Category Archives for "Quase Filosofia"

Familia Reinehr 2018
jul 01

43 anos: um olhar para o presente

By Rafael Reinehr | Efervescências , Quase Filosofia

“Um pouco de perturbação faz parte do processo de mudança. Quando realizamos que é o nosso estado de consciência que influencia a percepção do mundo exterior, um avanço notável acontece. Realidades externas são apenas um reflexo do estado da mente. São as nossas competências, especialidades e poderes latentes que nos tornam efetivos em um ambiente conturbado. Para ser efetivo é preciso ser poderoso. Ser poderoso é ter a habilidade para lidar com todas as situações e aplicar o poder correto na hora certa. Para gerir mudança não basta autoconhecimento, é preciso autorrealização.” – BK Usha

Se algo aconteceu nestes últimos anos em minha vida, foi a aceleração desta percepção: a de que a vida acontece Aqui e Agora. E que é preciso muito mais do que informação, conhecimento ou mesmo sabedoria: precisamos de leveza, de propósito e de felicidade.

Da alquimia destas forças, podemos imaginar o domínio quintessencial dos poderes da mudança, que invariavelmente se lança sobre nossas vidas sem qualquer dó nem piedade.

Este é o quinto texto no qual faço uma breve retrospectiva da vida e analiso, sinteticamente, meu momento presente. Os artigos anteriores podem ser lidos nos links a seguir:

Pela primeira vez, entretanto, sinto que não tenho o que falar. Mas não porque não tenha o que falar: pois tenho muito, e meu poder de síntese parece estar fraquejando… Assim, me perdoem se falhar pela falta de concisão.

São 23:48 do dia 30 de junho de 2019 e daqui a alguns minutos, entro no dia do meu aniversário – certamente antes de terminar de escrever estas linhas, estarei “aniversariando”. No quarto à minha frente, à esquerda, meus filhos Benjamin e Conrado, dormem. No quarto à minha frente, à direita, minha esposa Luana descansa. Na rua atrás de mim, passam carros (46.2dB) de tempo em tempo, pela rua molhada da chuva que caiu ao longo do dia. Perpassam pela janela o som (35.8dB) de uma casa noturna aqui do lado, que hoje toca pagode.

Mais cedo, estivemos em Agudo, visitando minha avó Helga e minha tia Solange e tio Alberto. Almoçamos com eles e passamos a tarde lá, com os meninos. Aproveitei o tempo frio e dei uma corridinha de 4km. Há cerca de 1 mês, estabeleci que quero correr os 4km da Avenida Concórdia até a ponte e voltar em menos de 20 minutos. Hoje foi em 23’47”. Chego lá!

Nos últimos quatro anos fiz muitas escolhas. Encontrei várias bifurcações. Nem sempre fiz as escolhas que levaram para os caminhos mais leves, fáceis ou satisfatórios. Mas não me arrependo delas. Consegui tirar uma boa dose de aprendizado de cada caminho tortuoso que se apresentou após minha escolha.

Muitas dessas escolhas me levaram para um caminho que privilegiava o desenvolvimento e aperfeiçoamento continuado, a partir da minha exposição a novos saberes, novas trilhas de conhecimento ao invés do foco na expansão do ambiente profissional, remunerado. Essas escolhas, que podem parecer um tanto quanto ousadas, se baseiam em uma aposta de longo prazo ao invés de recompensas imediatas, de curto prazo.

Sempre fui aquele rapaz capaz de tolerar o adiamento da celebração e das recompensas. É diferente quando temos que considerar as demandas de outras pessoas – filhos, esposa – na equação. Acabamos por criar um output “misto”, que não agrada completamente nem a quem amamos tampouco a nós mesmos.

Fiz uma aposta no Medictando – e continuo fazendo. Fiz uma aposta nas minhas nogueiras – e continuo fazendo. Fiz uma aposta na minha formação em Mindfulness para Adultos (MBSR/MBCT) e Crianças (MBCT-C)- e continuo fazendo. Na minha formação em Terapeuta Ayurveda – e continuo fazendo. Na minha pós-graduação em Psicologia Positiva, Ciência do Bem-estar e Autorrealização – e continuo fazendo. Nos meus estudos autodidatas em Aromatologia e Fitoterapia – e continuo fazendo. Nas minhas escolhas de hábitos saudáveis e nas melhorias da minha rotina, organização do tempo, formação de hábitos e produtividade – e continuo fazendo.

E, principalmente, na mudança da utilização do meu tempo, energia e recursos de acordo com minha hierarquia de valores, mais alinhada com meus propósitos de vida, o sentido que quero dar para ela, a mensagem que desejo passar e o legado que pretendo construir e deixar para o mundo.

Aos 43 anos, quero reafirmar o desejo de viver pelo menos 180 anos. Não tenho a mínima ideia de como poderei chegar a tanto, mas não estou sozinho. Dave Asprey pensa o mesmo e Pete Diamandis acredita que pode chegar aos 700 ou mesmo viver para sempre. Essa é uma longa história e um dia eu a conto melhor.

Mas antes de viver longe, pretendo viver bem. E viver bem e feliz significa fazer aquilo que vim aqui, para esta existência fazer. No momento, estou em um processo atencioso e cuidadoso de minimizar, mês após mês, aquilo que faço por “necessidade” ou “obrigação” (todos nós temos estas atividades) e maximizando, tanto quanto possível, meu tempo realizando atividades que me deixem plenamente alinhado com meus propósitos – aumentando consideravelmente meu tempo de flow e ainda mais meu estado de bem-estar.

Um dos meus maiores projetos do momento é ser capaz de integrar e ensinar todo conhecimento, experiências, aprendizados e percepções que obtive ao estudar assuntos tão diversos em uma iniciativa chamada Cada Vez Melhor | Harmonia & Bem Viver, empreendimento este que será ao mesmo tempo uma Comunidade de Aprendizagem Online Solidária, uma Mentoria em Desenvolvimento Humano e Crescimento Pessoal e uma Oficina Continuada de Criação Alquímica de Leveza, Sabedoria, Propósito e Felicidade.

Os primeiros esboços do Cada Vez Melhor já estão rabiscados e formatados em artigos e roteiros. Tão logo eu sinta que seja o momento, eles serão tornados públicos, e poderão ser experimentados por todo aquele que está aqui nesta existência para uma vida cheia de significado e felicidade.

Enquanto isso, os princípios da Coolmeia ainda encontram-se devidamente incrustados em mim. Seu Manifesto e sua Carta de Princípios continuam fazendo parte do que me move, enquanto ser coletivo. A Coolmeia segue em pousio, mas logo há de ser reativada.

Ainda, é tempo de espalhar a Meditação e o Mindfulness pelo Brasil e pelo mundo. Cada vez mais evidências científicas acerca dos benefícios do mindfulness surgem e é encantador e excitante fazer parte do grupo de pessoas que está levando esta mensagem para adiante.

Criamos o Impermanentes | Grupo de Meditação e Mindfulness – com encontros presenciais em Santa Maria – RS e Araranguá – SC, e grupos online para todo o Brasil, a preços acessíveis, para tornar possível que todos possam aprender, praticar e se beneficiar das práticas semanais que oferecemos.

Além disso, nunca estive tão presente nas mídias sociais com conteúdos gratuitos, artigos, imagens, reflexões, respostas de dúvidas acerca de Endocrinologia, Meditação, Crescimento Pessoal e Ciência da Felicidade.

Em breve, um Canal do YouTube chamado Cada Vez Melhor deverá ir ao ar, e boa parte do conteúdo que hoje é liberado de forma “solta” passará a ficar mais organizado, e fácil de assistir. Inscreva-se no canal, ative o sininho e seja avisado sempre que houver conteúdo novo.

OK. São 00:52 e está na hora de recolher-me. O sono é aspecto importante de uma saúde plena e de uma vida equilibrada. Lembre-se de dormir pelo menos 49 horas por semana!

E, como de costume, peço sempre em meu aniversário desde os 33 anos, como presente aos meus amigos e conhecidos:

– Pratique um ato de generosidade com alguém que não conhecem. Alguém fora do círculo de amigos, familiar ou profissional. Nos próximos dias, ou na primeira oportunidade que tiver, não perca a chance de ser generoso, da forma que melhor lhe aprouver e de forma que seja útil a quem se esteja sendo gentil.

– Se quiser me dar um presente no dia de hoje, faça isso: pratique, com desapego, sem interesse por receber nada em troca, um ato de generosidade com alguém que você não conhece. Se calhar, permaneça com o espírito aberto, para repetir esta proeza quando for possível. Se conseguir, estará me dando um presente mais valioso do que qualquer um que já ganhei.

Uma excelente semana, uma excelente vida!

Família Reinehr Itaimbé

Benjamin, Rafael, Conrado e Luana, no Parque Itaimbé – Santa Maria – RS, novembro de 2018

PS: Para quem ainda não cansou de ler:

Se você ainda agüenta mais uma recomendação de leitura, fica com o Eu tive um sonho, que escrevi em 01/01/2012. Vai que te inspira a sonhar junto comigo.

O ano da colheita
jan 01

Boas vindas a 2019 – O Ano da Colheita

By Rafael Reinehr | Quase Filosofia

Seja bem-vindo 2019! Ou seria 5779? Ou 2562? ou 4717? ou ainda 31?

Imagino que você saiba que a data que muitos estão celebrando trata-se de uma convenção, adotada em alguns países como “data oficial” e, em outros, como data “complementar”, para facilitar a comunicação com outras partes do mundo. Veja um resumo de alguns outros calendários e que anos eles apresentam em 2019:

Calendário Gregoriano: 2019 (Introduzido pelo papa Gregório no século XVI (1582) nos países católicos, em substituição ao calendário Juliano)
Calendário Judaico: 5779 (Inicia com a primeira Lua Nova, que apareceu numa segunda-feira, em 7 de outubro de 3761 A.C.)
Calendário Lunar Budista: 2562 (Cronologia contada a partir da descoberta do nirvana por parte de Buda)
Calendário Etíope: 2011 (Baseado no antigo Calendário Alexandrino, com 13 meses por ano, 12 meses de 30 dias e um mês de 5 ou 6 dias dependendo se o ano é bissexto)
Calendário Muçulmano: 1440 (Cronologia contada a partir do dia em que o profeta Maomé e os primeiros muçulmanos foram de Meca a Medina (622 D.C.)
Calendário Persa: 1397 (Calendário astronômico criado com a participação do poeta, matemático e astrônomo Omar Jayam)
Calendário Hindu: 1940 (Baseado nos cálculos da era saka, e é um antigo sistema de cronologia difundido na Índia e Camboja. Entretanto, diferentes povos e tribos usam outros pontos de partida, como a Morte de Krishna em 3102 A.C., a chegada ao poder de Vikram, no ano 57 D.C.)
Calendário Japonês: 31 (Base calculada por anos de governo dos imperadores japoneses, sendo que cada imperador dá nome a determinada época, que funciona como um lema de sua gestão. A partir de 1989, o Japão entrou na “Época da paz e tranquilidade”, com o Imperador Akihito)
Calendário Chinês: 4717 (Cronologia inicia com a chegada ao poder do imperador Huangdi, em 2637 A.C. e se baseia nos ciclos astronômicos de Júpiter. Uma rotação de Júpiter em torno do Sol dura 12 anos, e os anos deste calendário receberam nomes de animais. 2019 será o Ano do Porco)
Calendário Juche: 108 (utilizado na Coréia do Norte, tem seu ponto inicial em 1912, ano do nascimento de Kim Il-Sung, fundador do Estado Norte-coreano. O ano de seu nascimento é o ano 1).

Qualquer que seja o dia, a hora, a lua ou o ano que você esteja celebrando, existe apenas uma verdade: o tempo passa para todos. Faça hoje aquilo em que acredita, viva cada dia de acordo com a sua essência, cultive a atenção plena ao agora, ao momento presente, a esta dádiva que é estar vivo neste instante. Organize seu estado mental para remoer menos o passado e pensar um pouco menos no futuro. Como dizia Howard Zinn: “O futuro é uma sucessão infinita de presentes, e viver agora da forma que acreditamos que os seres humanos devem agir, em oposição a tudo que existe de ruim ao nosso redor, já é por si uma vitória maravilhosa”.

Em 2019 e além, busque se reconectar com quem você é. Tente sair do automático. Encontre todos os dias, ou pelo menos uma vez por semana, um tempo para refletir sobre o que lhe faz feliz e se estás vivendo de acordo com os princípios nos quais acredita. Chame este momento de Tempo Sagrado, e crie um pequeno ritual para cultivá-lo, sozinho ou com pessoas que considera especiais.

Em 2019, criei um espaço assim, que irá me reconectar a minha essência, que é a de alguém que ama viver em contínuo aprendizado. Ele se chama Cada Vez Melhor, e será uma espécie de Ágora dos tempos modernos. Lá, o foco será o crescimento intelectual, emocional e espiritual dos seres humanos. Teremos uma linha guia inicial, chamada de 16 Fatias da Saúde Integral, da Harmonia e da Felicidade, mas o tempo mostrará que a construção coletiva de saberes, devires e sentires será muito mais importante do que qualquer ponto ou porto de partida. Iniciaremos nossa jornada no dia 07 de janeiro, e você está convidado a, desde já, navegar conosco, deixando seu contato para que eu possa te explicar melhor, pessoalmente.

