!!!
Minha careca é TAZ!!
:D

valeuz.
Citar
 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

rafael-reinehr160Rafael Reinehr é médico endocrinologista, mas seus olhos vasculham o horizonte em busca de soluções para criar um Mundo Melhor através de iniciativas como a Coolmeia, Ideias em Cooperação.

Para saber um pouco mais sobre o que o autor do blog anda fazendo hoje em dia, baixe gratuitamente o jornal Em Transe.

Você também pode Acompanhá-lo no Twitter, no Facebook e Assinar o Feed RSS do Blog.

Artigos relacionados (com tags similares)

Share
eXTReMe Tracker