43 anos: um olhar para o presente

By Rafael Reinehr | Efervescências

jul 01
Familia Reinehr 2018

“Um pouco de perturbação faz parte do processo de mudança. Quando realizamos que é o nosso estado de consciência que influencia a percepção do mundo exterior, um avanço notável acontece. Realidades externas são apenas um reflexo do estado da mente. São as nossas competências, especialidades e poderes latentes que nos tornam efetivos em um ambiente conturbado. Para ser efetivo é preciso ser poderoso. Ser poderoso é ter a habilidade para lidar com todas as situações e aplicar o poder correto na hora certa. Para gerir mudança não basta autoconhecimento, é preciso autorrealização.” – BK Usha

Se algo aconteceu nestes últimos anos em minha vida, foi a aceleração desta percepção: a de que a vida acontece Aqui e Agora. E que é preciso muito mais do que informação, conhecimento ou mesmo sabedoria: precisamos de leveza, de propósito e de felicidade.

Da alquimia destas forças, podemos imaginar o domínio quintessencial dos poderes da mudança, que invariavelmente se lança sobre nossas vidas sem qualquer dó nem piedade.

Este é o quinto texto no qual faço uma breve retrospectiva da vida e analiso, sinteticamente, meu momento presente. Os artigos anteriores podem ser lidos nos links a seguir:

Pela primeira vez, entretanto, sinto que não tenho o que falar. Mas não porque não tenha o que falar: pois tenho muito, e meu poder de síntese parece estar fraquejando… Assim, me perdoem se falhar pela falta de concisão.

São 23:48 do dia 30 de junho de 2019 e daqui a alguns minutos, entro no dia do meu aniversário – certamente antes de terminar de escrever estas linhas, estarei “aniversariando”. No quarto à minha frente, à esquerda, meus filhos Benjamin e Conrado, dormem. No quarto à minha frente, à direita, minha esposa Luana descansa. Na rua atrás de mim, passam carros (46.2dB) de tempo em tempo, pela rua molhada da chuva que caiu ao longo do dia. Perpassam pela janela o som (35.8dB) de uma casa noturna aqui do lado, que hoje toca pagode.

Mais cedo, estivemos em Agudo, visitando minha avó Helga e minha tia Solange e tio Alberto. Almoçamos com eles e passamos a tarde lá, com os meninos. Aproveitei o tempo frio e dei uma corridinha de 4km. Há cerca de 1 mês, estabeleci que quero correr os 4km da Avenida Concórdia até a ponte e voltar em menos de 20 minutos. Hoje foi em 23’47”. Chego lá!

Nos últimos quatro anos fiz muitas escolhas. Encontrei várias bifurcações. Nem sempre fiz as escolhas que levaram para os caminhos mais leves, fáceis ou satisfatórios. Mas não me arrependo delas. Consegui tirar uma boa dose de aprendizado de cada caminho tortuoso que se apresentou após minha escolha.

Muitas dessas escolhas me levaram para um caminho que privilegiava o desenvolvimento e aperfeiçoamento continuado, a partir da minha exposição a novos saberes, novas trilhas de conhecimento ao invés do foco na expansão do ambiente profissional, remunerado. Essas escolhas, que podem parecer um tanto quanto ousadas, se baseiam em uma aposta de longo prazo ao invés de recompensas imediatas, de curto prazo.

Sempre fui aquele rapaz capaz de tolerar o adiamento da celebração e das recompensas. É diferente quando temos que considerar as demandas de outras pessoas – filhos, esposa – na equação. Acabamos por criar um output “misto”, que não agrada completamente nem a quem amamos tampouco a nós mesmos.

Fiz uma aposta no Medictando – e continuo fazendo. Fiz uma aposta nas minhas nogueiras – e continuo fazendo. Fiz uma aposta na minha formação em Mindfulness para Adultos (MBSR/MBCT) e Crianças (MBCT-C)- e continuo fazendo. Na minha formação em Terapeuta Ayurveda – e continuo fazendo. Na minha pós-graduação em Psicologia Positiva, Ciência do Bem-estar e Autorrealização – e continuo fazendo. Nos meus estudos autodidatas em Aromatologia e Fitoterapia – e continuo fazendo. Nas minhas escolhas de hábitos saudáveis e nas melhorias da minha rotina, organização do tempo, formação de hábitos e produtividade – e continuo fazendo.

E, principalmente, na mudança da utilização do meu tempo, energia e recursos de acordo com minha hierarquia de valores, mais alinhada com meus propósitos de vida, o sentido que quero dar para ela, a mensagem que desejo passar e o legado que pretendo construir e deixar para o mundo.

Aos 43 anos, quero reafirmar o desejo de viver pelo menos 180 anos. Não tenho a mínima ideia de como poderei chegar a tanto, mas não estou sozinho. Dave Asprey pensa o mesmo e Pete Diamandis acredita que pode chegar aos 700 ou mesmo viver para sempre. Essa é uma longa história e um dia eu a conto melhor.

Mas antes de viver longe, pretendo viver bem. E viver bem e feliz significa fazer aquilo que vim aqui, para esta existência fazer. No momento, estou em um processo atencioso e cuidadoso de minimizar, mês após mês, aquilo que faço por “necessidade” ou “obrigação” (todos nós temos estas atividades) e maximizando, tanto quanto possível, meu tempo realizando atividades que me deixem plenamente alinhado com meus propósitos – aumentando consideravelmente meu tempo de flow e ainda mais meu estado de bem-estar.

Um dos meus maiores projetos do momento é ser capaz de integrar e ensinar todo conhecimento, experiências, aprendizados e percepções que obtive ao estudar assuntos tão diversos em uma iniciativa chamada Cada Vez Melhor | Harmonia & Bem Viver, empreendimento este que será ao mesmo tempo uma Comunidade de Aprendizagem Online Solidária, uma Mentoria em Desenvolvimento Humano e Crescimento Pessoal e uma Oficina Continuada de Criação Alquímica de Leveza, Sabedoria, Propósito e Felicidade.

Os primeiros esboços do Cada Vez Melhor já estão rabiscados e formatados em artigos e roteiros. Tão logo eu sinta que seja o momento, eles serão tornados públicos, e poderão ser experimentados por todo aquele que está aqui nesta existência para uma vida cheia de significado e felicidade.

Enquanto isso, os princípios da Coolmeia ainda encontram-se devidamente incrustados em mim. Seu Manifesto e sua Carta de Princípios continuam fazendo parte do que me move, enquanto ser coletivo. A Coolmeia segue em pousio, mas logo há de ser reativada.

Ainda, é tempo de espalhar a Meditação e o Mindfulness pelo Brasil e pelo mundo. Cada vez mais evidências científicas acerca dos benefícios do mindfulness surgem e é encantador e excitante fazer parte do grupo de pessoas que está levando esta mensagem para adiante.

Criamos o Impermanentes | Grupo de Meditação e Mindfulness – com encontros presenciais em Santa Maria – RS e Araranguá – SC, e grupos online para todo o Brasil, a preços acessíveis, para tornar possível que todos possam aprender, praticar e se beneficiar das práticas semanais que oferecemos.

Além disso, nunca estive tão presente nas mídias sociais com conteúdos gratuitos, artigos, imagens, reflexões, respostas de dúvidas acerca de Endocrinologia, Meditação, Crescimento Pessoal e Ciência da Felicidade.

Em breve, um Canal do YouTube chamado Cada Vez Melhor deverá ir ao ar, e boa parte do conteúdo que hoje é liberado de forma “solta” passará a ficar mais organizado, e fácil de assistir. Inscreva-se no canal, ative o sininho e seja avisado sempre que houver conteúdo novo.

OK. São 00:52 e está na hora de recolher-me. O sono é aspecto importante de uma saúde plena e de uma vida equilibrada. Lembre-se de dormir pelo menos 49 horas por semana!

E, como de costume, peço sempre em meu aniversário desde os 33 anos, como presente aos meus amigos e conhecidos:

– Pratique um ato de generosidade com alguém que não conhecem. Alguém fora do círculo de amigos, familiar ou profissional. Nos próximos dias, ou na primeira oportunidade que tiver, não perca a chance de ser generoso, da forma que melhor lhe aprouver e de forma que seja útil a quem se esteja sendo gentil.

– Se quiser me dar um presente no dia de hoje, faça isso: pratique, com desapego, sem interesse por receber nada em troca, um ato de generosidade com alguém que você não conhece. Se calhar, permaneça com o espírito aberto, para repetir esta proeza quando for possível. Se conseguir, estará me dando um presente mais valioso do que qualquer um que já ganhei.

Uma excelente semana, uma excelente vida!

Família Reinehr Itaimbé

Benjamin, Rafael, Conrado e Luana, no Parque Itaimbé – Santa Maria – RS, novembro de 2018

PS: Para quem ainda não cansou de ler:

Se você ainda agüenta mais uma recomendação de leitura, fica com o Eu tive um sonho, que escrevi em 01/01/2012. Vai que te inspira a sonhar junto comigo.

Gostou deste post? Se ele lhe ajudou, que tal doar 1 real para que continuemos produzindo conteúdo assim?
Doação Única de Qualquer Valor via PagSeguro: https://pag.ae/blhvRmR
Regras para comentários: Tudo OK criticar, mas se você trolar, seu conteúdo será deletado. Divirta-se e obrigado por somar à conversação.

(7) comments

Add Your Reply