Em 2019 quero mais singularidade e menos generalismo. Quero saborear o gosto de cada mordida, a lambida de cada brisa e sentir a umidade de cada gota de orvalho. Mas se isso me sobrecarregar, quero saber reduzir o ritmo, desacelerar, e me permitir estar presente somente onde e naqueles instantes que forem significativos. Vou aprender, com gentileza e respeito, a dizer não.

Seja lindo, potente e cheio de maravilhosas realizações da espécie humana, 2019, pois ímpar já és. Que os empreendimentos da nossa espécie sejam crescentemente pautados pela busca do bem comum e que possamos, na retrospectiva dos teus dias, sentirmos que avançamos um pouco mais em relação ao tempo que passou.

Um Feliz 2019 a todos que compartilham e se aventuram neste momento no tempo e no espaço.

Saiba fazer deste ano um Ano de Colheitas, um ano para uma vida e um mundo #CadaVezMelhor.

Rafael Reinehr
PhD em bolinha de gude, jogo da amarelinha y outras coisinhas mais

Pequeno guia para o futuro médico.
jul 01

Pequeno guia para o futuro médico, por Rafael Reinehr

By Rafael Reinehr | Bem-estar , Buscando a si mesmo , Novidades! , Quase Filosofia

Hoje estou completando 40 anos de idade.

Como gosto de dizer, estou chegando ao final do primeiro quarto da minha vida. Vamos aos 120 faltantes!

Nos últimos anos, questionei meu próprio lugar na profissão que escolhi, lá nos meus 16 ou 17 anos: a Medicina.

Muito deste questionamento adveio da desilusão  em relação à indústria da Medicina: a mecanização e desumanização do atendimento, o farmacocentrismo do tratamento, diagnósticos cada vez mais superficiais em função de uma atenção cada vez menor ao que os sinais e sintomas do paciente tem a nos dizer, a falta de desejo verdadeiro dos próprios pacientes em buscar a melhora de suas condições (ou pelo menos a motivação insuficiente em realizar as mudanças de hábito de vida necessárias a uma vida saudável) e a consciência de que as ferramentas que me haviam sido passadas na Medicina Alopática Ocidental eram, apesar de poderosas, francamente insuficientes para cumprir a missão à qual havia sido designado.Pedras harmonia

Mas, curiosamente, nos últimos 2 anos, começou a surgir uma percepção diferente de como eu poderia gerar uma reação a este modelo medicocêntrico e recuperar o “tesão” pela promoção da saúde, de uma forma nunca antes experimentada por mim nestes últimos 16 anos de formado.

Essa reação veio na forma de duas iniciativas. A primeira delas, o Medictando, um portal de Educação em Saúde, Qualidade de Vida, Bem-estar e Felicidade. Em resumo, um portal que tem como missão ajudar as pessoas a Bem Viver; a segunda, a ser lançado ainda neste mês de julho, a ZenNature, um espaço onde efetivamente o bem viver é representado pelos produtos que consumimos e que trazemos para dentro de nossa casa, para nossa família e para dentro dos nossos corpos.

Para bem além do conceito de “ausência de doença”,

a abordagem de saúde que busco promover é aquela inspirada pelo Benson-Henry Institute, de Boston: criar as condições para que cada ser humano atinja sua potência plena na face da terra, enquanto um ser vivo integral em suas dimensões física, mental, emocional, social e espiritual.

Passei quatro décadas aprendendo. É hora de devolver ao Universo um pouco da sabedoria que me foi concedida, ao mesmo tempo em que sigo, continua e dedicadamente, absorvendo e aprendendo com todo estímulo possível que me é ofertado.

E em breve, tenho um convite muito muito especial a te fazer. Vou te convidar a participar junto comigo desse sonho e desse caminho, como meu apoiador ou minha apoiadora, lá na página do Patreon que estou criando para possibilitar que esta jornada, que esta aventura seja a mais intensa, duradoura, profunda e abrangente possível. Te quero parte dessa tribo de pessoas que acreditam no humano como força propulsora de sua própria vontade, como catalisador da mudança de um estado atual para outro, melhor.

Estou preparando um texto, que vou transformar em vídeo, para te explicar melhor como você pode me ajudar! Fique atento(a) nos próximos dias!

