Acordando com a Adrenal

As últimas "acontecências"  relacionadas à Medicina na vida de nosso valoroso MD. Eventos sociais, cursos, congressos, simpósios e palestras, todos registrados aqui.


Revista DOC e Editora DOC

Revista DOC e Editora DOC


Publicado Por em set 25, 2009

um-dia-de-medicoComo os meus seis leitores já sabem, há algum tempo venho mantendo uma coluna na versão impressa da Revista DOC, empreendimento editorial da Editora DOC. A coluna, chamada Medic(t)ando, tenta fazer um contraponto ao dia-a-dia da vida médica, esta profissão tão nobre e cada vez menos valorizada e compreendida, tanto por médicos quanto pelos pacientes.

Vivemos um período de transição na Medicina, que já dura mais de uma década. Nesse exato momento, temos pacientes e médicos insatisfeitos. De um lado, os pacientes queixam-se da demora para conseguir consultar com um especialista, dizem que consultas muito rápidas, o atendimento de pouca qualidade, muito reclamam que o médico foi ríspido e, quando precisam usar o sistema único de saúde não tem acesso a exames e procedimentos mais complexos que, muitas vezes são urgentes. Do lado médico, as queixas não são menores: baixa remuneração pelo SUS e pelos planos de saúde, glosas, carga horária excessiva (múltiplos empregos), pacientes que marcam consulta e faltam sem comunicar, outros que não aderem aos tratamentos, etc.

Em minha coluna, tento abordar um outro lado da história: aquele que o médico geralmente esquece, que é justamente sair do automático e do que “se espera” para um profissional e invadindo a área do “o que eu espero para mim e para meus pacientes”? É um espaço para reflexão, para revisão dos caminhos escolhidos. É um espaço no qual existem mais perguntas do que respostas. Estarei republicando os textos publicados na DOC por aqui nas próximas sextas-feiras, para quem quiser entender melhor do que estou falando.

Mas esta postagem também é para agradecer o presente do Renato Gregório e do Bruno Aires que me encaminharam, mui gentilmente, os 4 livros recentemente lançados pela Editora DOC, quais sejam,  Plástica do Impalpável, de Guilherme Sargentelli, Um Dia de Médico, de Bruno Aires e O Dossiê Paciente e Marketing Médico: Criando valor para o paciente, de Renato Gregório.

É impressionante como uma Editora tão jovem conseguiu, com tanta competência, enveredar nesta área tão difícil comercialmente que é a da Medicina e do marketing médico. Acompanho nos bastidores o trabalho e vejo que, realmente, a equipe tem feito um esforço considerável para manter a revista com o alto padrão que lhe caracteriza. Não poderia deixar de dar os parabéns a toda equipe da DOC e agradecer pela honra de figurar entre seus colunistas.

Eis as capas dos demais livros acima citados:

plastica-do-impalpavel
Plástica do Impalpável – Guilherme Sargentelli

o-dossie-paciente
O Dossiê Paciente – Renato Gregório

marketing-medico
Marketing Médico: criando valor para o paciente – Renato Gregório

Read More

O lítio foi primeiramente utilizado na psiquiatria em meados do século XX, sendo que os primeiros relatos de seu uso terapêutico foram feitos pelo psiquiatra australiano John Cade.

Meu amigo Luiz Eduardo Ulrich, psiquiatra de mão cheia e de grande coração, escreveu um belo artigo em seu recém-inaugurado blog sobre o Lítio: orientações gerais para pacientes. Belo trabalho de importância seminal para quem busca informações na internet. Vasculhe o link acima e bote fé. Assino embaixo.

Read More

O gato sensitivo


Publicado Por em nov 5, 2007

Desde que foi adotado, quando ainda filhote, Oscar, o gato, tem tido a habilidade bizarra de prever quando os moradores da Steere House Nursing and Rehabilitation (Providence, Rhode Island) estão para morrer. Ele vai e fica deitado na cama da pessoa que vai morrer até a sua morte, logo depois sai e continua sua ronda pelo terceiro andar do local. Ele já previu mais de 25 mortes, e sua previsão é tão boa que logo que ele entra no quarto de uma pessoa e se deita na cama dela as enfermeiras já chamam os familiares.
 
(Publicado no New England Journal of Medicine de 26 de Julho de 2007, páginas 328 e 329)
 
E agora José? 
Read More
%d blogueiros gostam disto: