A Síndrome do Impostor e o Efeito Dunning-Kruger

By Rafael Reinehr | Buscando a si mesmo

nov 14
Rafa e Sushi na Morada das Bromélias

Hoje estamos descansando, Sushi, eu e mamãe @luanarosa.bio e aproveito a chuvinha gostosa e o canto dos pássaros para revisar alguns apontamentos dos estudos e formações que fiz nos últimos 3 anos.

Encontrei anotações que fiz sobre a Síndrome do Impostor, que acontece quando, à medida que você mais sabe sobre um assunto, mais você não se sente uma autoridade sobre ele; e o seu oposto, o Efeito Dunning-Kruger, no qual pessoas que não tem conhecimento sobre um assunto tendem a ter uma falsa confiança de que de fato sejam especialistas naquele assunto. Vira uma tendência de você achar que sabe todos os fatos que há para saber, que o que você sabe é tudo que há para saber.

Lembrei disso porque, hoje em dia, pelo menos na amostra (viciada) que perpassa minhas mídias sociais e círculo de conhecidos, vejo uma “onda crítica” em direção à figura do Coach.

Essa onda se baseia não somente em especulação, mas em fatos. Perfis aqui do Instagram como @dicas_anticoach e @coachdefracassos são, além de hilários, um maravilhoso repositório do que de pior o empreendimento humano pode proporcionar. Recomendo fortemente a visita para uma dose diária de inspiração (?) e boas gargalhadas.

Ao mesmo tempo, como médico endocrinologista, olho para o lado e vejo colegas de profissão criticando a profissão ou ocupação de coach de forma generalizada, como se não houvessem pessoas sérias, que realizaram estudos aprofundados em instituições igualmente sérias, que dedicam seu tempo ao aperfeiçoamento do tempo e bem-estar humano. Esses mesmos colegas que estão preocupados apenas com a regulação bioquímica de alguns parâmetros biológicos e que não conseguem ver o indivíduo que se lhes apresenta à frente como um ser humano integral.

Se estou cada vez mais distante da medicina industrial que é dominante em nosso país e no Ocidente, estou cada vez mais próximo da Medicina, aquela do radical “mederi” (o mesmo de Meditar), que significa “saber o melhor caminho” ou “tratar”. Curar não só com medicamentos, mas com o olhar, a atenção plena, com a boa energia e os bons desejos, com o apoio mútuo e a troca de saberes e sentires.

Isso não me afasta da Ciência, mas me aproxima mais do Humano.

Ciência e Humanidade sempre serão complementares. Alimentam-se um do outro, são interdependentes. Quando usamos a Ciência como ferramenta única, me parece que perdemos um pouco da sutileza, do toque e da brandura necessárias à transformação maia profunda do ser humano. Quando adicionamos pitadas generosas de olhar, ouvir e respeitar, conseguimos promover mudanças mais integrais. Intensas. Profundas. Duradouras.

E isso independe se estamos nos relacionando com um profissional com CRM, CRP, CRN, CRTH ou outro Conselho, ou profissionais não credenciados, desde que imbuídos no verdadeiro espírito de ajudar ao ser humano ao invés de utilizar conhecimento parcial e estratégias de ludibriá-lo para benefício próprio.

Como já dizia Hannalore Gerling-Dunsmore: “Se tivermos uma grande parcela da população que não tem pensamento crítico e não sabe avaliar suas fontes, serão fáceis de manipular“.

Então, o que posso pedir nesta manhã chuvosa é: fique atento, sinta, observe, colha dados de boas fontes, peça boas indicações de pessoas confiáveis, analise os resultados (não somente aqueles oferecidos por quem está vendendo algo, mas por fontes indepententes) e siga em frente com cautela. Existem muitos bons seres humanos por aí, mas muitos estão se perdendo no caminho. Cabe a você utilizar o Bom Discernimento para separá-los.

Vida longa e boa para você. Namastê. 🙏❤️👊

Gostou deste post? Se ele lhe ajudou, que tal doar 1 real para que continuemos produzindo conteúdo assim?
Doação Única de Qualquer Valor via PagSeguro: https://pag.ae/blhvRmR
Regras para comentários: Tudo OK criticar, mas se você trolar, seu conteúdo será deletado. Divirta-se e obrigado por somar à conversação.