Pedras equilíbrio harmonia

Para que este escrito aqui não se transforme em um romance, me despeço recuperando aqui um pequeno textículo que escrevi em 21/08/1998, quando ainda era estudante do nono semestre de Medicina da UFRGS. Creio que ele serve como ponte para o momento atual que vivo e que vivi naquela época, há 18 anos:

Pequeno guia para o futuro médico

  1. O médico ocupa-se com um único organismo, o sujeito humano, em luta para preservar sua identidade em circunstâncias adversas;
  2. Curiosidade intelectual é essencial; apenas o médico curioso pode progredir em relação à doença do paciente assim como na ciência da Medicina;
  3. A prática da Medicina é uma arte tanto quanto uma ciência; a habilidade de um médico em ajudar um paciente depende não apenas de seu conhecimento mas da maneira que ele o utiliza;
  4. As ferramentas mais importantes do médico continuam sendo seus olhos, mãos e ouvidos; as capacidades básicas em cuidar de pacientes requerem inspeção, palpação e, mais importante, a escuta atenciosa;
  5. Nem sempre se pode curar uma pessoa, mas sempre podemos confortá-la;
  6. Tornar-se médico não é apenas completar a faculdade e a residência: é antes de mais nada escolher por um modo de vida, permeado e determinado por questões morais e éticas, para o resto da vida;
  7. Cada palavra que pregamos, cada ato que realizamos, irradia de nossos corpos e vai se espalhar, distribuindo à Natureza nossos sentimentos, sentimentos esses que são por ela captados e devolvidos integralmente. Só quando todos nos dermos conta disso poderemos, finalmente, curar uma pessoa. Até lá, nos resta seguir aprendendo.

 

39 anos!
jul 01

39 anos, uma Odisseia

By Rafael Reinehr | Efervescências , Quase Filosofia

rafael-reinehr-o-grito

mis-én-scene, ou esbravejando, na Marcha das Vadias de Criciúma – foto Mariana Noronha

Da última vez que nos encontramos para um bate-papo assim tão longo, eu tinha 33 anos, está lembrado? . Ainda, como naquela ocasião, sinto que nada me falta. Materialmente falando. Tudo o que busco agora é preencher alguma possível lacuna espiritual. Ou então, quem sabe, é conseguir esvaziar-me por completo, e perceber que o Tudo e o Nada são, enfim, a mesma coisa.

Papos zen à parte, descobri muita coisa nestes últimos seis anos.

Acho que pode ser interessante compartilhá-las aqui, nesta conversa leve e solta que estou tendo com você.

rafael-reinehr-coolmeia

cozinhando para os amigos, no Solar das Lagartixas

Em primeiro lugar, quero dizer que melhorei muito em alguns aspectos neste período. Mas acho que posso ter piorado em outros, também. Aproveite para descer a lenha em mim nos comentários! Espero que, no cômputo geral,  se é que isso existe, o saldo tenha sido positivo.

Aprendi que, para um casamento durar, não basta querer. Não basta que somente um seja “nós”, mas que ambos o sejam. Aprendi que o desencanto pode surgir assim, de uma hora para outra. Mesmo que esta “hora para outra” não seja assim tão instantânea… Aprendi que olhar para o mundo, tentar salvar “o mundo”, começa, na verdade, por olhar pra gente, para dentro, e começar por nós mesmos. Na verdade eu sempre soube: a distância entre a teoria e a prática é que são elas… O resto é consequência, o resto é respingo das mudanças que promovemos de dentro pra fora…

Aprendi como é bom poder voar e criar novamente, como é bom fazer novos planos, outros planos, sentir novos ares, outros ares e perscrutar novos-velhos lugares. Aprendi que sempre que caímos, podemos levantar, e que as feridas dóem mas saram. E nos ensinam. E o que aprendemos, levamos conosco no caminho que segue.

rafael-reinehr-flapoa

Falando sobre a Coolmeia, na Feira do Livro Anarquista de Porto Alegre

Voltei a me apaixonar pela música, e estou me dedicando progressivamente mais ao estudo das quatro e das seis cordas. Voltei a tocar em uma banda. E vamos logo logo gravar um compacto.

Voltei a escrever. E voltei a ser eu mesmo. Voltei a Escrever Por Escrever. E voltei a ousar. E voltei a assinar mais em meu nome e menos em nome da coletividade. Ego x Eco. Lego – Levo.

Voltei a me apaixonar, e estou me dedicando cada vez mais ao novo amor, de dia, de noite, de madrugada, em cima da cama e embaixo da escada…

Continuo sentindo e aprendendo que nossa meta precisa ser o bem, e que na hora em que menos esperamos, ele retorna pra gente, pelo menos na mesma intensidade mas geralmente em quantidade muito excedente à que praticamos. Hoje, dia primeiro de julho de 2015, quando completo meus 39 anos e – novamente – não vou fazer festa, mas sim festejar com minha namorada

rafael-reinehr-conrado-ben

com Conrado e Benjamin, na casa da vó Gisa

 

e meus filhos, jantando com calma, paz e delícia, Hoje, dia como qualquer outro, mas se não

fosse eu, seria outro, recebo uma ligação que vale como um desses presentes inesperados que a vida nos dá. Senta que lá vem história:

Há algumas semanas, colocaram para alugar aqui em Santa Maria – RS um local no qual havia sido, por 19 anos, uma loja de discos, CDs, camisetas, discos de vinil, chamada Exclusive. Essa loja fechou e o local, o segundo andar de um sobrado construído na década de 20 do século passado, fica na mesma quadra da escola dos meus filhos, em cima de uma padaria, em área central da cidade e perto de tudo, inclusive do meu trabalho, para o qual posso ir caminhando. O problema: a reforma dessa casa tem um valor relativamente significativo, já que todo piso, forro e aberturas estão tomados de cupins. Basicamente, tudo precisa ser trocado. Apesar de querer ficar muito morando lá, e até mesmo utilizar o local como algum ponto de encontro cultural ou de ativismo sócio-ambiental na cidade, os altos custos tornavam as possibilidades de mudança para lá remotas. Agora, a mágica: a ligação que recebi foi do proprietário que, ao conversar com sua irmã, e sentindo minha boa vontade em cuidar com verdadeiro carinho e apreço pelo lugar, decidiram dar-me 2 anos (DOIS ANOS!) de carência no aluguel, para que eu possa realizar as reformas planejadas!!! Ypiiii! Um presentão! É aí que se fala de ganha-ganha: ganho eu, ganham eles, ganha a comunidade santamariense… Ideias já fervilham sobre o que irá acontecer no novo Solar da Andradas. Chega mais, e vem contar esse nova página da história com a gente!

rafael-reinehr-capa-de-livro

foto do amigo André Jacob, brincadeira em estúdio

E a vida rebrota. Morre-se, composta-se, revive-se e o ciclo finda infinitas vezes para reiniciar aqui e acolá, mutante, mudado, mudante…

Seis anos depois, uma coisa não muda: ainda espero que minhas amigas e amigos de verdade continuem me presenteando

com o que pedi, pela primeira vez, naquela ocasião: “se quiser me dar um presente no dia de hoje (ou em qualquer tempo), faça isso: pratique, com desapego, sem interesse por receber nada em troca, um ato de generosidade com alguém que você não conhece. Se calhar, permaneça com o espírito aberto, para repetir esta proeza quando for possível. Se conseguir, estará me dando um presente mais valioso do que qualquer um que já ganhei.”

conrado-luana-ben-rafa

Conrado, Luana, Benjamin e eu, na casa da bisa Helga, em Agudo.

 

dez 31

2014, o ano do jeito que eu precisava; 2015, o ano de entrar no fluxo

By Rafael Reinehr | Quase Filosofia

Esse ano não aconteceu do jeito que eu queria…

Mas provavelmente, deve ter sido do jeito que eu precisava…

Essa reflexão que serviu para mim, talvez tenha servido para você também. Muitas das escolhas que fazemos não são as mais sábias, ou mesmo que sejam, não são bem compreendidas por quem convive conosco.

As mudanças que se imprimem sobre nossas vidas nem sempre são controláveis ou contornáveis: respondem a várias variáveis e são determinadas pelo ambiente, por outras pessoas, por fatos e eventos distantes e sim, uma parte delas cabe a nós determinar.

Quem acha que, a qualquer momento, tem a situação toda sob controle, ainda não sofreu com a força do vento.

Que em 2015 tenhamos a sabedoria de andar com o fluxo, de ouvir e aprender, de se aquietar mas também de irromper e agir na hora certa. Que possamos conviver com a maior dádiva que temos que é o Agora, com nosso maior presente que é o Presente. Não vamos deixar para depois…

Neste mesmo ano que me trouxe perdas e afastamentos, foi também riquíssimo em encontros, reaproximações e novas possibilidades.

Que os ventos da mudança continuem soprando e nos levem até as praias paradisíacas que só nos sonhos mais desviantes conseguimos imaginar.

Ficam os votos de um excelente início de 2015 a todxs meus amigxs, familiares e conhecidxs. As portas do Solar das Lagartixas, da Fazenda Bom Encontro e do Aconchego das Dores estarão abertas para todxs.

Um abraço fraterno, solidário e libertário,

Feliz 2015.

Rafael Reinehr

 

O que aconteceu com o cristal?
set 28

O que aconteceu com o cristal?

By Rafael Reinehr | Quase Filosofia

(esta história relaciona-se com uma passagem bem particular da minha vida, e qualquer semelhança com a realidade não é mera coincidência).

O que falta responder?

Falta descobrir o que aconteceu com o cristal. O cristal quebrou? Ou ele está envolto em uma grossa camada de barro, oculto embaixo dela? Se quebrou, não tem como ser consertado. Não tem mais como ser “aquele cristal” de antes. Sem jeito. Se está coberto de barro, basta lavá-lo, cuidadosa e persistentemente. O barro vai sair e o cristal continuará lá, lindo e transparente.
Mas a complexidade da imaginação humana consegue, ainda encontrar mais soluções além destas duas que surgem à primeira vista (aceitar a perda do cristal ou tirar-lhe a sujeira).
Podemos adquirir outro cristal ou então, ao invés disso, podemos “remixar o cristal”. Adquirir outro cristal pode ser o caminho mais fácil. Nos desapegamos do cristal antigo e buscamos, quer seja em um antiquário ou então em uma loja qualquer, um cristal para substituir aquele que quebrou. O novo cristal é a negação do antigo. É a busca de outra história, mesmo que seja repetindo os mesmos caminhos (queremos, novamente, um cristal).
Mas existe ainda uma quarta solução, advinda da cultura japonesa, chamada Kintsugi. Kintsugi é a arte de reconstruir cerâmicas quebradas com uma resina misturada com pigmentos de ouro, prata ou platina. (Veja algumas imagens em http://www.pinterest.com/egurian/kintsugi-repaired-in-gold/). A filosofia por trás do Kintsugi nos ensina que o quebrar e reparar se torna uma parte da história do objeto, ao invés de simplesmente rejeitá-lo.
O Kintsugi pode se relacionar à filosofia japonesa do “no mind”, que encompassa os conceitos de desapego, aceitação da mudança e destino como aspectos da vida humana.
Significa respeitar e abraçar amorosamente a história do objeto, e buscar o novo através de novos caminhos – já não precisamos de um cristal perfeito, mas valorizamos a história daquele cristal que a partir de agora, é único, não mais “fabricado em série”.
Saberemos ser artesãos de nossas próprias vidas? Ou buscaremos outros cristais, outras histórias, para logo ali na frente descobrir que estamos repetindo o mesmo padrão de sempre?

A resposta encontra-se dentro de cada um, e somente cada um de nós consegue submergir e resgatá-la.

Bom mergulho!

(este texto foi escrito para uma pessoa muito especial, que está em um caminho de descoberta, compreensão e busca de si mesma, mas serve como reflexão para cada um de nós, em nossas próprias buscas pessoais)

Viena, 18 de setembro de 2014.

 

dez 31

O ano da empatia

By Rafael Reinehr | Quase Filosofia

Está no ar um grande sensação de que tem algo sobrando e, ao mesmo tempo, tem algo faltando.

A cada dia, mais e mais pessoas estão deixando de morder o anzol da máquina publicitária, que vende como ideal uma vida repleta de posses, pautada por um consumo infinito que, ao mesmo tempo, consome todo o nosso dia. Exemplos advindos dos quatro cantos do mundo mostram como é possível construir uma vida mais significativa, baseada em laços de solidariedade, apoio mútuo, confiança, empatia e gratidão.

Estamos progressivamente mais antenados com as vantagens mas também com as limitações que uma vida altamente tecnológica nos impõe. Ao mesmo tempo, temos nossas distâncias encurtadas, toda comunicação acontece de forma extremamente rápida. O mundo em uma casca de noz. Ao mesmo tempo, a hiperinformação nos deixa mais confusos e estabanados do que nunca. Não sabemos como processar tantos dados e estímulos. Estamos sofrendo de fadiga de escolha. Todas as escolhas que aqueles que dizem nos governar tem sistematicamente feito, não tem ajudado a reduzir a injustiça, a violência, a opressão e a desigualdade e, em alguns casos, tem feito aumentar. A percepção deste “abandono” por parte das instituições oficiais, que estão mais preocupadas em se autogovernar e se autossustentar do que prover as necessidades – mesmo as básicas – à população que outrora nelas confiava, tem gerado uma “corrida às montanhas”, uma busca de alternativas por parte de um grupo de pessoas que não irá esperar o barco afundar para depois telefonar de seu micoPhone encomendando um par de salva-vidas furado da China.

Estas pessoas estão se organizando em coletivos, movimentos, redes e grupos de afinidades através das planícies, colinas e urbes. Estão decididamente criando novas-velhas formas de se relacionar, baseadas em uma série de princípios libertários, que negam a opressão, a dominação e a hierarquia para fundar uma nova base, horizontal, colaborativa, empática e entremeada pela confiança mútua, há muito perdida na sociedade contemporânea. Este retorno a práticas ancestrais precisa ser celebrado.

Junte-se a nós no Solar das Lagartixas para um jantar e potluck comunal. No dia 22 de janeiro iremos cozinhar um jantar vegano simples, mas encorajamos outros a trazerem coisas para comer: frutas, vegetais para cozinhar ou comer crus, pães e queijos, vinhos e sucos, sobremesas ou o que desejar.

— Será um momento para compartilhar alguns momentos juntos, fora dos espaços nos quais nos encontramos sempre instrumentalizando, profissionalizando e racionalizando nosso tempo, relações, decisões e vidas.

— Um tempo para comer, falar, encontrar uma o outro, para diretamente se contrapor à fragmentação social, individualismo e solidão que vemos em qualquer lugar para o qual olhamos.

— Para nos mover em direção a nos sustentarmos coletivamente fora das nossas relações individuais com o mercado e o estado; para conquistar uma maior autonomia material coletivamente Isso significa iniciar e prosseguir com uma série de práticas e relações; ser consistente e confiável; estabelecer uma fundação forte para uma nova forma de vida. Isso é parte de uma estratégia para resistir ao que nossas vidas se tornarão se não nos organizarmos.

Nós queremos uma política que leve a sério nossa prória realidade como base para a auto-organização. Uma política que reconheça que se organizar coletivamente ao redor das nossas necessidades com amigos, camaradas, amantes, vizinhos, colegas de trabalho e membros da família se tornará a base para as nossas comunas. Nossa habilidade de sobrepujar a degradação trazida pela atual crise social, política, econômica e ambiental se dá na medida da nossa capacidade para sermos solidários e do nosso desejo em estarmos auto-organizados.

Em 2014, mostraremos que nossa capacidade de comunicação e articulação está mais vicejante do que nunca. E é só o começo.

22 de janeiro de 2014, 20 horas
Solar das Lagartixas
Rua Sergipe, 339
Jardim das Avenidas
Araranguá – SC
(Sacola mágica estará recebendo contribuições espontâneas para a Coolmeia)

Ou em qualquer local e horário perto de você. Inspire-se: conspire!
Referências:

 Referências:  1. Inspiração para convite: jantar de solstício do The Base, NY - dezembro de 2013 2. BAUWENS, M. - Reestruturando a economia com a empatia em seu centro  - bclog.p2pfoundation.net/restructuring-the-economy-with-empathy-as-its-center/2013/12/29 3. Center for Building a Culture of Empathy - http://cultureofempathy.com/
morte e renascimento
set 02

Samsara

By Rafael Reinehr | Quase Filosofia

Samsara (sânscrito-devanagari: संसार: , perambulação) pode ser descrito como o fluxo incessante de renascimentos através dos mundos.

Na maioria das tradições filosóficas da Índia, incluindo o Hinduísmo, o Budismo e o Jainismo, o ciclo de morte e renascimento é encarado como um fato natural. Esses sistemas diferem, entretanto, na terminologia com que descrevem o processo e na forma como o interpretam. A maioria das tradições observa o Samsara de forma negativa, uma condição a ser superada. Por exemplo, na escola Advaita de Vedanta hindu, o Samsara é visto como a ignorância do verdadeiro eu, Brahman, e sua alma é levada a crer na realidade do mundo temporal e fenomenal. (Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Samsara)

Este clip é um vídeo de 6 minutos de um filme de 100 minutos, filmado em 25 países e que explora muitos outros aspectos da experiência humana.

Filmado em 70mm (!!!), é um dos poucos do gênero no mundo.

1 2 3 5